Porquês com Ciência

“Sem ciência não há futuro, e o futuro são os jovens”

Sara Magalhães é protagonista do primeiro vídeo “Porquês com Ciência”

Sara Magalhães no estúdio da FCCN

As gravações do projeto aconteceram no estúdio da FCCN

DCI Ciências ULisboa

Sara Magalhães é professora do Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa desde 2016 e investigadora do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c). “Os ácaros são assim tão feios, porcos e maus?” é o tema apresentado pela professora, que inaugura o projeto “Porquês com Ciência”.

impressão digital

A trabalhar na Faculdade desde 2008 como investigadora no cE3c, é atualmente professora associada, lecionando a disciplina de Evolução no 2.º ano da licenciatura em Biologia, e a disciplina Genes e Adaptação no 1.º ano do mestrado em Biologia Evolutiva e do Desenvolvimento.

No decurso das suas aulas são estudadas as componentes da evolução por seleção natural; abordadas as causas e consequências das alterações nas características dos indivíduos ao longo do tempo; o papel das interações entre organismos na trajetória evolutiva das populações; e a importância da Biologia Evolutiva para a sociedade, nomeadamente no que diz respeito ao estudo da resistência a antibióticos e à seleção artificial de plantas e animais para a alimentação humana.

A professora é licenciada em Biologia pela Ciências ULisboa e doutorada em Biologia pela Universidade de Amesterdão, tendo frequentado pós-doutoramento no Institut des sciences de l'évolution de Montpellier, em França, e no Instituto Gulbenkian de Ciência. Conta que as experiências no estrangeiro lhe permitiram “criar uma rede de contactos bastante alargada, que continua a ser muito útil hoje em dia, porque a ciência é um processo colaborativo e é muito bom poder tirar dúvidas ou discutir ideias com outras pessoas”.

Em 2017 Sara Magalhães foi distinguida com uma menção honrosa no âmbito do Prémio Científico ULisboa/Caixa Geral de Depósitos, na área da Biologia, Engenharia Biológica, Bioquímica e Biotecnologia.

No ano passado recebeu um Prémio Tremplin Mariano Gago, um financiamento no valor de 21.000€ para trabalhar no projeto “O efeito da competição e simbiose na virulência de um parasita de plantas" coordenado por si e Alison Duncan.

2016 foi um ano importante na vida de Sara Magalhães. Nesse ano, foi contratada como professora na Ciências ULisboa, o que lhe permitiu manter um emprego estável sem necessidade de se candidatar, ano após ano, a diversos concursos, conta. Para além disso, obteve uma bolsa de dois milhões de euros para estudar de que forma a competição entre organismos influencia a evolução das espécies, e permitiu-lhe “fazer a ciência que sempre desejou fazer”. O dinheiro da bolsa Consolidator Grant do European Research Council (ERC) permitiu-lhe ainda assegurar o salário de várias pessoas do seu grupo de investigação durante cinco anos. Foi a primeira vez que uma bolsa ERC Consolidator Grant foi atribuída na área da Ecologia e Evolução em Portugal.

O lançamento do projeto da Caravana AgroEcológica, em 2019, é um dos acontecimentos que destaca na sua vida profissional. A iniciativa do Laboratório Vivo para a Sustentabilidade pretende estreitar relações entre produtores, consumidores e investigadores através da agroecologia. Coordenado pela cientista, o projeto tem desenvolvido diversas atividades: dias abertos para os produtores, rotas para dar a conhecer as produções, programas de rádio e visitas a escolas.

A Evolução é a área de estudo da Biologia na qual se especializou, sendo os ácaros herbívoros o seu principal foco de estudo. O grupo de investigação do cE3c “Evolutionary Ecology”, o qual integra e coordena, dedica-se ao estudo das implicações evolutivas de interações bióticas: entre parasitas (ácaros) e hospedeiros (plantas); entre machos e fêmeas, da mesma espécie ou de espécies diferentes; ou entre ácaros e fungos ou bactérias, relações que podem ser benéficas ou nocivas.

Sara Magalhães explica que o estudo dos ácaros é facilitado porque estes têm um tempo de geração relativamente curto, possibilitando ao investigador acompanhar, em tempo real, a evolução das suas características. Atualmente a investigadora está envolvida em dois projetos relacionados com o estudo destes animais microscópicos.

O primeiro projeto procura perceber de que forma a exposição a pressões de seleção, como a presença de plantas com cádmio ou de competidores, pode afetar a evolução das populações de duas espécies de ácaros. Até agora, a equipa descobriu que a resposta dos ácaros ao cádmio não é linear: um pouco de cádmio leva a uma maior reprodução, enquanto que muito leva a menos ovos produzidos; também estão a estudar de que forma cada espécie se adapta à presença dum competidor - a ordem de chegada das duas espécies de ácaros afeta a probabilidade de coexistência das mesmas.

A equipa está também a tentar perceber de que forma a temperatura altera o sistema de reprodução dos ácaros. Até agora observaram que tanto os machos como as fêmeas ficam parcialmente estéreis a altas temperaturas, mas as fêmeas podem recuperar alguma fertilidade ao acasalarem com mais do que um macho.

porquês com ciência
“Porquês com Ciência” é o novo projeto de divulgação científica da Ciências ULisboa

Paralelamente a todo o trabalho que desenvolve na Ciências ULisboa, Sara Magalhães integra ainda a Bolsa de Palestras da Faculdade, sendo responsável pela palestra “Ácaros, feios, porcos e maus”, na qual explica que, pelo contrário, os ácaros são até bem “bonitos, limpinhos e bons”! Este foi também o mote para o primeiro vídeo do projeto “Porquês com Ciência”, já disponível no canal YouTube da Faculdade.

Para a investigadora, faz todo o sentido sensibilizar os jovens do ensino básico e secundário para a ciência porque “sem ciência não há futuro, e o futuro são os jovens”. Considera as Bolsas de Palestras uma “excelente iniciativa”, pois permite aproximar os investigadores dos estudantes. “Quem me dera poder assistir a algumas delas [palestras]!”, diz.

 

 

 

 

Marta Tavares, Gabinete de Jornalismo Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

A cientista Ana Russo, investigadora do Instituto Dom Luiz (IDL), visitou duas escolas básicas do concelho de Sintra no dia 23 de abril para rea

Branca Edmée Marques, cientista alumna de CIÊNCIAS

Branca Edmée Marques, alumna de CIÊNCIAS, será homenageada no dia 20 de junho pelos Museus da Universidade de Lisboa

Margarida Fortes, docente do Departamento de Biologia Vegetal de CIÊNCIAS dá uma aula em frente a um quadro com uma projeção imagética

Margarida Fortes, professora de CIÊNCIAS, visitou a Escola Secundária de Carcavelos para dar uma aula acerca da edição genética.

Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ), com vista à cooperação científica em várias áreas de interesse comum.

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Páginas