Crónicas em Ciências

Ser investigador por três semanas

graficos, lupa e oculos numa mesa

Durante três semanas, alunos de licenciatura e mestrado puderam trabalhar de perto com investigadores e observar a transversalidade da estatística.

Anna Nekrashevich [Pexels]
Maria Zacarias
Maria Zacarias
Fonte CEAUL

No passado dia 26 de julho terminou a 3.ª edição do programa “Sê Investigador por Três Semanas”, um projeto do Centro de Estatística e Aplicações da Universidade de Lisboa (CEAUL), que dá aos alunos a oportunidade de conhecerem melhor a realidade do mundo da investigação.

Durante três semanas, alunos de licenciatura e de mestrado puderam trabalhar de perto com investigadores e observar a transversalidade da Estatística. O leque de temas foi grande – desde a análise estatística de catálogos sísmicos ao estudo da sobrevivência de transplantes de rim – permitindo aos alunos conhecer as mais variadas aplicações da disciplina.

“A parte mais recompensante é saber que, de facto, [estes projetos] fazem a diferença.”
Tiago Marques

Miriam Rodrigues, aluna da licenciatura em Biologia na Ciências ULisboa, explorou a questão “Estarão os oceanos a ficar mais ácidos?”. Sob a orientação de Clara Cordeiro, professora no Departamento de Matemática da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade do Algarve e membro integrado do CEAUL, Miriam confessa que foi bom poder ver o problema pela perspetiva de outras áreas científicas, uma vez que “ao longo do nosso percurso em investigação iremos acabar por trabalhar com pessoas de várias áreas. Foi muito importante poder ter esta experiência”.

“Ver a resiliência dos alunos é muito bom e estes projetos também nos dão a oportunidade de, enquanto professores e investigadores, crescer.”
Carina Silva

Porém, não foi apenas para os alunos que este projeto se traduziu numa experiência positiva, revela Carina Silva, professora na Escola Superior de Tecnologia da Saúde e membro integrado do CEAUL. Carina Silva orientou vários alunos no tema “Avaliação do impacto de um programa de movimento da mobilidade em indivíduos muito idosos” e confessa que também aprendeu bastante. “Há sempre uma função no software ou um método que eles descobrem que eu não conheço”, diz a investigadora. Para além disso, “ver a resiliência dos alunos é muito bom e estes projetos também nos dão a oportunidade de, enquanto professores e investigadores, crescer”.

"Foi muito importante poder ter esta experiência.”
Miriam Rodrigues

Tiago Marques, vice-coordenador do CEAUL, afirma que o “Sê Investigador por Três Semanas”, para além de ser uma forma de cativar investigadores mais jovens, fornece “um primeiro contacto com a investigação e com o CEAUL, onde surgem sempre novos contactos para projetos futuros”. Acrescenta ainda que há vários alunos que, mesmo de outras áreas, “continuam a colaborar connosco ou decidem continuar os seus estudos na área da Estatística por terem sido expostos à sua transversalidade nas ciências dentro do programa”. Para Tiago Marques, estes projetos são bastante benéficos para todos os envolvidos e “a parte mais recompensante é saber que, de facto, fazem a diferença”.

Maria Zacarias, investigadora do CEAUL
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colégios doutorais em áreas transversais. Opinião de Maria Amélia Martins-Loução.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de março e é organizada pelos Departamentos de Física e de Informática.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro estão abertas inscrições para a admissão de novos voluntários.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edição do curso realiza-se já em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas