Crónicas em Ciências

Um estágio na HortaFCUL

Tive as minhas mãos em tanto desperdício alimentar, minhocas e vermicomposto que posso distinguir facilmente um bom vermicomposto de um mau pelo olfato, visão e tacto

HortaFCUL
Marissa Verhoeven
Marissa Verhoeven
imagem cedida pela HortaFCUL

Antes de ter começado o estágio, tive de pesquisar no Google o que significava vermicomposto. Agora, cinco meses depois, tive as minhas mãos em tanto desperdício alimentar, minhocas e vermicomposto que posso distinguir facilmente um bom vermicomposto de um mau pelo olfato, visão e tacto. Isso pode não parecer um sonho, mas acredite em mim, é mesmo! Porque o que é mais bonito do que aprender como melhorar seu ambiente, trabalhando com a natureza de uma maneira simples, mas complexa? Retribuir à mãe natureza em vez de apenas consumir, foi o que aprendi durante o meu estágio na HortaFCUL.

Sim, trabalhar com resíduos e minhocas foi uma das minhas principais tarefas no estágio. Cuidei do lixo orgânico proveniente das cantinas da Faculdade, aprendi a cuidar dele e como transformá-lo em fertilizante do solo com a ajuda de alguns vermes famintos.

Os desperdícios alimentares deixaram de ir para o lixo, em vez disso, passaram a ser desviados por mim e por um empregado da Faculdade para o PermaLab. Aqui, foram colocados em caixas especialmente feitas para acelerar a compostagem que atinge temperaturas altas, para depois serem colocados em caixas diferentes, onde minhocas famintas puderam alimentar-se do material. O produto resultante é um vermicomposto de alta qualidade, pronto a ser usado para produzir alimentos, que podem novamente ser comidos. É assim que fechamos o ciclo orgânico.

Só isto já foi ótimo, mas o meu estágio foi muito mais desafiante do que isso. Também realizei uma investigação científica para responder a duas perguntas sobre a produção e uso do vermicomposto.

Consulte os resultados da investigação “From degradation to creation: closing the urban organic cycle”

E, claro, tive muitas mais oportunidades. Pude trabalhar no PermaLab todas as semanas com pessoas incríveis. Juntos criamos e implementamos projetos, partilhamos experiências e fizemos muita sopa. Os guardiões da HortaFCUL estiveram sempre disponíveis para me ajudar e fornecer feedback quando necessário. Eles organizaram vários projetos e iniciativas nos quais tive a possibilidade de participar. Foi assim que participei num curso sobre abordagens de planeamento baseadas na natureza, ajudei a plantar um jardim numa escola primária e participei em celebrações incríveis. A HortaFCUL também me deu o apoio necessário para iniciar os meus projetos: escrevi e ilustrei o meu primeiro livro infantil sobre a importância das abelhas. Um sonho que sempre quis realizar.

Consulte o livro “Onde moras, abelha?”

Em suma, foi uma grande experiência e recomendo a todos que participem no projeto HortaFCUL e ponham as mãos na terra!

Nota de redação:

Marissa Verhoeven é estudante de Biologia Aplicada na Holanda. Tem uma grande paixão pela natureza e sustentabilidade e deseja incluir essas paixões na sua vida, tanto quanto possível, por essa razão viajou até Portugal no início de 2019 e candidatou-se a um estágio no projeto de permacultura experimental da HortaFCUL.

Marissa Verhoeven, estudante de Biologia Aplicada na Holanda
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

Estudo coordenado por Ana Duarte Rodrigues, investigadora do DHFC e do CIUHCT, demonstra que plantas autóctones do Algarve são mais sustentáveis do que as espécies exóticas introduzidas na paisagem e que esgotam os recursos hídricos da região.

“A Federação Europeia de Ecologia (FEE) tem objetivos muito claros – um deles é o de alargar o conhecimento ecológico à Europa”, diz Cristina Máguas, primeira portuguesa a ser eleita presidente da rede europeia de ecólogos. A tomada de posse ocorre em janeiro de 2019.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências ULisboa? O Dictum et factum de novembro é com Ana Subtil Simões, técnica superior da Área de Comunicação e Imagem de Ciências ULisboa.

Ciências ULisboa organiza no seu campus a competição internacional destinada a treinar equipas multidisciplinares de estudantes universitários para a inovação e o empreendedorismo na área da saúde. A equipa vencedora irá participar no EIT Health Winners Event, em Londres, nos próximos dias 11 e 12 de dezembro.

Aos 14 anos o investigador do polo de Ciências ULisboa do IA deslumbrou-se com um livro “A criação do Universo” e a teoria do big-bang. O que mais gosta de fazer é simples: pequenos cálculos sobre ideias que lhe vêm à mente!

O 1.º Prémio de Doutoramento em Ecologia Fundação Amadeu Dias foi atribuído a Paula Matos. A investigadora do cE3c do polo de Ciências ULisboa irá apresentar a tese em Biologia e Ecologia das Alterações Globais no 17.º Encontro Nacional de Ecologia.

João Alexandre Medina Corte-Real, professor jubilado da Universidade de Évora, docente em Ciências ULisboa durante mais de 30 anos, faleceu a 31 de outubro. A Faculdade lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos familiares, amigos e colegas.

Saiba mais sobre a síndrome de burnout, na rubrica habitual da psicóloga do GAPsi, Andreia Santos.

Há um buraco negro supermassivo, escondido, no centro da Via Láctea anunciou o ESO. O GRAVITY, que tornou possível esta observação, foi desenvolvido por um consórcio internacional, do qual fazem parte investigadores de Ciências ULisboa e da FEUP, integrados no CENTRA.

Ciências ULisboa, através do cE3c e do IDL, é um dos 37 membros fundadores do Centro de Competências na Luta contra a Desertificação criado pelo Governo este verão.

Contributo da HortaFCUL para a sustentabilidade do campus em 2017/2018.

Novo ano escolar… Vida nova para muitos caloiros… Recorde a sessão de boas-vindas aos novos alunos de 2018/2019 e conheça as histórias de alguns deles.

O novo doutoramento da ULisboa foi concebido no âmbito do Colégio Food, Farming and Forestry e junta 42 professores de 17 faculdades e institutos da ULisboa. A primeira edição conta com 14 alunos.

Vanda Brotas, professora do DBV Ciências ULisboa e investigadora do MARE ULisboa, é a coordenadora do projeto Portwims, no âmbito do qual investigadores do MARE ULisboa participam em cruzeiros oceanográficos.

A ação COST CA 16118 ou Neuro-MIG visa o estabelecimento de uma rede de médicos e cientistas para o estudo das malformações do desenvolvimento cortical humano. Em setembro passado a comissão de gestão e os grupos de trabalho desta rede estiveram reunidos em Ciências ULisboa.

A rubrica No Campus com Helder Coelho está de volta: “O que o homem tem necessidade, quando enfrenta o complexo, é de ‘agentes’ com um pouco de mais inteligência (estendida, aumentada) e de ajuda (cooperação, colaboração)”.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de outubro é com Paulo Motrena, técnico superior do Gabinete de Organização Pedagógica da Direção Académica de Ciências ULisboa.

Cerca de 90 alunos do Colégio S. João de Brito visitaram o DQB e DG Ciências ULisboa. O projeto educativo desta escola contempla a dinamização de atividades relacionadas com as ciências experimentais, destinadas a enriquecer as aulas de Estudo do Meio.

José Francisco Rodrigues, professor do DM e investigador do CMAFcIO de Ciências ULisboa, escreve sobre a interação profícua entre a Matemática e a Biologia, no Ano da Biologia Matemática, que celebra o extraordinário progresso das aplicações matemáticas na Biologia.

"Reportagem Especial - Adaptação às Alterações Climáticas em Portugal" está nomeada para o prémio internacional Best Climate Solutions 2018. É o único projeto ibérico a concurso.

Nesta fotolegenda destacamos uma passagem da entrevista com Sara Magalhães, professora do Departamento de Biologia Animal, investigadora do cE3c, e que pode ser ouvida no canal YouTube e na área multimédia do site da Faculdade.

“Tomar consciência do tipo de relação que se tem connosco pode ser muito importante, na medida em que nos ajuda a perceber de que forma andamos ou não a cuidar de nós próprios”, escreve Andreia Santos, psicóloga do Gapsi, na sua rubrica habitual.

Este ano registaram-se mais de 6000 candidaturas aos cursos de Ciências ULisboa no âmbito do Concurso Nacional de Acesso. Em ambas as fases as vagas foram totalmente preenchidas. Durante a 1.ª fase de inscrições, matricularam-se 833 estudantes. A 2.ª fase de matrículas termina a 1 de outubro.

A Noite Europeia dos Investigadores foi lançada em 2005. “Ciência na cidade” é o tema desta edição que se realiza a 28 de setembro e conta com 22 iniciativas com o carimbo de Ciências ULisboa.

É a primeira vez que uma cientista portuguesa preside à European Society for the History of Science. Ana Simões, professora do DHFC e cocoordenadora do CIUHCT, tomou posse como presidente desta sociedade científica, a 16 de setembro, durante o “8th ESHS Meeting”, ocorrido em Londres. O mandato de dois anos termina em 2020.

Páginas