Portugueses pelo mundo

À conversa com Carlos Rafael Borges Mendes

Carlos Rafael Borges Mendes
Imagens cedidas por Carlos Rafael Borges Mendes

Carlos Rafael Borges Mendes está a estudar a dinâmica dos florescimentos de fitoplâncton em regiões distintas do globo terrestre: Patagónia, Península Antárctica e regiões de upwelling da costa portuguesa.

A principal área de investigação do jovem pós-doutorado da Universidade Federal do Rio Grande, no Brasil e bolseiro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico é a Ecologia dos ecossistemas marinhos e estuarinos, com ênfase no estudo das comunidades de microfitobentos e de fitoplâncton, e na sua relação com os parâmetros ambientais.

“Elas [comunidades de microfitobentos e de fitoplâncton] são os principais produtores primários, assemelham-se às florestas na Terra, são muito importantes”, diz o jovem investigador natural de Carvalhal de Aroeira, uma aldeia do concelho de Torres Novas, em Santarém.
Carlos Rafael Mendes num navio 
Carlos Rafael Borges Mendes introduziu uma nova tecnologia no grupo onde trabalha: determinação e identificação dos diversos pigmentos fotossintéticos existentes no sedimento (microfitobentos) e na coluna de água (fitoplâncton), utilizando técnicas de Cromatografia Líquida de Elevada Resolução.

O interesse pelas ciências e tecnologias surgiu ainda no liceu, tendo optado por prosseguir os estudos na área da Biologia, em parte por influência de duas professoras dessa disciplina. O investigador acredita que os jovens devem escolher um curso de que gostem e devem tentar diferenciar-se. “Devemos tentar ser o melhor possível naquilo que fazemos, sempre com o objetivo da excelência”, refere.

Após concluir a licenciatura em Biologia, pela Universidade de Aveiro, em 2002, concretizou na FCUL, quatro anos depois, o mestrado em Biologia e Gestão de Recursos Marinhos. O ano passado obteve o doutoramento em Biologia, especialidade Ecologia, pela Universidade de Lisboa em cotutela com a Universidade Federal do Rio Grande.
Carlos Rafael Mendes na Antártica
Sobre esta última etapa do seu percurso académico, refere que apesar de não ter encontrado resultados bombásticos, conseguiu reunir uma quantidade de conhecimento que ainda não existia, utilizando técnicas que ainda não tinham sido aplicadas nas regiões antárticas.

No âmbito da sua tese, Carlos Rafael Borges Mendes foi para o Brasil, em 2008, neste momento é onde quer estar: “Fiquei num grupo bastante forte, é um dos grupos mais fortes em termos de Oceanografia em toda a América do Sul”.

Normalmente visita Portugal duas vezes por ano. No início deste ano esteve em Portugal para receber o Prémio Científico Casa da América Latina/Santander Totta. Após regressar ao Brasil embarcou para a Antártica, uma experiência “dura e arriscada” - normalmente os investigadores trabalham entre 12 a 18 horas por dia.

Carlos Rafael Mendes na Antártica
Neste momento os seus planos não passam por Portugal. “Não tenho mercado de trabalho para dar o meu contributo para aquilo que estudei”, refere acrescentando que “se uma pessoa quiser fazer ciência de excelência não pode ficar fechado em Portugal”.

Quando questionado acerca dos pontos fortes da FCUL destaca a internacionalização da Faculdade e o dinamismo dos grupos de investigação. “Todos os meus colegas fizeram doutoramentos mistos, alguns nos EUA, outros em Inglaterra… Essa dinâmica foi uma das coisas que mais me interessou”, comenta. Por isso, para enfrentar a crise, o jovem cientista tem uma solução: “Não desistir nunca. O povo português é bom nisso, é um povo lutador”.

Curiosidades
Para Carlos Rafael Borges Mendes as pessoas devem procurar ser felizes, seja no plano pessoal ou profissional. O jovem investigador gosta e lê bastante. José Rodrigues dos Santos, José Saramago e Hermann Hesse são os seus autores preferidos. Também é muito importante praticar desporto: “Gosto muito de correr e jogar futebol”. Por isso mesmo quando ingressou na FCUL formou uma equipa de futsal. Ouve a música que passa na rádio, mas se tiver que destacar algum intérprete, as escolhas recaem sobre Rui Veloso e Mafalda Veiga. Quando está em Portugal adora comer peixe!

Ana Subtil Simões, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciencias@fc.ul.pt
Ana Subtil Simões

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências ULisboa? O Dictum et factum de novembro é com Ana Subtil Simões, técnica superior da Área de Comunicação e Imagem de Ciências ULisboa.

Campus Ciências ULisboa

Ciências ULisboa organiza no seu campus a competição internacional destinada a treinar equipas multidisciplinares de estudantes universitários para a inovação e o empreendedorismo na área da saúde. A equipa vencedora irá participar no EIT Health Winners Event, em Londres, nos próximos dias 11 e 12 de dezembro.

Diego Rubiera-Garcia

Aos 14 anos o investigador do polo de Ciências ULisboa do IA deslumbrou-se com um livro “A criação do Universo” e a teoria do big-bang. O que mais gosta de fazer é simples: pequenos cálculos sobre ideias que lhe vêm à mente!

líquenes

O 1.º Prémio de Doutoramento em Ecologia Fundação Amadeu Dias foi atribuído a Paula Matos. A investigadora do cE3c do polo de Ciências ULisboa irá apresentar a tese em Biologia e Ecologia das Alterações Globais no 17.º Encontro Nacional de Ecologia.

João Alexandre Medina Corte-Real, professor jubilado da Universidade de Évora, docente em Ciências ULisboa durante mais de 30 anos, faleceu a 31 de outubro. A Faculdade lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos familiares, amigos e colegas.

Burnout

Saiba mais sobre a síndrome de burnout, na rubrica habitual da psicóloga do GAPsi, Andreia Santos.

Pormenor de simulação de matéria a orbitar perto de um buraco negro

Há um buraco negro supermassivo, escondido, no centro da Via Láctea anunciou o ESO. O GRAVITY, que tornou possível esta observação, foi desenvolvido por um consórcio internacional, do qual fazem parte investigadores de Ciências ULisboa e da FEUP, integrados no CENTRA.

CCDesert

Ciências ULisboa, através do cE3c e do IDL, é um dos 37 membros fundadores do Centro de Competências na Luta contra a Desertificação criado pelo Governo este verão.

HortaFCUL

Contributo da HortaFCUL para a sustentabilidade do campus em 2017/2018.

Grande auditório de Ciências ULisboa

Novo ano escolar… Vida nova para muitos caloiros… Recorde a sessão de boas-vindas aos novos alunos de 2018/2019 e conheça as histórias de alguns deles.

Ciências da Sustentabilidade

O novo doutoramento da ULisboa foi concebido no âmbito do Colégio Food, Farming and Forestry e junta 42 professores de 17 faculdades e institutos da ULisboa. A primeira edição conta com 14 alunos.

navio James Clark Ross

Vanda Brotas, professora do DBV Ciências ULisboa e investigadora do MARE ULisboa, é a coordenadora do projeto Portwims, no âmbito do qual investigadores do MARE ULisboa participam em cruzeiros oceanográficos.

Anfiteatro da fCiências.ID

A ação COST CA 16118 ou Neuro-MIG visa o estabelecimento de uma rede de médicos e cientistas para o estudo das malformações do desenvolvimento cortical humano. Em setembro passado a comissão de gestão e os grupos de trabalho desta rede estiveram reunidos em Ciências ULisboa.

<i>Deep Learning</i>

A rubrica No Campus com Helder Coelho está de volta: “O que o homem tem necessidade, quando enfrenta o complexo, é de ‘agentes’ com um pouco de mais inteligência (estendida, aumentada) e de ajuda (cooperação, colaboração)”.

Paulo Motrena

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de outubro é com Paulo Motrena, técnico superior do Gabinete de Organização Pedagógica da Direção Académica de Ciências ULisboa.

Sala de aulas com crianças

Cerca de 90 alunos do Colégio S. João de Brito visitaram o DQB e DG Ciências ULisboa. O projeto educativo desta escola contempla a dinamização de atividades relacionadas com as ciências experimentais, destinadas a enriquecer as aulas de Estudo do Meio.

Campus de Ciências ULisboa

José Francisco Rodrigues, professor do DM e investigador do CMAFcIO de Ciências ULisboa, escreve sobre a interação profícua entre a Matemática e a Biologia, no Ano da Biologia Matemática, que celebra o extraordinário progresso das aplicações matemáticas na Biologia.

“Reportagem Especial - Adaptação às Alterações Climáticas em Portugal”

"Reportagem Especial - Adaptação às Alterações Climáticas em Portugal" está nomeada para o prémio internacional Best Climate Solutions 2018. É o único projeto ibérico a concurso.

Sara Magalhães

Nesta fotolegenda destacamos uma passagem da entrevista com Sara Magalhães, professora do Departamento de Biologia Animal, investigadora do cE3c, e que pode ser ouvida no canal YouTube e na área multimédia do site da Faculdade.

“Tomar consciência do tipo de relação que se tem connosco pode ser muito importante, na medida em que nos ajuda a perceber de que forma andamos ou não a cuidar de nós próprios”, escreve Andreia Santos, psicóloga do Gapsi, na sua rubrica habitual.

Átrio do C3

Este ano registaram-se mais de 6000 candidaturas aos cursos de Ciências ULisboa no âmbito do Concurso Nacional de Acesso. Em ambas as fases as vagas foram totalmente preenchidas. Durante a 1.ª fase de inscrições, matricularam-se 833 estudantes. A 2.ª fase de matrículas termina a 1 de outubro.

 Noite Europeia dos Investigadores

A Noite Europeia dos Investigadores foi lançada em 2005. “Ciência na cidade” é o tema desta edição que se realiza a 28 de setembro e conta com 22 iniciativas com o carimbo de Ciências ULisboa.

Ana Simões

É a primeira vez que uma cientista portuguesa preside à European Society for the History of Science. Ana Simões, professora do DHFC e cocoordenadora do CIUHCT, tomou posse como presidente desta sociedade científica, a 16 de setembro, durante o “8th ESHS Meeting”, ocorrido em Londres. O mandato de dois anos termina em 2020.

Golfinhos

Uma equipa multidisciplinar, que inclui membros do CEAUL, vai monitorizar comunidades de baleias e golfinhos ao longo da costa portuguesa. O objetivo é criar um atlas dos cetáceos em Portugal e protegê-los.

Sequência de vértebras caudais do exemplar de dinossáurio terópode

Elisabete Malafaia, doutorada em Ciências ULisboa, deixa alguns conselhos a quem quer seguir uma carreira em Paleontologia.A primeira autora do artigo do Journal of Paleontology é investigadora do IDL e da UNED e na prestigiada revista internacional apresenta os resultados do estudo feito ao conjunto de fósseis do dinossáurio carnívoro, descoberto em Torres Vedras e que indica a presença de carcarodontossáurios no Jurássico Superior de Portugal há 145 milhões de anos.

Páginas