No Campus com Helder Coelho

Agente ativo em sociedade

Helder Coelho

Richard Florida no livro “The Rise of the Creative Class”(2002) defende a teoria dos 3T (Tecnologia, Talento, Tolerância), para abordar um grupo de profissionais (artistas, músicos, cientistas, professores, médicos, economistas, filósofos, empresários e advogados) que fazem sempre falta a uma cidade (sociedade) para construírem o motor do seu crescimento e transformação económica.

“As classes criativas (veja-se o índice de aglomeração) querem viver em locais onde podem refletir e reforçar a sua identidade”, isto é são exigentes e empenhadas, intervêm com novas ideias e fazem coisas que desassossegam os que vivem perto. Daí, os autarcas procurarem convidar estes ‘interventores’ para ficarem longos períodos de tempo como residentes, e aproveitarem depois para os apresentar como sinais da pujança das suas cidades (forças vivas do futuro), pois quanto maior é a concentração de talentos mais fácil é animar e desenvolver, montar e instalar, construir e copiar (no Renascimento foi a vez de Florença, entre as Grandes Guerras coube a vez de Paris, depois Nova Iorque virou o lugar eleito).

A escultura e a pintura, a música e a literatura, mais recentemente a moda (design), a arquitetura e a tecnologia, tornaram-se os grandes "atractores" das cidades adaptativas. Hoje em dia fala-se das startups e do vale do silício na Califórnia, e à medida que a economia cresce assistimos a uma maior concentração de talentos, e isso arrasta restaurantes, galerias de arte, livrarias, parques e praças, lugares com Wi-Fi, e também do cuidado com a segurança e os serviços ágeis. Terá já Lisboa um maior poder de arrasto? Já tem, e a tendência é para crescer (veja-se a evolução do número de turistas por ano).

Do ponto de vista da complexidade (veja-se o projeto do Santa Fe Institute (EUA) sobre “Cidades como Sistemas Adaptativos”, coordenado pelo professor português Luis Bettencourt.

O que se torna interessante é a medida que contabiliza o número das interações entre as pessoas, pois isso revela a geração de ideias e de riqueza, embora a sua sustentabilidade e as emissões de carbono tenham de ser controladas ao mesmo tempo. Uma cidade com êxito (smart city) tem de manter o seu poder de atração, embora o número dos arranha-céus esteja ligado ao tamanho da população e às emissões de carbono, o que implicará cuidados com o ruído, a gestão da energia, ou com a vacinação contra a gripe.

O nível de bem estar ou felicidade (recentemente criado pela OCDE) está associado com uma série de aspetos que tornam estas cidades diferentes, mais sustentáveis durante um período de anos, e acolhedoras das pessoas. A diminuição das desigualdades é outro factor positivo, pois as classes criativas necessitam de se sentir sem pressões. E, isso quer dizer que o facto de existirem preocupações sociais é um primeiro passo para ajudar a resolver os problemas urbanos (pobreza, privacidade, saúde, educação, cultura).

O caso das Lojas do Cidadão tornou-se num bom exemplo do que é feito para os utentes (outros exemplos de inovações são os multibancos ligados aos bancos, e a via verde, ligada aos transportes e ao estacionamento), embora nos últimos anos a qualidade de serviço da primeira se tenha degradado imenso (tempo de espera excessivo).

E a informática (tecnologias da informação) para que serve então? Não é ela um agente de transformação para melhorar a qualidade de vida? Para onde foi, se só descortinamos filas e ajuntamentos? Aonde estão os inovadores que conseguem articular soluções? O que as universidades podem oferecer para reparar essas falhas? Onde estão os criativos portugueses? Para quando uma feira ou exposição de inventores (veja-se a Feira de Barcelona sobre Smart Cities, realizada em dezembro de 2015), onde nos mostrem quem são os portugueses que ganham prémios lá fora? E, onde estão esses empreendedores que criticam as universidades por serem pouco “mexidas”? Ou, só existem informáticos interessados em apps para smart phones?

Tudo isto leva-nos a olhar, com cuidado, o estado atual do domínio das aplicações das TIC, e o que nós já somos capazes de fazer. Aos alunos deixo uma sugestão: aproveitarem as unidades curriculares para experimentarem as suas ideias e terem projetos de novas apostas tecnológicas (em Salvador, Brasil, no campus de Ondina da UFBA existe um enorme espaço, com equipamentos informáticos e professores, para que os alunos possam ser ajudados a experimentar ideias). E, com um portefólio de exemplos vem um passo seguinte: usarem pós-graduações (por exemplo, mestrados) para construírem protótipos que se vejam em feiras e exposições. As empresas vêm em seguida.

 

Helder Coelho, professor do Departamento de Informática de Ciências

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Dia Nacional dos Cientistas - 16 de maio

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído em 2016 por Resolução da Assembleia da República com o objetivo de reconhecer e celebrar a contribuição vital dos cientistas para o progresso da sociedade.

CIÊNCIAS e OKEANOS em parceria para monitorizar biodiversidade e alterações dos ecossistemas marinhos

Projeto internacional SEAGHOSTS visa a monitorização e conservação das populações de painhos, as aves marinhas mais pequenas do planeta.

Reitoria da ULisboa

O CWUR 2024 avaliou de entre 20.966 instituições de ensino superior e atribuiu à ULisboa o 211.º lugar (top 1.1%) e a 80.ª posição no panorama europeu.

Fotografia de participantes na Training School

CLEANFOREST na vanguarda da compreensão dos efeitos dos extremos climáticos e poluição nas florestas Europeias

Participantes no Dia Aberto

O campus ganhou vida, cor e energia proveniente do entusiasmo dos cerca de 2000 alunos de 170 escolas de norte a sul do País.

CIÊNCIAS esteve presente nesta edição, com a participação dos docentes do Departamento de Física: Alexandre Cabral, no painel de abertura “À conversa sobre carreiras espaciais” e

Semana Internacional da Compostagem

Uma das transformações necessárias às entidades que querem progredir pelo caminho da sustentabilidade é fecharem os seus ciclos de materiais, nomeadamente o orgânico.

A VicenTuna - Tuna da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa - completou 30 anos em janeiro de 2024. Para comemorar, realizou no dia 30 de abril de 2024, a Festa da Primavera, um espetáculo de música e divertimento dedicado à comunidade de CIÊNCIAS e ao público em geral.

Celebrações dos 50 anos do 25 de abril de 1974 da Academia das Ciências de Lisboa

A 9 de maio realiza-se a segunda de duas jornadas de debate académico e científico organizadas pela Academia das Ciências de Lisboa, que tem por objetivo ‘analisar e discutir a evolução do panorama científico português de forma prospetiv

Lançamento do projeto Barrocal-Cave marca um novo capítulo na Conservação da Biodiversidade em Portugal

O prestigiado Palácio Gama Lobo foi o cenário escolhido para o lançamento do projeto Barrocal-Cave, financiado pelo Prémio Fundação Belmiro de Azevedo 2023.

No passado dia 10 de abril, tivemos a honra de receber um grupo de estudantes e dois professores da Universidade de Leiden, na Holanda. Com um total de 40 estudantes, todos da área das bio farmacêuticas, a visita prometia ser entusiástica.

Miguel Pinto

No dia 29 de abril, Miguel Pinto visitou a Escola Básica Professora Aida Vieira, no Bairro Padre Cruz em Lisboa, para realizar oficinas de divulgação científica e atividades didáticas.

Fotografia de alguns dos oradores

O que é a sustentabilidade? Como podemos agir a nível local, procurando um impacto global? Estas e muitas outras questões marcaram a segunda edição da Semana da Sustentabilidade CIÊNCIAS, entre 15 e 19 de abril de 2024.

Páginas