Voluntariado – Turtle Foundation

Alunos da FCUL fazem a diferença em Cabo Verde

Isaac Carrêlo e Rita Almeida, alunos do curso de Engenharia da Energia e do Ambiente e Eva Barrocas, aluna do curso de Biologia, embarcaram em 2012 na enriquecedora aventura do voluntariado. Durante cerca de um mês, os três fculianos aceitaram o desafio da Turtle Foundation e protegeram tartarugas marinhas na ilha da Boavista, em Cabo Verde.  A organização opera em projetos de proteção e conservação das tartarugas marinhas em Cabo Verde e ainda na Indonésia.

“Tivemos a oportunidade de ir a uma igreja nazarena e eles não têm nada, são pobres e estavam tão alegres que tornavam a cerimónia numa festa espetacular. Deu-nos uma força imensa, pensei: vou para Portugal e não me vou queixar mais, não faz sentido queixar-me”
Isaac Carrêlo

Embora receosos pela incerta experiência que os esperava, partiram entusiasmados levando na bagagem a vontade de ajudar, evoluir, aprender e partilhar, tal como a voluntária Eva Barrocas recorda: “Queria ter a experiência de ir para um local longínquo, desenvolver a minha independência e aprender sobre o trabalho de campo que pode ser desenvolvido na área da Conservação Ambiental. Todo o continente me cativa e Cabo Verde pareceu-me um bom começo. A decisão final de participar foi instintiva”.

Em Cabo verde, a equipa da Turtle Foundation conta com a ajuda de militares e voluntários locais e internacionais na missão de impedir que tartarugas sejam capturadas, convergem esforços para educar e sensibilizar ambientalmente os jovens e as comunidades da ilha para esta questão, nomeadamente procurarem fontes alternativas de rendimento. Com quatro anos de intervenção na ilha da Boavista, já há provas dadas quanto à pertinência da sua atuação – “Em 2007, mais de 600 tartarugas foram mortas só na praia de Porto Ferreire. Este número baixou para 60 em 2008, representando uma redução de 90% na mortalidade”, lê-se no portal da organização.

“Na ilha de Santiago, que vive muito do comércio, disseram-nos: os portugueses não têm dinheiro mas têm coração”
Rita Almeida

Eva, Isaac e Rita contribuíram para as estatísticas positivas, protegendo diariamente estas espécies em patrulhas noturnas pela praia, organizadas em turnos de quatro horas, na companhia de outros voluntários, líder, vice-líder e um militar local que lhes conferia proteção.“Quando encontrávamos uma tartaruga tínhamos de esperar que ela saísse do mar, depois que fizesse o ninho, colocasse os ovos, tapasse tudo e voltasse ao mar e só aí poderíamos seguir o caminho, sendo que poderíamos encontrá-las em qualquer uma destas fases”, conta Rita Almeida. Para Eva Barrocas, “ter a oportunidade de assistir a uma desova é algo que nos faz sentir em sintonia com a terra”.


Durante um mês, os voluntários protegeram tartarugas marinhas na ilha da Boavista
Fonte Turtle Foundation

Durante a estadia no acampamento da Boa Esperança, várias foram as descobertas e peripécias vividas e dificuldades ultrapassadas, já que a realidade deste arquipélago localizado ao largo da costa da África Ocidental é bastante diferente daquela a que os voluntários fculianos estavam habituados. “A comida era à base de arroz, batata, cenoura e feijão. Uma vez por semana, havia carne. Infelizmente, os cidadãos locais e os soldados não eram grandes pescadores então não comíamos muito peixe e como eramos muitos, quando havia era divido por 25/26 pessoas”, diz Isaac Carrêlo.

"A Turtle Foundation é uma organização crucial para assegurar o futuro das populações de Carreta Carreta"
Eva Barrocas

Mas foram situações como esta que, segundo os protagonistas desta história, os fizeram crescer e dar valor aos pormenores que por vezes são esquecidos: “a oportunidade de ir a áfrica e contactar diretamente com as populações permitiu-nos ter uma maior consciência de que às vezes nos queixamos do muito que temos e eles, que passam por diversas dificuldades como andar descalços ou vestir a mesma roupa todos os dias, dão realmente valor às coisas. Esse foi o maior ensinamento! (…) Levei comigo uma t-shirt que não valia nada, para mim. Um miúdo olhou para ela e disse: que t-shirt tão engraçada! Perguntei-lhe se a queria e a resposta ‘sim’ foi imediata”.

Interessados em partilhar com a ilha que tão bem os acolheu aquela que é “a sua praia”, Isaac e Rita aproveitaram o evento “Escola Natureza”, que reúne crianças e jovens locais entre os 12 e os 18 anos, com o intuito de os sensibilizar para as questões ambientais, transmitindo os ensinamentos do seu curso (Engenharia da Energia e do Ambiente), através de uma apresentação e workshop de carrinhos solares.

 “Temos que agradecer imenso a um colega aqui da FCUL, o Egas, cabo-verdiano do nosso curso. Falámos com ele e ele deu-nos o contacto de um tio que vivia em Santiago e que nos ajudou desde que chegámos ao aeroporto”
Isaac Carrêlo e Rita Almeida

“Perguntámos à organização se poderíamos fazer uma apresentação e workshop de carrinhos solares. Pertencemos a um grupo na FCUL que se chama “Energia nas Escolas”, já realizamos este tipo de atividades e tínhamos feito a cadeira de 3.º ano de Energias Renováveis, que contribuiu bastante para termos maior conhecimento sobre o assunto”, explica Isaac Carrêlo.


Isaac Carrêlo e Rita Almeida levaram os conhecimentos apreendidos na FCUL até às crianças locais
Fonte Turtle Foundation

Ainda que com alguns percalços, já que o sol destinado a dar vida aos carrinhos solares falhou no início do dia, a atividade revelou-se bastante produtiva para as crianças. “Foi uma grande euforia, todos queriam participar! Demos-lhes as bases e, depois, foi um trabalho exclusivo deles, de tentar construir o seu carrinho com o material que tinham. Um lembrou-se de ir buscar um pacote de sumo que tinha bebido ao almoço, outro o pacote de leite. A necessidade faz com que eles sejam muito desenrascados”, relatam os jovens.

Para os dois voluntários, este foi um dos momentos mais ricos da sua passagem pela ilha. “A parte que mais me emocionou, depois disto tudo, foi dizerem que gostavam de um dia ser como nós. Isso foi espetacular, muito gratificante!”, acrescentou, entre sorrisos, Rita Almeida.

“A nossa equipa é agora formada por um grande grupo de soldados cabo-verdianos, militares locais, voluntários nacionais e internacionais, coordenadores e cientistas (50 voluntários e 20 colaboradores locais”,
Eva Jarolim, voluntária e coordenadora turística da Turtle Foundation

Todos os anos, a Turtle Foundation recebe voluntários de vários cantos do mundo, sendo que Portugal faz parte dos países que mais ajudam o projeto. Tal como referiu Eva Jorolim, voluntária e coordenadora de turismo da organização, “portugueses, alemães e ingleses são as nacionalidades mais representadas no projeto. Na época passada, por exemplo, houve nove voluntários portugueses de um total de 69. Ficamos muito felizes por ter, todos os anos, equipas mistas com participantes de várias partes do mundo”.        

Em 2012 foi a vez dos voluntários "fculianos" fazerem parte desta realidade, contactando com outras culturas, línguas, hábitos e costumes.


Os voluntários criaram fortes ligações com a comunidade local e a equipa Turtle Foundation
Fonte Turtle Foundation

"Eramos cerca de 25 voluntários. Havia representantes de Portugal, Alemanha, Lichtenstein, Espanha, Inglaterra, Escócia, Senegal, África do Sul, de várias idades. Encontrámos, inclusive, uma senhora de 40 e poucos anos que decidiu tirar 10 anos da sua vida para passear, viajar e conhecer o mundo”, reforça Rita Almeida.

Para lá do objetivo comum a todos, proteger espécies em risco, as relações humanas tornaram-se uma fonte de energia para levar a missão avante. Isaac e Rita, encontraram entre os nativos, João da Luz, um jovem de 20 anos que os surpreendeu pela sua força de vontade e forma de pensar. João ou Noel, nome de família, distinguiu-se dos demais por defender ideais e princípios diferentes dos seguidos pela população local, como sendo a poligamia ou o abandono dos estudos. Como objetivos para um futuro próximo, traça a ida para Portugal a fim de continuar os estudos em Direito que não conseguiu terminar no seu país, por não ter dinheiro.

"Ensinei-lhe alguns truques de magia que sei mas que nunca ensino a ninguém. Ele foi a única pessoa que não ficou a olhar para mim a dizer constantemente: “tens que me ensinar, tens que me ensinar!”. Ficava a assistir e era aquela pessoa que caía sempre nos truques não querendo perceber o que estava a fazer, envolvia-se”, conta saudoso, o voluntário.

“As refeições eram sempre em grupo e era um momento de partilha entre toda a equipa”
Eva Barrocas

Tal como este amigo que não lhes exigia explicação para os truques, talvez porque a única magia fosse essa mesmo, a de viver as relações humanas, sem explicações, estes voluntários trouxeram para Portugal a vontade de um dia regressar a Cabo Verde para construir um futuro profissional que pode até nem passar por uma promessa financeira, mas sim pela tal magia de ajudar esta comunidade a evoluir: “Há muita gente a querer emigrar para a Europa, nomeadamente para a Alemanha, nós estamos mais virados para África por sentirmos que lá ainda há coisas por fazer. Não queremos ir para enriquecer a nível financeiro mas sim a nível pessoal”, confessam.

Depois do trabalho dos voluntários ter feito a diferença em Cabo Verde, esta é, certamente, uma experiência frutuosa, singular e quem sabe a repetir…


Em 2012 foi a vez dos voluntários fculianos fazerem da realidade da Turtle Foundation, contactando com outras culturas, línguas, hábitos e costumes
Fonte Turtle Foundation

 

Raquel Salgueira Póvoas, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciencias@fc.ul.pt
Estepe na Patagónia Argentina

O pastoreio é uma das atividades que mais área conquistou em todo o mundo, incluindo as mais áridas que, muito embora ocupem mais de 40% do planeta, albergam mais de metade de todo o gado existente nas suas pastagens. Para avaliar o impacto do pastoreio nas regiões áridas (semiáridas e sub-húmidas secas) do planeta, uma equipa internacional com mais de uma centena de investigadores, destaque para Alice Nunes e Melanie Köbel, investigadoras do cE3c Ciências ULisboa, aplicou, pela primeira vez, o mesmo método de análise em 25 países de seis continentes.

rua interior à Alameda da Universidade, na Faculdade de Ciências

A 16 de novembro de 2022 foi instalado um sensor de tubo, na entrada da rua de acesso ao edifício C7 (rua interior à Alameda da Universidade), que permite detetar a passagem de bicicletas e trotinetes. Esta instalação insere-se na atividade do projeto europeu Tr @ nsnet – Um modelo de Living Lab Universitário para a Transição Ecológica

Campus da Faculdade

A cerimónia de entrega dos Prémios Científicos ULisboa/Caixa Geral de Depósitos (CGD) 2022, acontece no próximo dia 28 de novembro, pelas 17h30, no Salão Nobre da Reitoria da ULisboa.

grupo de pessoas

Ciências ULisboa coordena projeto europeu Twinning em colaboração com a Universidade de Copenhaga, na Dinamarca, e a Universidade de Tel Aviv, em Israel, e em parceria com a Universidade de Cambridge, no Reino Unido. O objetivo é promover a investigação de excelência e a formação avançada em Bioquímica e Biofísica de Proteínas, com impactos e aplicações em Biomedicina e Biotecnologia.

Ibéria Medeiros

Ibéria Medeiros, professora do Departamento de Informática da Ciências ULisboa, é a protagonista do terceiro vídeo do projeto “Porquês com Ciência”, divulgado no YouTube da Faculdade a 3 de novembro.

estantes com livros e revistas na biblioteca do C4

"September 2022 data-update for 'Updated science-wide author databases of standardized citation indicators'” divulga as bases de dados com os nomes dos cientistas mais citados a nível mundial em 2021 e ao longo da carreira. Estas bases de dados publicadas recentemente pela Elsevier têm o contributo de John Ioannidis, professor da Universidade de Stanford, na Califórnia.

A Faculdade presta homenagem a Carlos Sousa Reis, antigo professor da Ciências ULisboa nos domínios da Ecologia Marinha, Recursos Vivos Marinhos, Pescas e Ordenamento do Litoral.

grande auditório no evento de 2021

“Este é um momento de celebração da qualidade da investigação e da inovação desenvolvidas na Ciências ULisboa, a ocasião ideal para a partilha de conhecimento e para o estabelecimento de colaborações", diz Margarida Santos-Reis, subdiretora da Ciências ULisboa para a área da investigação, a propósito do Dia da Investigação.

José Rebordão, Luís Carriço e Manuel Silva assinam o protocolo

A Faculdade e a FCiências.ID assinaram um protocolo de cooperação com a Cercal Power, uma sociedade da Aquila Clean Energy, a plataforma de energia renovável da Aquila Capital na Europa, dedicada ao desenvolvimento, construção e exploração da central fotovoltaica do Cercal, em Santiago do Cacém.

Imagem de um cérebro em fundo digital

"A linha de investigação em Filosofia da Inteligência Artificial e da Computação surgiu pela primeira vez em Portugal na Ciências ULisboa, nomeadamente, no Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa (CFCUL), com o intuito de contribuir para um debate que interessa à sociedade no seu todo", escrevem João L. Cordovil e Paulo Castro, investigadores do CFCUL Ciências ULisboa.

logotipo do projeto

O Gabinete de Apoio Psicológico (GAPsi) da Ciências ULisboa partilhou o primeiro episódio do podcast “Chá do Dia”, no passado dia 19 de setembro. O quinto episódio deste projeto inovador já está disponível na plataforma Spotify.

Estúdio da FCCN

João Telhada é um dos protagonistas do projeto "Porquês com Ciência", nomeadamente no vídeo “É seguro pagar online com cartão VISA?”, disponível no canal YouTube da Faculdade. Para o professor do DEIO Ciências ULisboa, “a cultura científica é um aspeto essencial no progresso e desenvolvimento de um país”.

grupo de pessoas

Tom Henfrey, Giuseppe Feola, Gil Penha-Lopes, Filka Sekulova e Ana Margarida Esteves publicam na Sustainable Development, no âmbito de relatório da rede ECOLISE, da qual Ciências ULisboa faz parte.

A Faculdade presta homenagem a Henrique Manuel da Costa Guimarães, antigo aluno e professor da ULisboa, especialista em investigação sobre o ensino da Matemática.

Estátua de Alfred Nobel com flores por detrás

Os seis Prémios Nobel 2022 são anunciados entre 3 e 10 de outubro. A poucos dias de conhecer as personalidades que serão distinguidas este ano, recordamos os laureados em 2021, com a ajuda de professores e cientistas da Faculdade. Entre na breve e conheça os laureados da Fisiologia/Medicina e Física.

 

rapariga com vento no cabelo a ouvir música

"Que poder é este da música? Ela tem mesmo uma ligação com as emoções? Apesar de existirem posições contraditórias, a literatura aponta que a música é capaz de induzir emoções", escreve Marta Esteves, psicóloga no GAPsi Ciências ULisboa.

Sara Magalhães no estúdio da FCCN

Sara Magalhães é professora do Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa desde 2016 e investigadora do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c). “Os ácaros são assim tão feios, porcos e maus?” é o tema apresentado pela professora, que inaugura o projeto “Porquês com Ciência”.

mar

Nos dias 26 e 27 de setembro decorre na Ciências ULisboa o “Fórum Oceano: Atlântico, um bem comum, visões partilhadas franco-portuguesas”, uma iniciativa organizada pela Faculdade e pelo MARE, no âmbito da Temporada Portugal-França 2022.

“Saúde, Dança e Ciência na qualidade de vida sustentável”

No próximo dia 23 de setembro irá decorrer na Ciências ULisboa um workshop que pretende sensibilizar jovens e adultos para a importância do movimento na saúde e na qualidade de vida sustentável.

livros

Ana Simões, presidente do Departamento de História e Filosofia das Ciências e investigadora no CIUHCT, terminou o seu mandato como vice-presidente da European Society for the History of Science no dia 10 de setembro, concluindo seis anos de envolvimento na direção.

imagem abstrata representativa de termodinamica

"Quando ensinamos temos que ter a preocupação de que os alunos compreendem as matérias da melhor forma possível, e essa é a minha forma de ensinar, que procurei refletir neste livro”, diz Patrícia Faísca, professora do DF Ciências ULisboa e autora do novo livro sobre Termodinâmica, publicado na editora CRC Press.

logotipo da iniciativa

“Porquês com Ciência” é o novo projeto de divulgação científica da Direção de Comunicação e Imagem da Faculdade e arranca no início deste ano letivo. Cinco vídeos serão lançados no YouTube até ao final de 2022 e têm como personagens principais João Telhada, Ibéria Medeiros, Marta Panão, Maria Manuel Torres e Sara Magalhães. As temáticas em foco estão relacionadas com as Bolsas de Palestras.

grupo de investigadores

O projeto LIFE PREDATOR, aprovado no âmbito do Programa LIFE, vai arrancar no próximo mês de outubro. Da equipa de trabalho europeia fazem parte sete professores e investigadores de três unidades de investigação da Faculdade, que vão colaborar no estudo e combate da espécie invasora peixe-gato europeu.

Alunos e professores

Portugal conquistou quatro medalhas de ouro, duas de prata e uma de bronze na 15.ª edição das Olimpíadas Internacionais de Ciências da Terra (IESO 2022). Esta foi a melhor participação de sempre de Portugal nestas provas internacionais.

Jovens na praia

Crónica sobre o Roteiro Entremarés da autoria do professor Carlos Duarte. Esta é a segunda aplicação que resulta da colaboração entre o Departamento de Informática da Ciências ULisboa e o Instituto de Educação da ULisboa, depois da publicação em 2017 da aplicação Roteiro dos Descobrimentos.

Páginas