Dia Internacional

FCUL promove a mobilidade

Um dia dedicado à mobilidade internacional foi o que o Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da Unidade Académica proporcionou aos alunos pertencentes à Faculdade, quer de origem, quer de acolhimento.

“Preparámos uma atividade de divulgação para os nossos estudantes para lhes dar a conhecer quais os programas que têm disponíveis para se candidatarem e fazerem os seus estudos, no próximo ano letivo, em diferentes países. Esta sessão é particularmente dedicada aos nossos estudantes que já pretendem ir para fora e aos que ainda têm dúvidas mas se podem entusiasmar com esta difusão de informação”, esclareceu a coordenadora para a mobilidade da FCUL, a professora Maria Helena Garcia.

Ao todo, a FCUL reúne 219 parcerias com universidades no que diz respeito ao programa Erasmus, cerca de 80 face ao programa IAESTE (International Association for the Exchange of Students for Technical Experience) e mais de 60 protocolos UL/FCUL com instituições brasileiras. Na grande maioria, os alunos da FCUL enriquecem o seu percurso académico no estrangeiro em centros de investigação e laboratórios.

No átrio do C3, várias bancas de documentação sobre os países e universidades parceiras da FCUL no que diz respeito aos programas de mobilidade internacional, compuseram o cenário.
 


No átrio do C3 estiveram instituições de promoção de mobilidade internacional entre alunos
Fonte Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional

Para dar resposta às solicitações de cada aluno, esteve a equipa do Gabinete de Mobilidade, assim como representantes do portal Alumniportal Deutschland e do Campus France Portugal, instituições de promoção de mobilidade internacional entre alunos.

Elga Barreiros, representante do portal Alumniportal Deutschland, sublinhou: “Há um interesse crescente por parte dos alunos, instituições, universidades e empresas em apostar na Alemanha. Os alunos que por aqui têm passado querem essencialmente saber como podem ir estudar para este país, quais os apoios financeiros e que bolsas são atribuídas, quem contactar e que universidades têm à disposição”.

Uns já decididos em marcar o seu currículo com uma experiência académica e/ou profissional no estrangeiro, outros ainda na fase da possibilidade, ao longo do dia muitos foram os alunos que obtiveram informações, esclareceram dúvidas e traçaram novos caminhos.

Ana Condesso, aluna do 1.º ano de Biologia, mostrou-se interessada e entusiasmada com a hipótese de um possível percurso académico noutro continente: “Vim porque gostava de ir estudar lá fora. Acho que é bastante importante já que nos abre novos horizontes, ainda mais tendo em conta a situação que o nosso país atravessa. (…) Gostava de ir para os EUA, pois gostaria de seguir investigação e aqui a realidade é bastante diferente”.

Para as colegas Ana Maria Lameiras e Maria Wilton, do 2.º e 1.º ano de Biologia, França e Inglaterra estão no topo das preferências para fazer mestrado: “Viemos para ficar a par das perspetivas de estudar no estrangeiro, em Erasmus. Na altura de escolher o país, as oportunidades que nos oferecem e as possibilidades de financiamento vão ser decisivos. Em França as propinas, por exemplo, são bastante baixas. É uma mais-valia estudar lá fora”.
Para além das bancas informativas, houve ainda uma sessão de esclarecimento onde os funcionários do Gabinete de Mobilidade clarificaram dúvidas e entusiasmaram os presentes com a ajuda dos alunos da FCUL que já haviam tido a experiência de estudar numa faculdade fora do país.

“Os testemunhos dos alunos que têm a experiência de estudar fora do país são sempre muito positivos. Realizar um programa de mobilidade internacional é enriquecedor a vários níveis. Todos os alunos que nos queiram contactar podem fazê-lo dirigindo-se ao nosso gabinete ou procurando a informação desejada no portal da FCUL”, reforçou Ana Paula Matos, da equipa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional.

Ao longo do dia, cruzaram-se histórias, tradições, músicas e experiências trazidas pelos alunos de vários cantos do mundo.
 


Ao longo do dia, foram feitas diversas apresentações pelos alunos estrangeiros a estudar na FCUL
Fonte Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional

Do Brasil, por exemplo, os alunos Erasmus trouxeram Goiabada e Brigadeiro, doces típicos do seu país que fizeram as delícias de quem provou.

Diretamente da Turquia, vieram os alunos Emre Bilgin e Ezgi Akçali para estudar Estatística na FCUL. Nesta sessão, ao lado de outros colegas turcos, partilharam com o público um pouco da história e cultura do seu país de origem numa apresentação de power point ilustrativa. “Tinha duas opções para fazer Erasmus, Grécia ou Portugal. Portugal é tão distante do nosso país e tem uma cultura tão diferente da nossa que optei por vir. Estou bastante satisfeita com a escolha pois a cultura, a comida e língua de Portugal são espetaculares”, explicou Ezgi Akçali.

O convívio entre os alunos culminou com uma atuação da VicenTuna, seguindo-se um jantar onde as conversas soaram alto em diferentes idiomas.

Raquel Salgueira Póvoas, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciencias@fc.ul.pt

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas