Manuel Carmo Gomes distinguido com Medalha de Serviços Distintos do Ministério da Saúde

Grau ouro atribuído pelos serviços prestados na resposta à pandemia

Marta Temido a dar a medalha a Manuel Carmo Gomes

Manuel Carmo Gomes foi distinguido com a Medalha de Serviços Distintos – grau Ouro do Ministério da Saúde

Ministério da Saúde

Manuel Carmo Gomes, professor do Departamento de Biologia Vegetal (DBV) da Ciências ULisboa, foi um dos especialistas distinguidos com a Medalha de Serviços Distintos – grau Ouro do Ministério da Saúde (MS). A distinção foi atribuída por Marta Temido, ministra da Saúde, em reconhecimento pelo trabalho desenvolvido no âmbito da resposta à COVID-19.

A cerimónia, ocorrida a 9 de março nas instalações do Infarmed, reconheceu especialistas pelo aconselhamento técnico prestado ao MS, e instituições públicas pelo importante empenho na campanha de vacinação contra a COVID-19 em Portugal. Dias antes foi a vez do Presidente da República condecorar o Serviço Nacional de Saúde, como membro honorário da Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito. Após essa cerimónia, Marcelo Rebelo de Sousa jantou com os especialistas que contribuíram para a análise da “Situação epidemiológica da COVID-19 em Portugal" nas reuniões do Infarmed.

foto de grupo
Foram premiados especialistas de diversas áreas do conhecimento
Fonte MS

Assim, foi atribuída a Medalha de Serviços Distintos – grau Ouro do Ministério da Saúde a 13 especialistas nas áreas da Epidemiologia, saúde pública e Ciências Sociais: Ana Paula Rodrigues, Ausenda Machado, Baltazar Nunes, Carla Nunes, Fátima Ventura, Henrique Barros, João Paulo Gomes [em nome do Núcleo de Bioinformática e da Unidade de Tecnologia e Inovação do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA)], Manuel Carmo Gomes, Milton Severo, Óscar Felgueiras, Pedro Pinto Leite [em nome da Direção de Serviços de Informação e Análise da Direção-Geral da Saúde (DGS)], Raquel Duarte e Válter Fonseca.

Ao longo dos últimos dois anos de pandemia, o Ministério procurou ouvir especialistas de várias áreas do conhecimento, para que a estratégia de adequação das medidas de resposta à COVID-19 estivesse suportada na melhor evidência científica.

O MS reconheceu ainda a relevância da campanha de vacinação contra a COVID-19, que permitiu conter a doença e proteger os sistemas de saúde, atribuindo esta distinção às seguintes instituições: Núcleo de Coordenação do Plano de Vacinação contra a gripe sazonal e contra a COVID-19, na pessoa do coronel Carlos Penha Gonçalves, Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte, ARS do Centro, ARS de Lisboa e Vale do Tejo, ARS do Alentejo e ARS do Algarve, DGS, Administração Central do Sistema de Saúde, Infarmed, INEM, INSA, Serviços de Utilização Comum dos Hospitais, Serviços Partilhados do MS.

medalhas
Medalhas de Serviços Distintos
Fonte MS


A medalha de serviços distintos existe desde 1965, e destina-se a galardoar pessoas que tenham praticado atos de abnegação, caridade, altruísmo ou beneficência, ou tenham prestado serviços relevantes à saúde pública ou à assistência social. Pode ainda ser concedida aos organismos, instituições ou empresas que se distingam pela sua atividade nos sectores da saúde ou da assistência ou para eles tenham contribuído de modo relevante.

Corridos dois anos desde o surgimento do primeiro caso de COVID-19, Marta Temido deixou uma mensagem de reconhecimento e agradecimento aos distinguidos, assim como a todas as equipas que fizeram parte do processo. Dada a enorme exigência destes dois anos de trabalho e as múltiplas reuniões e horas de trabalho, Marta Temido enalteceu o trabalho dos especialistas medalhados, na análise, estudo, investigação e recolha de dados, e das instituições distinguidas, na logística e prossecução das tarefas inerentes ao combate à pandemia.

Professor do DBV Ciências ULisboa, desde 1985, Manuel Carmo Gomes é membro da Comissão Técnica de Vacinação, órgão com funções consultivas junto da DGS, uma colaboração com mais de 20 anos. Com mestrado em Probabilidades e Estatística, doutoramento em Biologia e um percurso de 25 anos dedicado à propagação de doenças infeciosas, é um dos peritos em Epidemiologia e especialista de referência na análise das questões relacionadas com a pandemia por COVID-19.

As primeiras palavras de Manuel Carmo Gomes são de agradecimento à Ministra da Saúde, pelo reconhecimento do trabalho realizado desde o início da pandemia, destacando a preocupação manifestada pelo Governo em dar ouvidos à ciência antes de tomar qualquer decisão.

A sua colaboração com o MS iniciou-se em fevereiro de 2020, a propósito da necessidade de pensar na constituição de uma reserva estratégica de medicamentos. O especialista explica que “embora ainda não houvessem casos em Portugal, a pandemia já tinha causado 80 mil infeções na China e chegavam notícias muito preocupantes do norte de Itália e da região de Madrid”. A duração e a exigência do percurso que viriam a percorrer eram ainda totalmente desconhecidos.

“Uma coisa é estudar pandemias nos livros, outra é vivê-las. Uma pandemia implica (quase por definição) que surgiu um microrganismo novo, sobre o qual a experiência do passado pode revelar-se muito insuficiente.” Manuel Carmo Gomes

Em 2021 Manuel Carmo Gomes protagonizou um vídeo explicativo, gravado em janeiro desse ano, com perguntas e respostas sobre a vacina contra a COVID-19 e que surgiu por iniciativa de uma estudante da Faculdade, Samanta Freire. Em março de 2020, escreveu sobre a pandemia num artigo de opinião intitulado “A Faculdade e a COVID-19” e em novembro de 2021 assinou o ensaio “COVID-19 em Portugal: situação atual e perspetivas para o futuro” com o professor Carlos Antunes, seu colega.

A cada dia foram surgindo novas descobertas sobre o vírus e a sua forma de atuação. Manuel Carmo Gomes destaca algumas delas: a transmissibilidade entre indivíduos assintomáticos; a diversidade de apresentações clínicas e afetação de todos os órgãos humanos internos; o papel das máscaras; a insuficiência das temperaturas altas para a mitigação da sua transmissão, contrariamente ao que acontece com a gripe. Ao longo de dois anos, e depois surgimento do vírus original de Wuhan, assistiu-se ao seu impressionante processo evolutivo, tendo surgido as variantes Alfa, Beta, Delta e Ómicron.

“Houve sempre necessidade de ir mantendo um equilíbrio entre a salvaguarda da saúde publica e o impacto social e económico das decisões. Felizmente, os epidemiologistas não tiveram de tomar decisões, não é isso que lhes compete, o papel quotidiano da ciência foi o de descrever o melhor possível a situação epidemiológica, equacionando também os cenários que se afiguravam mais prováveis para o futuro próximo. O nosso objetivo foi o de facilitar a tarefa a quem realmente competia tomar decisões.” Manuel Carmo Gomes

Para Manuel Carmo Gomes, numa situação de pandemia como a que se viveu, não é fácil tomar decisões consensuais, pois todas as soluções encontradas têm vantagens, desvantagens e riscos, sendo que algumas desvantagens foram muito sérias, devido ao seu impacto social e económico. “Em situações em que qualquer decisão tem prós e contras, contras estes que afetam toda a sociedade, a crítica é fácil e está sempre à mão. Podemos colocar os holofotes apenas nos aspetos negativos das decisões, esquecendo ou ignorando que qualquer outra decisão também teria (outros) aspetos negativos. Vimos isso acontecer vezes sem conta ao longo desta pandemia, em particular por parte de entidades interessadas na procura de sensacionalismo”, explica.

“Penso que a ciência contribuiu para calcular os riscos, clarificar caminhos viáveis e aguçar a discussão objetiva em torno dos dados de que fomos dispondo. Estou convicto de que o conhecimento entretanto adquirido deverá vir a revelar-se útil na nossa preparação para a próxima porque, como dizem os colegas da sismologia – a questão é quando e não se.” Manuel Carmo Gomes

Marta Tavares, Área de Comunicação e Imagem Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
imagem abstrata representativa de termodinamica

"Quando ensinamos temos que ter a preocupação de que os alunos compreendem as matérias da melhor forma possível, e essa é a minha forma de ensinar, que procurei refletir neste livro”, diz Patrícia Faísca, professora do DF Ciências ULisboa e autora do novo livro sobre Termodinâmica, publicado na editora CRC Press.

logotipo da iniciativa

“Porquês com Ciência” é o novo projeto de divulgação científica da Direção de Comunicação e Imagem da Faculdade e arranca no início deste ano letivo. Cinco vídeos serão lançados no YouTube até ao final de 2022 e têm como personagens principais João Telhada, Ibéria Medeiros, Marta Panão, Maria Manuel Torres e Sara Magalhães. As temáticas em foco estão relacionadas com as Bolsas de Palestras.

grupo de investigadores

O projeto LIFE PREDATOR, aprovado no âmbito do Programa LIFE, vai arrancar no próximo mês de outubro. Da equipa de trabalho europeia fazem parte sete professores e investigadores de três unidades de investigação da Faculdade, que vão colaborar no estudo e combate da espécie invasora peixe-gato europeu.

Alunos e professores

Portugal conquistou quatro medalhas de ouro, duas de prata e uma de bronze na 15.ª edição das Olimpíadas Internacionais de Ciências da Terra (IESO 2022). Esta foi a melhor participação de sempre de Portugal nestas provas internacionais.

Jovens na praia

Crónica sobre o Roteiro Entremarés da autoria do professor Carlos Duarte. Esta é a segunda aplicação que resulta da colaboração entre o Departamento de Informática da Ciências ULisboa e o Instituto de Educação da ULisboa, depois da publicação em 2017 da aplicação Roteiro dos Descobrimentos.

ilustração SARS-CoV-2

As pessoas vacinadas que foram infetadas pelas primeiras subvariantes Omicron têm uma proteção quatro vezes superior do que à das pessoas vacinadas que não foram infetadas. Estes resultados constam de um estudo liderado por Luís Graça e Manuel Carmo Gomes, publicado na prestigiada revista científica New England Journal of Medicine.

núvens cósmicas

O XXXII Encontro Nacional de Astronomia e Astrofísica terá lugar nos próximos dias 5 e 6 de setembro, na Ciências ULisboa. O evento é organizado pelo Centro de Astrofísica e Gravitação, em parceria com a Sociedade Portuguesa de Astronomia e a Ciências ULisboa.

Campo com árvores de fruto e hortícolas

O projeto GrowLIFE - coordenado pela Ciências ULisboa, FCiências.ID - Associação para a Investigação e Desenvolvimento de Ciências e Turismo de Portugal é financiado pelo Programa para o Ambiente e a Ação Climática (LIFE) no valor de €1.452.673,00 - e arranca em junho de 2023, tem uma duração de cinco anos. O resultado da candidatura coordenada pela Caravana AgroEcológica foi conhecido em abril deste ano e o contrato foi assinado em agosto.

Cientista no laboratório

Em 2022, 134 investigadores doutorados ligados a unidades de investigação da Faculdade submeteram candidaturas à 5.ª edição do Concurso de Estímulo ao Emprego Científico – Individual, tendo sido atribuídos 23 contratos de trabalho. Em quatro edições deste concurso, 714 investigadores doutorados com ligações a unidades de investigação da Faculdade apresentaram candidaturas, tendo sido atribuídos 71 contratos de trabalho.

Paleontólogos em escavação

Uma equipa de paleontólogos portugueses e espanhóis conduziu, entre 1 e 10 de agosto de 2022, uma campanha de escavação na jazida paleontológica de Monte Agudo que resultou na extração de parte do esqueleto fossilizado de um dinossáurio saurópode de grande porte.

oceano, areia, palmeiras e barcos

"A revista npj Ocean Sustainability está particularmente interessada em investigação que incida sobre as interligações existentes entre ciência, política e prática, bem como abordagens sistemáticas, soluções transformativas, e inovação para suportar a sustentabilidade do oceano a múltiplos níveis!", escreve Catarina Frazão Santos, editora-chefe, convidada em setembro de 2021 para fundar a revista.

Participantes do simpósio no grande auditório da Faculdade

O primeiro Simpósio Internacional de Catálise Homogénea aconteceu nos EUA há 44 anos. A vigésima segunda edição ocorreu este ano em Portugal, na Ciências ULisboa. A próxima edição está marcada para 2024, em Itália. Este importante acontecimento tem contribuído para o desenvolvimento da Catálise Homogénea.

graficos, lupa e oculos numa mesa

Maria Zacarias, investigadora do Centro de Estatística e Aplicações da Universidade de Lisboa, escreve uma crónica sobre a última edição do “Sê Investigador por Três Semanas”, na qual dá a conhecer a opinião de quem participou na iniciativa que durante três semanas, possibilitou que alunos de licenciatura e de mestrado pudessem trabalhar de perto com investigadores e observar a transversalidade da Estatística.

coelho-bravo

A equipa do projeto do Livro Vermelho dos Mamíferos, que está a trabalhar na revisão do estatuto de ameaça e estado de conservação destas espécies em Portugal, realizou uma “compilação inédita” de dados de ocorrências georreferenciados de mamíferos em Portugal Continental e nos Açores e Madeira.

pessoas sentadas a escrever ao computador e em post its

Decorreu de 11 a 15 de julho na Ciências ULisboa a WideHealth Summer School sob o tema “Human Factors in Pervasive Health”. O evento foi organizado pelo LASIGE, tendo acolhido participantes de toda a Europa.

rapariga no laboratorio

Já são conhecidos os resultados do Concurso de Projetos de I&D em Todos os Domínios Científicos de 2022, da FCT. Do total de projetos aprovados para financiamento, 33 contam com a participação da Ciências ULisboa.

grupo de alunos do programa

"Na Ciências ULisboa temo-nos esforçado ao longo dos anos para desenvolver um programa que trará uma semana inesquecível a estes jovens", escreve Ana Sofia Santos, monitora central do Verão na ULisboa, no artigo de opinião sobre o programa.

rapariga a rir

"A ideia de que o sentido de humor pode facilitar o ajustamento, a gestão e a regulação emocional parece ter bastante fundamento. Mas, como, onde e como entram os limites do humor nesta questão?", escreve Samuel Silva, psicólogo no GAPsi Ciências ULisboa.

Instalações do Quake

Os cientistas Susana Custódio e Luís Matias escrevem sobre o Centro do Terramoto de Lisboa, que nasceu de uma vontade de contar a fascinante história do sismo de 1755. A Faculdade e o IDL Ciências ULisboa são parceiros do Quake. 

mar

Novo artigo científico publicado na Frontiers in Marine Science alerta para a necessidade de uma visão global para o oceano no acordo internacional atualmente em elaboração no quadro das Nações Unidas. Artigo conta com a participação de dois professores e investigadores da Ciências ULisboa.

imagem ilustrativa do prémio

O Prémio DHFC 2021 foi atribuído a Daniele Molinini, investigador do CFCUL, membro do grupo de investigação Filosofia das Ciências Formais, Metodologia e Epistemologia.

Hugo Duminil-Copin

"Hugo Duminil-Copin é um físico-matemático que trabalha em teoria das probabilidades. Um daqueles que, durante os vinte últimos anos, regressou à fonte histórica de inspiração das matemáticas, a física teórica", escreve Jean-Claude Zambrini, professor do DM Ciências ULisboa, no ensaio dedicado ao matemático galardoado com a medalha Fields.

posters afixados

“Jovens investigadores” é o projeto da EBS Alfredo da Silva, no Barreiro, que permite aos alunos estabelecerem uma relação de proximidade com professores e investigadores do ensino superior, nomeadamente da Ciências ULisboa.

Pessoa a trabalhar na FCULresta

Já existem mais três miniflorestas plantadas na AML e muitas outras estão a germinar. “A FCULresta cumpre assim um outro objetivo, o de inspirar e apoiar a plantação de mais florestas urbanas biodiversas”, escrevem David Avelar, António Alexandre e Diogo Mendes.

June Huh

"O que motiva June Huh é a busca da beleza na Matemática, e a descoberta de ligações entre diferentes áreas desta disciplina", escreve Carlos A. A. Florentino, professor do DM Ciências ULisboa, no ensaio dedicado ao matemático galardoado com a medalha Fields.

Páginas