Opinião

Síndrome do impostor

Eles um dia vão descobrir quem sou!

Síndrome do impostor

A existência deste fenómeno é alimentada pela sensação de que se é fundamentalmente diferente dos outros

unsplash - Matthew Henry
Andreia Santos
Andreia Santos
Fonte ACI Ciências ULisboa

Estima-se que 70% das pessoas sofrem de um fenómeno psicológico conhecido como a síndrome do impostor. Acreditam que são inadequadas ou incompetentes mesmo tendo evidências concretas do seu sucesso. Este é um fenómeno muito presente no “mundo académico”, especialmente entre os alunos que se encontram a realizar um doutoramento ou entre os investigadores.

Mesmo na presença de sucessos concretos, visíveis e quantificáveis, estas pessoas não acreditam no seu valor, atribuindo os resultados a eventos como a sorte ou por exemplo ao facto de as pessoas gostarem delas. Há, portanto, um medo constante de falhar, não havendo uma perceção das suas verdadeiras competências, surgindo o medo de que um dia, os colegas e professores vão descobrir que eles não são assim tão bons. Isto gera ansiedade e sensações de constante insegurança, e que levam muitas vezes a uma atitude de “auto boicote”.

As manifestações desta síndrome são variadas. Entre elas, o perfeccionismo, a sensação de ter de ficar a trabalhar mais horas do que as necessárias e abdicar de atividades lúdicas que lhes dão prazer. Existe geralmente a crença de que é preciso ser-se um “génio natural”, ou seja, julgam-se quando não conseguem fazer as coisas bem, e à primeira e sentem-se profundamente envergonhadas quando demoram mais tempo a dominar uma tarefa e tendem a negar que precisam da ajuda do outro. Acreditam que nunca sabem o suficiente para desempenhar uma tarefa, tendo a necessidade de ler muitos artigos mesmo que já não acrescentem valor ao que já sabem, ou não concorrerem a um emprego sem terem exatamente todos os requisitos exigidos.

Estas manifestações geralmente criam desgaste emocional e um constante reforço negativo da autoestima.

A existência deste fenómeno é alimentada pela sensação de que se é fundamentalmente diferente dos outros. Ou seja, tendem a perspetivarem-se a si próprios como os únicos a sentir inseguranças, medo de falhar e com dificuldades na realização de determinadas tarefas. Por outro lado, perspetivam os outros como sendo espetaculares, confiantes e que as coisas lhes correm de forma natural sem sentirem o que eles sentem. A diferença para uma pessoa que não sofre desta síndrome, não reside no facto de não ter dúvidas sobre o seu trabalho, sentir medo de falhar ou sentir-se incompetente em alguns momentos. Mas sim, de percecionar essas sensações como um processo normal e comum entre as pessoas.

Pode parecer paradoxal, mas uma das formas mais eficazes de lidar com este fenómeno é mesmo falar sobre ele, partilhando entre colegas ou amigos com quem sinta um espaço seguro, os desafios que vai sentindo profissionalmente e perceber que não está sozinho naquilo que sente.

Os verdadeiros impostores não sofrem da síndrome do impostor!

Andreia Santos, Gabinete de Apoio Psicopedagógico da Área de Mobilidade e Apoio ao Aluno de Ciências ULisboa

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas