Crónicas em Ciências

Um estágio na HortaFCUL

Tive as minhas mãos em tanto desperdício alimentar, minhocas e vermicomposto que posso distinguir facilmente um bom vermicomposto de um mau pelo olfato, visão e tacto

HortaFCUL
Marissa Verhoeven
Marissa Verhoeven
imagem cedida pela HortaFCUL

Antes de ter começado o estágio, tive de pesquisar no Google o que significava vermicomposto. Agora, cinco meses depois, tive as minhas mãos em tanto desperdício alimentar, minhocas e vermicomposto que posso distinguir facilmente um bom vermicomposto de um mau pelo olfato, visão e tacto. Isso pode não parecer um sonho, mas acredite em mim, é mesmo! Porque o que é mais bonito do que aprender como melhorar seu ambiente, trabalhando com a natureza de uma maneira simples, mas complexa? Retribuir à mãe natureza em vez de apenas consumir, foi o que aprendi durante o meu estágio na HortaFCUL.

Sim, trabalhar com resíduos e minhocas foi uma das minhas principais tarefas no estágio. Cuidei do lixo orgânico proveniente das cantinas da Faculdade, aprendi a cuidar dele e como transformá-lo em fertilizante do solo com a ajuda de alguns vermes famintos.

Os desperdícios alimentares deixaram de ir para o lixo, em vez disso, passaram a ser desviados por mim e por um empregado da Faculdade para o PermaLab. Aqui, foram colocados em caixas especialmente feitas para acelerar a compostagem que atinge temperaturas altas, para depois serem colocados em caixas diferentes, onde minhocas famintas puderam alimentar-se do material. O produto resultante é um vermicomposto de alta qualidade, pronto a ser usado para produzir alimentos, que podem novamente ser comidos. É assim que fechamos o ciclo orgânico.

Só isto já foi ótimo, mas o meu estágio foi muito mais desafiante do que isso. Também realizei uma investigação científica para responder a duas perguntas sobre a produção e uso do vermicomposto.

Consulte os resultados da investigação “From degradation to creation: closing the urban organic cycle”

E, claro, tive muitas mais oportunidades. Pude trabalhar no PermaLab todas as semanas com pessoas incríveis. Juntos criamos e implementamos projetos, partilhamos experiências e fizemos muita sopa. Os guardiões da HortaFCUL estiveram sempre disponíveis para me ajudar e fornecer feedback quando necessário. Eles organizaram vários projetos e iniciativas nos quais tive a possibilidade de participar. Foi assim que participei num curso sobre abordagens de planeamento baseadas na natureza, ajudei a plantar um jardim numa escola primária e participei em celebrações incríveis. A HortaFCUL também me deu o apoio necessário para iniciar os meus projetos: escrevi e ilustrei o meu primeiro livro infantil sobre a importância das abelhas. Um sonho que sempre quis realizar.

Consulte o livro “Onde moras, abelha?”

Em suma, foi uma grande experiência e recomendo a todos que participem no projeto HortaFCUL e ponham as mãos na terra!

Nota de redação:

Marissa Verhoeven é estudante de Biologia Aplicada na Holanda. Tem uma grande paixão pela natureza e sustentabilidade e deseja incluir essas paixões na sua vida, tanto quanto possível, por essa razão viajou até Portugal no início de 2019 e candidatou-se a um estágio no projeto de permacultura experimental da HortaFCUL.

Marissa Verhoeven, estudante de Biologia Aplicada na Holanda
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Cláudio Pina Fernandes, coordenador do GAPsi Ciências ULisboa, escreve sobre a complexidade das emoções e alerta: "é importante termos estratégias que nos permitam regulá-las".

“Pela 1.ª vez foi possível realizar um estudo completo e sistemático ao longo de um segmento da fronteira de placas Açores/Gibraltar”, diz João C. Duarte, professor do Departamento de Geologia (DG) da Ciências ULisboa, investigador do Instituto Dom Luiz (IDL) e um dos membros da equipa portuguesa presente na campanha oceanográfica M162 – GLORIA FLOW.

“Um estudo isolado pode sempre, ser, apenas uma coincidência, uma imperfeição estatística, um acaso”, escreve Tiago Marques, professor do DBA Ciências ULisboa e investigador do CEAUL, num artigo que realça a importância dos jornalistas confirmarem as suas fontes.

Ciências ULisboa vai criar um Centro de Testes (CT) à COVID-19 no seu campus, no Campo Grande, em Lisboa. Os testes de despistagem à COVID-19 deverão começar daqui a duas semanas consistindo, numa primeira fase, em cerca de 100 análises diárias, estando  também previsto a sequenciação e o rastreamento epidemiológico.

Andreia Santos, psicóloga no GAPsi Ciências ULisboa, escreve sobre os diálogos internos que se manifestam numa sensação de urgência, insuficiência e falta de controlo, que são reflexo de um sentimento de culpa. Conheça algumas dicas que podem ajudar a lidar com estas dúvidas, que são tão comuns como naturais.

Terceira rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque é a Vawlt Technologies.

Rodrigo Amaro e Silva, Patrícia Jordão, Sérgio Chozas, Ana Cristina Pires e Miguel Inácio são os primeiros entrevistados no âmbito do projeto “O que faço aqui?”, lançado recentemente nas redes sociais e no site da Faculdade.

“Portugal pode por isso estar certo de que, nesta época de crise, toda a comunidade da Ciências Ulisboa beneficia de um ambiente de trabalho seguro e sustentável, que não compromete a qualidade da sua missão”, escreve Pedro Almeida, subdiretor da Faculdade.

No Tec Labs – Centro de Inovação e incubadora da Ciências ULisboa são várias as empresas, spin-off, proto-company e startups a trabalhar para encontrar soluções que ajudem doentes, profissionais, unidades hospitalares e autoridades governamentais nesta “luta”, que só poderá ser vencida pelo esforço conjunto.

"Socializar por meio de momentos lúdicos, rir e partilhar ideias sobre novos projetos são excelentes formas de dirigir a nossa atenção para além da preocupação. Ajuda-nos a colocar o foco da nossa energia ao serviço daquilo que nos faz bem e sentirmo-nos ligados", escreve a psicóloga Andreia Santos.

O Centro de Física Teórica e Computacional da Ciências ULisboa participa no desenvolvimento do mapa de risco de propagação da COVID-19 por contágio comunitário em Portugal, um projeto coordenado pelas Universitat Rovira i Virgili, em Tarragona, e Universidad de Zaragoza, em Zaragoza, ambas em Espanha e que em Portugal tem como parceiros a NOS, a Data Science Portuguese Association e a Closer Consulting.

Cerca de 502 pessoas com mutações raras de fibrose quística (FQ) foram recrutadas pelo projeto inovador HIT-CF Europe, financiado pela União Europeia através do Horizonte 2020 e que conta com a participação de Margarida Amaral, professora do Departamento de Química e Bioquímica da Ciências ULisboa, coordenadora do Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (BioISI) e líder do grupo português neste consórcio.

Ao longo dos últimos dias, vários colegas da Ciências ULisboa e de outras faculdades entraram em contacto com Manuel Carmo Gomes, professor do Departamento de Biologia Vegetal, manifestando disponibilidade para contribuir com o seu conhecimento e meios no auxílio à análise dos dados, modelação e projeção do futuro da epidemia.

O Conselho Pedagógico da Ciências ULisboa preparou um conjunto de orientações relacionadas com as ferramentas de apoio ao ensino à distância, disponíveis no site da Faculdade e que visam ajudar os professores, investigadores e alunos durante este período de tempo sem aulas presenciais, uma medida implementada no âmbito do Plano de Contingência em Ciências COVID-19.

A Direção da Ciências ULisboa determinou um conjunto de medidas que pretendem contribuir para a contenção da propagação do novo coronavírus e que vigoram até ao próximo dia 27 de março, podendo ser ajustadas conforme a necessidade e a evolução da situação.

O POLAR2E tem como objetivo criar sinergias em áreas como as ciências da criosfera, a modelação climática, a ecologia de ambientes extremos, a deteção remota, a construção em ambientes extremos, a astrobiologia e a engenharia aeroespacial dentro da Universidade.

No ano letivo de 2019/2020, todos os estudantes da Faculdade com interesse e dúvidas quanto aos Young Talent Programmes da Jerónimo Martins (JM) poderão contactar Catarina Bernardo, por email ou via LinkedIn! A aluna finalista de Biologia da Faculdade está disponível para responder a dúvidas sobre as várias oportunidades da JM para jovens universitários.

Segunda rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque é a UpHill.

Na sequência das orientações da Direção-Geral da Saúde e procurando evitar desta forma alarmismos desnecessários, sem descurar uma atuação prudente e responsável, Ciências ULisboa elaborou o Plano de Contingência em Ciências COVID-19.

Tiago Guerreiro, professor do DI e investigador do LASIGE Ciências ULisboa, participa no IDEA-FAST, um projeto inovador na área da saúde digital, com um orçamento de 42 milhões de euros.

“O CEAUL tem pessoas com uma contribuição notável para a Estatística em Portugal”, escreve o investigador Tiago Marques, a propósito do último congresso da Sociedade Portuguesa de Estatística.

Que espécies encontrarão os cadetes do NRP Sagres? Que informação se esconde na cor do mar? Estas são algumas das questões a que o CIRCULARES, um projeto de ciência cidadã irá responder durante a viagem de circum-navegação, que deverá terminar em janeiro de 2021.

Ana Rita Carlos, investigadora no polo da Faculdade do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c) e antiga aluna da Ciências ULisboa, é uma das quatro jovens cientistas portuguesas premiadas na 16ª edição das Medalhas de Honra L’Oréal Portugal para as Mulheres na Ciência, com um estudo sobre os mecanismos que desencadeiam as distrofias musculares congénitas.

José Cabrita Freitas e João Pinto Coelho, investigadores do Departamento de Física e do Laboratory of Optics, Lasers and Systems da Ciências ULisboa, foram distinguidos com o Scientific Achievement Award e com o SET Panel Excellence Award, pelo Conselho de Ciência e Tecnologia da NATO.

Mais de 500 pessoas inscreveram-se no Encontro Nacional sobre Investigação em Alterações Climáticas, uma iniciativa organizada pela Ciências ULisboa em parceria com o IDL e a CML, no âmbito da Lisboa Capital Verde Europeia 2020. O acontecimento visa debater a melhor investigação em alterações climáticas que é realizada em Portugal. O programa integra oito sessões temáticas e uma sessão de posters, com 47 trabalhos.

Páginas