2. º lugar no BioMind – Make it in 24 hours! para estudantes de Engenharia Biomédica e Biofísica

Ideia para melhorar a vida das crianças com dor crónica

Inês Lima, Leonor Pires, Mariana Oliveira e Raquel Sales Rebordão apresentam IMAGI, projeto conjuga técnicas de hipnoterapia e realidade virtual

Pernas de crianças

A IMAGI pretende ser uma ferramenta prescrita pelo médico com o objetivo de reduzir a carga analgésica, mediante a criação de um ambiente virtual personalizado, que utiliza técnicas hipnoterapêuticas cientificamente comprovadas na gestão da dor

Unsplash - Ben Wicks

Inês Lima, Leonor Pires, Mariana Oliveira e Raquel Sales Rebordão, estudantes de Engenharia Biomédica e Biofísica da Ciências ULisboa, classificaram-se em 2. º lugar na 3ª edição do BioMind – Make it in 24 hours! com o produto IMAGI, um projeto que conjuga técnicas de hipnoterapia e realidade virtual com o objetivo de reduzir e controlar a dor crónica em crianças.

mARIANA oLIVEIRA
Mariana Oliveira
Imagem cedida por MO

“O que mais gosto na Engenharia Biomédica é a constante vontade de melhorar a saúde (e por isso a vida) das pessoas. Os engenheiros biomédicos podem nem sempre atuar na linha da frente, mas é graças a eles que coisas tão importantes como a implementação de próteses em amputados, reabilitação por meio de exosqueletos ou diagnósticos neurológicos avançados podem acontecer.”
Mariana Oliveira

O desejo de participar nesta competição de estudantes de Engenharia Biomédica de todo o país, organizada pelo Núcleo de Engenharia Biomédica do Instituto Superior Técnico, em parceria com a Glintt, surgiu a Mariana Oliveira de forma natural. Sempre teve especial admiração pela inovação e vontade de empreender e de criar valor em saúde.

Leonor Pires nunca tinha participado neste tipo de atividade. Decidiu concorrer para ganhar uma nova experiência.

Leonor Pires
Leonor Pires
Imagem cedida por LP

“Gosto muito das áreas da Física, da Matemática e da Biomédica, que englobam o nosso curso. Saber que um dia posso ajudar alguém, seja de que forma for, através da tecnologia é o que me motiva.”
Leonor Pires

Inês Lima também quis ganhar experiência e feedback de especialistas. Conseguir, em pouco tempo, criar valor para determinadas pessoas, numa solução economicamente exequível, fá-la acreditar que o seu futuro passará por outros desafios empreendedores.

Conselhos para outros estudantes que pretendam participar numa competição semelhante

“Acreditem nas vossas capacidades! Gostar do que fazem, estudar e ter espírito de equipa é mais que o suficiente”
Leonor Pires

“É muito importante ter a mente aberta e procurar sair fora da caixa. A inovação é um fator preponderante, mas na minha opinião o que não pode mesmo faltar é a empatia. Só nos colocando na posição do nosso público alvo é que conseguimos compreender as suas dificuldades e projetar algo que lhes traga valor.”
Mariana Oliveira

“Preparem-se porque é intenso! Podem precisar de um café ou dois, mas se o fizerem com uma boa equipa e acreditarem na vossa solução, o resultado final é gratificante. É importante pensar fora da caixa, conhecer o mercado e fazer pesquisa, muita pesquisa.”
Inês Lima

“Concorram com pessoas em quem confiem porque ajuda na divisão do trabalho e no espírito de equipa. E muito importante, divirtam-se!”
Raquel Sales Rebordão

Quanto a Raquel Sales Rebordão, o desafio de encontrar, com a sua equipa, uma resposta criativa baseada no conhecimento científico mais atual, num espaço de tempo muito curto, foi a principal razão para concorrer a esta iniciativa, que visa o desenvolvimento de ideias que solucionem problemas atuais na área da saúde.

Nesta 3.ª edição, ocorrida no final de fevereiro de 2021, participaram 20 equipas, ao todo 80 alunos de cursos de Engenharia Biomédica de todo o país. O desafio desta edição - "Como é que a prescrição de tecnologia pode ajudar na prevenção, recuperação e tratamento de patologias" – foi trabalhado em 24h. O 1.º lugar foi atribuído ao produto FALA+, representado pelos estudantes Beatriz Lago, Daniela Martins, Joana Rebelo e Ricardo Cebola. O 3. º lugar foi entregue ao produto RHEUMA, da autoria das alunas Ana Ramos, Ana Sofia Silva, Maria Inês Fonte e Simone Sá. O júri atribuiu ainda uma menção honrosa ao produto Genius Feet, pensado pelas discentes Beatriz Filipe, Inês Carvalho, Mariana Nunes e Marta Loureiro.

Os produtos apresentados pelas 20 equipas concorrentes preservam todos os direitos relativos à propriedade intelectual dos produtos por si desenvolvidos durante esta atividade.

Para a equipa da Ciências ULisboa, a maior dificuldade foi encontrar um problema que fosse relevante para a prática clínica e soluções que fossem cientificamente comprovadas tendo em conta que o desafio dado era muito amplo.

Inês Lima, Leonor Pires, Mariana Oliveira e Raquel Sales Rebordão acreditam que a IMAGI tem potencial para se tornar realidade e ponderam dar seguimento ao projeto, que foi validado por José Ignacio del Pino Montesinos, psiquiatra no Hospital Universitario Virgen Macarena, em Sevilha e Marcela Pires, pediatra no Hospital de São Francisco Xavier, em Lisboa.

Raquel Sales Rebordão
Raquel Sales Rebordão
Imagem cedida por RSR

“O que mais gosto no curso é das pessoas. Do espírito de entreajuda entre os colegas e o apoio próximo dos professores. Ter professores que se preocupam connosco e que nos ouvem.”
Raquel Sales Rebordão

A IMAGI pretende ser uma ferramenta prescrita pelo médico com o objetivo de reduzir a carga analgésica, mediante a criação de um ambiente virtual personalizado, que utiliza técnicas hipnoterapêuticas cientificamente comprovadas na gestão da dor.

Inês Lima
Inês Lima
Imagem cedida por IL

“Gosto que a Engenharia Biomédica e Biofísica esteja na interface da saúde e da inovação e que todo o nosso trabalho seja feito sempre com vista a tentar melhorar de alguma forma a saúde e qualidade de vida das pessoas.”
Inês Lima

Melhores momentos do BioMind

“A melhor parte é quando ouvimos dos especialistas que a nossa ideia, se for implementada, poderá mesmo melhorar a vida das pessoas”, diz Inês Lima, que sentiu orgulho pelo resultado final e por tê-lo feito com três amigas, que tanto admira.

Para Raquel Sales Rebordão descobrir que a ideia que tiveram ainda não tinha sido implementada, e que, portanto, tinham encontrado uma solução inovadora, foi o melhor momento da competição.

Trabalhar em equipa, criar uma boa ideia e constatar o potencial de todos os futuros engenheiros biomédicos foram para Leonor Pires as melhores experiências desta competição.

Já Mariana Oliveira, se tivesse de eleger um único episódio, escolheria o momento após a apresentação do pitch. “Ouvir profissionais de saúde considerarem que o nosso projeto poderia de facto trazer melhorias para a vida de muitas pessoas fez-me sentir orgulhosa, e de coração cheio”, conta.

E daqui a cinco anos?!

Raquel Sales Rebordão quer estar num sítio e dizer: “há cinco anos nem sonhava que poderia estar aqui!”.

Inês Lima pretende trabalhar na área do empreendedorismo na saúde.

Já Leonor Pires não gosta de pensar no que vai fazer no futuro. “A situação que vivemos hoje em dia fez-me perceber que qualquer coisa pode alterar os planos futuros de forma drástica”, diz, ainda assim, espera fazer a diferença na vida de alguém. “Vou fazer por isso”, conclui.

Mariana Oliveira frequenta o 3.º ano do mestrado integrado e também tem dificuldade em prever o futuro. “O nosso curso abre muitas portas, tanto poderei estar a trabalhar numa empresa no setor da saúde, como a concluir um doutoramento na outra ponta do mundo”, conta, acrescentando que um dia gostaria de fundar uma startup.

Em Portugal existem cerca de 500 mil crianças que sofrem de dor crónica associada a doenças como o cancro. Atualmente, o tratamento farmacológico é a resposta mais utilizada, no entanto tem custos para a saúde e qualidade de vida das crianças. A administração contínua de opioides cria resistência e dependência.

Ana Subtil Simões, Área Comunicação e Imagem Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Imagem gráfica da rubrica Radar Tec Labs

Quarta rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque é a ONTOP.

Máscara respiratória

O consórcio REUSE coordenado pelo CQE Ciências ULisboa surge na sequência do apoio especial a projetos de implementação rápida para soluções inovadoras de resposta à COVID-19 e tem como objetivo a descontaminação de máscaras respiratórias para posterior reutilização.

Teletrabalho

"É verdade, as coisas precisam ser feitas, mas, se não fizermos uma boa gestão de nós próprios, estamos potencialmente a acabar com a única fonte que pode produzir - nós", alerta a psicóloga Andreia Santos, na rubrica habitual do GAPsi, deixando também algumas dicas para quem está em teletrabalho.

Imagem artística relacionada com uma nuvem de pensamentos

“Após pequenas ou grandes tempestades que se passem dentro de casa, vem o diálogo e a negociação para que os tempos de cada um sejam respeitados”, escreve Madalena Pintão, estagiária académica do GAPsi Ciências ULisboa, na rubrica habitual.

ETAR de Alcântara

O Ministério do Ambiente e Ação Climática anunciou o lançamento do projeto de investigação COVIDETECT e a criação de um sistema de alerta precoce da presença do vírus SARS-CoV-2, agente etiológico da COVID-19, através da análise de águas residuais. O projeto de investigação começa a 20 de abril. Ciências ULisboa assegura a coordenação científica.

O aniversário da Ciências ULisboa será celebrado online com todos aqueles que se puderem juntar a 22 de abril no Facebook da Faculdade. A celebração incluirá a tradicional mensagem de Luís Carriço, diretor da Faculdade; as distinções e prémios atribuídos a alunos, professores e funcionários; entre outras surpresas e desafios, que serão partilhados nos próximos dias nas redes sociais. Fique atento e participe!

Imagem artística da precessão de Schwarzschild

Observações levadas a cabo pelo Very Large Telescope (VLT) do European Southern Observatory (ESO), situado no deserto chileno do Atacama, revelam pela primeira vez que a S2, uma das estrelas em órbita do buraco negro supermassivo, situado no centro da Via Láctea, se desloca tal como previsto pela Teoria da Relatividade Geral de Einstein.

Livro e caneta

Mais um artigo da equipa do GAPsi Ciências ULisboa, desta vez da psicóloga Bruna Francisco, que deixa uma questão em forma de desafio: “O que tens descoberto sobre ti, durante esta quarentena?”.

Fotografia de peixe do género Squalius em Portugal

O projeto “Acaso ou maldição? As consequências da hibridação num mundo em mudança”, premiado recentemente com uma bolsa Young Investigator pelo Human Frontier Science Program (HFSP), no valor de cerca de 1,1 milhões de euros, vai procurar responder a esta grande questão da Biologia, nos próximos três anos, de acordo com comunicado de imprensa emitido recentemente.

Maria de Sousa

Maria de Sousa, imunologista, professora emérita da Universidade do Porto e do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar e investigadora honorária do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde, faleceu durante a madrugada de dia 14 de abril. A Faculdade lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos familiares, amigos e colegas.

Imagem de uma figura feminina

Cláudio Pina Fernandes, coordenador do GAPsi Ciências ULisboa, escreve sobre a complexidade das emoções e alerta: "é importante termos estratégias que nos permitam regulá-las".

Navio oceanográfico alemão Meteor

“Pela 1.ª vez foi possível realizar um estudo completo e sistemático ao longo de um segmento da fronteira de placas Açores/Gibraltar”, diz João C. Duarte, professor do Departamento de Geologia (DG) da Ciências ULisboa, investigador do Instituto Dom Luiz (IDL) e um dos membros da equipa portuguesa presente na campanha oceanográfica M162 – GLORIA FLOW.

Artigo de opinião realça a importância dos jornalistas confirmarem as suas fontes

“Um estudo isolado pode sempre, ser, apenas uma coincidência, uma imperfeição estatística, um acaso”, escreve Tiago Marques, professor do DBA Ciências ULisboa e investigador do CEAUL, num artigo que realça a importância dos jornalistas confirmarem as suas fontes.

Ciências ULisboa vai criar um Centro de Testes à COVID-19

Ciências ULisboa vai criar um Centro de Testes (CT) à COVID-19 no seu campus, no Campo Grande, em Lisboa. Os testes de despistagem à COVID-19 deverão começar daqui a duas semanas consistindo, numa primeira fase, em cerca de 100 análises diárias, estando  também previsto a sequenciação e o rastreamento epidemiológico.

Imagem com um ponto de interrogação

Andreia Santos, psicóloga no GAPsi Ciências ULisboa, escreve sobre os diálogos internos que se manifestam numa sensação de urgência, insuficiência e falta de controlo, que são reflexo de um sentimento de culpa. Conheça algumas dicas que podem ajudar a lidar com estas dúvidas, que são tão comuns como naturais.

Imagem gráfica da rubrica Radar Tec Labs

Terceira rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque é a Vawlt Technologies.

Imagem gráfica do projeto "O que faço aqui?"

Rodrigo Amaro e Silva, Patrícia Jordão, Sérgio Chozas, Ana Cristina Pires e Miguel Inácio são os primeiros entrevistados no âmbito do projeto “O que faço aqui?”, lançado recentemente nas redes sociais e no site da Faculdade.

Composição fotográfica alusiva à missão da Faculdade

“Portugal pode por isso estar certo de que, nesta época de crise, toda a comunidade da Ciências Ulisboa beneficia de um ambiente de trabalho seguro e sustentável, que não compromete a qualidade da sua missão”, escreve Pedro Almeida, subdiretor da Faculdade.

Tec Labs - Centro de Inovação Ciências ULisboa

No Tec Labs – Centro de Inovação e incubadora da Ciências ULisboa são várias as empresas, spin-off, proto-company e startups a trabalhar para encontrar soluções que ajudem doentes, profissionais, unidades hospitalares e autoridades governamentais nesta “luta”, que só poderá ser vencida pelo esforço conjunto.

Skype, Zoom e Houseparty são boas apostas para combinar eventos sociais

"Socializar por meio de momentos lúdicos, rir e partilhar ideias sobre novos projetos são excelentes formas de dirigir a nossa atenção para além da preocupação. Ajuda-nos a colocar o foco da nossa energia ao serviço daquilo que nos faz bem e sentirmo-nos ligados", escreve a psicóloga Andreia Santos.

Mapa

O Centro de Física Teórica e Computacional da Ciências ULisboa participa no desenvolvimento do mapa de risco de propagação da COVID-19 por contágio comunitário em Portugal, um projeto coordenado pelas Universitat Rovira i Virgili, em Tarragona, e Universidad de Zaragoza, em Zaragoza, ambas em Espanha e que em Portugal tem como parceiros a NOS, a Data Science Portuguese Association e a Closer Consulting.

Grupo de investigadores do HIT-CF Europe

Cerca de 502 pessoas com mutações raras de fibrose quística (FQ) foram recrutadas pelo projeto inovador HIT-CF Europe, financiado pela União Europeia através do Horizonte 2020 e que conta com a participação de Margarida Amaral, professora do Departamento de Química e Bioquímica da Ciências ULisboa, coordenadora do Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (BioISI) e líder do grupo português neste consórcio.

Medicamentos

Ao longo dos últimos dias, vários colegas da Ciências ULisboa e de outras faculdades entraram em contacto com Manuel Carmo Gomes, professor do Departamento de Biologia Vegetal, manifestando disponibilidade para contribuir com o seu conhecimento e meios no auxílio à análise dos dados, modelação e projeção do futuro da epidemia.

O Conselho Pedagógico da Ciências ULisboa preparou um conjunto de orientações relacionadas com as ferramentas de apoio ao ensino à distância, disponíveis no site da Faculdade e que visam ajudar os professores, investigadores e alunos durante este período de tempo sem aulas presenciais, uma medida implementada no âmbito do Plano de Contingência em Ciências COVID-19.

Imagem gráfica associada ao Plano de Contingência em Ciências COVID-19

A Direção da Ciências ULisboa determinou um conjunto de medidas que pretendem contribuir para a contenção da propagação do novo coronavírus e que vigoram até ao próximo dia 27 de março, podendo ser ajustadas conforme a necessidade e a evolução da situação.

Páginas