Voluntariado – Turtle Foundation

Alunos da FCUL fazem a diferença em Cabo Verde

Isaac Carrêlo e Rita Almeida, alunos do curso de Engenharia da Energia e do Ambiente e Eva Barrocas, aluna do curso de Biologia, embarcaram em 2012 na enriquecedora aventura do voluntariado. Durante cerca de um mês, os três fculianos aceitaram o desafio da Turtle Foundation e protegeram tartarugas marinhas na ilha da Boavista, em Cabo Verde.  A organização opera em projetos de proteção e conservação das tartarugas marinhas em Cabo Verde e ainda na Indonésia.

“Tivemos a oportunidade de ir a uma igreja nazarena e eles não têm nada, são pobres e estavam tão alegres que tornavam a cerimónia numa festa espetacular. Deu-nos uma força imensa, pensei: vou para Portugal e não me vou queixar mais, não faz sentido queixar-me”
Isaac Carrêlo

Embora receosos pela incerta experiência que os esperava, partiram entusiasmados levando na bagagem a vontade de ajudar, evoluir, aprender e partilhar, tal como a voluntária Eva Barrocas recorda: “Queria ter a experiência de ir para um local longínquo, desenvolver a minha independência e aprender sobre o trabalho de campo que pode ser desenvolvido na área da Conservação Ambiental. Todo o continente me cativa e Cabo Verde pareceu-me um bom começo. A decisão final de participar foi instintiva”.

Em Cabo verde, a equipa da Turtle Foundation conta com a ajuda de militares e voluntários locais e internacionais na missão de impedir que tartarugas sejam capturadas, convergem esforços para educar e sensibilizar ambientalmente os jovens e as comunidades da ilha para esta questão, nomeadamente procurarem fontes alternativas de rendimento. Com quatro anos de intervenção na ilha da Boavista, já há provas dadas quanto à pertinência da sua atuação – “Em 2007, mais de 600 tartarugas foram mortas só na praia de Porto Ferreire. Este número baixou para 60 em 2008, representando uma redução de 90% na mortalidade”, lê-se no portal da organização.

“Na ilha de Santiago, que vive muito do comércio, disseram-nos: os portugueses não têm dinheiro mas têm coração”
Rita Almeida

Eva, Isaac e Rita contribuíram para as estatísticas positivas, protegendo diariamente estas espécies em patrulhas noturnas pela praia, organizadas em turnos de quatro horas, na companhia de outros voluntários, líder, vice-líder e um militar local que lhes conferia proteção.“Quando encontrávamos uma tartaruga tínhamos de esperar que ela saísse do mar, depois que fizesse o ninho, colocasse os ovos, tapasse tudo e voltasse ao mar e só aí poderíamos seguir o caminho, sendo que poderíamos encontrá-las em qualquer uma destas fases”, conta Rita Almeida. Para Eva Barrocas, “ter a oportunidade de assistir a uma desova é algo que nos faz sentir em sintonia com a terra”.


Durante um mês, os voluntários protegeram tartarugas marinhas na ilha da Boavista
Fonte Turtle Foundation

Durante a estadia no acampamento da Boa Esperança, várias foram as descobertas e peripécias vividas e dificuldades ultrapassadas, já que a realidade deste arquipélago localizado ao largo da costa da África Ocidental é bastante diferente daquela a que os voluntários fculianos estavam habituados. “A comida era à base de arroz, batata, cenoura e feijão. Uma vez por semana, havia carne. Infelizmente, os cidadãos locais e os soldados não eram grandes pescadores então não comíamos muito peixe e como eramos muitos, quando havia era divido por 25/26 pessoas”, diz Isaac Carrêlo.

"A Turtle Foundation é uma organização crucial para assegurar o futuro das populações de Carreta Carreta"
Eva Barrocas

Mas foram situações como esta que, segundo os protagonistas desta história, os fizeram crescer e dar valor aos pormenores que por vezes são esquecidos: “a oportunidade de ir a áfrica e contactar diretamente com as populações permitiu-nos ter uma maior consciência de que às vezes nos queixamos do muito que temos e eles, que passam por diversas dificuldades como andar descalços ou vestir a mesma roupa todos os dias, dão realmente valor às coisas. Esse foi o maior ensinamento! (…) Levei comigo uma t-shirt que não valia nada, para mim. Um miúdo olhou para ela e disse: que t-shirt tão engraçada! Perguntei-lhe se a queria e a resposta ‘sim’ foi imediata”.

Interessados em partilhar com a ilha que tão bem os acolheu aquela que é “a sua praia”, Isaac e Rita aproveitaram o evento “Escola Natureza”, que reúne crianças e jovens locais entre os 12 e os 18 anos, com o intuito de os sensibilizar para as questões ambientais, transmitindo os ensinamentos do seu curso (Engenharia da Energia e do Ambiente), através de uma apresentação e workshop de carrinhos solares.

 “Temos que agradecer imenso a um colega aqui da FCUL, o Egas, cabo-verdiano do nosso curso. Falámos com ele e ele deu-nos o contacto de um tio que vivia em Santiago e que nos ajudou desde que chegámos ao aeroporto”
Isaac Carrêlo e Rita Almeida

“Perguntámos à organização se poderíamos fazer uma apresentação e workshop de carrinhos solares. Pertencemos a um grupo na FCUL que se chama “Energia nas Escolas”, já realizamos este tipo de atividades e tínhamos feito a cadeira de 3.º ano de Energias Renováveis, que contribuiu bastante para termos maior conhecimento sobre o assunto”, explica Isaac Carrêlo.


Isaac Carrêlo e Rita Almeida levaram os conhecimentos apreendidos na FCUL até às crianças locais
Fonte Turtle Foundation

Ainda que com alguns percalços, já que o sol destinado a dar vida aos carrinhos solares falhou no início do dia, a atividade revelou-se bastante produtiva para as crianças. “Foi uma grande euforia, todos queriam participar! Demos-lhes as bases e, depois, foi um trabalho exclusivo deles, de tentar construir o seu carrinho com o material que tinham. Um lembrou-se de ir buscar um pacote de sumo que tinha bebido ao almoço, outro o pacote de leite. A necessidade faz com que eles sejam muito desenrascados”, relatam os jovens.

Para os dois voluntários, este foi um dos momentos mais ricos da sua passagem pela ilha. “A parte que mais me emocionou, depois disto tudo, foi dizerem que gostavam de um dia ser como nós. Isso foi espetacular, muito gratificante!”, acrescentou, entre sorrisos, Rita Almeida.

“A nossa equipa é agora formada por um grande grupo de soldados cabo-verdianos, militares locais, voluntários nacionais e internacionais, coordenadores e cientistas (50 voluntários e 20 colaboradores locais”,
Eva Jarolim, voluntária e coordenadora turística da Turtle Foundation

Todos os anos, a Turtle Foundation recebe voluntários de vários cantos do mundo, sendo que Portugal faz parte dos países que mais ajudam o projeto. Tal como referiu Eva Jorolim, voluntária e coordenadora de turismo da organização, “portugueses, alemães e ingleses são as nacionalidades mais representadas no projeto. Na época passada, por exemplo, houve nove voluntários portugueses de um total de 69. Ficamos muito felizes por ter, todos os anos, equipas mistas com participantes de várias partes do mundo”.        

Em 2012 foi a vez dos voluntários "fculianos" fazerem parte desta realidade, contactando com outras culturas, línguas, hábitos e costumes.


Os voluntários criaram fortes ligações com a comunidade local e a equipa Turtle Foundation
Fonte Turtle Foundation

"Eramos cerca de 25 voluntários. Havia representantes de Portugal, Alemanha, Lichtenstein, Espanha, Inglaterra, Escócia, Senegal, África do Sul, de várias idades. Encontrámos, inclusive, uma senhora de 40 e poucos anos que decidiu tirar 10 anos da sua vida para passear, viajar e conhecer o mundo”, reforça Rita Almeida.

Para lá do objetivo comum a todos, proteger espécies em risco, as relações humanas tornaram-se uma fonte de energia para levar a missão avante. Isaac e Rita, encontraram entre os nativos, João da Luz, um jovem de 20 anos que os surpreendeu pela sua força de vontade e forma de pensar. João ou Noel, nome de família, distinguiu-se dos demais por defender ideais e princípios diferentes dos seguidos pela população local, como sendo a poligamia ou o abandono dos estudos. Como objetivos para um futuro próximo, traça a ida para Portugal a fim de continuar os estudos em Direito que não conseguiu terminar no seu país, por não ter dinheiro.

"Ensinei-lhe alguns truques de magia que sei mas que nunca ensino a ninguém. Ele foi a única pessoa que não ficou a olhar para mim a dizer constantemente: “tens que me ensinar, tens que me ensinar!”. Ficava a assistir e era aquela pessoa que caía sempre nos truques não querendo perceber o que estava a fazer, envolvia-se”, conta saudoso, o voluntário.

“As refeições eram sempre em grupo e era um momento de partilha entre toda a equipa”
Eva Barrocas

Tal como este amigo que não lhes exigia explicação para os truques, talvez porque a única magia fosse essa mesmo, a de viver as relações humanas, sem explicações, estes voluntários trouxeram para Portugal a vontade de um dia regressar a Cabo Verde para construir um futuro profissional que pode até nem passar por uma promessa financeira, mas sim pela tal magia de ajudar esta comunidade a evoluir: “Há muita gente a querer emigrar para a Europa, nomeadamente para a Alemanha, nós estamos mais virados para África por sentirmos que lá ainda há coisas por fazer. Não queremos ir para enriquecer a nível financeiro mas sim a nível pessoal”, confessam.

Depois do trabalho dos voluntários ter feito a diferença em Cabo Verde, esta é, certamente, uma experiência frutuosa, singular e quem sabe a repetir…


Em 2012 foi a vez dos voluntários fculianos fazerem da realidade da Turtle Foundation, contactando com outras culturas, línguas, hábitos e costumes
Fonte Turtle Foundation

 

Raquel Salgueira Póvoas, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciencias@fc.ul.pt
Propagação de bactérias (E.coli) num meio com obstáculos. Cada linha representa a trajetória de uma bactéria diferente

A propagação de bactérias perto de superfícies é fortemente influenciada pela presença de obstáculos. Investigadores da University College London, no Reino Unido e do Centro de Física Teórica e Computacional da Ciências ULisboa publicaram recentemente um estudo na revista Nature Communications, cujos resultados contribuem para o conhecimento de uma das áreas mais ativas da Física da Matéria Condensada - o estudo de matéria ativa em ambientes complexos.

"Quando há 50 anos, em julho de 1969, astronautas norte-americanos (missão Apollo 11) pousaram pela primeira vez na Lua as suas impressões registaram uma imensa desolação. O ambiente, sem vida ou atmosfera, que aí foram encontrar quadrava bem com o nome atribuído à grande planície crivada de crateras onde haviam chegado: o Mar da Tranquilidade." Crónicas em Ciências com Luís Tirapicos.

Campus Ciências ULisboa

No passado dia 4 de outubro ocorreu um incidente num laboratório do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE), em Ciências ULisboa.O edifício foi evacuado e dado o alerta para os meios externos de socorro, que em articulação com o sistema de segurança da Faculdade rapidamente controlaram a ocorrência.Não houve qualquer vítima, nem danos materiais a registar.

LMG

Investigação liderada por cientistas do polo da Ciências ULisboa do MARE revela como os mutualismos de limpeza marinhos lidam com o aquecimento e acidificação dos oceanos. José Ricardo Paula, primeiro autor do artigo publicado recentemente na revista Scientific Reports do grupo Nature, está inscrito no doutoramento de Biologia - especialidade de Biologia Marinha e Aquacultura e sempre foi apaixonado por comportamento animal, cooperação e mutualismos - especialmente debaixo de água.

 LxUs

"Fomos os mais rápidos, mas não conseguimos trazer o troféu para casa. Não importa, a jornada já foi o próprio prémio." Crónicas em Ciências com o professor Hugo Ferreira. O tema em foco é a competição internacional de estudantes universitários SensUs e a equipa da ULisboa que competiu ao lado de outras 13, provenientes de universidades da Europa, América do Norte, China e Egito.

Projeto RESISTIR visa apoiar e implementar novos sistemas de medicina preditiva, personalizada, preventiva e participativa

Ciências ULisboa e a Maxdata Software apresentam a 26 de setembro, entre as 14h00 e as 17h45, na sala de atos, no edifício C6, no campus da Faculdade, os principais resultados do RESISTIR. O projeto visa apoiar e implementar novos sistemas de medicina preditiva, personalizada, preventiva e participativa e insere-se num consórcio que junta o BioISI, o LaSIGE; entidades empresariais na área de eHealth e diversas instituições de saúde.

Um grupo de investigadores da ULisboa está cada vez mais perto de conseguir criar um processo economicamente viável de reciclagem do dióxido de carbono responsável pelo efeito de estufa

Um grupo de investigadores da ULisboa está cada vez mais perto de conseguir criar um processo economicamente viável de reciclagem do dióxido de carbono responsável pelo efeito de estufa. Paulo N. Martinho, investigador de Ciências ULisboa, coordenou este trabalho, que dada a relevância dos resultados obtidos foi capa recentemente de uma das edições da conceituada revista Chemistry – A European Journal.

Rebecca Bell

Rebecca Bell, professora do Imperial College London, no Reino Unido, é a oradora da palestra do distinguished lecturer programme do European Consortium for Ocean Research Drilling (ECORD), coorganizada pelo Instituto Dom Luiz Ciências ULisboa. A especialista em Tectónica irá falar sobre um novo tipo de sismos, os chamados sismos lentos.

João Ricardo Silva, Deyi Xiong, António Branco, Changjian Hu, diretor do Grupo de Linguagem Natural da Lenovo, Rodrigo Santos e João Rodrigues

Um grupo de investigadores do Grupo de Fala e Linguagem Natural (NLX) do Departamento de Informática de Ciências ULisboa visitou, em julho passado, o Laboratório de Inteligência Artificial da Lenovo, no âmbito de um projeto de intercâmbio científico, coordenado por António Branco, professor do DI e coordenador do NLX.

Siluro marcado na albufeira da Barragem de Belver por investigadores do projeto FRISK

FRISK visa descobrir as rotas predominantes de chegada dos novos peixes não indígenas através da utilização integrada de ferramentas moleculares, modelação espacial, seguimento dos movimentos dos peixes e ciência cidadã. Leia a crónica de Filipe Ribeiro, investigador principal do projeto e do polo de Ciências ULisboa do MARE.

Campus Ciências ULisboa

Ciências ULisboa continua a ser uma referência no ensino superior, preenchendo a totalidade das vagas na 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso ao ensino superior. Leia o artigo de Pedro Almeida, subdiretor da Faculdade.

Samsung Galaxy

A maior conferência Android do mundo, com 11 anos de existência e presente em mais de 25 cidades por todo o mundo, - Droidcon Lisboa 2019 - realiza-se pela primeira vez em Portugal nos dias 9 e 10 de setembro, no campus de Ciências ULisboa.

LxUs

A equipa LxUs integra alunos das faculdades de Ciências e de Farmácia da ULisboa e é a primeira a representar Portugal no SenSus. Os estudantes desenvolveram biossensores para medição dum fármaco biológico, utilizado para tratar doenças como a artrite reumatoide. Grande parte da equipa é da área da Engenharia Biomédica e Biofísica.

Marissa Verhoeven na HortaFCUL

“O meu estágio foi muito desafiante”, conta Marissa Verhoeven, estudante de Biologia Aplicada na Holanda, após a experiência no projeto de permacultura experimental da HortaFCUL. Na crónica sobre esta experiência partilha os resultados da sua investigação sobre a produção e o uso do vermicomposto, bem como um livro infantil sobre a importância das abelhas.

Paula Simões

Paula Simões ora leciona e orienta alunos, o que geralmente ocupa grande parte das suas manhãs ou tardes, ora ocupa o restante tempo com outras atividades como é exemplo o projeto “Cigarras de Portugal – Insetos Cantores”, no âmbito do qual os cidadãos são desafiados a estarem atentos aos sons das cigarras!

Tiago Guerreiro

O professor de Ciências ULisboa Tiago Guerreiro é um dos novos editores chefes da Association for Computing Machinery (ACM) Transactions on Accessible Computing (TACCESS).

Planta

Grupo de investigadores e responsáveis de instituições de investigação escreveram uma carta aberta de protesto sobre decisão do Tribunal de Justiça Europeu sobre genoma.

Prémio Doutoramento em Ecologia

Francisco Pina Martins, Adrià López-Baucells e Inês Gomes Teixeira são os vencedores do Prémio de Doutoramento em Ecologia 2019. Os trabalhos galardoados serão apresentados durante o 18.º Encontro Nacional de Ecologia, que se realiza em simultâneo com o 15.º Congresso Europeu de Ecologia, entre 29 de julho e 2 de agosto em Ciências ULisboa.

Complexidade da diversidade

"É um erro pensarmos que uma boa equipa de I&DE só deve ser construída com os mais espertos: de facto, é o coletivo, constituído com pessoas que trazem uma gama variável de perspetivas (pontos de vista) para um problema, que obtém os melhores resultados", in no Campus com Helder Coelho.

Chegada à Lua

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço e o Museu da Presidência da República celebram os 50 anos da chegada à Lua.

Campus Ciências ULisboa

Professores de todo o país vão estar reunidos no maior evento de formação acreditada na área do ensino das ciências realizado em Portugal. O VI Encontro Internacional da Casa das Ciências acontece entre os dias 10 e 12 de julho, no campus de Ciências ULisboa.

Logotipo

Tal como sucedeu em edições anteriores, vários professores e investigadores de Ciências ULisboa participam no Ciência 2019 - Encontro com a Ciência e Tecnologia em Portugal, que decorre em Lisboa até 10 de julho.

Mara Gomes, aluna do 2.º ano do mestrado em Ciências do Mar participou no cruzeiro oceanográfico RV Polarstern em junho passado, sob o lema “Changing Oceans – Changing Future”. “Mara Gomes teve a dupla experiência de participar como cientista e de ensinar os alunos do programa POGO”, conta Vanda Brotas, professora do Departamento de Biologia Vegetal e investigadora do polo de Ciências ULisboa do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE).

Ciências ULisboa

As classificações excelente e muito bom destacaram-se na avaliação feita aos centros de investigação afetos a Ciências ULisboa. Para os próximos quatro anos, Ciências ULisboa pretende continuar a sua aposta na investigação de excelência, agora com um pouco mais de fundos (um acréscimo de mais de quatro milhões de euros).

Falecimento

Ermesenda Fernandes, assistente técnica do Gabinete de Orçamento e Prestação de Contas da Área Financeira da Direção Financeira e Patrimonial de Ciências ULisboa, faleceu esta quarta-feira, dia 19 de junho de 2019. A Faculdade lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

Páginas