Dictum et factum

Fernando Lopes

Fernando Lopes

ACI Ciências

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O décimo Dictum et factum é com Fernando Lopes, coordenador do Gabinete de Apoio à Investigação da Direção de I&D de Ciências.

Quando era criança já sabia que profissão gostaria de ter no futuro?

Fernando Lopes (FL) - Em criança devo ter pensado em várias coisas. Uma ideia mais consolidada e que me acompanhou durante vários anos foi a de ser biólogo, que durou até ao início do 12.º ano. Depois comecei a pensar que gostava muito de animais, e também de plantas, mas mais do que estudá-los, gostava de os criar, de os reproduzir, de produzir alguma coisa com eles, e fui para Agronomia, onde acabei por escolher o curso de Engenharia Florestal.

Como surgiu a hipótese de trabalhar em Ciências?

FL - Através do Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública (CEAGP), que é um mecanismo de recrutamento de técnicos superiores para a administração pública, gerido pelo ex-Instituto Nacional de Administração (INA), no decorrer do qual os alunos têm de indicar seis entidades da sua preferência e essas entidades podem selecionar os candidatos que lhes interessem. Tem de haver um “casamento” por mútuo interesse. Felizmente, logo na primeira fase, eu indiquei a FCUL e a FCUL escolheu-me.

Qual foi o 1.º emprego?

FL - O primeiro emprego, como licenciado, ou melhor quase licenciado, uma vez que comecei a trabalhar no inico do 5.º ano da licenciatura, foi como bolseiro de investigação no Instituto Superior de Agronomia, para trabalhar em projetos de investigação sobre o sobreiro e a cortiça.

O primeiro trabalho remunerado aconteceu bastante mais cedo. Quando tinha 15 anos fui trabalhar durante as férias grandes para a Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço. Lembro-me bem do primeiro dia, fui com uma equipa de cantoneiros reparar uma estrada onde ainda hoje passo com regularidade. Como estávamos nas férias de Verão fui de t-shirt, sem outro agasalho, e choveu o dia todo. Uma estreia auspiciosa.

Há quantos anos trabalha em Ciências?

FL - Há quatro anos. Comecei no dia 1 de julho de 2012.

O que começou por fazer quando aqui chegou?

FL - Fui integrado na Unidade de I&D e Inovação, que era a vaga a que tinha concorrido no âmbito do CEAGP. Comecei por trabalhar sob a orientação do professor José Rebordão, na gestão do sistema de informação LOGOS e módulos anexos, no cálculo dos indicadores de Ciências na área da I&D e na promoção de programas de financiamento de projetos de I&D junto dos nossos investigadores, fazendo sempre a necessária ligação com a Fundação da FCUL. Tive ainda oportunidade de representar Ciências no Grupo de Apoio Técnico da Universidade de Lisboa (GATUL).

E agora como é o seu dia-a-dia?

FL - Continuo no mesmo serviço, que agora se chama Direção de I&D, com as mesmas funções, acrescidas da gestão da área de propriedade industrial de Ciências, que transitou dos serviços da Reitoria para Ciências em 2014, e mais recentemente de funções de coordenação do gabinete de apoio à investigação, que além do que já referi, tem a responsabilidade de apoiar os nossos investigadores no relacionamento com os organismos da administração pública promotores de programas de financiamento, com outras entidades financiadoras, com parceiros, com empresas com quem colaborem e na descodificação das politicas públicas e de financiamento à I&D e inovação.

O que é que mais gosta de fazer na unidade onde está inserido?

FL - Gosto de tudo. Gosto mais de umas coisas e menos de outras, mas não desgosto de nada. Talvez destaca-se o contacto com os investigadores, que em muitas situações é bastante enriquecedor e aprendo sempre alguma coisa.

Há alguma coisa que não aprecia na sua rotina profissional?

FL - Não especialmente.

Na sua opinião o melhor da Faculdade é…?

FL - Os recursos humanos de que dispõe, e, de uma forma geral, o bom ambiente de trabalho e o espirito de colaboração entre as pessoas.

E o melhor da Administração Pública, o que é?

FL - O serviço público. O poder contribuir, através do nosso trabalho e à escala da nossa função, para um bem coletivo, que nos envolve a todos, e que por isso é maior. Já trabalhei em empresas e em organismos públicos, e em ambas as situações encontrei aspetos aliciantes e motivadores, mas o espirito é realmente diferente.

Se tivesse que escolher um adjetivo para o descrever, qual seria a palavra escolhida?

FL - Apreendedor.

Porquê?

FL - Porque tenho passado a minha vida profissional toda a aprender coisas novas, e o mesmo aconteceu quando vim para Ciências, e continua a acontecer, e ainda bem.

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Os vários objectivos do DEGGE: Tudo o que nos define, e tudo o que apoiamos

O ENEI'12 vai realizar-se na FCUL.

ESTRUTURA E GESTÃO DO DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA ANIMAL (DBA)

Apresentação do Departamento

Paleontólogos do MNHN da UL e do GeoFCUL em foco na revista TVmais.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

O DQB e a FCUL acolheram, mais uma vez, a realização de provas semifinais das Olimpíadas de Química Júnior 2012 no sábado, 14 de abril de 2012.

Pessoas estudam numa mesa na biblioteca

“Acho que qualquer aluno consegue ser bom, se tiver uma boa disciplina de trabalho e objetivos concretos”. Quem o diz é Gonçalo Faria da Silva, estudante do 3.º ano de Biologia.

No penúltimo dia de março realiza-se a quinta e última sessão do workshop destinado a preparar os estudantes para a obtenção do 1.º emprego.

 

Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Páginas