Encontro Ciência 2021

À conversa com Fernando Catarino, Isabel Âmbar e Maria José Costa

Dezoito medalhas de mérito científico, três delas para membros da Ciências ULisboa

Encontro Ciência 2021 - Dezoito cientistas recebem as medalhas de mérito científico

Dezoito medalhas de mérito científico, três delas para membros da Ciências ULisboa

Encontro Ciência 2021

O Ciência 2021 aconteceu nos dias 28, 29 e 30 de junho e juntou 860 pessoas presencialmente e 9496 online. “A Ciência que faz o Amanhã e transforma a Economia” foi o tema desta edição que contou com seis sessões plenárias, cerca de 70 sessões temáticas, 18 demonstrações, 26 posters e a atribuição de 18 medalhas de mérito científico, destaque para os professores cientistas da Faculdade - Fernando Catarino, Isabel Âmbar e Maria José Costa (Zita). Por ocasião deste importante acontecimento surgiram três conversas com os membros da Faculdade: "a cereja em cima do bolo". 

Fernando Catarino com o Ministro
"Este tipo de encontro é muito importante”, diz Fernando Catarino, que recebeu a medalha pela mão do Ministro
Fonte Encontro Ciência 2021

Esperança foi a palavra escolhida para o futuro por Fernando Catarino, surpreendido com esta distinção, que agraciou também a sua antiga aluna Zita. Foi muito bom voltar a ouvir a sua voz ao telefone. Essa voz que um dia, em Alcobaça, alguém reconheceu. Fernando Catarino realçou essa memória para destacar essa característica – a empatia – que fazia com que os alunos o estimassem. E como disse em conversa, não era o único, realçando nomes como Carlos Almaça e Galopim de Carvalho, que não tinham medo de abordar assuntos difíceis, mas importantes.

Foi muitas vezes à Praça da Alegria – divulgar ciência foi, é e será sempre fundamental. Quando se jubilou esteve muito tempo sem voltar à Faculdade, o que não quer dizer com isso que não tenha estado atento. Enche-se de vaidade por saber que antigos alunos da Faculdade estão hoje um pouco por todo o mundo. Se voltasse ao passado não faria tudo igual, certamente seria, ou, pelo menos gostaria de ser empreendedor, e continuaria, certamente fascinado por Biologia, teria provavelmente as mesmas e outras experiências, acompanhado pela esposa e pelos dois filhos.

O Encontro Nacional com a Ciência e a Tecnologia pretendeu discutir os desafios do futuro e reunir investigadores e peritos de diferentes áreas científicas e sectores sociais e económicos, para projetar a recuperação de Portugal na próxima década.

Quem quiser e puder, pode visitar o site e assistir às sessões, que estão disponíveis no youtube. Da Ciências ULisboa destaca-se a presença dos oradores Alexandre Cabral, Vanda Brotas e Gonçalo Cosme; a demonstração do Instituto de Astrofísica e de Ciências do Espaço (IA) a propósito das 45000 observações do telescópio espacial Euclid e muitos posters submetidos por investigadores do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c), Centro de Química Estrutural, Instituto de Biofísica e Engenharia Biomédica (IBEB), Instituto Dom Luiz (IDL), LASIGE, Centro de Ciências do Mar e Ambiente (MARE) e Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (BioISI).

“Este tipo de encontro é muito importante”, diz Fernando Catarino, cujo país convidado este ano foi a França – “pioneiro no estudo dos mares” – acrescentando que foi com muita satisfação que ouviu o nome do MARE referenciado pelo seu importante papel nesta área da ciência. A conversa com Fernando Catarino teve direito a anedotas e até uma sugestão de leitura -“Arrumar a Casa antes dos 80”, de Victor Gil.

Esperança e estímulo: palavras que inspiram o futuro

Sem falsas modéstias, com humildade. De resto parece ser uma característica das grandes pessoas. Isabel Âmbar não estava à espera da distinção e muito menos do telefonema de Manuel Heitor, ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, a dar conta da atribuição do galardão. Isabel Âmbar é só a primeira oceanógrafa física portuguesa.

Isabel Âmbar
Para Isabel Âmbar é fundamental continuar a investir na Oceanografia Física
Fonte Encontro Ciência 2021

“Eu, o meu marido e outros colegas conseguimos arranjar financiamento para construir o Instituto de Oceanografia, que hoje é o MARE (…) Foi muito importante para a Faculdade e não só”, comenta, mencionando que é muito importante continuar a investir nesta área, sobretudo, na observação, na modelação física, que é muito dispendiosa, diz Isabel Âmbar, cujas principais áreas de investigação passaram pela hidrologia e pela dinâmica das águas da vertente continental portuguesa, em especial no que diz respeito à água mediterrânica e aos vórtices a ela associados. Também por isso este tipo de encontro é essencial. A cientista acredita que o público, sobretudo o mais jovem, necessita de ter conhecimento do real impacto da ciência e do seu valor, talvez por isso, quando pensa numa palavra para o futuro escolha estímulo. Curiosamente, ainda que já esteja aposentada, diariamente recebe notificações a dar conta de investigadores, que continuam a ler os seus artigos.

Meta: igualdade de direitos na ciência

Terminar a semana útil ao telefone com professores que nos inspiram é outra coisa. A última conversa foi com Zita, como carinhosamente gosta de ser apelidada, e os minutos passaram sem dar conta, como sempre acontece quando se conversa com pessoas especiais. Não estava à espera da medalha, mas reconheceu o Ministro ao telefone. Esta é uma medalha que simboliza o culminar da sua carreira, de alguém que deixa uma escola e que está encantada e feliz. Mas, mesmo de coração cheio, continua a preocupar-se com os seus: “O Pedro Raposo é catedrático na Universidade de Évora. Ligou-me ontem!”, conta, entusiasmada.

Zita com o Ministro
Esta é uma medalha que simboliza o culminar da sua carreira, de alguém que deixa uma escola e que está encantada e feliz
Fonte Encontro Ciência 2021

Apesar de reformada, Zita continua muito ativa e a fazer aquilo que gosta: divulgação de ciência, sentindo-se de certa forma até mais livre. A Edições Afrontamento publicou em abril de 2021 o seu livro “Estuário do Tejo – Onde o Rio Encontra o Mar” e que motivou um workshop no passado dia 22 de junho, que contou com a sua participação, dedicado ao estuário do Tejo e às zonas oceânicas adjacentes, incluindo o Canhão de Lisboa, e às medidas de salvaguarda destes ecossistemas para a criação de projetos-piloto de intervenção a desenvolver nos próximos anos.

Quanto ao futuro da sua área de investigação na Faculdade é uma otimista, por isso quando lhe pedi uma palavra para o que há-de vir, também escolheu esperança. “Eu vejo um futuro muito promissor. Temos pessoas excelentes e em qualquer área do mundo”, conclui, deixando no entanto alguns alertas.

A fundadora e presidente da AMONET - Associação de Mulheres Cientistas diz que é preciso promover a igualdade e participação completa das mulheres cientistas residentes em Portugal em todos os aspetos da ciência, incluindo ciência, ensino, indústria e administração, sobretudo em tempos de pandemia. Paralelamente, ainda são muito poucas as empresas que empregam doutorados.

Nem de propósito, também Manuel Heitor, no seu discurso de abertura do Encontro e alinhado com a Presidência Portuguesa da União Europeia, introduziu três questões principais, consideradas cruciais na área da investigação e inovação em Portugal e na Europa: criação de emprego qualificado; ciência fundamental, “aberta” e colaborativa; carreiras de investigação.

Ana Subtil Simões, Área Comunicação e Imagem Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Ciência 2019
Centro de Testes Ciências ULisboa

Ciências ULisboa, através do seu Centro de Testes, e em parceria com a Associação Nacional de Cuidadores Informais lançam este mês “Famílias Seguras – Cuidar de Quem Cuida”, um programa gratuito de rastreio regular à COVID-19 para cuidadores informais, pessoas cuidadas e seus familiares em convivência direta e que conta com o Alto Patrocínio de sua Excelência o Presidente da República.

Mulheu a tapar o rosto

"Quando o medo de falhar deixa de ser tolerável, geralmente surgem sensações que geram tanto desconforto na pessoa, ao nível físico e psicológico que conduzem à adoção de estratégias menos saudáveis na gestão desse medo. Assistimos a dois grandes grupos de estratégias: o controlo e o evitamento", escreve a psicóloga Andreia Santos.

Primeira estrutura móvel com posto de colheitas biológicas está instalada no exterior do campus da Ciências ULisboa, entre o edifício C6 e a Faculdade de Letras da ULisboa

A primeira estrutura móvel com posto de colheitas biológicas no âmbito do projeto FIGHT COVID, lançado recentemente pela Faculdade e pela SGS Portugal, parceiras desde 2015, está instalada no exterior do campus da Ciências ULisboa, entre o edifício C6 e a Faculdade de Letras da ULisboa. 

Pódio

Em Portugal, a ULisboa continua a ser a universidade líder do Performance Ranking of Scientific Papers for World Universities 2020, mais conhecido por National Taiwan University (NTU) Ranking, que avalia o posicionamento das universidades de acordo com a respetiva produtividade, impacto e excelência dos artigos científicos produzidos em 24 áreas do saber.

chicken tractor

Afonso Ferreira, Florian Ulm, Francisco Azevedo e Silva, Inês Afonso e Tomás Simões apresentam o projeto “CHILL - CHIcken Tractors as an efficient and sustainable Link in closed Loop agriculture”. 

Ricardo Lima investiga em São Tomé e Príncipe

“(…) Se há algo de que não me arrependo foi em ter seguido este sonho de estudar Biologia. Nestes tempos de incertezas, se há algo que faz sentido é persistirmos numa profissão que nos satisfaz”, expressa Ricardo Lima, alumni da Faculdade e investigador do cE3c.

Logotipo

Nona rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque é a FibFormula.

Universo

Assista ao Dia da Investigação da Ciências ULisboa transmitido pelo canal YouTube desta faculdade e fique a par da investigação de ponta e do importante papel que a Faculdade tem tido na transferência do conhecimento para a sociedade, na sustentabilidade e no combate à COVID-19.

Campus Ciências

Patrícia Tiago e Sergio Chozas, investigadores do cE3c Ciências ULisboa, apresentam o +Biodiversidade@CIÊNCIAS, um projeto que pretende aplicar o conceito de sustentabilidade nos espaços verdes da Ciências ULisboa e caracterizar e monitorizar a sua biodiversidade ao longo do tempo, envolvendo tanto a comunidade da Faculdade como os cidadãos que vivem e trabalham na área.

Esquema do vaso

Um grupo de guardiões da HortaFCUL realizou várias oficinas intituladas “Permacultura de Levar para Casa” no Centro Cultural de Belém, integradas na exposição “Agricultura e Arquitetura: Do Lado do Campo”. Durante a exibição da exposição, realizaram-se 24 oficinas, abrangendo um total de 500 alunos de diversas idades, desde a pré-primária ao 9º ano de escolaridade (dos 4 aos 14 anos).

Pormenor do Estudo em fio dos Painéis de São Vicente, por Almada Negreiros (1950)

Pedro Freitas, professor do Departamento de História e Filosofia das Ciências e investigador do Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia, escreve sobre Almada Negreiros, figura maior da cultura portuguesa do século XX.

abutre

"Centenas de cadáveres destes abutres encontravam-se sem cabeça, empilhados e intencionalmente escondidos sob arbustos", escreve Mohamed Henriques, doutorando do programa doutoral Biologia e Ecologia das Alterações Globais, juntamente com outros investigadores e conservacionistas numa carta publicada em outubro na Science.

O Dia da Investigação acontece a 28 de outubro de 2020

O Dia da Investigação acontece a 28 de outubro e será transmitido através do canal YouTube da Ciências ULisboa, anuncia a Faculdade em comunicado de imprensa. Consulte o programa e saiba quais são os temas em análise e os oradores das várias sessões, inscreva-se no evento e para ter uma ideia do que o espera assista à reportagem.

Flávio Gomes Oliveira a verificar se as armadilhas capturaram algum musaranho

Flávio Gomes Oliveira, doutorando do programa doutoral em Biologia e Ecologia das Alterações Globais, é um dos autores de um estudo publicado em outubro na Behavioral Ecology, cujos resultados integram a sua tese de doutoramento. Nesta entrevista o jovem investigador faz um balanço dos primeiros anos do doutoramento e deixa conselhos para quem quer seguir esta área.

Musaranho-de-dentes-brancos a ser devolvido à natureza

Um estudo realizado em Lisboa por um grupo de investigadores do CESAM, polo da Ciências ULisboa e da Universidade Adam Mickiewicz de Poznań, na Polónia, detetou diferenças substanciais no comportamento e metabolismo dos musaranhos-de-dentes-brancos que ocorrem na capital portuguesa, quando comparados com indivíduos provenientes de áreas naturais.

Emmanuelle Charpentier e a Jennifer Doudna

Este ano, o Prémio Nobel da Química foi atribuído às cientistas Emmanuelle Charpentier e Jennifer Doudna pelo "desenvolvimento de um método de edição do genoma", denominado CRISPR/Cas9. Leia o artigo da autoria de Lúcia Santos e Madalena Pinto, estudantes de doutoramento no polo da Faculdade do BioISI e Federico Herrera, professor do Departamento de Química e Bioquímica e investigador do BioISI.

Chuva intensa

Um estudo publicado na Nature Communications revela um aumento significativo da quantidade de humidade proveniente das regiões fornecedoras de água precipitável, água transportada até aos continentes pelos chamados rios atmosféricos (ARs).

Logotipo dos Prémios Científicos ULisboa/Caixa Geral de Depósitos 2019

A cerimónia de entrega dos Prémios Científicos ULisboa/CGD 2019 estava prevista para 20 de outubro, na Reitoria da ULisboa, mas face à evolução da pandemia da COVID-19 e na sequência da resolução do Conselho de Ministros emitida recentemente, a cerimónia será adiada para data a anunciar quando as condições de segurança estejam novamente reunidas. Das 30 distinções desta última edição, cinco são para professores e investigadores da Ciências ULisboa.

Roger Penrose, Reinhard Genzel e Andrea Ghez

O Prémio Nobel da Física 2020 distingue um dos teóricos mais distintos dos últimos 60 anos, o matemático e físico sir Roger Penrose e os astrónomos Reinhardt Genzel e Andrea Ghez, que revelaram a presença de um buraco negro extremamente massivo na região central da Via Láctea. Leia o artigo dos cientistas José Pedro Mimoso e Nelson Nunes, em colaboração com José Afonso e António Amorim.

Imagem abstrata

Ciências ULisboa integra a Rede de Inovação da Imprensa Nacional-Casa da Moeda (INCM), cujo objetivo é promover a ponte entre a investigação produzida em ambiente académico e o contexto industrial e empresarial.

Logotipo Radar Tec Labs

Oitava rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque é a QPLab.

Campus da Ciências ULisboa

Ciências ULisboa volta a preencher a totalidade das vagas, no âmbito da 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso (CNA) ao ensino superior: 1001 candidatos conseguiram colocação nas 13 licenciaturas e nos três mestrados integrados desta faculdade, 449 como 1.ª opção. O número de vagas aumentou na maioria dos cursos, assim como as notas dos últimos alunos colocados nesta 1ª fase.

Cidade

Melhorar o funcionamento e a otimização energética de edifícios e equipamentos, resolvendo algumas das suas limitações, é um dos objetivos do projeto “Self Assessment Towards Optimization of Building Energy (SATO)”, liderado pela Ciências ULisboa e que tem início marcado para o próximo mês de outubro. O projeto integra 16 parceiros europeus da academia e dos sectores público e empresarial e representa a primeira grande colaboração científica entre o LASIGE e o IDL.

Papéis, canetas e braços

Vários alunos da Ciências ULisboa, da Universidade do Algarve (Ualg) e da Faculdade de Medicina Dentária (FMD) da ULisboa apresentaram este verão projetos de iniciação à investigação, desenvolvidos no âmbito da iniciativa “Sê Investigador por Três Semanas!”, promovida pelo Centro de Estatística e Aplicações da Universidade de Lisboa (CEAUL), com o objetivo de cativar os jovens para esta atividade.

cabra-montês

Dezenas de cientistas, técnicos e vigilantes da natureza do ICNF - Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, bem como cidadãos uniram-se em prol do novo Livro Vermelho dos Mamíferos de Portugal continental. O objetivo é melhorar até 2021 o conhecimento destas espécies e dessa forma contribuir para o estabelecimento de medidas e ações de conservação.

Páginas