Manuel Carmo Gomes distinguido com Medalha de Serviços Distintos do Ministério da Saúde

Grau ouro atribuído pelos serviços prestados na resposta à pandemia

Marta Temido a dar a medalha a Manuel Carmo Gomes

Manuel Carmo Gomes foi distinguido com a Medalha de Serviços Distintos – grau Ouro do Ministério da Saúde

Ministério da Saúde

Manuel Carmo Gomes, professor do Departamento de Biologia Vegetal (DBV) da Ciências ULisboa, foi um dos especialistas distinguidos com a Medalha de Serviços Distintos – grau Ouro do Ministério da Saúde (MS). A distinção foi atribuída por Marta Temido, ministra da Saúde, em reconhecimento pelo trabalho desenvolvido no âmbito da resposta à COVID-19.

A cerimónia, ocorrida a 9 de março nas instalações do Infarmed, reconheceu especialistas pelo aconselhamento técnico prestado ao MS, e instituições públicas pelo importante empenho na campanha de vacinação contra a COVID-19 em Portugal. Dias antes foi a vez do Presidente da República condecorar o Serviço Nacional de Saúde, como membro honorário da Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito. Após essa cerimónia, Marcelo Rebelo de Sousa jantou com os especialistas que contribuíram para a análise da “Situação epidemiológica da COVID-19 em Portugal" nas reuniões do Infarmed.

foto de grupo
Foram premiados especialistas de diversas áreas do conhecimento
Fonte MS

Assim, foi atribuída a Medalha de Serviços Distintos – grau Ouro do Ministério da Saúde a 13 especialistas nas áreas da Epidemiologia, saúde pública e Ciências Sociais: Ana Paula Rodrigues, Ausenda Machado, Baltazar Nunes, Carla Nunes, Fátima Ventura, Henrique Barros, João Paulo Gomes [em nome do Núcleo de Bioinformática e da Unidade de Tecnologia e Inovação do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA)], Manuel Carmo Gomes, Milton Severo, Óscar Felgueiras, Pedro Pinto Leite [em nome da Direção de Serviços de Informação e Análise da Direção-Geral da Saúde (DGS)], Raquel Duarte e Válter Fonseca.

Ao longo dos últimos dois anos de pandemia, o Ministério procurou ouvir especialistas de várias áreas do conhecimento, para que a estratégia de adequação das medidas de resposta à COVID-19 estivesse suportada na melhor evidência científica.

O MS reconheceu ainda a relevância da campanha de vacinação contra a COVID-19, que permitiu conter a doença e proteger os sistemas de saúde, atribuindo esta distinção às seguintes instituições: Núcleo de Coordenação do Plano de Vacinação contra a gripe sazonal e contra a COVID-19, na pessoa do coronel Carlos Penha Gonçalves, Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte, ARS do Centro, ARS de Lisboa e Vale do Tejo, ARS do Alentejo e ARS do Algarve, DGS, Administração Central do Sistema de Saúde, Infarmed, INEM, INSA, Serviços de Utilização Comum dos Hospitais, Serviços Partilhados do MS.

medalhas
Medalhas de Serviços Distintos
Fonte MS


A medalha de serviços distintos existe desde 1965, e destina-se a galardoar pessoas que tenham praticado atos de abnegação, caridade, altruísmo ou beneficência, ou tenham prestado serviços relevantes à saúde pública ou à assistência social. Pode ainda ser concedida aos organismos, instituições ou empresas que se distingam pela sua atividade nos sectores da saúde ou da assistência ou para eles tenham contribuído de modo relevante.

Corridos dois anos desde o surgimento do primeiro caso de COVID-19, Marta Temido deixou uma mensagem de reconhecimento e agradecimento aos distinguidos, assim como a todas as equipas que fizeram parte do processo. Dada a enorme exigência destes dois anos de trabalho e as múltiplas reuniões e horas de trabalho, Marta Temido enalteceu o trabalho dos especialistas medalhados, na análise, estudo, investigação e recolha de dados, e das instituições distinguidas, na logística e prossecução das tarefas inerentes ao combate à pandemia.

Professor do DBV Ciências ULisboa, desde 1985, Manuel Carmo Gomes é membro da Comissão Técnica de Vacinação, órgão com funções consultivas junto da DGS, uma colaboração com mais de 20 anos. Com mestrado em Probabilidades e Estatística, doutoramento em Biologia e um percurso de 25 anos dedicado à propagação de doenças infeciosas, é um dos peritos em Epidemiologia e especialista de referência na análise das questões relacionadas com a pandemia por COVID-19.

As primeiras palavras de Manuel Carmo Gomes são de agradecimento à Ministra da Saúde, pelo reconhecimento do trabalho realizado desde o início da pandemia, destacando a preocupação manifestada pelo Governo em dar ouvidos à ciência antes de tomar qualquer decisão.

A sua colaboração com o MS iniciou-se em fevereiro de 2020, a propósito da necessidade de pensar na constituição de uma reserva estratégica de medicamentos. O especialista explica que “embora ainda não houvessem casos em Portugal, a pandemia já tinha causado 80 mil infeções na China e chegavam notícias muito preocupantes do norte de Itália e da região de Madrid”. A duração e a exigência do percurso que viriam a percorrer eram ainda totalmente desconhecidos.

“Uma coisa é estudar pandemias nos livros, outra é vivê-las. Uma pandemia implica (quase por definição) que surgiu um microrganismo novo, sobre o qual a experiência do passado pode revelar-se muito insuficiente.” Manuel Carmo Gomes

Em 2021 Manuel Carmo Gomes protagonizou um vídeo explicativo, gravado em janeiro desse ano, com perguntas e respostas sobre a vacina contra a COVID-19 e que surgiu por iniciativa de uma estudante da Faculdade, Samanta Freire. Em março de 2020, escreveu sobre a pandemia num artigo de opinião intitulado “A Faculdade e a COVID-19” e em novembro de 2021 assinou o ensaio “COVID-19 em Portugal: situação atual e perspetivas para o futuro” com o professor Carlos Antunes, seu colega.

A cada dia foram surgindo novas descobertas sobre o vírus e a sua forma de atuação. Manuel Carmo Gomes destaca algumas delas: a transmissibilidade entre indivíduos assintomáticos; a diversidade de apresentações clínicas e afetação de todos os órgãos humanos internos; o papel das máscaras; a insuficiência das temperaturas altas para a mitigação da sua transmissão, contrariamente ao que acontece com a gripe. Ao longo de dois anos, e depois surgimento do vírus original de Wuhan, assistiu-se ao seu impressionante processo evolutivo, tendo surgido as variantes Alfa, Beta, Delta e Ómicron.

“Houve sempre necessidade de ir mantendo um equilíbrio entre a salvaguarda da saúde publica e o impacto social e económico das decisões. Felizmente, os epidemiologistas não tiveram de tomar decisões, não é isso que lhes compete, o papel quotidiano da ciência foi o de descrever o melhor possível a situação epidemiológica, equacionando também os cenários que se afiguravam mais prováveis para o futuro próximo. O nosso objetivo foi o de facilitar a tarefa a quem realmente competia tomar decisões.” Manuel Carmo Gomes

Para Manuel Carmo Gomes, numa situação de pandemia como a que se viveu, não é fácil tomar decisões consensuais, pois todas as soluções encontradas têm vantagens, desvantagens e riscos, sendo que algumas desvantagens foram muito sérias, devido ao seu impacto social e económico. “Em situações em que qualquer decisão tem prós e contras, contras estes que afetam toda a sociedade, a crítica é fácil e está sempre à mão. Podemos colocar os holofotes apenas nos aspetos negativos das decisões, esquecendo ou ignorando que qualquer outra decisão também teria (outros) aspetos negativos. Vimos isso acontecer vezes sem conta ao longo desta pandemia, em particular por parte de entidades interessadas na procura de sensacionalismo”, explica.

“Penso que a ciência contribuiu para calcular os riscos, clarificar caminhos viáveis e aguçar a discussão objetiva em torno dos dados de que fomos dispondo. Estou convicto de que o conhecimento entretanto adquirido deverá vir a revelar-se útil na nossa preparação para a próxima porque, como dizem os colegas da sismologia – a questão é quando e não se.” Manuel Carmo Gomes

Marta Tavares, Área de Comunicação e Imagem Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

No penúltimo dia de março realiza-se a quinta e última sessão do workshop destinado a preparar os estudantes para a obtenção do 1.º emprego.

 

Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas