Manuel Carmo Gomes distinguido com Medalha de Serviços Distintos do Ministério da Saúde

Grau ouro atribuído pelos serviços prestados na resposta à pandemia

Marta Temido a dar a medalha a Manuel Carmo Gomes

Manuel Carmo Gomes foi distinguido com a Medalha de Serviços Distintos – grau Ouro do Ministério da Saúde

Ministério da Saúde

Manuel Carmo Gomes, professor do Departamento de Biologia Vegetal (DBV) da Ciências ULisboa, foi um dos especialistas distinguidos com a Medalha de Serviços Distintos – grau Ouro do Ministério da Saúde (MS). A distinção foi atribuída por Marta Temido, ministra da Saúde, em reconhecimento pelo trabalho desenvolvido no âmbito da resposta à COVID-19.

A cerimónia, ocorrida a 9 de março nas instalações do Infarmed, reconheceu especialistas pelo aconselhamento técnico prestado ao MS, e instituições públicas pelo importante empenho na campanha de vacinação contra a COVID-19 em Portugal. Dias antes foi a vez do Presidente da República condecorar o Serviço Nacional de Saúde, como membro honorário da Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito. Após essa cerimónia, Marcelo Rebelo de Sousa jantou com os especialistas que contribuíram para a análise da “Situação epidemiológica da COVID-19 em Portugal" nas reuniões do Infarmed.

foto de grupo
Foram premiados especialistas de diversas áreas do conhecimento
Fonte MS

Assim, foi atribuída a Medalha de Serviços Distintos – grau Ouro do Ministério da Saúde a 13 especialistas nas áreas da Epidemiologia, saúde pública e Ciências Sociais: Ana Paula Rodrigues, Ausenda Machado, Baltazar Nunes, Carla Nunes, Fátima Ventura, Henrique Barros, João Paulo Gomes [em nome do Núcleo de Bioinformática e da Unidade de Tecnologia e Inovação do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA)], Manuel Carmo Gomes, Milton Severo, Óscar Felgueiras, Pedro Pinto Leite [em nome da Direção de Serviços de Informação e Análise da Direção-Geral da Saúde (DGS)], Raquel Duarte e Válter Fonseca.

Ao longo dos últimos dois anos de pandemia, o Ministério procurou ouvir especialistas de várias áreas do conhecimento, para que a estratégia de adequação das medidas de resposta à COVID-19 estivesse suportada na melhor evidência científica.

O MS reconheceu ainda a relevância da campanha de vacinação contra a COVID-19, que permitiu conter a doença e proteger os sistemas de saúde, atribuindo esta distinção às seguintes instituições: Núcleo de Coordenação do Plano de Vacinação contra a gripe sazonal e contra a COVID-19, na pessoa do coronel Carlos Penha Gonçalves, Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte, ARS do Centro, ARS de Lisboa e Vale do Tejo, ARS do Alentejo e ARS do Algarve, DGS, Administração Central do Sistema de Saúde, Infarmed, INEM, INSA, Serviços de Utilização Comum dos Hospitais, Serviços Partilhados do MS.

medalhas
Medalhas de Serviços Distintos
Fonte MS


A medalha de serviços distintos existe desde 1965, e destina-se a galardoar pessoas que tenham praticado atos de abnegação, caridade, altruísmo ou beneficência, ou tenham prestado serviços relevantes à saúde pública ou à assistência social. Pode ainda ser concedida aos organismos, instituições ou empresas que se distingam pela sua atividade nos sectores da saúde ou da assistência ou para eles tenham contribuído de modo relevante.

Corridos dois anos desde o surgimento do primeiro caso de COVID-19, Marta Temido deixou uma mensagem de reconhecimento e agradecimento aos distinguidos, assim como a todas as equipas que fizeram parte do processo. Dada a enorme exigência destes dois anos de trabalho e as múltiplas reuniões e horas de trabalho, Marta Temido enalteceu o trabalho dos especialistas medalhados, na análise, estudo, investigação e recolha de dados, e das instituições distinguidas, na logística e prossecução das tarefas inerentes ao combate à pandemia.

Professor do DBV Ciências ULisboa, desde 1985, Manuel Carmo Gomes é membro da Comissão Técnica de Vacinação, órgão com funções consultivas junto da DGS, uma colaboração com mais de 20 anos. Com mestrado em Probabilidades e Estatística, doutoramento em Biologia e um percurso de 25 anos dedicado à propagação de doenças infeciosas, é um dos peritos em Epidemiologia e especialista de referência na análise das questões relacionadas com a pandemia por COVID-19.

As primeiras palavras de Manuel Carmo Gomes são de agradecimento à Ministra da Saúde, pelo reconhecimento do trabalho realizado desde o início da pandemia, destacando a preocupação manifestada pelo Governo em dar ouvidos à ciência antes de tomar qualquer decisão.

A sua colaboração com o MS iniciou-se em fevereiro de 2020, a propósito da necessidade de pensar na constituição de uma reserva estratégica de medicamentos. O especialista explica que “embora ainda não houvessem casos em Portugal, a pandemia já tinha causado 80 mil infeções na China e chegavam notícias muito preocupantes do norte de Itália e da região de Madrid”. A duração e a exigência do percurso que viriam a percorrer eram ainda totalmente desconhecidos.

“Uma coisa é estudar pandemias nos livros, outra é vivê-las. Uma pandemia implica (quase por definição) que surgiu um microrganismo novo, sobre o qual a experiência do passado pode revelar-se muito insuficiente.” Manuel Carmo Gomes

Em 2021 Manuel Carmo Gomes protagonizou um vídeo explicativo, gravado em janeiro desse ano, com perguntas e respostas sobre a vacina contra a COVID-19 e que surgiu por iniciativa de uma estudante da Faculdade, Samanta Freire. Em março de 2020, escreveu sobre a pandemia num artigo de opinião intitulado “A Faculdade e a COVID-19” e em novembro de 2021 assinou o ensaio “COVID-19 em Portugal: situação atual e perspetivas para o futuro” com o professor Carlos Antunes, seu colega.

A cada dia foram surgindo novas descobertas sobre o vírus e a sua forma de atuação. Manuel Carmo Gomes destaca algumas delas: a transmissibilidade entre indivíduos assintomáticos; a diversidade de apresentações clínicas e afetação de todos os órgãos humanos internos; o papel das máscaras; a insuficiência das temperaturas altas para a mitigação da sua transmissão, contrariamente ao que acontece com a gripe. Ao longo de dois anos, e depois surgimento do vírus original de Wuhan, assistiu-se ao seu impressionante processo evolutivo, tendo surgido as variantes Alfa, Beta, Delta e Ómicron.

“Houve sempre necessidade de ir mantendo um equilíbrio entre a salvaguarda da saúde publica e o impacto social e económico das decisões. Felizmente, os epidemiologistas não tiveram de tomar decisões, não é isso que lhes compete, o papel quotidiano da ciência foi o de descrever o melhor possível a situação epidemiológica, equacionando também os cenários que se afiguravam mais prováveis para o futuro próximo. O nosso objetivo foi o de facilitar a tarefa a quem realmente competia tomar decisões.” Manuel Carmo Gomes

Para Manuel Carmo Gomes, numa situação de pandemia como a que se viveu, não é fácil tomar decisões consensuais, pois todas as soluções encontradas têm vantagens, desvantagens e riscos, sendo que algumas desvantagens foram muito sérias, devido ao seu impacto social e económico. “Em situações em que qualquer decisão tem prós e contras, contras estes que afetam toda a sociedade, a crítica é fácil e está sempre à mão. Podemos colocar os holofotes apenas nos aspetos negativos das decisões, esquecendo ou ignorando que qualquer outra decisão também teria (outros) aspetos negativos. Vimos isso acontecer vezes sem conta ao longo desta pandemia, em particular por parte de entidades interessadas na procura de sensacionalismo”, explica.

“Penso que a ciência contribuiu para calcular os riscos, clarificar caminhos viáveis e aguçar a discussão objetiva em torno dos dados de que fomos dispondo. Estou convicto de que o conhecimento entretanto adquirido deverá vir a revelar-se útil na nossa preparação para a próxima porque, como dizem os colegas da sismologia – a questão é quando e não se.” Manuel Carmo Gomes

Marta Tavares, Área de Comunicação e Imagem Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
mamífero toirão

O novo Livro Vermelho dos Mamíferos de Portugal Continental, apresentado esta terça-feira, atualiza o conhecimento sobre as espécies de mamíferos terrestres e marinhos da fauna de Portugal Continental e faz uma revisão dos estatutos de ameaça das espécies.

conjunto de pessoas - foto de grupo dos participantes

Nos dias 11 e 18 de março, realizaram-se no Departamento de Química e Bioquímica as semifinais das Olimpíadas de Química + e Júnior, respetivamente.

menina a escrever num papel com formulas matemáticas

Professores da Ciências ULisboa integraram equipas da Direção Geral de Educação, criadas para definir as aprendizagens essenciais para a Matemática do Ensino Secundário.

4 investigadores

Quatro investigadores do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente estiveram embarcados em expedições oceanográficas no Oceano Atlântico e Oceano Austral, com o objetivo de estudar os processos biogeoquímicos do oceano.

foto de grupo com mulheres homenageadas

O quarto volume do livro “Mulheres na Ciência”, editado pela Ciência Viva, conta com retratos de 101 cientistas portuguesas de diferentes gerações e áreas do conhecimento científico, onze delas investigadoras na Ciências ULisboa.

4 pessoas em frente de uma tela de apresentação

No âmbito da UC “Voluntariado Curricular”, realizaram-se no passado dia 19 de janeiro as apresentações dos projetos dos alunos. Esta UC promove a formação e o desenvolvimento pessoal dos estudantes, sensibilizando-os para as temáticas da solidariedade, tolerância, compromisso, justiça e responsabilidade social.

Henrique Leitão e José María Moreno

Henrique Leitão e José María Moreno Madrid, investigadores do Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia (CIUHCT) ​​​​​​ganham (em ex-aequo) o prémio Almirante Teixeira da Mota pelo seu livro "Desenhando a Porta do Pacífico. Mapas, Cartas e Outras Representações Visuais do Estreito de Magalhães".

instrumento matemático

Está patente na Fundação Caixa Agrícola Costa Azul, em Santiago do Cacém, “O Cálculo de Ontem e de Hoje”, uma exposição didática concebida pelo Departamento de Matemática da Ciências ULisboa e pelo Museu Nacional de História Natural e da Ciência, em parceria com o Centro de Ciência Viva do Lousal.

alimentos

O programa da Antena 1 intitulado “Os desafios da alimentação sustentável”, que contou com a colaboração da ULisboa, Universidade Nova de Lisboa e Universidade do Algarve, foi lançado a 6 de fevereiro. Envolvido neste projeto esteve Bruno Pinto, investigador do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente, polo da Ciências ULisboa.

Maria Manuel Torres

Maria Manuel Torres, professora do DM Ciências ULisboa, é a protagonista do quinto vídeo do projeto “Porquês com Ciência” sobre Matemática e Sustentabilidade.

pessoas numa exposição

A iniciativa “Café Ciências” está de regresso, após uma pausa forçada devido à pandemia. As sessões terão lugar às quartas-feiras, pelas 17h30, na Galeria Ciências, promovendo olhares cruzados sobre a exposição “A Porta do Pacífico: Uma viagem cartográfica pelo Estreito de Magalhães”.

Marta Panão no estudio FCCN

Marta Panão, professora do Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia da Ciências ULisboa, é a protagonista do quarto vídeo do projeto “Porquês com Ciência”, disponível no YouTube da Faculdade. A pergunta “Como pensar a energia nos edifícios do futuro?” está diretamente relacionada com a licenciatura em Engenharia da Energia e Ambiente.

fotografia dos dois premiados

Dois estudantes da Ciências ULisboa receberam, em 2022, Bolsas de Investigação para Doutoramento Maria de Sousa, atribuídas pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, em colaboração com a Agência de Investigação Clínica e Inovação Biomédica.

Conceção artística de um buraco negro

Uma equipa internacional, da qual faz parte José Afonso, investigador no Departamento de Física da Faculdade e no Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, lançou a hipótese de que os buracos negros poderão ter a resposta para a expansão acelerada do Universo.

vários jovens numa foto de grupo

Leonor Gonçalves, estudante do 1º. ano do mestrado em Estatística e Investigação Operacional, fala sobre a sua missão e partilha a experiência enquanto embaixadora das Carreiras na União Europeia (UE), deixando um apelo aos estudantes da Ciências ULisboa com interesse e dúvidas sobre as carreiras da UE, para que entrem em contacto com ela.

mesa com computador, caneca de café e bloco de notas

A Sociedade Portuguesa de Autores atribuiu o Prémio de Jornalismo Cultural deste ano à jornalista Teresa Firmino, editora da secção de Ciência do jornal Público, e membro do Conselho de Escola da Ciências ULisboa.

frente da reitoria da ULisboa

Entrevista a James McAllister, filósofo e professor no Institute for Philosophy, na Universidade de Leiden, na Holanda, que estará a trabalhar na Faculdade durante este ano letivo como investigador visitante.

imagem do Perserverance em Marte

Carlos Mão de Ferro, estudante do doutoramento em Informática, relata a sua experiência de estágio na NASA, na Califórnia, EUA. O estudante está a participar num projeto cujo objetivo é lançar pequenos robots na superfície de Marte, a partir de um rover principal, formando uma rede de sensores inteligente, com o intuito de estudar a existência de água no planeta.

Carlos Castro a receber a nomeação

Carlos Nieto de Castro, professor catedrático jubilado do Departamento de Química e Bioquímica e investigador no Centro de Química Estrutural (CQE), foi eleito Fellow da International Association for Advanced Materials (IAAM), como reconhecimento pela sua contribuição na área da Termofísica de fluidos e materiais com aplicações energéticas. É o segundo investigador português a obter esta distinção.

tubarão-martelo

Novo estudo recentemente publicado na revista Frontiers in Marine Science, desenvolvido por investigadores portugueses e cabo-verdianos, revela zona de berçário de tubarões na baía de Sal Rei, na ilha da Boa Vista, em Cabo Verde. Albergando juvenis de várias espécies ameaçadas, incluindo o icónico tubarão-martelo, trata-se de uma região única no Atlântico Este.

vistas da tibia, dinossauro e silueta humana

Trabalhos de investigação na jazida de Lo Hueco, Cuenca, em Espanha permitiram identificar restos fósseis de um dinossáurio carnívoro, com aproximadamente 75-70 milhões de anos, estreitamente relacionado ao grupo dos velocirraptorinos.

Galopim de Carvalho e Marcelo Rebelo de Sousa

O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa, condecorou, em cerimónia no Palácio de Belém no passado dia 31 de janeiro, o professor catedrático jubilado António Galopim de Carvalho com as insígnias de Grande-Oficial da Ordem da Instrução Pública, ordem honorífica que reconhece a dedicação à causa da educação e do ensino.

mapa, com desenho de um dinossauro e vertebras caudais

Foi publicado recentemente na revista internacional Historical Biology um novo estudo sobre a diversidade dos dinossáurios saurópodes do Maastrichtiano da antiga ilha de Hațeg, que corresponde atualmente ao atual território da Roménia. O estudo foi liderado pelo paleontólogo Pedro Mocho, investigador no DG Ciências ULisboa, no Instituto Dom Luiz (IDL), e no Dinosaur Institute do Natural History Museum of Los Angeles County, na Califórnia.

Michele Vendruscolo, Ehud Gazit e Kresten Lindorff-Larsen

A propósito do arranque do projeto europeu TWIN2PIPSA, irá decorrer na Ciências ULisboa, entre os dias 1 e 3 de fevereiro de 2023, uma série de conferências plenárias, abertas a toda a comunidade académica, proferidas por especialistas das universidades parceiras do projeto: Michele Vendruscolo, da Universidade de Cambridge; Ehud Gazit, da Universidade de Tel Aviv; e Kresten Lindorff-Larsen, da Universidade de Copenhaga.

Artigo em homenagem ao professor do Departamento de Educação da Ciências ULisboa, Eduardo Veloso, falecido em dezembro de 2022, da autoria de Suzana Nápoles, professora aposentada do DM Ciências ULisboa.

Páginas