Ciências ULisboa é membro fundador

CCDesert

CCDesert

O CCDesert irá ficar sediado em Alcoutim, no distrito de Faro, uma das regiões mais vulneráveis à desertificação e às alterações climáticas em Portugal

cedida por Município de Alcoutim

Entre os projetos já desenvolvidos pelo cE3c há, por exemplo, o AdaptForChange (coordenado pelo eChanges e CCIAM) sobre o reflorestamento de áreas semiáridas em Portugal, “Portugal adapts forest management to global change scenarios in drylands”, que foi notícia no sítio My Clymate Services através da entrevista de Alice Nunes, investigadora pós doutorada no grupo eChanges do cE3c. No site Drylands Ecology, Desertification & Climate Change Adaptation é possível ficar a conhecer outros trabalhos desenvolvidos pelos investigadores do cE3c na área da desertificação.

O Centro de Competências na Luta contra a Desertificação (CCDesert) teve a primeira Assembleia Geral em agosto passado, na qual foram eleitos e tomaram posse os respetivos órgãos de gestão. O Centro visa promover o desenvolvimento e a sustentabilidade do combate à desertificação e Ciências ULisboa é um dos membros fundadores, através do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c) e do Instituto Dom Luiz (IDL).

Aquando a criação do CCDESERT pelo Governo este verão, Cristina Máguas, professora do Departamento de Biologia Vegetal (DBV) de Ciências ULisboa e coordenadora do cE3c, redigiu uma declaração de manifestação de interesse: “O cE3c tem desenvolvido não só atividade científica relevante nas áreas da Ecologia, indicadores de aridez e desertificação, alterações climáticas e restauração de áreas degradadas e desertificadas ao nível nacional e internacional, mas também na mitigação e adaptação das comunidades locais, ecossistemas e dos agentes económicos através de parcerias estratégicas com municípios e outros stakeholders envolvidos nas áreas sujeitas ao fenómeno da desertificação, providenciando soluções técnicas e inovadoras”.

Cristina Branquinho e Paula Matos, investigadora no eChanges do cE3c, propuseram a utilização dos líquenes como um novo indicador ecológico global para seguir as mudanças nas alterações climáticas em áreas desertificadas, durante uma das sessões do 12.º Fórum das Nações Unidas sobre Florestas, decorrido em Nova Iorque entre 1 e 5 de maio de 2017, tal como noticiado na época.

Os parceiros deste projeto – 37 entidades entre as quais universidades, municípios, empresas, organismos públicos e associações de produtores e desenvolvimento local -, irão produzir recomendações e informações atualizadas para os agricultores e as diferentes entidades que são gestoras do território e da paisagem, como é caso de Cristina Branquinho, professora do DBV Ciências ULisboa e investigadora no grupo Ecology of Environmental Change (eChanges) do cE3c e de André Vizinho, investigador do grupo Climate Change Impacts, Adaptation and Modelling (CCIAM) do cE3c desde 2012.

 “O combate à desertificação é uma área transversal porque inclui conhecimentos de várias dimensões, desde o nível dos solos ao nível do clima, do comportamento das espécies, dos ecossistemas, entre outros. Integrar todas as dimensões é um desafio científico porque implica não só conhecer muito sobre cada uma destas dimensões como integrar todo este conhecimento para conseguir ter uma ação concreta no território”, comenta André Vizinho. Para o investigador a comunidade académica e científica tem de fazer permanentemente o esforço de traduzir o seu conhecimento para a sua utilidade no território.“Este envolvimento mostra não só a nossa motivação como a nossa capacidade de articulação institucional e de gerar conhecimento e colocar esse conhecimento ao serviço da sociedade”, acrescenta.

O CCDesert irá ficar sediado em Alcoutim, no distrito de Faro, uma das regiões mais vulneráveis à desertificação e às alterações climáticas em Portugal. Contudo, o seu trabalho estende-se às áreas suscetíveis à desertificação ao longo de todo o país.

 

Raquel Salgueira Póvoas, Área de Comunicação e Imagem de Ciências ULisboa com cE3c
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Branca Edmée Marques, cientista alumna de CIÊNCIAS

Branca Edmée Marques, alumna de CIÊNCIAS, será homenageada no dia 20 de junho pelos Museus da Universidade de Lisboa

Margarida Fortes, docente do Departamento de Biologia Vegetal de CIÊNCIAS dá uma aula em frente a um quadro com uma projeção imagética

Margarida Fortes, professora de CIÊNCIAS, visitou a Escola Secundária de Carcavelos para dar uma aula acerca da edição genética.

Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ), com vista à cooperação científica em várias áreas de interesse comum.

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Dia Nacional dos Cientistas - 16 de maio

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído em 2016 por Resolução da Assembleia da República com o objetivo de reconhecer e celebrar a contribuição vital dos cientistas para o progresso da sociedade.

Páginas