2013 Ano Internacional da Estatística

Estatística, Ciência e Sociedade

Cedida por DEIO-FCUL

Na perspetiva científica é a veracidade das premissas que importa assegurar para se chegar a uma conclusão, mas a conclusão particular em nada enriquece a ciência.

Por maiores que sejam as dimensões das amostras com que as ciências trabalham, as populações que procuram conhecer nunca lhes são completamente acessíveis – por isso usam a indução como o caminho privilegiado na ampliação do conhecimento.

A Estatística assume um papel crítico de legitimar essa passagem do particular ao universal, nunca descurando o facto de lidar apenas com uma amostra, e desconhecendo se ela representa fielmente a população.

O seu trabalho passa pela organização dos dados recolhidos, o seu resumo e tratamento conveniente, observando cuidadosamente e, sempre que possível, desempenhando um papel ativo na forma como são recolhidos. Nesse sentido, a Estatística é subsidiária das outras ciências, herda os seus problemas: estas põem as hipóteses, e a Estatística testa-as, não as define; assim como não dirige as investigações científicas, desempenhando o papel de juiz na aprovação ou rejeição dos caminhos previamente delimitados pelas outras ciências.

As suas verdadeiras questões residem no desenvolvimento de novas técnicas de avaliar a informação disponível, construir novas ferramentas mais eficazes ou de aplicação mais simples, possibilitando o seu contínuo aperfeiçoamento. Se, relativamente à fundamentação teórica, devemos ser sempre capazes de explicar cada aspeto do nosso projeto, numa perspetiva prática alguns desses assuntos acabam por não nos ocupar em demasia; por um lado, por serem implícitos à formulação do problema e serem naturalmente sugeridos pelo contexto em que surgem (como acontece, por exemplo, na definição da população), por outro, por haver na Estatística um conjunto de ferramentas prontas a usar (obedecendo a algumas regras) cuja fundamentação é conhecida e que dispensam assim o que de outra forma seria um exigente esforço teórico. Dessa forma, o seu tempo será dedicado sobretudo às questões relacionadas com a amostragem (como selecionaremos a nossa amostra e como procederemos ao levantamento das informações que consideramos relevantes) e outras dificuldades práticas.

Atualmente, o uso e a aplicação da estatística têm a sua razão de ser não apenas na legitimação da indução, mas também na possibilidade de incorporar a incerteza nas suas conclusões: outro testemunho da sua proximidade ao real. Abordando os problemas numa perspetiva prática, admite não só as limitações nas capacidades humanas, falibilidade e impossibilidade de controlo de todas as variáveis presentes no universo, mas também a incerteza associada a quaisquer instrumentos de medida, e a aleatoriedade num certo nível.

Esta possibilidade de legitimar e validar teses, confere uma grande importância à estatística do ponto de vista social na projeção atual que tem nos media, e um papel incontornável na autorização de decisões, que devem ser sempre sustentadas ou encontrar algum acordo com os dados recolhidos. Porém, essa atenção e a concorrência dos inúmeros fatores que a aproximam de uma realidade complexa, e a tornam um campo de estudo rico, possibilitam o seu uso perverso. A sua natureza permite explorar de forma crítica quaisquer possibilidades, desde que se consiga obter dados que se possam relacionar com a teoria. Um leitor que não esteja educado em noções básicas desta ferramenta pode achar-se no lado errado da disputa, sem que consiga reconhecer quais são as perguntas oportunas e que usos da Estatística podem estar a ser viciosos e quais serão honestos. A educação é a defesa mais segura que podemos conseguir, uma vez que não se baseia numa autoridade externa a nós, e é um serviço prestado a uma democracia mais informada e capaz.

“God not only plays dice. He also sometimes throws the dice where they cannot be seen.” - Stephen William Hawking

Nota de redação: O artigo enquadra-se no âmbito dos trabalhos realizados pelos autores para a disciplina de Estatística, Ciência e Sociedade.

Carlos Botelho, Cássia de Carvalho, Teresa Barradas e Roman Elisavetchii, alunos do 2.º ano de Estatística Aplicada da FCUL

Tal como sucedeu em edições anteriores, vários professores e investigadores de Ciências ULisboa participam no Ciência 2019 - Encontro com a Ciência e Tecnologia em Portugal, que decorre em Lisboa até 10 de julho.

Mara Gomes, aluna do 2.º ano do mestrado em Ciências do Mar participou no cruzeiro oceanográfico RV Polarstern em junho passado, sob o lema “Changing Oceans – Changing Future”. “Mara Gomes teve a dupla experiência de participar como cientista e de ensinar os alunos do programa POGO”, conta Vanda Brotas, professora do Departamento de Biologia Vegetal e investigadora do polo de Ciências ULisboa do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE).

As classificações excelente e muito bom destacaram-se na avaliação feita aos centros de investigação afetos a Ciências ULisboa. Para os próximos quatro anos, Ciências ULisboa pretende continuar a sua aposta na investigação de excelência, agora com um pouco mais de fundos (um acréscimo de mais de quatro milhões de euros).

Ermesenda Fernandes, assistente técnica do Gabinete de Orçamento e Prestação de Contas da Área Financeira da Direção Financeira e Patrimonial de Ciências ULisboa, faleceu esta quarta-feira, dia 19 de junho de 2019. A Faculdade lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

Leonor Côrte-Real, investigadora do polo de Ciências ULisboa CQE, irá representar Portugal no 6th Young Medicinal Chemist Symposium. A jovem doutorada em Química, especialidade em Química Inorgânica por Ciências ULisboa, foi escolhida pela SPQ para representar Portugal neste simpósio e irá apresentar o trabalho desenvolvido durante a sua tese.

O evento de Ciências ULisboa que convida os estudantes do ensino secundário a programar já vai na 7.ª edição.

Um estudo publicado na revista "Nature" revela novas evidências sobre a ocupação humana da Sibéria desde há 31 mil anos. Vítor Sousa, do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais – cE3c em Ciências ULisboa, é um dos 54 cientistas envolvidos na investigação.

Maria João Verdasca iniciou em fevereiro de 2017 o programa doutoral em Biodiversidade, Genética e Evolução. A sua investigação foca-se na modelação espacial de espécies invasoras e no estudo dos seus impactos ecológicos e socioeconómicos. Recentemente foi nomeada ao GBIF Young Researchers Award 2019.

Uma das formas mais eficazes de lidar com o síndrome do impostor é mesmo falar sobre ele, partilhando entre colegas ou amigos com quem sinta um espaço seguro, os desafios que vai sentindo profissionalmente e perceber que não está sozinho naquilo que sente. Estima-se que 70% das pessoas sofrem deste fenómeno psicológico.

"Todo e qualquer avanço do saber produz uma nova e profunda ignorância, mais mistérios, o que não é surpreendente, pois o progresso, com os avanços sistemáticos, tende para o desconhecido", in no Campus com Helder Coelho.

Vanézia Rocha iniciou em setembro de 2018 o mestrado em Biologia dos Recursos Vegetais. Recentemente a jovem cabo-verdiana foi nomeada ao GBIF Young Researchers Award 2019, pelo Conselho Científico das Ciências Naturais e do Ambiente da FCT. Os vencedores serão anunciados antes da 26ª Assembleia Geral do GBIF, que decorrerá na Holanda em outubro de 2019.

A exposição E3 acompanha os astrónomos britânicos A.S. Eddington, C.R. Davidson e A.C.C. Cromelin e o especialista em relojoaria E.T. Cottingham na sua longa viagem e observações. A 29 de maio de 2019 celebra-se o centenário do eclipse solar total de 1919, observado na ilha do Príncipe e na cidade do Sobral,no Brasil.

João Sousa, investigador no Laboratório de Sistemas Informáticos de Grande Escala, foi distinguido com o prémio DSN 2019 William C. Carter, no âmbito do trabalho desenvolvido na tese de doutoramento "Byzantine state machine replication for the masses", realizada enquanto aluno do Departamento de Informática de Ciências ULisboa.

Pedro Mocho lidera o estudo que identificou uma nova espécie de dinossáurio - Oceanotitan dantasi. Geologia sempre foi a sua paixão. Nos próximos seis anos continuará a estudar a história evolutiva dos dinossáurios saurópodes do Mesozóico Ibérico.

Uma equipa de paleontólogos identificou uma nova espécie de dinossáurio - Oceanotitan dantasi -, descoberto na Praia de Valmitão, na Lourinhã, em 1996. A identificação da nova espécie confirma a presença de uma grande diversidade de saurópodes no Jurássico Superior de Portugal rivalizando a diversidade já reconhecida nas faunas do Jurássico Superior da América do Norte e de África.

Nuno Silva termina a bolsa Erasmus+ em julho. O programa de mobilidade tem sido na sua opinião uma ótima experiência. Recentemente o aluno de Engenharia Biomédica e Biofísica foi um dos vencedores do Innovation Award da Explore Competition.

Nuno Silva, aluno do mestrado integrado em Engenharia Biomédica e Biofísica de Ciências ULisboa a estudar no Translational Medical Device Lab, da National University of Ireland,em Galway, no âmbito de uma bolsa Erasmus+, venceu juntamente com o colega Eoghan Dunne, o Innovation Award da Explore Competition.

Investigadores de Ciências ULisboa propõem um novo mecanismo que permite explicar a existência de uma anomalia tectónica a SW do Cabo de São Vicente.

O neurocientista português Fernando Lopes da Silva nascido em Lisboa a 24 de Janeiro de 1935, faleceu no passado dia 7 de maio, na Holanda, onde vivia há mais de 50 anos. Ciências ULisboa lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos familiares, amigos e colegas de Fernando Lopes da Silva.

A rede europeia ECOLISE publicou este mês um novo relatório sobre a eficácia das ações de sustentabilidade e mudança climática realizadas pelas comunidades locais. O investigador de Ciências ULisboa, Gil Penha-Lopes, líder deste projeto, espera que daqui a dois anos haja um novo relatório e que a plataforma online - wiki.ecolise.eu - suporte uma comunidade ainda mais dinâmica e saudável.

"A presença de um 'devias' é muitas vezes uma barreira à congruência entre o eu real e o eu ideal", escreve a psicóloga do Gapsi, Andreia Santos, na rubrica habitual.

Uma equipa internacional constituída por 121 cientistas reconstruiu a complexa história dos cavalos domésticos. O estudo divulgado este mês na revista Cell inclui a participação de Maria do Mar Oom, investigadora do polo de Ciências do cE3c e de Cristina Luís, investigadora do polo de Ciências do CIUHCT, MUHNAC e CIES-ISCTE-IUL, que coordenou o desenvolvimento do trabalho da equipa portuguesa.

O naturalista entomólogo do Museu Bocage desde 1957 até 1975 faleceu no dia 29 de abril de 2019. José Alberto Quartau presta homenagem "a quem lhe abriu as portas" da Entomologia.

Vasco T. Vasconcelos, professor do Departamento de Informática de Ciências ULisboa, Kohei Honda, professor da Queen Mary University of London, no Reino Unido, entretanto falecido e Makoto Kubo, professor da Chiba University of Commerce, no Japão, autores do artigo “Language primitives and type discipline for structured communication-based programming”, apresentado durante o European Symposium on Programming, em 1998, foram galardoados com o ETAPS 2019 Test of Time Award.

Carlos Antunes, Cristina Catita e Carolina Rocha são os vencedores do Prémio "Engenheiro Empreendedor 2018 - Ano OE das Alterações Climáticas”. Os investigadores de Ciências ULisboa criaram uma aplicação web, suportada por um serviço de mapas na web para a visualização dos cenários de subida do nível do mar em Portugal continental e respetiva cartografia de inundação e de vulnerabilidade física costeira para 2025, 2050 e 2100.

Páginas