Portugueses pelo mundo

À conversa com Carlos Rafael Borges Mendes

Carlos Rafael Borges Mendes
Imagens cedidas por Carlos Rafael Borges Mendes

Carlos Rafael Borges Mendes está a estudar a dinâmica dos florescimentos de fitoplâncton em regiões distintas do globo terrestre: Patagónia, Península Antárctica e regiões de upwelling da costa portuguesa.

A principal área de investigação do jovem pós-doutorado da Universidade Federal do Rio Grande, no Brasil e bolseiro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico é a Ecologia dos ecossistemas marinhos e estuarinos, com ênfase no estudo das comunidades de microfitobentos e de fitoplâncton, e na sua relação com os parâmetros ambientais.

“Elas [comunidades de microfitobentos e de fitoplâncton] são os principais produtores primários, assemelham-se às florestas na Terra, são muito importantes”, diz o jovem investigador natural de Carvalhal de Aroeira, uma aldeia do concelho de Torres Novas, em Santarém.
Carlos Rafael Mendes num navio 
Carlos Rafael Borges Mendes introduziu uma nova tecnologia no grupo onde trabalha: determinação e identificação dos diversos pigmentos fotossintéticos existentes no sedimento (microfitobentos) e na coluna de água (fitoplâncton), utilizando técnicas de Cromatografia Líquida de Elevada Resolução.

O interesse pelas ciências e tecnologias surgiu ainda no liceu, tendo optado por prosseguir os estudos na área da Biologia, em parte por influência de duas professoras dessa disciplina. O investigador acredita que os jovens devem escolher um curso de que gostem e devem tentar diferenciar-se. “Devemos tentar ser o melhor possível naquilo que fazemos, sempre com o objetivo da excelência”, refere.

Após concluir a licenciatura em Biologia, pela Universidade de Aveiro, em 2002, concretizou na FCUL, quatro anos depois, o mestrado em Biologia e Gestão de Recursos Marinhos. O ano passado obteve o doutoramento em Biologia, especialidade Ecologia, pela Universidade de Lisboa em cotutela com a Universidade Federal do Rio Grande.
Carlos Rafael Mendes na Antártica
Sobre esta última etapa do seu percurso académico, refere que apesar de não ter encontrado resultados bombásticos, conseguiu reunir uma quantidade de conhecimento que ainda não existia, utilizando técnicas que ainda não tinham sido aplicadas nas regiões antárticas.

No âmbito da sua tese, Carlos Rafael Borges Mendes foi para o Brasil, em 2008, neste momento é onde quer estar: “Fiquei num grupo bastante forte, é um dos grupos mais fortes em termos de Oceanografia em toda a América do Sul”.

Normalmente visita Portugal duas vezes por ano. No início deste ano esteve em Portugal para receber o Prémio Científico Casa da América Latina/Santander Totta. Após regressar ao Brasil embarcou para a Antártica, uma experiência “dura e arriscada” - normalmente os investigadores trabalham entre 12 a 18 horas por dia.

Carlos Rafael Mendes na Antártica
Neste momento os seus planos não passam por Portugal. “Não tenho mercado de trabalho para dar o meu contributo para aquilo que estudei”, refere acrescentando que “se uma pessoa quiser fazer ciência de excelência não pode ficar fechado em Portugal”.

Quando questionado acerca dos pontos fortes da FCUL destaca a internacionalização da Faculdade e o dinamismo dos grupos de investigação. “Todos os meus colegas fizeram doutoramentos mistos, alguns nos EUA, outros em Inglaterra… Essa dinâmica foi uma das coisas que mais me interessou”, comenta. Por isso, para enfrentar a crise, o jovem cientista tem uma solução: “Não desistir nunca. O povo português é bom nisso, é um povo lutador”.

Curiosidades
Para Carlos Rafael Borges Mendes as pessoas devem procurar ser felizes, seja no plano pessoal ou profissional. O jovem investigador gosta e lê bastante. José Rodrigues dos Santos, José Saramago e Hermann Hesse são os seus autores preferidos. Também é muito importante praticar desporto: “Gosto muito de correr e jogar futebol”. Por isso mesmo quando ingressou na FCUL formou uma equipa de futsal. Ouve a música que passa na rádio, mas se tiver que destacar algum intérprete, as escolhas recaem sobre Rui Veloso e Mafalda Veiga. Quando está em Portugal adora comer peixe!

Ana Subtil Simões, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciencias@fc.ul.pt
Margarida Fortes, docente do Departamento de Biologia Vegetal de CIÊNCIAS dá uma aula em frente a um quadro com uma projeção imagética

Margarida Fortes, professora do Departamento de Biologia Vegetal (DBV) de CIÊNCIAS e líder do grupo Fruit Functional Genomics & Biotechnology (FFGB), visitou a Escola Secundária de Carcavelos no dia 23 de maio, quinta-feira, para assistir à apresentação de um trabalho de alun

Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ), com vista à cooperação científica em várias áreas de interesse comum.

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Dia Nacional dos Cientistas - 16 de maio

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído em 2016 por Resolução da Assembleia da República com o objetivo de reconhecer e celebrar a contribuição vital dos cientistas para o progresso da sociedade.

CIÊNCIAS e OKEANOS em parceria para monitorizar biodiversidade e alterações dos ecossistemas marinhos

Projeto internacional SEAGHOSTS visa a monitorização e conservação das populações de painhos, as aves marinhas mais pequenas do planeta.

Pages