Alumna Bioquímica

“Cada caminho é único”

Sara Carvalhal distinguida com Medalha de Honra L’Oréal Portugal para as Mulheres na Ciência

Sara Carvalhal no laboratório

No futuro Sara Carvalhal espera que a investigação fundamental possa abrir portas para compreender como a microcefalia ocorre no organismo

L'Oréal Portugal

Esta manipulação abre portas ao estudo da divisão celular e à forma como esta é afetada nas células neuronais, clarificando a influência desta dinâmica na microcefalia. Sara Carvalhal propôs-se olhar como um todo para as doenças raras que causam a microcefalia, um distúrbio que impede o desenvolvimento do cérebro e faz com que seja mais pequeno que o esperado, para compreender a relação destas com a mitose.

Sara Carvalhal, investigadora no Algarve Biomedical Center Research Institute (ABC-RI), na Universidade do Algarve, e alumna da Ciências ULisboa, é uma das quatro jovens cientistas portuguesas distinguidas na 18.ª edição das Medalhas de Honra L’Oréal Portugal para as Mulheres na Ciência.

A cientista coordena um dos laboratórios do ABC-RI e  pretende estudar como é que os reguladores da mitose, um processo segundo o qual as células se multiplicam, funcionam no sistema neurológico, utilizando células estaminais pluripotentes induzidas e que se obtém a partir de células humanas diferenciadas, podendo originar qualquer tipo de célula no corpo humano.

“Estas doenças raras são muito diferentes entre si, mas partilham dois pontos em comum: a presença de microcefalia e alterações ao nível genético de reguladores da mitose’’, diz Sara Carvalhal, acrescentando que a causa desta interdependência está ainda por apurar.

O que mais gostou na Ciências ULisboa foi o estar exposta ao “desconfortável” e a “novos desafios”. Nem sempre foram fáceis de ultrapassar, mas Sara Carvalhal acredita que a tornaram numa melhor pessoa.

O interesse de Sara Carvalhal pelo ciclo celular e pela divisão celular surgiu no mestrado e foi evoluindo até a levar à microcefalia. “Foi numa palestra da professora Helena Soares… Ao ver um vídeo de uma célula a dividir-se fiquei com a certeza que queria fazer investigação em mitose e na divisão das células”, diz. Desde então tem vindo a estudar o processo de divisão celular.

Sara Carvalhal
Sara Carvalhal na bênção de finalistas
Imagem cedida por SC

Sara Carvalhal concluiu a licenciatura em Bioquímica, na Ciências ULisboa, em 2008 e o mestrado Bioquímica Médica, em 2010, também na Ciências ULisboa. “A junção de Biologia e Química foi o que primeiramente me levou a este curso. Ao longo do curso percebi que a Bioquímica vai muito para além disso”, comenta, acrescentando ainda que a licenciatura e o mestrado estão muito bem elaborados e preparam os estudantes para diferentes profissões.

“A nível de investigação, posso dizer que somos extremamente bem preparados ao sermos expostos a inúmeras técnicas e somos incentivados a pensar criticamente sobre artigos científicos, assim como a saber estar no laboratório. Mantenho no meu dia-a-dia muitas dessas aprendizagens e valores transmitidos. Embora tenha seguido a vida académica, acredito que muitos dos meus colegas de curso que hoje exercem muitas outras profissões beneficiam também dessas aprendizagens”, declara.

A este propósito, uma lembrança curiosa de Sara Carvalhal está relacionada com uma conversa que teve com a sua colega e professora Raquel P. Andrade, também bioquímica da Ciências ULisboa e agora investigadora principal no ABC. Para Sara Carvalhal, “há um sentimento de pertença a uma família e esse sentimento é comum e transversal entre as diferentes gerações de bioquímicos”.

Outra recordação importante está relacionada com o momento em que a professora Luísa Cyrne a aceitou no seu laboratório, durante alguns dias da semana, no primeiro ano de mestrado. “Quando fui fazer o meu estágio de mestrado já conhecia um pouco da dinâmica num laboratório e achei que isso facilitou a minha integração”, conta.

Sara Carvalhal com colegas e professora Margarida
Sara Carvalhal em Bioquímica experimental com a professora Margarida Amaral e os colegas Neuza Gonçalves, Adriana Gomes, Maria João Lima, Soraia Martins, Ana Filipa Ribeiro, Mariana Oliveira, Carlos Neves, Bruno Moraes, Armando Cruz
Imagem cedida por SC

Entre 2010 e 2011, Sara Carvalhal colaborou ainda no Centro de Química e Bioquímica da Ciências ULisboa. Helena Soares, sua supervisora de mestrado, no final desse período de estudos proporcionou-lhe a oportunidade única para fazer investigação no estrangeiro. “Estive a trabalhar com um colaborador próximo de Helena Soares num projeto que acabou por se mostrar bastante difícil com inúmeras dificuldades técnicas. Aprendi o significado de ser resiliente que é muito importante na vida académica”, refere. Depois dessas experiências seguiram-se outras.

Sara Carvalhal guarda muito boas memórias dos tempos passados na Ciências ULisboa, bons amigos e até o momento em que começou a namorar com o seu marido, também bioquímico. Sara Carvalhal tem 34 anos, é casada e mãe de uma menina de 3 anos.

Sara Carvalhal trabalhou na Faculdade de Medicina da Universidade de Cantabria, em Espanha; no Hospital Universitário Carl Gustav Carus Dresden, na Alemanha; no Instituto Gulbenkian de Ciência e na Escola das Ciências da Vida na Universidade de Dundee, no Reino Unido, instituição onde concluiu em 2016 o PhD em Filosofia, especialização em Ciências da Vida. No ABC-RI está desde 2020 e os seus dias são muitos distintos uns dos outros. Existem momentos em que está apenas na bancada, outros a escrever, outros só em reuniões ou em conferências.

Ao longo dos diferentes estudos que tem desenvolvido teve sempre a perceção que algumas proteínas que participam ou regulam o processo de mitose causam doenças raras.  Percebeu, de facto, que havia uma forte associação entre mutações nas proteínas que regulam a divisão celular e as doenças/síndromes raras que causam microcefalia.

“Acho isto bastante intrigante e interessante pelo facto destas proteínas serem necessárias para o processo de divisão celular, mas nestes contextos patológicos estão maioritariamente associados a problemas a nível cerebral”, explica.

Sara Carvalhal
O interesse de Sara Carvalhal pelo ciclo celular e pela divisão celular surgiu no mestrado
 Fonte L'Oréal Portugal

No futuro Sara Carvalhal espera que a investigação fundamental possa abrir portas para compreender como a microcefalia ocorre no organismo. “Nunca sabemos muito bem as portas que nos podem abrir, mas acredito que sem este conhecimento será muito difícil avançar com novas opções de terapia ou tratamento”, menciona.

Quando confrontada com um conselho para os jovens estudantes que queiram prosseguir uma carreira científica, Sara Carvalhal responde: “Cada caminho é único, e por isso acredito que não há uma escolha certa ou errada, nem uma fórmula ou receita mágica”.

Ana Subtil Simões, Gabinete de Jornalismo Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

“Foi o professor Henrique Leitão que me alertou para o facto de a questão do real impacto de Pedro Nunes na náutica do seu tempo estar por resolver.

“Foi o professor Henrique Leitão que me alertou para o facto de a questão do real impacto de Pedro Nunes na náutica do seu tempo estar por resolver. A tese e o prémio foram passos saborosos de um caminho longo mas que tem todo o potencial de ser gratificante e divertido”, reforça Bruno Almeida, vencedor do Prémio Cultura 2012 atribuído pela Sociedade de Geografia de Lisboa.

A reportagem multimédia sobre o Dia Aberto em Ciências inclui testemunhos de candidatos ao ensino superior, alunos e professores da FCUL, colaboradores desta iniciativa.

Prémio SAHFC 2012 - Marta Macedo

Prémio SAHFC

  A Comissão Executiva da Secção Autónoma de História e Filosofia das Ciências (SAHFC) atribui a anualmente o Prémio SAHFC.

O Grupo de Surdez do BioFIG-FCUL, coordenado por Graça Fialho, já analisou cerca de 400 famílias portuguesas afetadas com surdez hereditária. A primeira tese de doutoramento realizada em Portugal na área da genética da surdez foi defendida em 2012, na UL, por Tiago Matos.

Anfiteatro da FCUL

Cerca de 100 alunos de 15 escolas secundárias da zona de Lisboa participaram na 9.ª edição da ação de divulgação da Física de Partículas.

“Portugal é o principal destino dos estudantes brasileiros de graduação bolsistas do Programa Ciência sem Fronteiras.

“Acho que este tipo de ações é bastante útil porque, nesta altura, precisamos de todas as informações possíveis para podermos fazer uma escolha certa”, declara Maria Buzaglo, aluna do 12.º ano, a frequentar o curso de Ciências e Tecnologias na Escola Secundária de Pedro Nunes.

Alunos no átrio do C3

O Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional organizou uma sessão de acolhimento aos cerca de 30 novos alunos de mobilidade para o 2.º semestre.

Em 2000, a UL atribuiu o título de doutor honoris causa a Laurens de Haan. Em 2013, outro gigante dos Extremos, Ross Leadbetter, honrará a UL ao aceitar a mesma distinção. Quando a universidade honra investigadores desta importância está também a honrar-se.

O Departamento de Matemática da FCUL e o CMAF organizam dois mini-cursos de Sistemas Dinâmicos de 17 a 24 de Abril 2013. Os oradores serão Rafael Ortega da Universidade de Granada e Pedro Miguel Duarte do DM da FCUL.

Gulf Labor Markets and Migration Program (GLMMP), a joint program of the European University Institute (EUI - Florence) and the Gulf Research Center (GRC - Jeddah, Geneva, Cambridge), seeks two Research Assistants (Demographer/Statistician and Lawyer).

Rosto de Vanda Brotas

Estudar a clorofila, único parâmetro biológico visível do espaço, constitui uma ferramenta essencial para se perceber se o clima está a mudar. Este artigo foi publicado no jornal "Público" no passado dia 16 de fevereiro.

Servidor da FCUL

As ações de modernização e de alargamento do Centro de Dados da FCUL ocorreram no verão de 2012. A Unidade de Informática continua a apostar na renovação das condições tecnológicas do campus.

Ilustração de animais

A Âncora Editora define-se como uma editora generalista, que tem vindo a dedicar-se, sobretudo, à publicação de autores portugueses. Até agora A. M. Galopim de Carvalho é o autor com o maior número de livros editados.

O projecto de investigação NAADIR que envolve a Faculade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa e a Faculdade de Ciências da Universidade de L

Átrio do C6

Para os SASUL ainda é prematuro avaliar o Programa Alimentação UL, cujo orçamento se estima ser na ordem dos 192.000,00 €.

Iain Mattaj, diretor-geral do EMBL

“Estou impressionado com a energia que existe na Faculdade e o número de pessoas que aqui trabalham. Acho que estão bem organizados para trabalhar em equipa!”, declara Iain Mattaj, diretor-geral do European Molecular Biology Laboratory, depois de visitar alguns dos laboratórios da FCUL.

Logotipo da inicativa Programa Alimentação UL

O Menu Estudante custa 2,40€ e inclui sopa, prato principal, sobremesa, pão e bebida. A partir de fevereiro o Espaço Estudante, localizado no edifício C6, também vai dispor de micro-ondas permitindo dessa forma o aquecimento de refeições.

Ester Luísa Rodrigues Dias, professora jubilada do extinto Departamento de Educação da FCUL, faleceu no dia 11 de fevereiro de 2013.

As ações de formação e de sensibilização em segurança e saúde do trabalho procuram divulgar conhecimentos teóricos e práticos de maneira a prevenir acidentes de trabalho e doenças profissionais, permitindo também  intervenções eficazes e eficientes em casos de emergência.

Sala de aula com alunos sentados e tomando notas

"Os estudantes da FCUL, incluindo os estudantes de licenciatura, dispõem do background e conhecimentos certos para participar nestes módulos", esclarece Nathalie Gontier, coordenadora do laboratório AppEEL e das respetivas Escolas de Inverno e de Verão.

Rosto de Vera Carvalho

As inscrições para o programa Erasmus terminam a 10 de fevereiro. Se tens interesse neste programa de mobilidade conhece a história de Vera Carvalho, aluna Erasmus na Dinamarca.

Páginas