Nem todas as poeiras são nocivas

Membros da expedição em frente do RV Pelagia

Membros da expedição em frente do RV Pelagia no porto do Mindelo, em Cabo Verde

Jan-Berend Stuut

Atlântico Tropical em estudo - próximos passos

Na sequência desta investigação, Catarina Guerreiro abraça agora um novo desafio que a levou a integrar uma expedição multidisciplinar a bordo do navio holandês RV Pelagia, para investigar os processos biogeoquímicos relacionados com as correntes de afloramento e a deposição de poeira do deserto no Atlântico tropical do Nordeste.
"Esta nova etapa de investigação ajudará a identificar as espécies de cocolitóforos que mais influenciam a bomba biológica de carbono na região, e irá permitir calibrar o potencial paleoecológico deste grupo de fitoplâncton como ferramenta para estudar as condições oceânicas e a deposição de poeiras atmosféricas no passado geológico desta região", destaca Catarina Guerreiro.
O objetivo é combinar os dados biológicos, hidrológicos e sedimentológicos recolhidos durante a expedição com os dados destas boias e armadilhas de sedimentos para investigar a relação entre a deposição de poeiras do Sara e as mudanças nas comunidades de fitoplâncton que vivem na zona fótica subjacente. Uma vez que esta região faz parte do Sistema de Afloramento da Fronteira Oriental da Corrente das Canárias (EBUS), os resultados desta expedição contribuirão para os objetivos do projeto PRIMUS - PRIMary-productivity in Upwelling Systems, financiado pela Agência Espacial Europeia (ESA), onde a investigadora lidera um trabalho na área das Ciências da Terra utilizando dados de fluxo de partículas de uma armadilha de sedimentos ancorada ao largo do Noroeste de África.

A Ciências ULisboa destacou no passado mês de dezembro - na EurekAlert - uma história sobre um estudo, que relata evidências sem precedentes de respostas ecológicas do fitoplâncton calcificante à deposição de nutrientes fornecidos pela poeira do Sara.

Este trabalho publicado em abril de 2023 na revista científica Frontiers in Marine Science tem como primeira autora Catarina Guerreiro, micropaleontóloga e investigadora em bio geociências marinhas na Ciências ULisboa, nomeadamente no Departamento de Biologia Vegetal (DBV), no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto Dom Luiz (IDL); representante nacional do SOLAS - Surface Ocean – Lower Atmosphere Interactions Study, membro da ARNET e da Direção da Fundação do INA - International Nannoplankton Association.

A deposição da poeira do Sara no oceano transporta elementos como o ferro e o fósforo, nutrientes essenciais para a fertilização do fitoplâncton marinho, sobretudo em regiões remotas e afastadas dos continentes, onde o oceano é mais quente e mais pobre em nutrientes durante a maior parte do ano. É através do fitoplâncton, um grupo de organismos constituído por minúsculas (microscópicas) algas marinhas que realizam fotossíntese para se reproduzirem, à semelhança do que acontece com as plantas terrestres, que o oceano cumpre o duplo papel de fonte de oxigénio e de "sumidouro" de CO2 atmosférico - um contributo crucial para manter a atmosfera "respirável" para a vida na Terra.

"É importante salientar que observámos um aumento da abundância de cocolitóforos - um grupo especial, muito particular e bio geoquimicamente importante de fitoplâncton marinho devido à sua capacidade de calcificação", diz Catarina Guerreiro.

Isto permite que os cocolitóforos interajam e influenciem o ciclo do carbono marinho de três formas: como sumidouro natural de CO2, através da fotossíntese; como fonte natural de CO2, através da bio mineralização do exoesqueleto; e, finalmente, como fonte natural de lastro mineral que contribui para facilitar o afundamento e subsequente sequestro de carbono no oceano profundo.

"Quaisquer alterações na produtividade deste grupo [cocolitóforos] têm um enorme potencial para alterar a bomba biológica de carbono, uma vez que esta é determinada pela taxa a que o carbono é biologicamente sequestrado da atmosfera através da fotossíntese e subsequente afundamento e sequestro no oceano profundo sob a forma de carbono orgânico e inorgânico particulado", acrescenta a cientista.

Florescimento de coccolitóforos
Floração de cocolitóforos capturada na superfície do Oceano Atlântico NE tropical, em abril de 2016. Imagem obtida através do Microscópio Eletrónico do DBV Ciências ULisboa
Fonte Telmo Nunes e Catarina Guerreiro

Este estudo resultou da colaboração entre a Ciências ULisboa -  MARE e IDL - e o Plymouth Marine Laboratory e a University of East Anglia (Reino Unido); o Royal Netherlands Institute for Sea Research (Holanda) e o Institut de Ciencies del Mar (Espanha). Baseia-se em dados multidisciplinares que foram recolhidos durante o Transecto Meridional Atlântico (AMT28) entre setembro e outubro de 2018.

Scripta manent. O que se escreve, fica, permanece.

Destaques sobre esta história nos media internacionais e nacionais: Phys Org, Life Technology, ECO Magazine, BNN Breaking,  media nacionais:Creative News, Exame Informática, Atlas da Saúde, Correio de Lagos, Medjournal, PT Jornal, Sábado, Terras do Homem, Centro TV, Ambiente Magazine, Funchal Notícias, Green Savers, Alvorada e Público.

O artigo “Response of coccolithophore communities to oceanographic and atmospheric processes across the North- and Equatorial Atlantic” é assinado ainda por Afonso Ferreira, Luisa Cros, Jan-Berend Stuut, Alex Baker, Andreia Tracana, Catarina Pinto, Vera Veloso, Andrew P. Rees, Mário Cachão, Telmo Nunes e Vanda Brotas.

Marta Daniela Santos, Gabinete de Comunicação de Ciência com Gabinete de Jornalismo da DCI Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Margarida Beiral, Fadhil Musa e Luana Boavista

A Delox, spin-off da Ciências ULisboa, foi reconhecida no âmbito do EIC Accelerator, onde se destacou entre 1000 empresas europeias, tendo sido a única start-up portuguesa selecionada.

Logotipo do IDM

A Ciências ULisboa tem preparado um conjunto de atividades especiais para celebrar o Dia Internacional da Matemática (IDM, sigla em inglês), com as Jornadas de Matemática em Ciências, a  9 de março, e sete sessões abertas a estudantes, pais, professores e público em geral, nos dias 13 e 14 de março.

Vários professores no átrio do C6

O Ciências em Harmonia regressou em grande: em março há meditação e yoga, conversa sobre assédio e bullying, uma sessão dedicada à escrita criativa e um concerto de garagem. Para ficar a par destas e das outras atividades que se irão realizar entre março e maio basta ir ao site da Faculdade, entrar no Moodle ou seguir o projeto no Instagram. Na reportagem que se segue fica a saber algumas das histórias vividas pelos professores - Ana Rute Domingos, Carlos Assis, Carlos Duarte, Carlos Marques da Silva, Cristina Catita, Cristina Borges, Maria Estrela Melo Borges, Nuno Matela e Rui Borges -, quando eram estudantes. Esta sessão assinalou o arranque deste projeto no segundo semestre.

Espaço da feira de emprego com muitas pessoas

A Jobshop Ciências - feira de emprego da Ciências ULisboa realiza-se entre 9 e 10 de abril. Este evento promove a aproximação dos estudantes e recém-graduados dos vários cursos de Ciências ao mercado de trabalho, através de workshops, entrevistas e do contacto direto com as empresas e outros empregadores. A segunda fase de inscrições para as empresas participarem nesta edição da Jobshop Ciências termina a 10 de março.

Luís Matias e alunos de 1.º ciclo numa sala de aula

O sismólogo Luís Matias regressou à sua escola em Alvalade, no âmbito do projeto de voluntariado da Native Scientists, que desafia cientistas a regressarem às suas escolas de 1.º ciclo para realizarem oficinas de divulgação científica.

Filipe R. Ramos a dar aulas

Filipe R. Ramos, professor da Ciências ULisboa e investigador no Centro de Estatística e Aplicações da Universidade de Lisboa (CEAUL), visitou o Departamento de Matemática e Estatística da Universidade do Norte (UN), em Barranquilla, na Colômbia, entre 8 e 22 de fevereiro passado, no âmbito do intercâmbio que mantém com esta universidade e em particular com o professor Lihki Rubio, com quem está a escrever um livro sobre Machine Learning and Applications.

Herdade da Ribeira Abaixo

A exposição de fotografia “Herdade da Ribeira Abaixo: 30 anos do coração da Serra de Grândola” vai estar em exibição até 18 de março, na Biblioteca e Arquivo do município de Grândola. A estação de campo do cE3c, em estreita articulação com a Ciências ULisboa, situa-se no coração da Serra de Grândola, numa das mais vastas extensões de montado de sobro em Portugal.

conceção artística do telescópio espacial Euclid, e em fundo uma das primeiras imagens obtidas com este telescópio, do enxame de galáxias do Perseu

A 14 de fevereiro o telescópio espacial Euclid voltou-se para a constelação de Erídano, no hemisfério celeste austral, e durante 70 minutos recolheu a luz dessa região de céu escuro. O calendário de observações foi definido por uma equipa liderada pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço. Mais de 27 mil fotografias irão constituir o mosaico do céu com a maior resolução alguma vez feita, serão mais de 15 biliões de pixéis. Ao fim de seis anos espera-se ter capturado a luz de mais de mil milhões de galáxias.

Batimetria do fundo do mar e topografia terrestre

Um novo estudo, recorrendo a modelos computacionais, prevê que uma zona de subdução atualmente na região do Estreito de Gibraltar se irá propagar para o interior do Atlântico e irá contribuir para a formação de um sistema de subdução atlântico – um anel de fogo atlântico. Este trabalho publicado pela Sociedade Geológica da América resulta de uma colaboração entre os professores da Ciências ULisboa – João Duarte e Filipe Rosas – e investigadores da Johannes Gutenberg University Mainz (Alemanha).

Minifloresta da Faculdade

A FCULresta - um dos projetos do Laboratório Vivo para a Sustentabilidade da Ciências ULisboa e que tem origem no projeto europeu "1Planet4All - Empowering youth, living EU values, tackling climate change" -, foi selecionada e destacada como um dos projetos com maior impacto do programa ‘DEAR: Development Education and Awareness Raising", financiado pela União Europeia.

Cartaz com fotografias de várias mulheres

Ciências ULisboa reconhece o papel fundamental exercido pelas mulheres e pelas raparigas na ciência e na tecnologia. No Dia Internacional de Mulheres e Raparigas na Ciência recordamos Glaphyra Silva Vieira, a primeira mulher assistente no Laboratório de Física da Ciências ULisboa, uma biografia da autoria de Maria da Conceição Abreu e Paula Contenças.

Conceção artística do telescópio espacial nos raios gama, Fermi, da NASA

As regiões polares do Sol foram as mais ativas na emissão de radiação de alta energia durante o anterior máximo solar, um desequilíbrio ainda por explicar, e relatado pela primeira vez num estudo liderado por Bruno Arsioli, investigador do Instituto de Astrofísica e de Ciências do Espaço, da Ciências ULisboa.

anfíbio

Após a República Checa, chegou a hora da cidade de Lisboa ser palco da próxima Conferência Europeia de Ecologia Tropical 2024. Jorge Palmeirim, professor da Ciências ULisboa, coordenador do grupo de Biodiversidade Tropical e Mediterrânica no cE3c, é o chairman desta conferência, que se realiza na Ciências ULisboa entre 12 e 16 de fevereiro.

Helena Gaspar e Alexandra M. Antunes, pormenor de estrutura molecular N-desetil-isotonitazeno em fundo

O Laboratório de Polícia Científica (LPC) da Polícia Judiciária (PJ) detetou uma nova droga sintética - o N-desetil-isotonitazeno. A identificação da droga sintética contou com a colaboração da Ciências ULisboa, no âmbito de um protocolo de cooperação entre o LPC-PJ e a Ciências ULisboa que visa a análise de novas substâncias psicoativas (NSP).

lareira tradiciobal a lenha

Um novo estudo mostra que o uso de lareiras tradicionais a lenha para o aquecimento da casa pode diminuir a esperança média de vida em até 1,6 anos, devido às partículas finas que são emitidas na combustão da lenha. Estes são resultados de um trabalho experimental de modelação computacional liderado pela Ciências ULisboa.

Raquel Conceição

Uma equipa de cientistas do Instituto de Biofísica e Engenharia Biomédica (IBEB) da Ciências ULisboa liderada por Raquel Conceição vai receber 1.5M€ para reforçar as suas áreas de capacitação em Imagiologia Médica por Micro-ondas (MMWI), no âmbito de um projeto Twinning, com o título “Bone, Brain, Breast and Axillary Medical Microwave Imaging Twinning (3BAtwin)”, realizado em parceria com a Universidade de Galway (Irlanda) e com o Politécnico de Turim (Itália).

Carlos Pires

Carlos Pires, professor da Ciências ULisboa e investigador do Instituto Dom Luiz, é o primeiro autor do artigo “Uma teoria geral para estimar a transferência de informação em sistemas não lineares”, publicado na Physica D: Nonlinear Phenomena, volume 458, em fevereiro, e no qual desenvolve um formalismo matemático de estimação da causalidade entre variáveis interatuantes.

Atividades na HortaFCUL, num Dia Aberto em 2015

Em outubro de 2024 a HortaFCUL assinala 15 anos de existência. Os resultados apresentados no relatório "Living the sustainable development: a university permaculture project as an ecosystem service provider - The HortaFCUL case study (2009-2023)" apresentam o impacto regenerativo e transformador da HortaFCUL.

Pessoa a observar o céu

De 15 a 18 de fevereiro, a Física está em destaque na cidade de Lisboa, no Encontro Nacional de Estudantes de Física (ENEF). Este é um evento que pretende reunir estudantes e profissionais na Ciências ULisboa, procurando dar uma perspetiva diferente do ensino da Física a nível universitário.

Revegetação com especies autoctones

“O projeto em curso no Lousal mostra que é possível conciliar a atividade de mineração com a devolução do território à natureza com o mínimo impacto possível”, escreve Jorge Buescu na crónica publicada na revista Ingenium n.º 183, referente ao primeiro trimestre de 2024.

Pontos de interrogação

 Vladimir Konotop, professor da Ciências ULisboa, participou num estudo publicado este mês na Nature Photonics - “Observação da Localização da Luz em Quasicristais Fotónicos” -, em colaboração com investigadores da Universidade Jiao Tong de Xangai (China) e da Academia de Ciências Russa  (Rússia).

Aluna a fazer uma apresentação numa sala de aula

Inês Sofia Cruz Dias e Ana Carolina Preto Oliveira, estudantes da Ciências ULisboa, apresentaram os seus relatórios da disciplina Voluntariado Curricular, 1.º semestre, no passado dia 22 de janeiro. Sensibilizar os estudantes para as temáticas da solidariedade, tolerância, compromisso, justiça e responsabilidade social e proporcionar-lhes oportunidades para o desenvolvimento de competências transversais são alguns dos objetivos do Voluntariado Curricular.

Cristina Simões, Fernando Antunes, José Pereira-Leal, Jorge Maia Alves, Andreia Valente, Hugo Ferreira, Rui Ferreira e Pedro Almeida

Os projetos Lusoturf e TAMUK são os vencedores da 1.ª edição do Concurso de Projetos de Inovação Científica, uma iniciativa promovida pela Ciências ULisboa e FCiências.ID, com o apoio do Tec Labs.

Membro da FLAD, Marcelo Rebelo de Sousa e José Ricardo Paula

José Ricardo Paula, investigador da Ciências ULisboa, vencedor do FLAD Science Award Atlantic 2023, teve a honra de receber o prémio pelas mãos do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. Para o diretor da Ciências ULisboa, Luís Carriço, este prémio é um reconhecimento do mérito e da excelência da investigação que se faz na faculdade: “Estou muito orgulhoso, mas não estou surpreendido. O trabalho que o José Ricardo Paula desenvolveu é brilhante e o próprio Presidente da República fez questão de referir isso. O nosso investigador está de parabéns, bem como a faculdade”.

Ana Sofia Reboleira

O projeto “Barrocal-Cave: Conservation, monitoring and restoration assessment of the world-class cave biodiversity hotspot in Portugal foi distinguido com o 2.º lugar do Prémio Fundação Belmiro de Azevedo 2023. Ana Sofia Reboleira é a investigadora responsável por este projeto, que tem como instituição proponente a FCiências.ID.

Páginas