Projeto EuroVenus

Honra, orgulho, responsabilidade

Durante os próximos três anos, diferentes aspetos sobre o planeta Vénus vão ser estudados a partir da Terra, através de telescópios sofisticados. Na equipa de investigação encontram-se, para já, dois investigadores portugueses pertencentes ao Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL) – David Luz, coordenador do projeto, e Pedro Machado, doutorando deste Centro.

A esta equipa, a trabalhar no projeto desde o seu início (outubro de 2013), juntam-se ainda investigadores dos Observatórios de Paris e da Côte d’Azur, de França, do Instituo de Aeronomia Espacial, da Bélgica, da Universidade de Oxford, do Reino Unido, e da Universidade de Colónia, da Alemanha.

O coordenador do projeto identifica como principais desafios da investigação “pôr toda a gente nos diferentes institutos a trabalhar para o mesmo projeto mas, uma vez superado, teremos o benefício das sinergias do trabalho de uma equipa pan-europeia e da partilha de competências. Além disso, existem as dificuldades que poderão vir a surgir para observar Vénus em grandes observatórios, como o Very Large Telescope (VLT), uma vez que é um objeto apenas observável durante períodos curtos, por estar sempre próximo do Sol”.

O projeto EuroVenus surge na sequência da missão Venus Express, em órbita há aproximadamente oito anos, e pretende “dar continuidade [a este trabalho] e estudar o planeta a partir de observações com telescópios em Terra, nomeadamente com o ALMA, o maior radiotelescópio do mundo”.

Para além do ALMA, do Chile, identificam-se, o VLT e o Canada-France-Hawaii-Telescope (CFHT), no Hawaii.

A equipa da FCUL, cujo trabalho se centra no estudo da circulação da atmosfera, tem como objetivo “construir um modelo do sistema climático de Vénus e colocar os resultados de vários anos de investigação à disposição da comunidade científica mundial”.

Para Pedro Machado, a importância desta participação para o centro e para os investigadores prende-se com “estar na linha da frente num projeto de investigação espacial europeu. É um reconhecimento internacional da contribuição da investigação portuguesa no campo das atmosferas planetárias, nomeadamente no caso específico do planeta Vénus” e, por essa razão, o acontecimento torna-se “[uma] honra, um grande orgulho e também uma enorme responsabilidade”.                                                                  

Há quinze anos a investigar atmosferas planetárias, o CAAUL é um centro de referência, contando com várias colaborações internacionais. Entre as competências desenvolvidas, identifica-se o reconhecimento como o primeiro grupo a produzir um mapa dos ventos na atmosfera de Vénus, excluindo o recurso a sondas espaciais e utilizando apenas observações feitas a partir da Terra.

Raquel Salgueira Póvoas, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciencias@fc.ul.pt

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas