Alumnus Ciências ULisboa e investigador pós-doutorado do CQE ULisboa

Ricardo Simões: primeiro cientista português a vencer Prémio Franzosini

Estudo da solubilidade da simvastatina relevante no tratamento de doenças relacionadas com elevados níveis de colesterol

Ricardo Simões no laboratório

Ricardo Simões é o primeiro cientista português a receber o Prémio Franzosini

ACI Ciências ULisboa

O CQE ULisboa tem 11 grupos de investigação, que funcionam no Instituto Superior Técnico (IST) e na Ciências ULisboa. O MET CQE ULisboa é coordenado por Eduardo Filipe, professor do IST ULisboa e cocoordenado por Filomena Martins, professora do DQB Ciências ULisboa. O grupo conta já com mais de mil publicações.

Ricardo Simões, de 37 anos, antigo aluno da Ciências ULisboa e investigador pós-doutorado do grupo Molecular and Engineering Thermodynamics (MET) do Centro de Química Estrutural (CQE) da ULisboa, é um dos vencedores do Prémio Franzosini 2020, e o primeiro cientista português a receber este galardão internacional.

Manuel Minas da Piedade, professor do DQB Ciências ULisboa e investigador do MET CQE ULisboa, no polo da Faculdade, foi quem propôs a candidatura de Ricardo Simões ao prémio, na qualidade de patrocinador.

Johan Jacquemin, professor e investigador na Faculté des Sciences et Techniques, Université de Tours, em França, foi também distinguido com o mesmo prémio, que, por força da situação pandémica, só foi possível entregar este ano. A candidatura do cientista foi proposta por Magdalena Bendová, do Institute of Chemical Process Fundamentals, Czech Academy of Sciences, na República Checa.

Os prémios foram atribuídos pelo Subcommittee on Solubility and Equilibrium Data (SSED) da International Union of Pure and Applied Chemistry (IUPAC) durante o “19th International Symposium on Solubility Phenomena and Related Equilibrium Processes – ISSP19”, uma conferência virtual, organizada pelo Los Alamos National Laboratory, entre 12 e 16 de julho passado. O próximo simpósio - ISSP20 - deverá acontecer em setembro de 2022, no Instituto Politécnico de Bragança.

Ricardo Simões completou o doutoramento em Química, com especialização em Química Física. Manuel Minas da Piedade foi o seu orientador. Durante o curso desenvolveu interesse pela área da cristalização e do polimorfismo.

Ricardo Simões completou o doutoramento em Química, com especialização em Química Física, em 2013, na Ciências ULisboa, orientado pelo professor Manuel Minas da Piedade. Foi durante este curso que desenvolveu interesse pela área da cristalização e do polimorfismo, domínio no qual tem desenvolvido vários estudos.

O cientista integra o MET CQE ULisboa, polo da Faculdade desde 2017, e os seus interesses científicos focam-se no estudo da relação entre estrutura molecular e propriedades, no contexto da engenharia de cristais, com foco no fenómeno de polimorfismo em compostos orgânicos. Ao longo da sua carreira já publicou 13 artigos em revistas científicas internacionais, 14 comunicações em posters e seis comunicações orais.

diploma do Prémio Franzosini
O Prémio Franzosini é atribuído pelo SSED
Imagem cedida por RS DQB Ciências ULisboa

O prémio que lhe foi atribuído está relacionado com o estudo da cristalização e solubilidade da simvastatina, um fármaco pertencente ao grupo das estatinas. O estudo centra-se na análise do processo de transformação de uma molécula num cristal, sendo que para uma mesma molécula, podem ser criados diferentes sólidos, com diferentes estruturas cristalinas.

O jovem investigador explica que ganhar este prémio deverá permitir-lhe um papel mais ativo nas discussões internacionais sobre solubilidade e a oportunidade de participar nas futuras atividades do subcomité da IUPAC, com a submissão de mais projetos nesta área.

Quanto ao que simboliza para si o prémio, comenta: “é sempre bom ter este tipo de reconhecimento, significa que o trabalho é bom e que está a ir numa direção vantajosa.”

Calorimetria diferencial de varrimento

Uma das metodologias utilizadas por Ricardo Simões, no âmbito da sua investigação, é a calorimetria diferencial de varrimento, ou por outras palavas differential scanning calorimetry (DSC). Esta técnica permite determinar a temperatura e entalpia de transições de fase, como é o caso das fusões ou das cristalizações, nos compostos em estudo.

Para Ricardo Simões é este o trabalho que mais lhe interessa – perceber que estruturas podem ser obtidas, de que forma, e quais as suas propriedades e aplicações. Apesar da cristalização ser um processo que já vem desde a antiguidade, o método é ainda muito desconhecido, razão pela qual optou por trabalhar este tema.

Os estudos sobre solubilidade têm aplicações nas diferentes indústrias, tais como a alimentar, a dos explosivos, ou a farmacêutica (estudo das dosagens). Na sua opinião, o trabalho que desenvolve com a simvastatina é muito relevante, por exemplo, no tratamento de doenças relacionadas com elevados níveis de colesterol, e já permitiu resolver as discrepâncias encontradas nos dados de solubilidade presentes na literatura sobre este composto.

Futuramente, Ricardo Simões prevê expandir os seus interesses científicos para outras estatinas, fazendo uma avaliação das solubilidades que já existem, de modo a poder melhorar as formulações farmacêuticas e os métodos de produção.

Da cristalização às propriedades do chocolate

A sua investigação tem contado com a colaboração de Carlos Bernardes, investigador do DQB Ciências ULisboa e do MET CQE ULisboa, polo da Faculdade, na área dos estudos computacionais, assim como com a participação de outros colegas investigadores do referido grupo.

differential scanning calorimeter
O DSC é um dos instrumentos utilizados na investigação
Fonte ACI Ciências ULisboa

A este propósito, é de referir ainda que Ricardo Simões participa no Crystals and Their Skeletons – Uma Exposição Online, realizada no âmbito do projeto mol2cryst – das moléculas aos cristais, dinamizado por Carlos Bernardes e que visa a compreensão a nível molecular das fases iniciais da cristalização. Curiosamente, ou não, em 2016 também trabalhou como investigador pós-doutorado no Laboratoire de Chimie des Polymères, da Université Libre de Bruxelles, na Bélgica. Aí estudou a cristalização de compostos orgânicos em filmes finos.

Como divulgador e comunicador de ciência, Ricardo Simões participou no “Ser cientista” nas edições de 2014, 2017 e 2018, com o projeto “A Química e os Segredos de um Chocolate Perfeito”, que se focava na exploração do impacto do polimorfismo nas características do chocolate.

Projeto de Dados de Solubilidade com 104 volumes

O Prémio Franzosini foi instituído em 1988 em memória de Paolo Franzosini, professor de Físico-Química da Universidade de Pavia, em Itália, um entusiasta do Projeto de Dados de Solubilidade, que faleceu repentinamente a 24 de janeiro de 1985, tendo deixado quase concluído o volume 33 da série de dados de solubilidade.

O galardão já foi entregue a 24 cientistas. O objetivo desta iniciativa permanece igual: procurar reconhecer o contributo promissor de jovens cientistas na área da solubilidade e equilíbrio homogéneo, nomeadamente para o referido projeto, que já conta com 104 volumes.

Marta Tavares com Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
pessoas a escavar na terra

Pegadas de dinossauros com 195 milhões de anos foram descobertas em Alvaiázere, no distrito de Leiria, sendo as mais antigas da Península Ibérica, segundo estudo publicado na revista científica Historical Biology. Carlos Neto de Carvalho, investigador do Instituto Dom Luiz, é um dos autores do trabalho.

Anfiteatro com pessoas

A 4.ª edição do acontecimento organizado pela Associação Portuguesa de Estudantes de Física (Physis), em colaboração com IA Ciências ULisboa e o Núcleo de Física e de Engenharia Física (NFEF) da Ciências ULisboa começou esta sexta-feira, dia 13 de outubro, no campus da Faculdade e termina este domingo, dia 15. Um dos pontos altos do programa é o debate “Há futuro na exploração espacial?”.

anffiteatro com cientistas

A Ciências ULisboa conta com 26 investigadores colocados nos rankings “World’s Top 2% Scientists”, de acordo com o mais recente estudo publicado pela Elsevier, comprovando a relevância da sua produção científica.

Laureados com o Nobel da Química

O Nobel da Química de 2023 foi atribuído conjuntamente a Moungi G. Bawendi, Louis E. Brus e Alexei I. Ekimov, pelo trabalho que levou à descoberta e ao desenvolvimento de pontos quânticos, nanopartículas tão minúsculas que o seu tamanho determina as suas propriedades, segundo comunicado oficial da Real Academia das Ciências da Suécia.

rato

O estudo “Resistência a rodenticidas anticoagulantes desafia esforços do controlo de pragas em Portugal” - realizado por uma equipa de investigadores do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar – visa recolher informações que tornem a gestão do ratinho doméstico mais eficiente, minimizando os seus impactos.

Katalin Karikó e Drew Weissman

A 2 de outubro de 2023 o Prémio Nobel da Fisiologia e Medicina foi atribuido a Katalin Karikó e Drew Weissman por descobertas biotecnológicas subjacentes à formulação das vacinas de mRNA (RNA mensageiro) para COVID-19. Em todo o mundo, mais de três mil milhões de pessoas receberam pelo menos duas doses destas vacinas (vacinas Comirnaty da Pfizer e Spikevax da Moderna). Em Portugal, cerca de sete milhões de pessoas receberam pelo menos três doses.

Pierre Agostini, Ferenc Krausz e Anne L'Huillier

O Nobel da Física de 2023 foi atribuído a três físicos europeus - Pierre Agostini, Ferenc Krausz e Anne L'Huillier -, a trabalhar nos EUA, Suécia e Alemanha. Reconhece os trabalhos pioneiros relativos à produção de luz decorrentes da interacção entre electrões e atómos foto-ionizados por laser, através da geração de um número elevado de harmónicas de ordem elevada que, em conjunto, e em condições de fase relativas adequadas (phase matching) podem dar origem a trens de impulsos luminosos com durações de ato-segundo (1 as = 10-18 s).

Centro de Congressos de Lisboa com vários participantes do EUPVSEC 2023

A 40th European Photovoltaic Solar Energy Conference and Exhibition - EUPVSEC 2023 realizou-se de 18 a 22 de setembro de 2023, no Centro de Congressos de Lisboa. João Serra, professor do Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia da Ciências ULisboa, foi novamente convidado a ser o chairman da maior e mais importante conferência europeia dedicada à energia fotovoltaica.

obra de Wassily Kandinsky

"Descobertas recentes na neurociência cognitiva - por António Damásio, Vittorio Gallese e Frans de Waal, entre outros - posicionam a empatia como um facto neurobiológico", escreve Graça P. Corrêa, investigadora do Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa.

pessoas numa escavação numa jazida de fósseis

Novo estudo publicado na revista Zoological Journal of the Linnean Society descreve um novo dinossáurio saurópode que viveu na Península Ibérica há 122 milhões de anos. Esta nova espécie de dinossáurio, apelidada de Garumbatitan morellensis, foi descrita a partir de restos descobertos em Morella (Castelló, Espanha) por uma equipa de paleontólogos portugueses e espanhóis e permitiu ampliar a diversidade de dinossáurios conhecida num dos melhores registos fósseis do Cretácico Inferior da Europa.

sensor de radiação no topo de um veículo

Um novo estudo desenvolvido por investigadores da Ciências ULisboa e do Instituto Dom Luiz com a colaboração de parceiros em França (Mines Paris - PSL) e Luxemburgo (LIST), publicado na revista Progress in Photovoltaics: Research and Applications, explora o potencial em ambiente urbano de veículos solares em 100 cidades em cinco continentes.

auditório lotado

18 de setembro foi o primeiro dia de aulas para mais de 800 novos alunos matriculados nas licenciaturas da Ciências ULisboa na 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso. A sessão de boas-vindas aos novos alunos decorreu às 11h30, no auditório 3.2.14.

Luís Fernando Marques Mendes foi um biólogo inteiramente dedicado à Entomologia, desde que se licenciou em 1971 pela Ciências ULisboa. Faleceu na passada quinta-feira, 14 de setembro, após prolongada doença. A Faculdade lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

Laje rochosa - primeiras evidências de vertebrados do fundo do mar

A descoberta de fósseis extremamente raros, que representam as primeiras evidências de peixes de águas profundas, atrasa a invasão da planície abissal em 80 milhões de anos. Estas descobertas foram publicadas este mês num novo estudo na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

Grupo de pessoas

A 13ª Conferência Internacional SedNet - Continuum Sedimentar: aplicando uma abordagem de gestão integrada realizou-se na Ciências ULisboa, entre 5 a 9 de setembro. O programa intensivo de cinco dias começou com workshops sobre a gestão dos sedimentos a diferentes níveis, incluiu apresentações e uma visita de campo ao Porto de Lisboa e às dunas e praias de Cascais.

O Departamento de Matemática da Ciências ULisboa e o Museu Nacional de História da Ciência juntam-se numa homenagem que marca o centenário do nascimento do professor João Santos Guerreiro, a realizar no próximo dia 23 de setembro, entre as 14h00 e as 18h00, no Anfiteatro Manuel Valadares, no MUHNAC.

peixes

Os organismos estão a tornar-se mais pequenos através de uma combinação de substituição de espécies e mudanças dentro das espécies: trata-se da conclusão de um novo estudo publicado na revista Science, que analisou dados de todo o mundo dos últimos 60 anos e de diversas espécies de animais e plantas.

Filipe Rosas

​Filipe Rosas é o novo coordenador do Instituto Dom Luiz (IDL).

Susana Custódio com alunos

Portugal obteve uma medalha de prata e três medalhas de bronze na 16.ª edição da International Earth Science Olympiad (IESO 2023), que assinala a 8.ª participação portuguesa. A SGP e a CNOG agradecem à Faculdade o apoio científico prestado no âmbito do programa de preparação da equipa portuguesa para a 16.ª edição da IESO.

3 homens sentados

MARGINS surgiu com o objetivo de estudar as interações socioecológicas entre comunidades humanas e ambiente na zona costeira da Guiné-Bissau e compreender a inter-relação de arrozais e mangais como parte de uma unidade afetada pelas mudanças climáticas. No projeto estão envolvidos docentes, investigadores do IDL e cE3c e estudantes da Faculdade.

Auditório com pessoas

Este ano, na 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso ao ensino superior concorreram aos 16 cursos da Faculdade 5086 candidatos, tendo sido colocados 872 novos alunos em Ciências ULisboa, 527 em 1.ª opção. Até 5 de setembro decorre a apresentação da candidatura à 2.ª fase. A sessão de boas-vindas aos novos alunos de 2023/2024 acontece no dia 18 de setembro.

abelha mumificada

Um novo estudo publicado na revista internacional Papers in Paleontology dá conta da descoberta de centenas de abelhas mumificadas no interior dos seus casulos, num novo sítio paleontológico descoberto no litoral de Odemira.

mural

Há um novo mural no campus da Faculdade, para apreciar junto à FCULresta, que celebra os dois anos corridos desde a primeira semente lançada. "Só em Portugal, inspirados também pela FCULresta, foram criados ou melhorados um total de 6 espaços verdes resilientes" escrevem os responsáveis pelo projeto, neste artigo de opinião sobre a minifloresta. 

ratinho ruivo

O ratinho-ruivo (Mus spretus) aprende a identificar que novos alimentos é seguro incluir na sua alimentação através do cheiro presente no hálito de outros ratinhos da sua espécie, segundo o artigo “Interaction time with conspecifics induces food preference or aversion in the wild Algerian mouse”, da autoria das cientistas Rita S. Andrade, Ana M. Cerveira, Maria da Luz Mathias e Susana A. M. Varela, publicado em agosto na revista Behavioural Processes.

vista de uma ilha para outra (Açores)

O Prémio Frederico Machado 2022-2023, o primeiro de índole científica a ser atribuído nos Açores, foi ganho pelas equipas lideradas por Mariana Andrade, aluna da Ciências ULisboa e investigadora do Instituto Dom Luiz (IDL), na área das Geociências, e por Pedro Afonso, investigador do Instituto de Investigação em Ciências do Mar da Universidade dos Açores (OKEANOS), na área das Ciências do Mar.

Páginas