Opinião

Current state: estudante em tempos da COVID-19

#COVID19 #EuFicoEmCasa

Papel e caneta, num ato de estudo

Quando estiveres a estudar, evita estímulos distratores para um maior foco, aumentando a qualidade do estudo. Estar ocupado é diferente de estar concentrado. Dica: deixa o telemóvel noutra divisão

unsplash - Green Chameleon
Madalena Pintão
Madalena Pintão
Imagem cedida por MP

Agora que se inicia a época de exames, enquanto o confinamento se mantém recomendado, várias alterações aos métodos habituais de estudo tomam o seu lugar.

Dentro do que o confinamento nos trouxe, podemos ver a liberdade de tempo como um ponto positivo à restrição à nossa casa, permitindo uma pausa dos transportes e dos passos ao café mais próximo. Podemos, então, encontrar uma oportunidade em despender o nosso tempo de outra forma. Esta liberdade, no entanto, não se traduz apenas em benefícios. Junto desta, surgem dificuldades: o facto de os compromissos e os marcadores temporais e espaciais (por exemplo, estudar com a Maria às 15h00 na biblioteca) terem de ser adaptados à nossa própria gestão e ao espaço do nosso lar; o facto de os estímulos distratores, como o sofá e a boa da televisão, estarem à nossa disposição; e a mudança da companhia presencial para a “companhia virtual”, que por ser de constante acesso também pode contar como uma maior distração.

Por outro lado, a liberdade pode também exercer uma maior pressão em nós para sermos produtivos durante mais tempo, o que, quando não contemplado, pode dar aso a frustração, desânimo e culpa.

Estudar em tempos da COVID-19 é novo e exigente. No entanto, temos recursos para tomar as rédeas, mesmo numa situação desta dimensão, e retomar o controlo.

Algumas sugestões…

  • Seguir o teu período de maior produtividade, quer seja de manhã, tarde ou noite. Não há uma resposta correta quanto ao período ideal de estudo;
  • Planear o tempo de estudo considerando pausas e momentos de lazer;
  • Dividir o estudo em pequenas tarefas. Experimenta fazer uma “to do list” logo à 2ª feira com tudo o que tens de estudar e divide pelos dias da semana;
  • Fazer uma planificação realista do estudo. No início de cada dia, revê a lista que fizeste e reajusta o plano. Assim, se te levantares mais tarde que o esperado, podes adaptar o resto do dia sem sentir que começaste em desvantagem. A ideia é ter algo estruturante, não deixando de lado o seu caráter flexível;
  • Não te esqueças de fazer um “check” em cada tarefa feita. A ideia de concretização é um ótimo motor para alimentar a motivação;
  • Estabelecer um marcador espacial: criar um espaço cujo único propósito é o de estudo;
  • Distinguir quantidade de qualidade: quando estiveres a estudar, evita estímulos distratores para um maior foco, aumentando a qualidade do estudo. Estar ocupado é diferente de estar concentrado. Dica: deixa o telemóvel noutra divisão ou, se não te sentires confortável ou não for possível, deixa-o o mais longe possível;
  • Envolver o contacto social: marcar horas de esclarecimento com colegas, por exemplo.
Madalena Pintão, Gabinete de Apoio Psicopedagógico da Área de Mobilidade e Apoio ao Aluno de Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas