Voluntariado – Turtle Foundation

Alunos da FCUL fazem a diferença em Cabo Verde

Isaac Carrêlo e Rita Almeida, alunos do curso de Engenharia da Energia e do Ambiente e Eva Barrocas, aluna do curso de Biologia, embarcaram em 2012 na enriquecedora aventura do voluntariado. Durante cerca de um mês, os três fculianos aceitaram o desafio da Turtle Foundation e protegeram tartarugas marinhas na ilha da Boavista, em Cabo Verde.  A organização opera em projetos de proteção e conservação das tartarugas marinhas em Cabo Verde e ainda na Indonésia.

“Tivemos a oportunidade de ir a uma igreja nazarena e eles não têm nada, são pobres e estavam tão alegres que tornavam a cerimónia numa festa espetacular. Deu-nos uma força imensa, pensei: vou para Portugal e não me vou queixar mais, não faz sentido queixar-me”
Isaac Carrêlo

Embora receosos pela incerta experiência que os esperava, partiram entusiasmados levando na bagagem a vontade de ajudar, evoluir, aprender e partilhar, tal como a voluntária Eva Barrocas recorda: “Queria ter a experiência de ir para um local longínquo, desenvolver a minha independência e aprender sobre o trabalho de campo que pode ser desenvolvido na área da Conservação Ambiental. Todo o continente me cativa e Cabo Verde pareceu-me um bom começo. A decisão final de participar foi instintiva”.

Em Cabo verde, a equipa da Turtle Foundation conta com a ajuda de militares e voluntários locais e internacionais na missão de impedir que tartarugas sejam capturadas, convergem esforços para educar e sensibilizar ambientalmente os jovens e as comunidades da ilha para esta questão, nomeadamente procurarem fontes alternativas de rendimento. Com quatro anos de intervenção na ilha da Boavista, já há provas dadas quanto à pertinência da sua atuação – “Em 2007, mais de 600 tartarugas foram mortas só na praia de Porto Ferreire. Este número baixou para 60 em 2008, representando uma redução de 90% na mortalidade”, lê-se no portal da organização.

“Na ilha de Santiago, que vive muito do comércio, disseram-nos: os portugueses não têm dinheiro mas têm coração”
Rita Almeida

Eva, Isaac e Rita contribuíram para as estatísticas positivas, protegendo diariamente estas espécies em patrulhas noturnas pela praia, organizadas em turnos de quatro horas, na companhia de outros voluntários, líder, vice-líder e um militar local que lhes conferia proteção.“Quando encontrávamos uma tartaruga tínhamos de esperar que ela saísse do mar, depois que fizesse o ninho, colocasse os ovos, tapasse tudo e voltasse ao mar e só aí poderíamos seguir o caminho, sendo que poderíamos encontrá-las em qualquer uma destas fases”, conta Rita Almeida. Para Eva Barrocas, “ter a oportunidade de assistir a uma desova é algo que nos faz sentir em sintonia com a terra”.


Durante um mês, os voluntários protegeram tartarugas marinhas na ilha da Boavista
Fonte Turtle Foundation

Durante a estadia no acampamento da Boa Esperança, várias foram as descobertas e peripécias vividas e dificuldades ultrapassadas, já que a realidade deste arquipélago localizado ao largo da costa da África Ocidental é bastante diferente daquela a que os voluntários fculianos estavam habituados. “A comida era à base de arroz, batata, cenoura e feijão. Uma vez por semana, havia carne. Infelizmente, os cidadãos locais e os soldados não eram grandes pescadores então não comíamos muito peixe e como eramos muitos, quando havia era divido por 25/26 pessoas”, diz Isaac Carrêlo.

"A Turtle Foundation é uma organização crucial para assegurar o futuro das populações de Carreta Carreta"
Eva Barrocas

Mas foram situações como esta que, segundo os protagonistas desta história, os fizeram crescer e dar valor aos pormenores que por vezes são esquecidos: “a oportunidade de ir a áfrica e contactar diretamente com as populações permitiu-nos ter uma maior consciência de que às vezes nos queixamos do muito que temos e eles, que passam por diversas dificuldades como andar descalços ou vestir a mesma roupa todos os dias, dão realmente valor às coisas. Esse foi o maior ensinamento! (…) Levei comigo uma t-shirt que não valia nada, para mim. Um miúdo olhou para ela e disse: que t-shirt tão engraçada! Perguntei-lhe se a queria e a resposta ‘sim’ foi imediata”.

Interessados em partilhar com a ilha que tão bem os acolheu aquela que é “a sua praia”, Isaac e Rita aproveitaram o evento “Escola Natureza”, que reúne crianças e jovens locais entre os 12 e os 18 anos, com o intuito de os sensibilizar para as questões ambientais, transmitindo os ensinamentos do seu curso (Engenharia da Energia e do Ambiente), através de uma apresentação e workshop de carrinhos solares.

 “Temos que agradecer imenso a um colega aqui da FCUL, o Egas, cabo-verdiano do nosso curso. Falámos com ele e ele deu-nos o contacto de um tio que vivia em Santiago e que nos ajudou desde que chegámos ao aeroporto”
Isaac Carrêlo e Rita Almeida

“Perguntámos à organização se poderíamos fazer uma apresentação e workshop de carrinhos solares. Pertencemos a um grupo na FCUL que se chama “Energia nas Escolas”, já realizamos este tipo de atividades e tínhamos feito a cadeira de 3.º ano de Energias Renováveis, que contribuiu bastante para termos maior conhecimento sobre o assunto”, explica Isaac Carrêlo.


Isaac Carrêlo e Rita Almeida levaram os conhecimentos apreendidos na FCUL até às crianças locais
Fonte Turtle Foundation

Ainda que com alguns percalços, já que o sol destinado a dar vida aos carrinhos solares falhou no início do dia, a atividade revelou-se bastante produtiva para as crianças. “Foi uma grande euforia, todos queriam participar! Demos-lhes as bases e, depois, foi um trabalho exclusivo deles, de tentar construir o seu carrinho com o material que tinham. Um lembrou-se de ir buscar um pacote de sumo que tinha bebido ao almoço, outro o pacote de leite. A necessidade faz com que eles sejam muito desenrascados”, relatam os jovens.

Para os dois voluntários, este foi um dos momentos mais ricos da sua passagem pela ilha. “A parte que mais me emocionou, depois disto tudo, foi dizerem que gostavam de um dia ser como nós. Isso foi espetacular, muito gratificante!”, acrescentou, entre sorrisos, Rita Almeida.

“A nossa equipa é agora formada por um grande grupo de soldados cabo-verdianos, militares locais, voluntários nacionais e internacionais, coordenadores e cientistas (50 voluntários e 20 colaboradores locais”,
Eva Jarolim, voluntária e coordenadora turística da Turtle Foundation

Todos os anos, a Turtle Foundation recebe voluntários de vários cantos do mundo, sendo que Portugal faz parte dos países que mais ajudam o projeto. Tal como referiu Eva Jorolim, voluntária e coordenadora de turismo da organização, “portugueses, alemães e ingleses são as nacionalidades mais representadas no projeto. Na época passada, por exemplo, houve nove voluntários portugueses de um total de 69. Ficamos muito felizes por ter, todos os anos, equipas mistas com participantes de várias partes do mundo”.        

Em 2012 foi a vez dos voluntários "fculianos" fazerem parte desta realidade, contactando com outras culturas, línguas, hábitos e costumes.


Os voluntários criaram fortes ligações com a comunidade local e a equipa Turtle Foundation
Fonte Turtle Foundation

"Eramos cerca de 25 voluntários. Havia representantes de Portugal, Alemanha, Lichtenstein, Espanha, Inglaterra, Escócia, Senegal, África do Sul, de várias idades. Encontrámos, inclusive, uma senhora de 40 e poucos anos que decidiu tirar 10 anos da sua vida para passear, viajar e conhecer o mundo”, reforça Rita Almeida.

Para lá do objetivo comum a todos, proteger espécies em risco, as relações humanas tornaram-se uma fonte de energia para levar a missão avante. Isaac e Rita, encontraram entre os nativos, João da Luz, um jovem de 20 anos que os surpreendeu pela sua força de vontade e forma de pensar. João ou Noel, nome de família, distinguiu-se dos demais por defender ideais e princípios diferentes dos seguidos pela população local, como sendo a poligamia ou o abandono dos estudos. Como objetivos para um futuro próximo, traça a ida para Portugal a fim de continuar os estudos em Direito que não conseguiu terminar no seu país, por não ter dinheiro.

"Ensinei-lhe alguns truques de magia que sei mas que nunca ensino a ninguém. Ele foi a única pessoa que não ficou a olhar para mim a dizer constantemente: “tens que me ensinar, tens que me ensinar!”. Ficava a assistir e era aquela pessoa que caía sempre nos truques não querendo perceber o que estava a fazer, envolvia-se”, conta saudoso, o voluntário.

“As refeições eram sempre em grupo e era um momento de partilha entre toda a equipa”
Eva Barrocas

Tal como este amigo que não lhes exigia explicação para os truques, talvez porque a única magia fosse essa mesmo, a de viver as relações humanas, sem explicações, estes voluntários trouxeram para Portugal a vontade de um dia regressar a Cabo Verde para construir um futuro profissional que pode até nem passar por uma promessa financeira, mas sim pela tal magia de ajudar esta comunidade a evoluir: “Há muita gente a querer emigrar para a Europa, nomeadamente para a Alemanha, nós estamos mais virados para África por sentirmos que lá ainda há coisas por fazer. Não queremos ir para enriquecer a nível financeiro mas sim a nível pessoal”, confessam.

Depois do trabalho dos voluntários ter feito a diferença em Cabo Verde, esta é, certamente, uma experiência frutuosa, singular e quem sabe a repetir…


Em 2012 foi a vez dos voluntários fculianos fazerem da realidade da Turtle Foundation, contactando com outras culturas, línguas, hábitos e costumes
Fonte Turtle Foundation

 

Raquel Salgueira Póvoas, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciencias@fc.ul.pt

Um grupo de cientistas da Ciências ULisboa e da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, membros do CENTRA - Centro de Astrofísica e Gravitação participa no desenvolvimento do METIS (Mid-infrared ELT Imager and Spectrograph), um poderoso instrumento que vai equipar o maior telescópio do mundo - o Extremely Large Telescope.

A equipa do projeto Lista Vermelha de Invertebrados Terrestres e Dulçaquícolas de Portugal Continental preparou a campanha de ciência cidadã - “Invertebrados da Lista Vermelha procuram-se” -, cujo lançamento ocorre esta sexta-feira, dia 5 de junho.

"A nossa necessidade de conexão e de afeto é singular, no sentido em que precisamos e procuramos o contacto com outros seres humanos", escreve Inês Ventura, psicóloga do GAPsi Ciências ULisboa.

Um grupo multidisciplinar de cientistas propõe a criação de um roteiro nacional para a realização de testes serológicos em Portugal e defende que a avaliação rigorosa e concertada da prevalência da doença COVID-19 é a única forma de conhecer a real vulnerabilidade da população e monitorizar a dinâmica da epidemia.

Quinta rubrica Radar Tec Labs dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque é a THEREUS.

A primeira etapa do COVIDETECT já está concluída e com sucesso anunciou esta quarta-feira a AdP - Águas de Portugal. Ciências ULisboa assegura a coordenação científica do projeto, financiado através do programa Compete 2020.

"Estudar em tempos da COVID-19 é novo e exigente. No entanto, temos recursos para tomar as rédeas, mesmo numa situação desta dimensão, e retomar o controlo", escreve Madalena Pintão, estagiária académica do GAPsi Ciências ULisboa. Conheça as suas sugestões...

"Independentemente das soluções adotadas, a crise sanitária da COVID-19 vem inequivocamente demonstrar que a Bioética, para além de uma vertente mais teórica e fundamental, tem uma vertente prática que atua no terreno e dá um contributo importante para a estabilização do funcionamento dos sistemas de saúde." Opinião de Jorge Marques da Silva, professor do Departamento de Biologia Vegetal da Ciências ULisboa e investigador do polo da Faculdade do BioISI. 

O Centro de Testes da Ciências ULisboa atualmente inteiramente dedicado à investigação, diagnóstico e rastreio do SARS-CoV-2 e suas variantes começou a sua atividade a 1 de maio, tendo já realizado mais de mil testes de diagnóstico à COVID-19, com a ajuda de cerca de 50 voluntários, sendo que mais de 300 pessoas manifestaram interesse em colaborar voluntariamente nesta nova infraestrutura da Faculdade.

A Delox foi distinguida recentemente com o Born from Knowledge (BfK) Awards no âmbito do protótipo de uma câmara de descontaminação transportável, que permitirá reutilizar máscaras respiratórias e que está a desenvolver em parceria com o Exército Português. A propósito desta distinção entrevistamos um dos fundadores da spin-off fundada há cerca de dois anos – Fernando Antunes, professor do DQB e investigador do polo da Faculdade do CQE.

"Estar em casa, da forma como se tem estado, pode surgir como o 'único lugar' seguro, dando uma forte sensação de proteção. Em oposição, a ideia de sair torna-se ameaçadora. Esta é uma ideia que é preciso cuidar, para que não se torne avassaladora e angustiante no processo de retomar, no encontro entre o 'mundo cá dentro' e o 'mundo lá fora'", escreve a psicóloga Andreia Santos.

"Neste exercício permanente de experimentar será que ganhamos uma impressão do que é uma Teoria Geral da Complexidade?" Mais um ensaio "No Campus com Helder Coelho", em destaque no Dia Nacional dos Cientistas.

“A nossa Faculdade tem uma oferta vasta, diversificada e de enorme qualidade”, diz Fernanda Oliveira, subdiretora da Faculdade em comunicado de imprensa emitido recentemente a propósito dos dias virtuais que têm como público alvo sobretudo candidatos ao ensino superior e que acontecem nos dias 21 de maio e 3 de junho de 2020.

"No restabelecimento do contacto com o mundo alguns receios e ansiedades poderão estar presentes, a recuperação fisiológica e emocional é um processo, e como tal, leva o seu tempo." Mais um artigo do GAPsi, com nova sugestão, convidando a refletir sobre aquilo que era a vida de cada um de nós, exatamente, há um ano atrás.

Rodrigo Santos, atualmente estudante de doutoramento em Informática na Ciências ULisboa, foi galardoado este ano com o prémio da melhor dissertação de mestrado sobre o Processamento de Língua Portuguesa no período de 2017-2019, durante a PROPOR – “14th International Conference on the Computational Processing of Portuguese”, ocorrida em Évora. 

O consórcio da missão Euclid, um telescópio que irá penetrar no lado escuro do Universo e que tem lançamento previsto para 2022, atribuiu o prémio Euclid STAR 2020 na categoria “equipa” a um dos grupos do consórcio com uma forte participação portuguesa, nomeadamente de investigadores do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA) e da Ciências ULisboa.

"Embora a realidade externa seja muito semelhante para todos, a forma como olhamos para ela não é igual. Por isso, alguns de nós estão desejosos que este período de isolamento termine e outros (secretamente ou não) desejam que a vida pudesse seguir um rumo parecido ao que se vive atualmente", escreve a psicóloga Inês Ventura na habitual rubrica do GAPsi.

“O cruzamento da história das ciências com a banda desenhada foi uma aposta arriscada e uma concretização genuinamente coletiva, cujo resultado final é mais do que o somatório das partes. É para nós uma grande satisfação que o universo da banda desenhada em Portugal o tenha reconhecido”, comentam Ana Simões e Ana Matilde Sousa, autoras da obra distinguida com o Prémio de Melhor Publicação Nacional com Distribuição Comercial.

Quarta rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque é a ONTOP.

O consórcio REUSE coordenado pelo CQE Ciências ULisboa surge na sequência do apoio especial a projetos de implementação rápida para soluções inovadoras de resposta à COVID-19 e tem como objetivo a descontaminação de máscaras respiratórias para posterior reutilização.

"É verdade, as coisas precisam ser feitas, mas, se não fizermos uma boa gestão de nós próprios, estamos potencialmente a acabar com a única fonte que pode produzir - nós", alerta a psicóloga Andreia Santos, na rubrica habitual do GAPsi, deixando também algumas dicas para quem está em teletrabalho.

“Após pequenas ou grandes tempestades que se passem dentro de casa, vem o diálogo e a negociação para que os tempos de cada um sejam respeitados”, escreve Madalena Pintão, estagiária académica do GAPsi Ciências ULisboa, na rubrica habitual.

O Ministério do Ambiente e Ação Climática anunciou o lançamento do projeto de investigação COVIDETECT e a criação de um sistema de alerta precoce da presença do vírus SARS-CoV-2, agente etiológico da COVID-19, através da análise de águas residuais. O projeto de investigação começa a 20 de abril. Ciências ULisboa assegura a coordenação científica.

O aniversário da Ciências ULisboa será celebrado online com todos aqueles que se puderem juntar a 22 de abril no Facebook da Faculdade. A celebração incluirá a tradicional mensagem de Luís Carriço, diretor da Faculdade; as distinções e prémios atribuídos a alunos, professores e funcionários; entre outras surpresas e desafios, que serão partilhados nos próximos dias nas redes sociais. Fique atento e participe!

Observações levadas a cabo pelo Very Large Telescope (VLT) do European Southern Observatory (ESO), situado no deserto chileno do Atacama, revelam pela primeira vez que a S2, uma das estrelas em órbita do buraco negro supermassivo, situado no centro da Via Láctea, se desloca tal como previsto pela Teoria da Relatividade Geral de Einstein.

Páginas