Entrevista com Tiago Guerreiro

“É uma honra suceder a pessoas como a Vicki Hanson”

Professor do DI Ciências ULisboa editor chefe da ACM TACCESS

Última Revisão —
Tiago Guerreiro

"Apesar de dedicar parte não negligenciável do meu tempo ao serviço à comunidade (organização de eventos, comités de programa, revisão de artigos) esta é a primeira vez que assumo a liderança do corpo editorial de uma revista", diz Tiago Guerreiro

Café Memória

Tiago Guerreiro
Imagem cedida por TG

Tiago Guerreiro tem dedicado a sua atividade de investigação à aplicação de tecnologia para resolver problemas nas áreas de saúde, bem-estar e acessibilidade, tendo publicado mais de 75 artigos científicos em conferências e revistas internacionais e recebido vários prémios pelas suas contribuições científicas. Atualmente preside ao comité Accessibility & Ageing na conferência CHI da ACM, a mais relevante internacionalmente na área de Interação Pessoa Máquina; e em 2020 será o presidente da conferência ASSETS da ACM, dedicada à acessibilidade. 

Tiago Guerreiro é especialista contratado pela Comissão Europeia para a Acessibilidade de Aplicações Móveis, no âmbito da Diretiva para a Acessibilidade Web; e lidera vários projetos e prestações de serviço nas áreas de acessibilidade, privacidade e saúde.

Tiago Guerreiro, professor do Departamento de Informática e líder da área de investigação Accessibility & Ageing no LaSIGE, foi nomeado em julho passado editor chefe da Association for Computing Machinery (ACM) Transactions on Accessible Computing (TACCESS), juntamente com Stephanie Ludi, professora da University of North Texas, nos EUA. Os novos editores chefes deste periódico trimestral iniciam funções este mês de agosto. O mandato é de três anos.

É a primeira vez que assume estas funções?

Tiago Guerreiro (TG) - É com grande orgulho que assumo estas funções. Apesar de dedicar parte não negligenciável do meu tempo ao serviço à comunidade (organização de eventos, comités de programa, revisão de artigos) esta é a primeira vez que assumo a liderança do corpo editorial de uma revista. Esta revista tem dimensão internacional, e muda de liderança a cada três/quatro anos (podendo ser renovada por mais um período). Desde a sua criação, em 2008, teve apenas duas lideranças, sendo eu e Stephanie Ludi o terceiro par de editores. É uma honra suceder a pessoas como a Vicki Hanson, uma das fundadoras da revista, atual CEO da ACM, a principal associação na área da Ciência da Computação. É algo que nunca pensei que viesse a fazer, mas cujo convite não quis recusar.

Que expetativas tem?

TG - Na área da Ciência da Computação, algumas conferências são mais valorizadas que as revistas. Os processos de revisão destas conferências de topo são também mais exaustivos (incluindo em todo o processo revisões profundas por quatro/seis revisores, e muitas vezes, uma reunião presencial com discussão de todos os artigos), e a seleção de artigos mais competitiva. No entanto, o processo não é mais lento do que o que acontece com uma revista. Um dos meus principais objetivos é aumentar a relevância da ACM TACCESS, tornando-a mais competitiva, mas também mais célere. A revista tem vindo a aumentar a sua visibilidade na comunidade de computação acessível e tecnologias acessíveis. O meu objetivo é também aumentar o alcance da revista e aumentar o seu impacto, continuando o bom trabalho dos editores anteriores.  

Tiago Guerreiro numa das conferências da ACM
Em 2020 Tiago Guerreiro será o presidente da conferência ASSETS da ACM, dedicada à acessibilidade
Fonte André Rodrigues

Tiago Guerreiro com Filipe Ramos
Fonte André Rodrigues

Filipe Ramos concluiu a licenciatura em Biologia em Ciências ULisboa e foi nesta faculdade que aprendeu Braille, com a ajuda de Tiago Guerreiro. "A certa altura, o Filipe soube que eu desenvolvia tecnologias para uso de Braille por pessoas cegas, e veio-me perguntar se eu o podia ensinar. Pedi emprestada uma máquina, várias revistas em Braille, e alguns conselhos ao psicólogo da Fundação Sain, e durante alguns meses ajudei o Filipe a aprender a ler e escrever em Braille", conta o docente, cuja história foi noticiada numa das edições de 2016 da Revista Louis Braille.

Como é o seu dia-a-dia aqui na Faculdade e de que forma espera conciliar com estas novas funções?

TG - O meu dia-a-dia é um feliz e agradável caos. Divide-se entre o meu tempo de investigação e escrita, que tento realizar nas horas da manhã, e um conjunto de muitas outras atividades, letivas, de gestão, orientação e serviço à comunidade (científica e público geral) que procuro distribuir pelo tempo restante. Este cargo irá ser mais uma posição de serviço que assumirei, e que dada a elevada carga que acarreta, me levará a recusar temporariamente outras atividades de serviço à comunidade científica.

Scripta Manent. O que se escreve, fica, permanece.
No site da Faculdade, encontra alguns recortes de imprensa sobre as atividades de Tiago Guerreiro, destaque para o clipping relacionado com o artigo "Vulnerability & Blame: Making Sense of Unauthorized Access to Smartphones", cuja exposição mediática teve o seu ponto alto no Daily Show, com Trevor Noah.

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

O projeto “Caixa Sismológica”, do Agrupamento D. Maria II, com sede na Escola Básica e Secundária Gama Barros, no Cacém, venceu o concurso internacional “Ciência na Escola”, 1.º escalão – Educação Pré-escolar, promovido pela Fundação Ilídio Pinho. Neste escalão do concurso, participaram 48 projetos, dos quais só 12 chegaram à fase final, em Coimbra.

Após perto de dez anos de planeamento e construção, o espectrógrafo ESPRESSO vai ser instalado no Very Large Telescope, do ESO, no Chile. O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço é um dos membros do consórcio, pelo que terá acesso a 273 noites de observação com o VLT.

Cerca de 360 pessoas estiveram presentes na sessão Ignite IAstro e que integrou o programa do XXVII Encontro Nacional de Astronomia e Astrofísica. Em outubro a digressão ruma até à Ribeira Grande, nos Açores.

Os autores do artigo apresentam a história evolutiva de duas espécies de lagartos endémicos da Austrália - Carlia triacanth e Carlia johnstonei - revelando como se adaptaram a alterações climáticas do passado.

Com o fortalecimento da Aprendizagem (Machine Learning), a escola clássica da Inteligência Artificial ou IA (Good Old Fashion AI, GOFAI), apoiada em sistemas simbólicos, ficou entrincheirada. O livro mais recente do professor Hector Levesque, “Common Sense, the Turing Test, and the Quest for Real AI”, da MIT Press (2017), vem ajudar a não esquecermos o que a IA nos tem ensinado, ano após ano, acerca da mente, e, em particular, que o pensamento é um processo computacional. Como pode, então, a computação iluminar o pensamento?

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de agosto é com Cristina Manessiez, técnica superior da Biblioteca de Ciências.

Investigadores de Ciências e do Instituto Universitário de Lisboa desenvolvem hardware capaz de resolver tarefas robóticas, em contexto real, em menos tempo do que o alcançado até então. Os resultados foram publicados na revista científica Royal Society.

Em 2017 os Prémios Científicos ULisboa/Caixa Geral de Depósitos foram atribuídos a Vladimir Konotop e Ricardo Trigo. O ano passado foi a vez de Henrique Cabral e Eric Font. Ainda não é conhecida a data da cerimónia pública de entrega das referidas distinções.

Na lista de artigos e livros notáveis da ACM Computing Reviews, a Best of Computing, encontram-se publicações de professores e investigadores do Departamento de Informática de Ciências.

Alunos do ensino secundário participaram em projetos de investigação na Faculdade de Ciências da ULisboa. O culminar da atividade deu-se com um Congresso Científico, onde os "novos cientistas" apresentaram os resultados do trabalho realizado.

A palestra "Por que não anda o tempo para trás?” acontece dia 29 de julho, pelas 21h30, no Planetário Calouste Gulbenkian, Centro Ciência Viva de Belém.

Durante duas semanas, estudantes do ensino básico e secundário conheceram o ambiente da Faculdade e os métodos de trabalho dos cursos aqui lecionados.

“Tina dos Tsunamis” ocorreu no passado dia 29 de junho, durante o campo de férias Exploradores, com um grupo de 25 crianças, entre os 7 e os 14 anos do bairro do 2.º Torrão, em Almada.

Para compreendermos as capacidades de cada um de nós é preciso entender como as células nervosas se comportam e como interatuam entre si, isto é, pode sempre existir uma outra hipótese que consiga explicar um pouco mais. E, existem sempre os factos e as interpretações.

A Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa organiza de 24 a 28 de julho de 2017 a 4.ª edição do “Ser Cientista”.

No próximo ano letivo Ciências apresenta três novos cursos: Biologia dos Recursos Vegetais, Cultura Científica e Divulgação das Ciências e Data Science.

Preparado para mineração nos fundos marinhos profundos? E para viver sem telemóvel? Venha visitar a exposição Mar Mineral e compreender a relação.

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de julho é com Andreia Santos, técnica superior do Gabinete de Apoio Psicopedagógico (GAPsi) da Área de Mobilidade e Apoio ao Aluno de Ciências.

O primeiro mestrado em Gestão e Governança Ambiental da Universidade Agostinho Neto foi frequentado por 24 alunos. Os primeiros dez estudantes apresentaram as teses em maio, numa cerimónia que contou com a presença de Maria de Fátima Jardim, ministra de Ambiente de Angola. As próximas defesas deverão ocorrer em outubro.

Em 2017, o Prémio Bronstein foi atribuído a Mercedes Martín-Benito, investigadora do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço e da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, em reconhecimento pelo seu importante contributo para a Cosmologia Quântica em Loop.

Em 2017 a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa acolhe o IV Encontro Internacional da Casa das Ciências, que ocorre entre 10 e 12 de julho.

“Foi um tempo para ficar apaixonada pelo estudo, investigação, conhecimento e sua aplicação na nossa vida diária”, conta a antiga aluna de Ciências, professora de Biologia e Geologia na Escola na Escola Secundária de Raul Proença, em Caldas da Rainha, Maria de Matos.

Ciências fez parte do roteiro da viagem de finalistas de uma turma de 9.º da Escola Básica Integrada Francisco Ferreira Drummond.

A unidade curricular Projeto Empresarial contou, em 2017, com a participação de nove alunos de mestrado de Ciências e 38 alunos da licenciatura de Finanças do ISCTE-IUL. Na sessão final de apresentação dos trabalhos desenvolvidos, o projeto Ecovital distinguiu-se.

Se olharmos bem para os seres humanos, capazes de sentir, pensar e sonhar, de criar, interpretar e compreender ideias, teorias e conceitos, perguntamos como a matéria de que são feitos foi então capaz de dar origem a estados mentais, incluindo mesmo a faculdade de consciência? A resposta a esta questão está cada vez mais ao alcance da consiliência (síntese), entre as neurociências, a psicologia, a robótica, e a inteligência artificial (aprendizagem).

Páginas