Física Nuclear

Aluna da Ciências ULisboa distinguida com Bolsa Marie Sklodowska-Curie

Estágio de seis meses ocorre na Alemanha

Última Revisão —
Fotografia de Beatriz Amorim

Beatriz Amorim optou por Engenharia Física devido à sua natureza mais prática e à possibilidade de, posteriormente, se dedicar à construção de detetores

GICD DCI Ciências ULisboa

Beatriz Amorim foi premiada com uma bolsa  Marie Sklodowska-Curie, uma iniciativa da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA). A estudante do último ano de mestrado em Engenharia Física, na Ciências ULisboa, participa a partir de 15 de janeiro e durante seis meses, num projeto inovador na Alemanha, no âmbito do Programa GET INvolved do FAIR.

“Foi uma notícia inesperada, não estava à espera. Só me candidatei por insistência do professor Daniel Galaviz Redondo, que dizia que tinha potencial, diz Beatriz Amorim.

As bolsas Marie Sklodowska-Curie, umas das mais competitivas, visam inspirar e encorajar mulheres jovens a seguir uma carreira na área nuclear, oferecendo a estudantes talentosas, bolsas de estudos para programas de mestrado, bem como a oportunidade de realizar um estágio financiado pela AIEA.

“É muito gratificante haver bolsas para mulheres desta área, porque ainda é maioritariamente de homens. Sinto que isso está a mudar e é muito bom que haja esse reconhecimento", comenta.

Esta conquista é uma valorização e um reconhecimento do seu trabalho, que tem como próximo passo a montagem e colocação em funcionamento do feixe de alta taxa TOF/SCI do detetor SAFARI. Este projeto a realizar no âmbito da colaboração NUclear STructure, Astrophysics and Reactions (NUSTAR) do centro de investigação GSI/FAIR vai permitir identificar e estudar isótopos que provêm de núcleos pesados, como o urânio-235.

O objetivo principal é encontrar novos isótopos e estudar as equações de estado nuclear e possivelmente descobrir a espessura de neutrões deste tipo de núcleos pesados.

O SAFARI é um detetor de tempo de voo baseado em cintiladores e uma parte vital de um esforço de investigação experimental sancionado pelo G-PAC do GSI, o comité de peritos do laboratório.

“Existe uma ilha de isótopos da tabela periódica que ainda desconhecemos. O nosso trabalho pode vir a ser importante nesta área”, diz.

A investigação envolve mediações precisas da interação nuclear e das secções eficazes com mudança de carga, através de tecnologia como FRS (sistema magnético para iões pesados relativistas) com detetores de perda de energia de alta resolução e de tempo de voo. Segundo Beatriz Amorim, este estudo é importante para perceber como funcionam as reações nucleares no geral. “Estamos a investigar fenómenos novos que podem ser importantes para descobrirmos mais informações acerca da equação de estado nuclear, que é muito relevante para os físicos desta área”, acrescenta.

Uma experiência que vai obrigar a uma preparação prévia. “Toda esta parte da Física Nuclear envolve muita teoria que ainda tenho de estudar. Também envolve engenharia, com a montagem de um detetor. Terei de fazer toda a eletrónica desse detetor em específico, porque vai ser ligado a um separador de fragmentos que existe no GSI e é a partir daí que vamos conseguir fazer um estudo mais aprofundado dos núcleos”, conclui.

Dividida entre Física e Química, Beatriz Amorim rapidamente percebeu que era a Física que mais a cativava. Ao ponderar a entrada na faculdade, optou por Engenharia Física devido à sua natureza mais prática e à possibilidade de, posteriormente, se dedicar à construção de detetores. Um dos seus sonhos é um dia vir a fazer investigação na Áustria. Beatriz Amorim é membro do Grupo de Reações Nucleares, Instrumentação e Astrofísica (NUC-RIA) no LIP - Laboratório de Instrumentação e Física Experimental de Partículas.

Tânia Monteiro com Gabinete de Jornalismo da DCI Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ), com vista à cooperação científica em várias áreas de interesse comum.

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Dia Nacional dos Cientistas - 16 de maio

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído em 2016 por Resolução da Assembleia da República com o objetivo de reconhecer e celebrar a contribuição vital dos cientistas para o progresso da sociedade.

CIÊNCIAS e OKEANOS em parceria para monitorizar biodiversidade e alterações dos ecossistemas marinhos

Projeto internacional SEAGHOSTS visa a monitorização e conservação das populações de painhos, as aves marinhas mais pequenas do planeta.

Reitoria da ULisboa

O CWUR 2024 avaliou de entre 20.966 instituições de ensino superior e atribuiu à ULisboa o 211.º lugar (top 1.1%) e a 80.ª posição no panorama europeu.

Páginas