Dictum et factum

Fernando Lopes

Fernando Lopes

ACI Ciências

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O décimo Dictum et factum é com Fernando Lopes, coordenador do Gabinete de Apoio à Investigação da Direção de I&D de Ciências.

Quando era criança já sabia que profissão gostaria de ter no futuro?

Fernando Lopes (FL) - Em criança devo ter pensado em várias coisas. Uma ideia mais consolidada e que me acompanhou durante vários anos foi a de ser biólogo, que durou até ao início do 12.º ano. Depois comecei a pensar que gostava muito de animais, e também de plantas, mas mais do que estudá-los, gostava de os criar, de os reproduzir, de produzir alguma coisa com eles, e fui para Agronomia, onde acabei por escolher o curso de Engenharia Florestal.

Como surgiu a hipótese de trabalhar em Ciências?

FL - Através do Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública (CEAGP), que é um mecanismo de recrutamento de técnicos superiores para a administração pública, gerido pelo ex-Instituto Nacional de Administração (INA), no decorrer do qual os alunos têm de indicar seis entidades da sua preferência e essas entidades podem selecionar os candidatos que lhes interessem. Tem de haver um “casamento” por mútuo interesse. Felizmente, logo na primeira fase, eu indiquei a FCUL e a FCUL escolheu-me.

Qual foi o 1.º emprego?

FL - O primeiro emprego, como licenciado, ou melhor quase licenciado, uma vez que comecei a trabalhar no inico do 5.º ano da licenciatura, foi como bolseiro de investigação no Instituto Superior de Agronomia, para trabalhar em projetos de investigação sobre o sobreiro e a cortiça.

O primeiro trabalho remunerado aconteceu bastante mais cedo. Quando tinha 15 anos fui trabalhar durante as férias grandes para a Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço. Lembro-me bem do primeiro dia, fui com uma equipa de cantoneiros reparar uma estrada onde ainda hoje passo com regularidade. Como estávamos nas férias de Verão fui de t-shirt, sem outro agasalho, e choveu o dia todo. Uma estreia auspiciosa.

Há quantos anos trabalha em Ciências?

FL - Há quatro anos. Comecei no dia 1 de julho de 2012.

O que começou por fazer quando aqui chegou?

FL - Fui integrado na Unidade de I&D e Inovação, que era a vaga a que tinha concorrido no âmbito do CEAGP. Comecei por trabalhar sob a orientação do professor José Rebordão, na gestão do sistema de informação LOGOS e módulos anexos, no cálculo dos indicadores de Ciências na área da I&D e na promoção de programas de financiamento de projetos de I&D junto dos nossos investigadores, fazendo sempre a necessária ligação com a Fundação da FCUL. Tive ainda oportunidade de representar Ciências no Grupo de Apoio Técnico da Universidade de Lisboa (GATUL).

E agora como é o seu dia-a-dia?

FL - Continuo no mesmo serviço, que agora se chama Direção de I&D, com as mesmas funções, acrescidas da gestão da área de propriedade industrial de Ciências, que transitou dos serviços da Reitoria para Ciências em 2014, e mais recentemente de funções de coordenação do gabinete de apoio à investigação, que além do que já referi, tem a responsabilidade de apoiar os nossos investigadores no relacionamento com os organismos da administração pública promotores de programas de financiamento, com outras entidades financiadoras, com parceiros, com empresas com quem colaborem e na descodificação das politicas públicas e de financiamento à I&D e inovação.

O que é que mais gosta de fazer na unidade onde está inserido?

FL - Gosto de tudo. Gosto mais de umas coisas e menos de outras, mas não desgosto de nada. Talvez destaca-se o contacto com os investigadores, que em muitas situações é bastante enriquecedor e aprendo sempre alguma coisa.

Há alguma coisa que não aprecia na sua rotina profissional?

FL - Não especialmente.

Na sua opinião o melhor da Faculdade é…?

FL - Os recursos humanos de que dispõe, e, de uma forma geral, o bom ambiente de trabalho e o espirito de colaboração entre as pessoas.

E o melhor da Administração Pública, o que é?

FL - O serviço público. O poder contribuir, através do nosso trabalho e à escala da nossa função, para um bem coletivo, que nos envolve a todos, e que por isso é maior. Já trabalhei em empresas e em organismos públicos, e em ambas as situações encontrei aspetos aliciantes e motivadores, mas o espirito é realmente diferente.

Se tivesse que escolher um adjetivo para o descrever, qual seria a palavra escolhida?

FL - Apreendedor.

Porquê?

FL - Porque tenho passado a minha vida profissional toda a aprender coisas novas, e o mesmo aconteceu quando vim para Ciências, e continua a acontecer, e ainda bem.

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas