Portugueses pelo mundo

À conversa com Carlos Rafael Borges Mendes

Imagens cedidas por Carlos Rafael Borges Mendes

Carlos Rafael Borges Mendes está a estudar a dinâmica dos florescimentos de fitoplâncton em regiões distintas do globo terrestre: Patagónia, Península Antárctica e regiões de upwelling da costa portuguesa.

A principal área de investigação do jovem pós-doutorado da Universidade Federal do Rio Grande, no Brasil e bolseiro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico é a Ecologia dos ecossistemas marinhos e estuarinos, com ênfase no estudo das comunidades de microfitobentos e de fitoplâncton, e na sua relação com os parâmetros ambientais.

“Elas [comunidades de microfitobentos e de fitoplâncton] são os principais produtores primários, assemelham-se às florestas na Terra, são muito importantes”, diz o jovem investigador natural de Carvalhal de Aroeira, uma aldeia do concelho de Torres Novas, em Santarém.
Carlos Rafael Mendes num navio 
Carlos Rafael Borges Mendes introduziu uma nova tecnologia no grupo onde trabalha: determinação e identificação dos diversos pigmentos fotossintéticos existentes no sedimento (microfitobentos) e na coluna de água (fitoplâncton), utilizando técnicas de Cromatografia Líquida de Elevada Resolução.

O interesse pelas ciências e tecnologias surgiu ainda no liceu, tendo optado por prosseguir os estudos na área da Biologia, em parte por influência de duas professoras dessa disciplina. O investigador acredita que os jovens devem escolher um curso de que gostem e devem tentar diferenciar-se. “Devemos tentar ser o melhor possível naquilo que fazemos, sempre com o objetivo da excelência”, refere.

Após concluir a licenciatura em Biologia, pela Universidade de Aveiro, em 2002, concretizou na FCUL, quatro anos depois, o mestrado em Biologia e Gestão de Recursos Marinhos. O ano passado obteve o doutoramento em Biologia, especialidade Ecologia, pela Universidade de Lisboa em cotutela com a Universidade Federal do Rio Grande.
Carlos Rafael Mendes na Antártica
Sobre esta última etapa do seu percurso académico, refere que apesar de não ter encontrado resultados bombásticos, conseguiu reunir uma quantidade de conhecimento que ainda não existia, utilizando técnicas que ainda não tinham sido aplicadas nas regiões antárticas.

No âmbito da sua tese, Carlos Rafael Borges Mendes foi para o Brasil, em 2008, neste momento é onde quer estar: “Fiquei num grupo bastante forte, é um dos grupos mais fortes em termos de Oceanografia em toda a América do Sul”.

Normalmente visita Portugal duas vezes por ano. No início deste ano esteve em Portugal para receber o Prémio Científico Casa da América Latina/Santander Totta. Após regressar ao Brasil embarcou para a Antártica, uma experiência “dura e arriscada” - normalmente os investigadores trabalham entre 12 a 18 horas por dia.

Carlos Rafael Mendes na Antártica
Neste momento os seus planos não passam por Portugal. “Não tenho mercado de trabalho para dar o meu contributo para aquilo que estudei”, refere acrescentando que “se uma pessoa quiser fazer ciência de excelência não pode ficar fechado em Portugal”.

Quando questionado acerca dos pontos fortes da FCUL destaca a internacionalização da Faculdade e o dinamismo dos grupos de investigação. “Todos os meus colegas fizeram doutoramentos mistos, alguns nos EUA, outros em Inglaterra… Essa dinâmica foi uma das coisas que mais me interessou”, comenta. Por isso, para enfrentar a crise, o jovem cientista tem uma solução: “Não desistir nunca. O povo português é bom nisso, é um povo lutador”.

Curiosidades
Para Carlos Rafael Borges Mendes as pessoas devem procurar ser felizes, seja no plano pessoal ou profissional. O jovem investigador gosta e lê bastante. José Rodrigues dos Santos, José Saramago e Hermann Hesse são os seus autores preferidos. Também é muito importante praticar desporto: “Gosto muito de correr e jogar futebol”. Por isso mesmo quando ingressou na FCUL formou uma equipa de futsal. Ouve a música que passa na rádio, mas se tiver que destacar algum intérprete, as escolhas recaem sobre Rui Veloso e Mafalda Veiga. Quando está em Portugal adora comer peixe!

Ana Subtil Simões, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciencias@fc.ul.pt

Em Portugal existem atualmente 12 licenciaturas de Bioquímica com um total de 615 vagas. Leia o artigo da autoria do professor Francisco Pinto sobre o importante dinamismo desta comunidade estudantil.

A rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade, tem aqui a sua primeira edição, com destaques do mês de janeiro e da spin-off Delox.

Carlos A. Góis-Marques é o primeiro autor deste estudo. O aluno inscrito no doutoramento em Geologia da Ciências ULisboa desenvolve o seu trabalho sob orientação dos professores José Madeira, Miguel Menezes de Sequeira e José M. Fernández-Palácios.

“(…) embora existam mudanças positivas, persiste uma grande diferença entre homens e mulheres cientistas em cargos de topo. Continua a ser muito menor o número de reitoras, diretoras de laboratórios de investigação ou professoras catedráticas. (…)”. Crónicas em Ciências com Maria José Costa, presidente da AMONET.

O Jardim Botânico Tropical a ULisboa volta a abrir portas ao público.  A 1.ª fase do projeto de requalificação incluiu o melhoramento dos caminhos, lagos e linhas de água e alguns canteiros da zona sul do jardim.

“Lena, partiste, mas estarás sempre presente no nosso coração.” Artigo da autoria de Maria Antónia Turkman, professora do DEIO Ciências ULisboa.

Helena Maria Iglésias Pereira, professora do Departamento de Estatística e Investigação Operacional (DEIO), faleceu dia 14 de janeiro. A Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa lamenta profundamente o triste acontecimento, apresentando as condolências aos familiares, amigos e colegas de Helena Maria Iglésias Pereira.

A mais detalhada imagem do material envolvendo dois buracos negros supermassivos numa galáxia em processo de fusão foi obtida com a colaboração de um antigo aluno da Faculdade e atualmente investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, e que em 2019 colaborou também na produção da primeira imagem de um buraco negro.

A cientista Maria Elvira Callapez escreve sobre a problemática dos plásticos: “Os plásticos não são inimigos, pelo contrário, serão cada vez mais o material para todos os usos. Parece irrealista tentar viver, um dia que seja, sem plásticos ou outros sintéticos, sendo que, por exemplo, o dilema “papel ou plástico” perdurará…”.

Um estudo coordenado pelo BioISI abre novos horizontes para a doença crónica obstrutiva pulmonar. O trabalho realizado em parceria com o Hospital de Santa Maria mostrou como é que uma doença rara como a fibrose quística pode ajudar encontrar estratégias terapêuticas para esta doença comum. A investigação foi galardoada com o Prémio Thomé Villar/Boehringer Ingelheim 2019.

À Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior compete a avaliação e acreditação de ciclos de estudos. Este ano letivo estão em avaliação 21 ciclos de estudos. Leia o artigo de Rebeca Atouguia, coordenadora da Área de Estudos, Planeamento e Qualidade da Faculdade.

“Tive uma educação científica de excelência”, conta César Garcia, que concluiu os estudos em Ciências ULisboa, primeiro a licenciatura em Biologia Vegetal Aplicada, depois o doutoramento em Biologia, especialidade em Ecologia, com um trabalho sobre a Biodiversidade de Carvalhais da Rede Natura 2000.

A Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa lamenta a ocorrência que, no passado sábado, vitimou mortalmente um ex-aluno da licenciatura em Tecnologias de Informação. Estamos todos em estado de choque e transmitimos aos familiares e amigos as mais profundas condolências.

As candidaturas a um período de estudos ou de investigação ao abrigo do Programa Erasmus+ na Faculdade começaram a 1 de dezembro, mas os estudantes puderam informar-se logo no Dia Internacional em Ciências dos tipos de mobilidade em curso, bem como dos requisitos necessários para a respetiva candidatura, que termina no último dia do ano.

Isabel Pinheiro podia ter escolhido uma carreira na área da investigação, mas optou pelo ensino. “Cada descoberta, cada aula, cada aula partilhada com um colega é um momento diferente”, refere a professora de Física e Química da Escola Seomara da Costa Primo, apaixonada pela educação e pela tabela periódica, que em 2019 celebra 150 anos.

"A memória da FFCUL, instituição, que soube merecer uma apreciação inequivocamente positiva dos investigadores que serviu, e de todas as instituições que financiaram as suas atividades, será mantida no seu site, onde se encontram todos os relatórios e contas desde 2009, e onde se pode seguir, com toda a transparência, a vida da FFCUL." Leia o artigo de José Manuel Rebordão, ex-presidente do Conselho Diretivo e da Comissão Liquidatária da FFCUL.

Após o sucesso dos mestrados em Gestão e Governança Ambiental e Microbiologia Aplicada, dos quais resultaram os primeiros 25 mestres em Angola nestas áreas, iniciou-se este ano, a 2.ª edição do mestrado em Gestão e Governança Ambiental, com novos 25 alunos. José Guerreiro, professor do Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa, esteve em serviço externo em Angola, tendo regressado a Portugal este sábado, dia 14 de dezembro, após fechar com sucesso o 1.º ano curricular de mais uma edição deste programa.

"A compreensão do tempo pode ser feita em função dos ganhos e perdas de informação. Assim, a adaptação é um ganho de informação, a degradação é um tipo de perda e implica um aumento de entropia. Os fenómenos complexos aparecem entre os estados de baixa e os de alta entropia, onde a baixa entropia dá-nos a ordem da complexidade", in no Campus com Helder Coelho.

O Tec Labs - Centro de Inovação da Faculdade participou numa missão de quatro dias, na Alemanha, organizada pelo Health Cluster Portugal (HCP). Leia a crónica publicada no blog do Centro de Inovação da Faculdade e saiba como decorreu a visita.

O Prémio Breakthrough em Física Fundamental 2020, um dos mais prestigiantes em Física, foi atribuído ao projeto Event Horizon Telescope (EHT) e a cada um dos 347 membros, incluindo o português Hugo Messias, antigo aluno da Ciências ULisboa e atualmente investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço. Hugo Messias foi ainda galardoado este ano com o prémio GQ Men of the Year, na categoria ciência.

Carolina Sá, professora do DBV e investigadora do polo da Faculdade do MARE, doutorada em Ciências do Mar, juntamente com Andreia Tracana, Giulia Sent respetivamente mestre e estudante do mestrado em Ciências do Mar, também elas investigadoras do MARE Ciências ULisboa, participaram no cruzeiro AMT29, que atravessou o Atlântico, desde o Reino Unido até Punta Arenas, na América do Sul, a bordo do navio Discovery.

Rui Agostinho, professor do Departamento de Física e investigador do polo da Faculdade do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, recebe no Dia Nacional da Cultura Científica o Grande Prémio Ciência Viva Associação Mutualista Montepio 2019, pela sua ação notável na promoção da cultura científica como professor, investigador, autor e divulgador na área da Astronomia.

Ana Eliete dá aulas de Matemática há cerca de 15 anos e sempre quis ser professora. Escolheu a profissão por vocação. É licenciada em Ensino da Matemática, pela Universidade de Évora, e em 2011 concluiu o mestrado em Matemática para Professores, pela Ciências ULisboa.

Margarida Amaral, professora do Departamento de Química e Bioquímica da Ciências ULisboa e coordenadora do Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas, foi distinguida com o Jack Riordan & Paul Quinton CF Science Award 2019, que visa homenagear os cientistas cuja missão é encontrar a cura para a fibrose quística.

O Tec Labs voltou a marcar presença no Web Summit, com a Delta Soluções, a Nevaro, a Vawlt Technologies e a UpHill, segundo o blog do Centro de Inovação da Faculdade. Entretanto, já é possível efetuar o pré-registo na edição 2020 do mediático certame dedicado à inovação tecnológica.

Páginas