Manuel Carmo Gomes distinguido com Medalha de Serviços Distintos do Ministério da Saúde

Grau ouro atribuído pelos serviços prestados na resposta à pandemia

Marta Temido a dar a medalha a Manuel Carmo Gomes

Manuel Carmo Gomes foi distinguido com a Medalha de Serviços Distintos – grau Ouro do Ministério da Saúde

Ministério da Saúde

Manuel Carmo Gomes, professor do Departamento de Biologia Vegetal (DBV) da Ciências ULisboa, foi um dos especialistas distinguidos com a Medalha de Serviços Distintos – grau Ouro do Ministério da Saúde (MS). A distinção foi atribuída por Marta Temido, ministra da Saúde, em reconhecimento pelo trabalho desenvolvido no âmbito da resposta à COVID-19.

A cerimónia, ocorrida a 9 de março nas instalações do Infarmed, reconheceu especialistas pelo aconselhamento técnico prestado ao MS, e instituições públicas pelo importante empenho na campanha de vacinação contra a COVID-19 em Portugal. Dias antes foi a vez do Presidente da República condecorar o Serviço Nacional de Saúde, como membro honorário da Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito. Após essa cerimónia, Marcelo Rebelo de Sousa jantou com os especialistas que contribuíram para a análise da “Situação epidemiológica da COVID-19 em Portugal" nas reuniões do Infarmed.

foto de grupo
Foram premiados especialistas de diversas áreas do conhecimento
Fonte MS

Assim, foi atribuída a Medalha de Serviços Distintos – grau Ouro do Ministério da Saúde a 13 especialistas nas áreas da Epidemiologia, saúde pública e Ciências Sociais: Ana Paula Rodrigues, Ausenda Machado, Baltazar Nunes, Carla Nunes, Fátima Ventura, Henrique Barros, João Paulo Gomes [em nome do Núcleo de Bioinformática e da Unidade de Tecnologia e Inovação do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA)], Manuel Carmo Gomes, Milton Severo, Óscar Felgueiras, Pedro Pinto Leite [em nome da Direção de Serviços de Informação e Análise da Direção-Geral da Saúde (DGS)], Raquel Duarte e Válter Fonseca.

Ao longo dos últimos dois anos de pandemia, o Ministério procurou ouvir especialistas de várias áreas do conhecimento, para que a estratégia de adequação das medidas de resposta à COVID-19 estivesse suportada na melhor evidência científica.

O MS reconheceu ainda a relevância da campanha de vacinação contra a COVID-19, que permitiu conter a doença e proteger os sistemas de saúde, atribuindo esta distinção às seguintes instituições: Núcleo de Coordenação do Plano de Vacinação contra a gripe sazonal e contra a COVID-19, na pessoa do coronel Carlos Penha Gonçalves, Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte, ARS do Centro, ARS de Lisboa e Vale do Tejo, ARS do Alentejo e ARS do Algarve, DGS, Administração Central do Sistema de Saúde, Infarmed, INEM, INSA, Serviços de Utilização Comum dos Hospitais, Serviços Partilhados do MS.

medalhas
Medalhas de Serviços Distintos
Fonte MS


A medalha de serviços distintos existe desde 1965, e destina-se a galardoar pessoas que tenham praticado atos de abnegação, caridade, altruísmo ou beneficência, ou tenham prestado serviços relevantes à saúde pública ou à assistência social. Pode ainda ser concedida aos organismos, instituições ou empresas que se distingam pela sua atividade nos sectores da saúde ou da assistência ou para eles tenham contribuído de modo relevante.

Corridos dois anos desde o surgimento do primeiro caso de COVID-19, Marta Temido deixou uma mensagem de reconhecimento e agradecimento aos distinguidos, assim como a todas as equipas que fizeram parte do processo. Dada a enorme exigência destes dois anos de trabalho e as múltiplas reuniões e horas de trabalho, Marta Temido enalteceu o trabalho dos especialistas medalhados, na análise, estudo, investigação e recolha de dados, e das instituições distinguidas, na logística e prossecução das tarefas inerentes ao combate à pandemia.

Professor do DBV Ciências ULisboa, desde 1985, Manuel Carmo Gomes é membro da Comissão Técnica de Vacinação, órgão com funções consultivas junto da DGS, uma colaboração com mais de 20 anos. Com mestrado em Probabilidades e Estatística, doutoramento em Biologia e um percurso de 25 anos dedicado à propagação de doenças infeciosas, é um dos peritos em Epidemiologia e especialista de referência na análise das questões relacionadas com a pandemia por COVID-19.

As primeiras palavras de Manuel Carmo Gomes são de agradecimento à Ministra da Saúde, pelo reconhecimento do trabalho realizado desde o início da pandemia, destacando a preocupação manifestada pelo Governo em dar ouvidos à ciência antes de tomar qualquer decisão.

A sua colaboração com o MS iniciou-se em fevereiro de 2020, a propósito da necessidade de pensar na constituição de uma reserva estratégica de medicamentos. O especialista explica que “embora ainda não houvessem casos em Portugal, a pandemia já tinha causado 80 mil infeções na China e chegavam notícias muito preocupantes do norte de Itália e da região de Madrid”. A duração e a exigência do percurso que viriam a percorrer eram ainda totalmente desconhecidos.

“Uma coisa é estudar pandemias nos livros, outra é vivê-las. Uma pandemia implica (quase por definição) que surgiu um microrganismo novo, sobre o qual a experiência do passado pode revelar-se muito insuficiente.” Manuel Carmo Gomes

Em 2021 Manuel Carmo Gomes protagonizou um vídeo explicativo, gravado em janeiro desse ano, com perguntas e respostas sobre a vacina contra a COVID-19 e que surgiu por iniciativa de uma estudante da Faculdade, Samanta Freire. Em março de 2020, escreveu sobre a pandemia num artigo de opinião intitulado “A Faculdade e a COVID-19” e em novembro de 2021 assinou o ensaio “COVID-19 em Portugal: situação atual e perspetivas para o futuro” com o professor Carlos Antunes, seu colega.

A cada dia foram surgindo novas descobertas sobre o vírus e a sua forma de atuação. Manuel Carmo Gomes destaca algumas delas: a transmissibilidade entre indivíduos assintomáticos; a diversidade de apresentações clínicas e afetação de todos os órgãos humanos internos; o papel das máscaras; a insuficiência das temperaturas altas para a mitigação da sua transmissão, contrariamente ao que acontece com a gripe. Ao longo de dois anos, e depois surgimento do vírus original de Wuhan, assistiu-se ao seu impressionante processo evolutivo, tendo surgido as variantes Alfa, Beta, Delta e Ómicron.

“Houve sempre necessidade de ir mantendo um equilíbrio entre a salvaguarda da saúde publica e o impacto social e económico das decisões. Felizmente, os epidemiologistas não tiveram de tomar decisões, não é isso que lhes compete, o papel quotidiano da ciência foi o de descrever o melhor possível a situação epidemiológica, equacionando também os cenários que se afiguravam mais prováveis para o futuro próximo. O nosso objetivo foi o de facilitar a tarefa a quem realmente competia tomar decisões.” Manuel Carmo Gomes

Para Manuel Carmo Gomes, numa situação de pandemia como a que se viveu, não é fácil tomar decisões consensuais, pois todas as soluções encontradas têm vantagens, desvantagens e riscos, sendo que algumas desvantagens foram muito sérias, devido ao seu impacto social e económico. “Em situações em que qualquer decisão tem prós e contras, contras estes que afetam toda a sociedade, a crítica é fácil e está sempre à mão. Podemos colocar os holofotes apenas nos aspetos negativos das decisões, esquecendo ou ignorando que qualquer outra decisão também teria (outros) aspetos negativos. Vimos isso acontecer vezes sem conta ao longo desta pandemia, em particular por parte de entidades interessadas na procura de sensacionalismo”, explica.

“Penso que a ciência contribuiu para calcular os riscos, clarificar caminhos viáveis e aguçar a discussão objetiva em torno dos dados de que fomos dispondo. Estou convicto de que o conhecimento entretanto adquirido deverá vir a revelar-se útil na nossa preparação para a próxima porque, como dizem os colegas da sismologia – a questão é quando e não se.” Manuel Carmo Gomes

Marta Tavares, Área de Comunicação e Imagem Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Ignacio Schoendorff, diretor geral da Gilead, Perpétua Gomes, da Comissão de Avaliação dos Projetos de Investigação em Virologia, Margarida Gama Carvalho e a sua equipa

O projeto de investigação miThic-eSwitch na área da Virologia – Infeção pelo Vírus da Imunodeficiência Adquirida/ Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, coordenado por Margarida Gama Carvalho, professora do DQB e líder de um dos grupos do BioISI, foi um dos vencedores da 9.ª edição do Programa Gilead GÉNESE, com um prémio no valor de 34 mil euros.

Fotografia de António M. Vallêra

“Neste ensaio analiso a descarbonização simultânea dos transportes terrestres e do sistema elétrico, tomando Portugal como um caso de estudo, e comparo os resultados de vários modelos possíveis para esta transição”, diz António M. Vallêra, autor do livro “The Transition”.

Carlos Marques da Silva à frente do globo do C6

O estudo coordenado por Carlos Marques da Silva, professor do Departamento de Geologia da Ciências ULisboa e investigador do Instituto Dom Luiz (IDL), venceu a 2.ª edição do Prémio Paleontologia e Estratigrafia de Portugal, atribuído pela Sociedade Portuguesa de Paleontologia (SPdP) e pela empresa Chronosurveys.

Exemplo de linhas de costa derivadas da ferramenta CASSIE

Daniel Pais, estudante de doutoramento em Geologia na Ciências ULisboa, é um dos autores do  artigo - “Benchmarking satellite-derived shoreline mapping algorithms” - publicado na Communications Earth & Environment, e que apresenta uma avaliação inédita da precisão na deteção da linha de costa, através de imagens satélites disponíveis ao público.

Representantes do Tec Labs e das suas startups e spin-offs posam para fotografia

O Tec Labs esteve no LISPOLIS a celebrar os resultados da call INNOV-ID, promovida pela Agência Nacional de Inovação e pela Portugal Ventures e que financiou nos últimos três anos, com mais de 5,5 milhões de euros, mais de 55 projetos inovadores e startups nascidos no ecossistema científico e tecnológico português. Nesta terceira call, como ignition partner da Portugal Ventures, o Tec Labs conseguiu ajudar duas startups do seu ecossistema  - a Generosa e a KeepIT - garantindo um investimento de 100 mil euros cada.

várias pessoas sentadas em volta de uma mesa

No dia 6 de novembro, o MARE ULisboa recebeu nas suas instalações Tibor Králik, embaixador da Eslováquia em Portugal, numa reunião preparatória da visita de estado a Portugal da presidente daquele país, Zuzana Čaputová, agendada para os dias 5 e 6 de dezembro.

Zita numa sala com livros

"Portugal é mais mar que terra”, diz a professora cientista - Maria José Costa – bióloga marinha, nesta curta entrevista a propósito do Grande Prémio Ciência Viva 2023, que lhe é atribuído, pela sua colaboração na disseminação da cultura científica nas áreas da biodiversidade marinha, ambiente e literacia do oceano.

Alan Phillips, investigador no Departamento de Biologia Vegetal da Ciências ULisboa e no Laboratório de Genómica e Microbiologia Translacional, no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (BioISI), foi novamente distinguido na lista de investigadores altamente citados de 2023 da Clarivate Analytics, na categoria de Ciência Vegetal e Animal. O investigador Alan Philips desenvolve trabalho na área da Microbiologia e foi, este ano, reconhecido pela 6ª vez consecutiva pela Clarivate como um dos investigadores mais citados a nível mundial.

Atribuição dos prémios BfK

"Em Ciências ULisboa decidimos candidatar à edição deste ano do BfK o projeto “Block-Based Accessible Tangible System” desenvolvido por Filipa Rocha, estudante de doutoramento em Informática no LASIGE Ciências ULisboa e participante no Impact Program do nosso ScienceIN2Business. A ideia do projeto é tornar a aprendizagem digital mais acessível às crianças com dificuldades visuais". Leia a crónica do Tec Labs sobre o assunto.

Einstein com estudantes da Lincoln University

"Ao longo destas décadas, a presença da Filosofia da Ciência tem sido enriquecedora no trajeto de muitos nesta Faculdade e um elemento diferenciador relativamente a outras escolas", escreve João L. Cordovil, coordenador científico do Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa.

Foto de grupo com delegação chinesa e representantes da Ciências ULisboa

A 10 de novembro a ULisboa recebeu a visita de uma delegação chinesa de altos dignitários, professores, investigadores e estudantes de doutoramento, durante a qual foi renovado o protocolo entre a ULisboa e a Universidade de Xangai. Após uma sessão de abertura na reitoria da Universidade, a delegação visitou Ciências ULisboa e o Instituto Superior Técnico.

11 estudantes

Este ano 11 estudantes da Ciências ULisboa foram premiados com Bolsas Gulbenkian Novos Talentos, nas áreas da Biologia, Física, Matemática e Ciências Sociais.

Representação de cinco estrelas e de braço humano

Os rankings “Times Higher Education (THE) World University Rankings 2024 by Subject”, “QS World University Rankings by Subject 2023” e “ShangaiRanking’s Global Ranking of Academic Subjects 2023” atribuem à ULisboa posições de destaque nas áreas de ensino e investigação da Faculdade.

Bombeiro e participante a apagar um fogo com extintor no campus

Em outubro, Ciências ULisboa organizou um conjunto de ações de sensibilização dedicadas à segurança no campus da Faculdade. A iniciativa “Ciências em Segurança”, promovida pela Associação de Estudantes, contou com a ajuda do Gabinete de Segurança, Saúde e Sustentabilidade  e do Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa. 

Catarina Frazão Santos

O Conselho Europeu de Investigação atribui bolsa de arranque, no valor de 1,499,819.00 euros, a Catarina Frazão Santos, investigadora e docente no Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa e investigadora integrada no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente, pelo seu projeto “Planeamento do Uso Sustentável do Oceano na Antártida num contexto de Alterações Ambientais Globais (PLAnT)”.

imagem ilustrativa de inteligencia artificial

"Conceitos que no passado eram aplicados exclusivamente à mente e ao cérebro humano estão agora a ser aplicados aos sistemas computacionais", escreve Klaus Gärtner, investigador do Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa.

"Este acontecimento é uma oportunidade para divulgar e celebrar a qualidade da investigação e da inovação desenvolvidas na Ciências ULisboa”, diz Margarida Santos-Reis, subdiretora da Faculdade para a área da investigação, a propósito da 5.ª edição do Dia da Investigação e Inovação.

imagem gerada por IA

"A realização de determinadas funções biológicas é explicada como efeito de uma “computação natural” executada pelo organismo. O objetivo destes programas é, como bem exemplificado por este recente artigo de Joshua Bongard e Michel Levin, promover uma confluência entre biologia e engenharia", escreve Lorenzo Baravalle, investigador do Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa.

pessoas a escavar na terra

Pegadas de dinossauros com 195 milhões de anos foram descobertas em Alvaiázere, no distrito de Leiria, sendo as mais antigas da Península Ibérica, segundo estudo publicado na revista científica Historical Biology. Carlos Neto de Carvalho, investigador do Instituto Dom Luiz, é um dos autores do trabalho.

Anfiteatro com pessoas

A 4.ª edição do acontecimento organizado pela Associação Portuguesa de Estudantes de Física (Physis), em colaboração com IA Ciências ULisboa e o Núcleo de Física e de Engenharia Física (NFEF) da Ciências ULisboa começou esta sexta-feira, dia 13 de outubro, no campus da Faculdade e termina este domingo, dia 15. Um dos pontos altos do programa é o debate “Há futuro na exploração espacial?”.

anffiteatro com cientistas

A Ciências ULisboa conta com 26 investigadores colocados nos rankings “World’s Top 2% Scientists”, de acordo com o mais recente estudo publicado pela Elsevier, comprovando a relevância da sua produção científica.

Laureados com o Nobel da Química

O Nobel da Química de 2023 foi atribuído conjuntamente a Moungi G. Bawendi, Louis E. Brus e Alexei I. Ekimov, pelo trabalho que levou à descoberta e ao desenvolvimento de pontos quânticos, nanopartículas tão minúsculas que o seu tamanho determina as suas propriedades, segundo comunicado oficial da Real Academia das Ciências da Suécia.

rato

O estudo “Resistência a rodenticidas anticoagulantes desafia esforços do controlo de pragas em Portugal” - realizado por uma equipa de investigadores do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar – visa recolher informações que tornem a gestão do ratinho doméstico mais eficiente, minimizando os seus impactos.

Katalin Karikó e Drew Weissman

A 2 de outubro de 2023 o Prémio Nobel da Fisiologia e Medicina foi atribuido a Katalin Karikó e Drew Weissman por descobertas biotecnológicas subjacentes à formulação das vacinas de mRNA (RNA mensageiro) para COVID-19. Em todo o mundo, mais de três mil milhões de pessoas receberam pelo menos duas doses destas vacinas (vacinas Comirnaty da Pfizer e Spikevax da Moderna). Em Portugal, cerca de sete milhões de pessoas receberam pelo menos três doses.

Pierre Agostini, Ferenc Krausz e Anne L'Huillier

O Nobel da Física de 2023 foi atribuído a três físicos europeus - Pierre Agostini, Ferenc Krausz e Anne L'Huillier -, a trabalhar nos EUA, Suécia e Alemanha. Reconhece os trabalhos pioneiros relativos à produção de luz decorrentes da interacção entre electrões e atómos foto-ionizados por laser, através da geração de um número elevado de harmónicas de ordem elevada que, em conjunto, e em condições de fase relativas adequadas (phase matching) podem dar origem a trens de impulsos luminosos com durações de ato-segundo (1 as = 10-18 s).

Páginas