Nevaro: da adversidade nasce a ideia

Holi, o “personal trainer” da saúde mental, projeto mais recente da empresa

Francisca Canais e Rita Maçorano

Francisca Canais e Rita Maçorano são cofundadoras da Nevaro

ACI Ciências ULisboa

Holi é o nome da mais recente aplicação criada pela Nevaro, uma empresa com berço no Centro de Inovação da Ciências ULisboa, o Tec Labs. A aplicação funciona como um “pequeno cérebro”, que monitoriza a saúde mental do utilizador, ajudando na sua autogestão.

A startup da Ciências ULisboa foi fundada em 2020 por Francisca Canais e Rita Maçorano, ambas ex-alunas do mestrado integrado em Engenharia Biomédica e Biofísica da Ciências ULisboa, e por Hugo Ferreira, professor do Departamento de Física, coordenador do mesmo mestrado e investigador do Instituto de Biofísica e Engenharia Biomédica (IBEB). A empresa conta ainda com a colaboração de dois alunos do Instituto Superior Técnico (IST), André Manso e Miguel Lopes e tem como lead advisor David Siqueira Magboulé.

Para conhecer melhor a história da Nevaro é preciso recuar a 2018, ano em que Francisca Canais e Rita Maçorano iniciaram a frequência do mestrado. A semente desta ideia nasceu de um trabalho para a disciplina Neurociências, cujo objetivo era utilizar tecnologias emergentes para resolver um problema na área da saúde. Tiveram então a ideia de criar um jogo de realidade virtual para o tratamento de fobias, utilizando tecnologias de neurofeedback que permitem monitorizar a resposta fisiológica do utilizador (atividade cerebral e batimento cardíaco).

holi
A Holi deteta os sinais fisiológicos através dos sensores de um smartphone
Fonte Nevaro

 

A ideia ganhou sucesso junto dos professores, tendo sido tema para as teses de mestrado de ambas. Em conjunto com o professor Hugo Ferreira, Beatriz Carmo e Ana Paula Cláudio, professoras do Departamento de Informática, coorientadoras das suas teses de mestrado, as jovens receberam o apoio necessário para a implementação técnica desta ideia. À medida que o tempo foi passando, aperceberam-se da aplicabilidade e inovação que a ideia poderia trazer ao mercado, e o projeto ganhou asas. Em 2018 receberam o apoio do Tec Labs para iniciar o desenvolvimento do projeto. Nesse ano de incubação, trabalharam afincadamente no desenvolvimento do jogo, cujo objetivo foi associar a inovação tecnológica às áreas da Psicologia e Psiquiatria, constituindo uma ferramenta completar aos métodos terapêuticos convencionais. Em contexto terapêutico, o jogo permite controlar a experiência do paciente, recriando em consultório a sensação de estar num avião, ver uma aranha, ou estar no topo de um prédio alto.

As mentoras da Nevaro classificam esses dois anos do curso, e particularmente o ano de defesa das teses de mestrado, como uma “montanha russa caótica, mas desafiante”. De Beja a Braga, passando por Lisboa, ambas estavam simultaneamente a estudar, escrever as teses, desenvolver o projeto e a participar num programa de aceleração de startups.

Da ideia embrionária nasce então a Nevaro, justamente no ano em que o primeiro caso de doença por COVID-19 chega a Portugal. Tendo em conta o momento que se atravessava, meteram mãos à obra e juntaram-se a uma equipa de estudantes de Engenharia Biomédica e Biofísica para desenvolver uma plataforma de symptom checker, cujo objetivo era monitorizar os sintomas de COVID-19. A plataforma, intitulada Nevaro4COVID, foi distribuída essencialmente em lares de terceira idade, local onde os surtos se tornaram muito preocupantes dada a dificuldade de contenção. O projeto mostrou-se bastante relevante pois permitia guardar digitalmente todos os dados dos utentes e perceber a evolução temporal do seu estado de saúde. A plataforma continua atualmente disponível online, tanto para uso institucional como para uso particular.

Por força da pandemia, viram-se obrigadas a suspender os testes-piloto da plataforma de fobias, que, entretanto, decorriam no Hospital da Luz, facto que as obrigou a interromper o projeto por tempo indeterminado.

O início foi atribulado, mas não o suficiente para as abalar. Sem saber que futuro a Nevaro poderia vir a ter, Rita Maçorano e Francisca Canais contam que tiveram que repensar a estratégia e a missão da Nevaro e decidiram apostar na área da prevenção da saúde mental. Um dos objetivos definidos foi desmistificar o conceito, reduzir o estigma e aumentar o conhecimento sobre o tema, tornando a saúde mental mais tangível e objetiva, fornecendo informação de forma divertida, positiva e sem tabus.

Assim nasce o Holi, “o pequenino cérebro”, como Rita Maçorano carinhosamente o trata, que toma a forma de aplicação para smartphone.

A Holi e a Nevaro já dão que falar nos meios de comunicação social, como é o caso da Rádio Renascença, Público, PC Guia, PME Magazine, Observador, media no qual as responsáveis pelo projeto publicaram um artigo de opinião intitulado “Trabalho: catalisador ou aniquilador da nossa saúde mental?”

O Holi é um “personal trainer” da saúde mental. Através de técnicas de biofeedback (derivação do neurofeedback aplicado a todos os sinais fisiológicos para além das ondas cerebrais), como a respiração e o batimento cardíaco, detetadas pelos sensores de um smartphone - microfone, câmara, leitor de impressão digital – a aplicação está programada para entender as necessidades do utilizador. Desta forma, a Holi traça uma estratégia personalizada para autogestão da saúde mental do utilizador, através da “prescrição” de exercícios de respiração, aceleramento do metabolismo, empoderamento, autoconfiança, etc..

A mais valia e inovação deste projeto é a desmaterialização e democratização do acesso. Sem necessidade de adquirir hardware específico, a Holi permite que qualquer pessoa possa ter acesso aos seus dados fisiológicos e ainda ter uma ajuda complementar na gestão da sua saúde mental.

Neste momento, a aplicação está apenas disponível para trabalhadores de empresas e instituições de saúde. Num futuro próximo, as mentoras deste projeto querem expandir a aplicação para uso individual.

A prova de fogo da Holi começa agora, com a utilização da aplicação por parte de 35 000 trabalhadores da Sonae MC, uma empresa que demonstrou muito interesse no projeto, e cuja experiência será uma grande oportunidade para analisar a adesão, o interesse, a eficácia e a usabilidade da app.

Ainda que com poucos anos de vida, a Nevaro conta já com uma rede de parceiros consideravelmente ampla, incluindo empresas, hospitais, clínicas de psicologia e psiquiatria, entre outros. Para complementar o trabalho, promovem estágios e projetos curriculares com alunos de Engenharia Biomédica e Biofísica e Engenharia Informática, colaborando com alunos no desenvolvimento de diversos projetos na Ciências ULisboa, IST e Universidade de Aveiro.

“Tem sido uma jornada desafiante porque a credibilidade de duas raparigas de 23/24 anos não é a mesma da de um homem… mas vai-se notando uma certa evolução da mentalidade das pessoas quanto à liderança feminina.” Rita Maçorano, cofundadora e CEO da Nevaro

Rita Maçorano e Francisca Canais têm “bicho carpinteiro” e já levaram o nome do projeto a diversos concursos e programas nacionais e internacionais, tendo sido distinguidas com prémios e reconhecimentos, entre os quais se destacam dois dos mais recentes: a nomeação para o prémio de “Best Startup in Portugal started by a Woman”, pela Portuguese Women in Tech e o 1.º lugar na última edição do concurso Santa Casa Challenge, que lhes valeu um prémio no valor de 15.000€, deu direito a um ano de incubação na Casa do Impacto e a presença no WebSummit 2021. Entre 2019 e 2021 tiveram a oportunidade de apresentar posteres científicos no European Congress of Psychiatry.

Com um futuro promissor pela frente no mercado das tecnologias da saúde, o objetivo da Nevaro é agora conseguir captar mais investimento e expandir o âmbito da aplicação, de modo a ser utilizada como complemento à terapêutica convencional.

 

Marcos importantes na história da Nevaro 

linha do tempo nevaro

Marta Tavares, Gabinete de Jornalismo Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Laje rochosa - primeiras evidências de vertebrados do fundo do mar

A descoberta de fósseis extremamente raros, que representam as primeiras evidências de peixes de águas profundas, atrasa a invasão da planície abissal em 80 milhões de anos. Estas descobertas foram publicadas este mês num novo estudo na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

Grupo de pessoas

A 13ª Conferência Internacional SedNet - Continuum Sedimentar: aplicando uma abordagem de gestão integrada realizou-se na Ciências ULisboa, entre 5 a 9 de setembro. O programa intensivo de cinco dias começou com workshops sobre a gestão dos sedimentos a diferentes níveis, incluiu apresentações e uma visita de campo ao Porto de Lisboa e às dunas e praias de Cascais.

O Departamento de Matemática da Ciências ULisboa e o Museu Nacional de História da Ciência juntam-se numa homenagem que marca o centenário do nascimento do professor João Santos Guerreiro, a realizar no próximo dia 23 de setembro, entre as 14h00 e as 18h00, no Anfiteatro Manuel Valadares, no MUHNAC.

peixes

Os organismos estão a tornar-se mais pequenos através de uma combinação de substituição de espécies e mudanças dentro das espécies: trata-se da conclusão de um novo estudo publicado na revista Science, que analisou dados de todo o mundo dos últimos 60 anos e de diversas espécies de animais e plantas.

Filipe Rosas

​Filipe Rosas é o novo coordenador do Instituto Dom Luiz (IDL).

Susana Custódio com alunos

Portugal obteve uma medalha de prata e três medalhas de bronze na 16.ª edição da International Earth Science Olympiad (IESO 2023), que assinala a 8.ª participação portuguesa. A SGP e a CNOG agradecem à Faculdade o apoio científico prestado no âmbito do programa de preparação da equipa portuguesa para a 16.ª edição da IESO.

3 homens sentados

MARGINS surgiu com o objetivo de estudar as interações socioecológicas entre comunidades humanas e ambiente na zona costeira da Guiné-Bissau e compreender a inter-relação de arrozais e mangais como parte de uma unidade afetada pelas mudanças climáticas. No projeto estão envolvidos docentes, investigadores do IDL e cE3c e estudantes da Faculdade.

Auditório com pessoas

Este ano, na 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso ao ensino superior concorreram aos 16 cursos da Faculdade 5086 candidatos, tendo sido colocados 872 novos alunos em Ciências ULisboa, 527 em 1.ª opção. Até 5 de setembro decorre a apresentação da candidatura à 2.ª fase. A sessão de boas-vindas aos novos alunos de 2023/2024 acontece no dia 18 de setembro.

abelha mumificada

Um novo estudo publicado na revista internacional Papers in Paleontology dá conta da descoberta de centenas de abelhas mumificadas no interior dos seus casulos, num novo sítio paleontológico descoberto no litoral de Odemira.

mural

Há um novo mural no campus da Faculdade, para apreciar junto à FCULresta, que celebra os dois anos corridos desde a primeira semente lançada. "Só em Portugal, inspirados também pela FCULresta, foram criados ou melhorados um total de 6 espaços verdes resilientes" escrevem os responsáveis pelo projeto, neste artigo de opinião sobre a minifloresta. 

ratinho ruivo

O ratinho-ruivo (Mus spretus) aprende a identificar que novos alimentos é seguro incluir na sua alimentação através do cheiro presente no hálito de outros ratinhos da sua espécie, segundo o artigo “Interaction time with conspecifics induces food preference or aversion in the wild Algerian mouse”, da autoria das cientistas Rita S. Andrade, Ana M. Cerveira, Maria da Luz Mathias e Susana A. M. Varela, publicado em agosto na revista Behavioural Processes.

vista de uma ilha para outra (Açores)

O Prémio Frederico Machado 2022-2023, o primeiro de índole científica a ser atribuído nos Açores, foi ganho pelas equipas lideradas por Mariana Andrade, aluna da Ciências ULisboa e investigadora do Instituto Dom Luiz (IDL), na área das Geociências, e por Pedro Afonso, investigador do Instituto de Investigação em Ciências do Mar da Universidade dos Açores (OKEANOS), na área das Ciências do Mar.

plantas com QR code do Relatório de Sustentabilidade

O primeiro Relatório de Sustentabilidade da Ciências ULisboa resulta da monitorização e análise de um conjunto de atividades enquadradas nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), entre 2019 e 2021.

banner do evento

A EUPVSEC 2023 realiza-se de 18 a 22 de setembro de 2023, no Centro de Congressos de Lisboa. João Serra, professor do Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia da Ciências ULisboa, foi novamente convidado a ser o chairman da maior e mais importante conferência europeia dedicada à energia fotovoltaica. 

copa das arvores vista de baixo

Já são conhecidos os três vencedores da edição de 2023 do Prémio de Doutoramento em Ecologia Fundação Amadeu Dias, um prémio da Sociedade Portuguesa de Ecologia (SPECO) e da Fundação Amadeu Dias que procura valorizar o trabalho de recém doutorados ao longo do seu programa doutoral. No pódio estão duas alumnae da Ciências ULisboa.

apresentação do livro

Foi concluído recentemente o projeto “Aqua – O uso eficiente da água nos jardins da idade moderna”, um trabalho interdisciplinar que cruza as áreas da História da Ciência, a Engenharia Hidráulica e a Arquitetura Paisagista.

uma rapariga e um rapaz

Todos os anos a Faculdade atribui diplomas e prémios de mérito académico aos seus estudantes, com o apoio de várias entidades e empresas, que valorizam a missão da Faculdade e que passa por investigar, ensinar e estimular a transferência do conhecimento e da inovação e a abertura à sociedade civil.

Exoplaneta e núvens

A Agência Espacial Europeia validou o desenho dos instrumentos científicos da missão Ariel, que conta com a participação do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço. A missão vai observar a composição química de mil planetas em órbita de outras estrelas, e transformar a compreensão sobre como se formam e evoluem os sistemas planetários.

foto de grupo

No passado dia 26 de julho o Tec Labs - Centro de Inovação recebeu a visita de uma comitiva de representantes da Assembleia Legislativa do Estado de Goiás, Brasil, com o objetivo de conhecer em profundidade o ecossistema de empreendedorismo e inovação nacional e os seus principais stakeholders.

árvores no campus da Faculdade

Ciências ULisboa vai implementar no ano letivo de 2023/2024 o projeto “Ciências em Harmonia”. Comprometida com o bem-estar da sua comunidade estudantil e a promoção de competências individuais e sociais dos seus estudantes, a Faculdade vai procurar dar resposta a uma preocupação: a do bem-estar no ensino superior, envolvendo toda a comunidade académica na celebração da diversidade e promoção de inclusão. As atividades têm início já em setembro e vão prolongar-se durante todo o ano letivo.

logotipo do CWTS

ranking de Leiden, que avalia a produção científica de instituições de ensino superior a nível mundial, posicionou a ULisboa na liderança da Península Ibérica, colocando-a na 28.ª posição na Europa e no 131.º lugar a nível mundial.

enguia

No dia 26 julho, pelas 16h00, decorrerá na Ciências ULisboa a sessão de encerramento do projeto “Livro Vermelho e Sistema Nacional de Informação dos Peixes Dulciaquícolas e Diádromos de Portugal Continental”. O novo Livro Vermelho revela que os peixes de água doce e migradores diádromos se encontram numa situação preocupante.

3 raparigas a apontarem para um ecrã num laboratório

Acontece este ano mais uma edição do “Ser Cientista”. A 8.ª edição do programa, que decorre entre os próximos dias 24 e 28 de julho, visa proporcionar aos alunos do ensino secundário uma aproximação à realidade da investigação científica, pela integração no dia-a-dia dos cientistas de diferentes áreas de Ciências.

António Costa, Elvira Fortunato e Salomé Pais

Salomé Pais foi galardoada com a Medalha de Mérito Científico 2023, durante o Encontro com a Ciência e a Tecnologia em Portugal, decorrido no início de julho em Aveiro. Para a professora catedrática aposentada do Departamento de Biologia Vegetal da Ciências ULisboa esta distinção “simboliza o reconhecimento de uma vida dedicada à ciência”.

imagem de divulgação da exposição Mirabilia

É hoje inaugurada a exposição Mirabilia “Coisas Admiráveis”, que decorre no âmbito das comemorações dos 10 anos da ULisboa e do Dia da Universidade de Lisboa. A exposição integra objetos “admiráveis” das 18 escolas da ULisboa, entre eles um telescópio utilizado por um equipa da Ciências ULisboa na campanha internacional de observação “Venus Twilight Experiment”.

Páginas