Entrevista a Pedro Mocho

Pedro Mocho

Pedro Mocho frequentou o curso de Geologia em Ciências ULisboa

Imagem cedida por PM

Pedro Mocho lidera o estudo que identificou uma nova espécie de dinossáurio - Oceanotitan dantasi. Geologia sempre foi a sua paixão. Nos próximos seis anos continuará a estudar a história evolutiva dos dinossáurios saurópodes do Mesozóico Ibérico.

Como foi colaborar com Rafael Royo-Torres e Francisco Ortega?

Pedro Mocho (PM) - A colaboração com Rafael Royo-Torres (FCT-Dinópolis) e Francisco Ortega (Grupo de Biología Evolutiva UNED) foi de extrema importância no presente estudo. Para além deste estudo estar inserido naquilo que foi a minha tese de doutoramento sobre "A História Evolutiva dos Dinossáurios Saurópodes do Jurássico Superior da Bacia Lusitaniana (Portugal)"  e defendida na Universidade Autónoma de Madrid, na qual foram os meus orientadores,  Rafael e Francisco contribuíram com um importante conhecimento sobre os dinossáurios ibéricos. Este trabalho desenvolveu-se maioritariamente na Universidad Nacional de Educación a Distancia (Madrid), Sociedade de História Natural (Torres Vedras) e FCT-Dinópolis (Teruel) onde foram disponibilizadas todos as condições necessárias para desenvolver este estudo, incluindo a restauração deste material, laboratórios e acesso a importantes coleções de dinossáurios saurópodes.


Pedro Mocho e Francisco Ortega durante a fase de estudo dos restos fósseis de Oceanotitan dantasi
Imagem cedida por PM

Quais são os próximos passos da equipa?

PM - Neste momento temos vários projetos que se centram no estudo detalhado das faunas de dinossáurios do mesozóico da Península Ibérica, e no meu caso, no estudo particular dos dinossáurios saurópodes. Relativamente ao território português, continuamos a estudar vários exemplares inéditos que nos vão permitir conhecer melhor a composição das faunas do Jurássico Superior de Portugal e a sua relação com outras massas continentais como América do Norte e África. Por exemplo, as campanhas paleontológicas em Utah (EUA) realizadas pelo Natural History Museum of Los Angeles County (no qual realizei o meu pós-doutoramento em 2016-2018) e nas quais participamos, permitirão compreender melhor as relações filogenéticas e paleobiogeográficas destes grupos de dinossáurios.


Pedro Mocho pretende continuar a participar em campanhas paleontológicas nos EUA e na Península Ibérica
Imagem cedida por PM

Como foi estudar Geologia em Ciências ULisboa?

PM - Já passaram uns aninhos. Acabei o curso de Geologia nesta Faculdade em 2010. A Geologia sempre foi a minha paixão. Comecei a interessar-me pelo o estudo de fósseis nas aulas de Paleontologia em 2006 e como voluntário no Museu Nacional de História Natural. A esta academia devo a minha formação em Geologia. 

Que expetativas tem para o futuro?

PM - Neste momento sou investigador de pós-doutoramento no Instituto Dom Luiz por seis anos financiados no âmbito do Concurso de Estímulo ao Emprego Científico da FCT. Nestes seis anos continuarei com a minha investigação no estudo da história evolutiva dos dinossáurios saurópodes do Mesozóico Ibérico. Uma destas linhas de investigação está centrada no estudo dos saurópodes do Cretácico Inferior e Superior de Espanha (mais precisamente da Comunidade de Castilla-La Mancha e Valencia) em projetos conduzidos pelo Grupo de Biologia Evolutiva UNED. Adicionalmente, continuar com o estudo do Jurássico Superior de Portugal é outro dos meus maiores objetivos, e em estreita relação com a Sociedade de História Natural de Torres Vedras da qual sou membro desde 2010. Outros projetos estão em aberto, nomeadamente campanhas paleontológicas nos EUA e na Península Ibérica estão no horizonte e irão permitir a descoberta de novos fósseis, novas ideias e nova hipóteses.

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
<i>Oceanotitan dantasi</i>

A palestra "O Princípio do Tempo" proferida por Pedro Gil Ferreira é uma das iniciativas do “VII Encontro Ibérico de Cosmologia”, que decorre em abril nas instalações da FCUL.

Jovem usa microscópio

A FCUL estimula a abertura permanente à sociedade civil, promovendo acontecimentos que visam a disseminação de conhecimentos e a interligação com diferentes agentes sociais.

Os vários objectivos do DEGGE: Tudo o que nos define, e tudo o que apoiamos

O ENEI'12 vai realizar-se na FCUL.

ESTRUTURA E GESTÃO DO DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA ANIMAL (DBA)

Apresentação do Departamento

Paleontólogos do MNHN da UL e do GeoFCUL em foco na revista TVmais.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

O DQB e a FCUL acolheram, mais uma vez, a realização de provas semifinais das Olimpíadas de Química Júnior 2012 no sábado, 14 de abril de 2012.

Pessoas estudam numa mesa na biblioteca

“Acho que qualquer aluno consegue ser bom, se tiver uma boa disciplina de trabalho e objetivos concretos”. Quem o diz é Gonçalo Faria da Silva, estudante do 3.º ano de Biologia.

No penúltimo dia de março realiza-se a quinta e última sessão do workshop destinado a preparar os estudantes para a obtenção do 1.º emprego.

 

Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Páginas