Crónicas em Ciências

Um estágio na HortaFCUL

Tive as minhas mãos em tanto desperdício alimentar, minhocas e vermicomposto que posso distinguir facilmente um bom vermicomposto de um mau pelo olfato, visão e tacto

HortaFCUL
Marissa Verhoeven
Marissa Verhoeven
imagem cedida pela HortaFCUL

Antes de ter começado o estágio, tive de pesquisar no Google o que significava vermicomposto. Agora, cinco meses depois, tive as minhas mãos em tanto desperdício alimentar, minhocas e vermicomposto que posso distinguir facilmente um bom vermicomposto de um mau pelo olfato, visão e tacto. Isso pode não parecer um sonho, mas acredite em mim, é mesmo! Porque o que é mais bonito do que aprender como melhorar seu ambiente, trabalhando com a natureza de uma maneira simples, mas complexa? Retribuir à mãe natureza em vez de apenas consumir, foi o que aprendi durante o meu estágio na HortaFCUL.

Sim, trabalhar com resíduos e minhocas foi uma das minhas principais tarefas no estágio. Cuidei do lixo orgânico proveniente das cantinas da Faculdade, aprendi a cuidar dele e como transformá-lo em fertilizante do solo com a ajuda de alguns vermes famintos.

Os desperdícios alimentares deixaram de ir para o lixo, em vez disso, passaram a ser desviados por mim e por um empregado da Faculdade para o PermaLab. Aqui, foram colocados em caixas especialmente feitas para acelerar a compostagem que atinge temperaturas altas, para depois serem colocados em caixas diferentes, onde minhocas famintas puderam alimentar-se do material. O produto resultante é um vermicomposto de alta qualidade, pronto a ser usado para produzir alimentos, que podem novamente ser comidos. É assim que fechamos o ciclo orgânico.

Só isto já foi ótimo, mas o meu estágio foi muito mais desafiante do que isso. Também realizei uma investigação científica para responder a duas perguntas sobre a produção e uso do vermicomposto.

Consulte os resultados da investigação “From degradation to creation: closing the urban organic cycle”

E, claro, tive muitas mais oportunidades. Pude trabalhar no PermaLab todas as semanas com pessoas incríveis. Juntos criamos e implementamos projetos, partilhamos experiências e fizemos muita sopa. Os guardiões da HortaFCUL estiveram sempre disponíveis para me ajudar e fornecer feedback quando necessário. Eles organizaram vários projetos e iniciativas nos quais tive a possibilidade de participar. Foi assim que participei num curso sobre abordagens de planeamento baseadas na natureza, ajudei a plantar um jardim numa escola primária e participei em celebrações incríveis. A HortaFCUL também me deu o apoio necessário para iniciar os meus projetos: escrevi e ilustrei o meu primeiro livro infantil sobre a importância das abelhas. Um sonho que sempre quis realizar.

Consulte o livro “Onde moras, abelha?”

Em suma, foi uma grande experiência e recomendo a todos que participem no projeto HortaFCUL e ponham as mãos na terra!

Nota de redação:

Marissa Verhoeven é estudante de Biologia Aplicada na Holanda. Tem uma grande paixão pela natureza e sustentabilidade e deseja incluir essas paixões na sua vida, tanto quanto possível, por essa razão viajou até Portugal no início de 2019 e candidatou-se a um estágio no projeto de permacultura experimental da HortaFCUL.

Marissa Verhoeven, estudante de Biologia Aplicada na Holanda
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt