Nem todas as poeiras são nocivas

Membros da expedição em frente do RV Pelagia

Membros da expedição em frente do RV Pelagia no porto do Mindelo, em Cabo Verde

Jan-Berend Stuut

Atlântico Tropical em estudo - próximos passos

Na sequência desta investigação, Catarina Guerreiro abraça agora um novo desafio que a levou a integrar uma expedição multidisciplinar a bordo do navio holandês RV Pelagia, para investigar os processos biogeoquímicos relacionados com as correntes de afloramento e a deposição de poeira do deserto no Atlântico tropical do Nordeste.
"Esta nova etapa de investigação ajudará a identificar as espécies de cocolitóforos que mais influenciam a bomba biológica de carbono na região, e irá permitir calibrar o potencial paleoecológico deste grupo de fitoplâncton como ferramenta para estudar as condições oceânicas e a deposição de poeiras atmosféricas no passado geológico desta região", destaca Catarina Guerreiro.
O objetivo é combinar os dados biológicos, hidrológicos e sedimentológicos recolhidos durante a expedição com os dados destas boias e armadilhas de sedimentos para investigar a relação entre a deposição de poeiras do Sara e as mudanças nas comunidades de fitoplâncton que vivem na zona fótica subjacente. Uma vez que esta região faz parte do Sistema de Afloramento da Fronteira Oriental da Corrente das Canárias (EBUS), os resultados desta expedição contribuirão para os objetivos do projeto PRIMUS - PRIMary-productivity in Upwelling Systems, financiado pela Agência Espacial Europeia (ESA), onde a investigadora lidera um trabalho na área das Ciências da Terra utilizando dados de fluxo de partículas de uma armadilha de sedimentos ancorada ao largo do Noroeste de África.

A Ciências ULisboa destacou no passado mês de dezembro - na EurekAlert - uma história sobre um estudo, que relata evidências sem precedentes de respostas ecológicas do fitoplâncton calcificante à deposição de nutrientes fornecidos pela poeira do Sara.

Este trabalho publicado em abril de 2023 na revista científica Frontiers in Marine Science tem como primeira autora Catarina Guerreiro, micropaleontóloga e investigadora em bio geociências marinhas na Ciências ULisboa, nomeadamente no Departamento de Biologia Vegetal (DBV), no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto Dom Luiz (IDL); representante nacional do SOLAS - Surface Ocean – Lower Atmosphere Interactions Study, membro da ARNET e da Direção da Fundação do INA - International Nannoplankton Association.

A deposição da poeira do Sara no oceano transporta elementos como o ferro e o fósforo, nutrientes essenciais para a fertilização do fitoplâncton marinho, sobretudo em regiões remotas e afastadas dos continentes, onde o oceano é mais quente e mais pobre em nutrientes durante a maior parte do ano. É através do fitoplâncton, um grupo de organismos constituído por minúsculas (microscópicas) algas marinhas que realizam fotossíntese para se reproduzirem, à semelhança do que acontece com as plantas terrestres, que o oceano cumpre o duplo papel de fonte de oxigénio e de "sumidouro" de CO2 atmosférico - um contributo crucial para manter a atmosfera "respirável" para a vida na Terra.

"É importante salientar que observámos um aumento da abundância de cocolitóforos - um grupo especial, muito particular e bio geoquimicamente importante de fitoplâncton marinho devido à sua capacidade de calcificação", diz Catarina Guerreiro.

Isto permite que os cocolitóforos interajam e influenciem o ciclo do carbono marinho de três formas: como sumidouro natural de CO2, através da fotossíntese; como fonte natural de CO2, através da bio mineralização do exoesqueleto; e, finalmente, como fonte natural de lastro mineral que contribui para facilitar o afundamento e subsequente sequestro de carbono no oceano profundo.

"Quaisquer alterações na produtividade deste grupo [cocolitóforos] têm um enorme potencial para alterar a bomba biológica de carbono, uma vez que esta é determinada pela taxa a que o carbono é biologicamente sequestrado da atmosfera através da fotossíntese e subsequente afundamento e sequestro no oceano profundo sob a forma de carbono orgânico e inorgânico particulado", acrescenta a cientista.

Florescimento de coccolitóforos
Floração de cocolitóforos capturada na superfície do Oceano Atlântico NE tropical, em abril de 2016. Imagem obtida através do Microscópio Eletrónico do DBV Ciências ULisboa
Fonte Telmo Nunes e Catarina Guerreiro

Este estudo resultou da colaboração entre a Ciências ULisboa -  MARE e IDL - e o Plymouth Marine Laboratory e a University of East Anglia (Reino Unido); o Royal Netherlands Institute for Sea Research (Holanda) e o Institut de Ciencies del Mar (Espanha). Baseia-se em dados multidisciplinares que foram recolhidos durante o Transecto Meridional Atlântico (AMT28) entre setembro e outubro de 2018.

Scripta manent. O que se escreve, fica, permanece.

Destaques sobre esta história nos media internacionais e nacionais: Phys Org, Life Technology, ECO Magazine, BNN Breaking,  media nacionais:Creative News, Exame Informática, Atlas da Saúde, Correio de Lagos, Medjournal, PT Jornal, Sábado, Terras do Homem, Centro TV, Ambiente Magazine, Funchal Notícias, Green Savers, Alvorada e Público.

O artigo “Response of coccolithophore communities to oceanographic and atmospheric processes across the North- and Equatorial Atlantic” é assinado ainda por Afonso Ferreira, Luisa Cros, Jan-Berend Stuut, Alex Baker, Andreia Tracana, Catarina Pinto, Vera Veloso, Andrew P. Rees, Mário Cachão, Telmo Nunes e Vanda Brotas.

Marta Daniela Santos, Gabinete de Comunicação de Ciência com Gabinete de Jornalismo da DCI Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

A VicenTuna - Tuna da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa - completou 30 anos em janeiro de 2024. Para comemorar, realizou no dia 30 de abril de 2024, a Festa da Primavera, um espetáculo de música e divertimento dedicado à comunidade de CIÊNCIAS e ao público em geral.

Celebrações dos 50 anos do 25 de abril de 1974 da Academia das Ciências de Lisboa

A 9 de maio realiza-se a segunda de duas jornadas de debate académico e científico organizadas pela Academia das Ciências de Lisboa, que tem por objetivo ‘analisar e discutir a evolução do panorama científico português de forma prospetiv

Lançamento do projeto Barrocal-Cave marca um novo capítulo na Conservação da Biodiversidade em Portugal

O prestigiado Palácio Gama Lobo foi o cenário escolhido para o lançamento do projeto Barrocal-Cave, financiado pelo Prémio Fundação Belmiro de Azevedo 2023.

No passado dia 10 de abril, tivemos a honra de receber um grupo de estudantes e dois professores da Universidade de Leiden, na Holanda. Com um total de 40 estudantes, todos da área das bio farmacêuticas, a visita prometia ser entusiástica.

Miguel Pinto

No dia 29 de abril, Miguel Pinto visitou a Escola Básica Professora Aida Vieira, no Bairro Padre Cruz em Lisboa, para realizar oficinas de divulgação científica e atividades didáticas.

Fotografia de alguns dos oradores

O que é a sustentabilidade? Como podemos agir a nível local, procurando um impacto global? Estas e muitas outras questões marcaram a segunda edição da Semana da Sustentabilidade CIÊNCIAS, entre 15 e 19 de abril de 2024.

Grande Auditório durante a celebração do 113.º aniversário de CIÊNCIAS

Mais de 500 pessoas assistiram no Grande Auditório à celebração do 113.º aniversário de CIÊNCIAS, na passada terça-feira, 23 de abril, numa cerimónia marcada por distinções, homenagens e um balanço dos últimos meses, com os olhos postos no futuro. 

Buracos negros Gaia

Um grupo de cientistas descobriu um grande buraco negro, com uma massa quase 33 vezes superior à massa do Sol, escondido na constelação de Aquila, a menos de 2000 anos-luz da Terra, ao analisar a grande quantidade de dados da missão Gaia da ESA.

Alunos com mãoes no ar num sala de aula

É possível brincar com a Matemática e prova disso foram as várias atividades que se realizaram na Faculdade nos dias 13 e 14 de março de 2024. Março foi um mês dedicado a esta ciência, motor da sociedade. Leia a opinião de quem participou nestas atividades e ainda nas Jornadas de Matemática.

robot e criança

Ecossistema de grandes modelos de linguagem de IA Generativa para a língua portuguesa foi expandido com novas versões dos modelos Albertina e Gervásio.

Participantes da 1.ª edição do JAB

A 1ª edição do JAB, um evento inovador destinado a jovens empreendedores, organizado pela JUST - Júnior Iniciativa de Ciências ocorreu nos dias 22 e 23 de março passado e teve como foco a Educação de Qualidade, quarto Objetivo de Desenvolvimento Sustentável.

Pessoas

Uma comitiva da Shanghai Ocean University (SHOU), cuja origem remonta à Escola de Pesca da Província de Jiangsu, fundada em 1912, visitou Ciências ULisboa no passado dia 25 de março. Wang Hongzhou, presidente do Conselho da universidade chinesa, elogiou o avanço da investigação realizada na Ciências ULisboa, destacando as boas práticas de gestão, interdisciplinaridade e foco na missão. Durante a ocasião, Luís Carriço, diretor da Ciências ULisboa, reconheceu a importância das relações bilaterais com a China.

Alunos dinarmarqueses junto à tabela periódica

Um grupo de 25 estudantes do ensino secundário do Egedal Gymnasium & HF, da Dinamarca, visitou a Ciências ULisboa no passado dia 21 de março.

Sala com pessoas

A “Sessão de demonstração do serviço CONNECT – Caso de uso #1, Estuário do Tejo” ocorreu no passado dia 13 de março.

Várias pessoas no stand da Fcauldade Futurália

Como já vem sendo tradição, a Ciências ULisboa esteve presente na 15.ª edição da Futurália, a maior feira de educação, formação e empregabilidade do país, que se realizou entre 20 e 23 de março, na FIL - Feira Internacional de Lisboa e que juntou muitos visitantes, especialmente candidatos ao ensino superior. A Direção da Ciências ULisboa agradece aos mais de 200 estudantes voluntários e aos cerca de 70 professores, investigadores, entre outros profissionais que se vestiram de azul para esclarecerem as dúvidas dos candidatos ao ensino superior, lançando ainda o convite para visitarem a Faculdade no próximo Dia Aberto, que se realiza no próximo dia 8 de maio e cujas inscrições podem ser feitas aqui. Até lá!

Imagem do Miguel Pires durante a competição ocorrida em videoconferência

Miguel Pires, estudante da licenciatura de Engenharia Geoespacial da Ciências ULisboa, venceu a edição portuguesa do Esri Young Scholars Award e que lhe dá a oportunidade de apresentar o seu projeto Dashboard CicLisboa no maior evento de Sistemas de Informação Geográfica a nível mundial - o Esri User Conference e a Education Summit -, ambos a decorrer no próximo mês de julho, em San Diego, na Califórnia (EUA).

Pessoa numa praia com neve

A missão da Ciências ULisboa é criar, transmitir e difundir conhecimento científico e tecnológico, promovendo uma cultura de aprendizagem permanente, valorizando o pensamento crítico e a autonomia intelectual. Nesta “casa“ todos os dias alunos, professores, investigadores, entre outros profissionais encontram motivos para cuidar do nosso planeta. Bem hajam!

Dia Internacional das Florestas 2024

Leia o testemunho de António Vaz Pato, estudante do mestrado de Biologia da Conservação e guardião da HortaFCUL, a propósito desta efeméride e assista ao vídeo que preparamos para celebrar esta data especial nas nossas redes sociais: YouTube, Facebook, LinkedIn e Instagram.

céu

João Pires Ribeiro, professor aposentado do Departamento de Física da Ciências ULisboa, faleceu dia 18 de março, em Lisboa, aos 83 anos. A Ciências ULisboa lamenta o triste acontecimento e apresenta as condolências aos seus familiares, amigos, colegas e antigos estudantes.

Tiago Oliveira, Ricardo Mendes e Alysson Bessani

A Vawlt, uma spin-off da Ciências ULisboa, conseguiu angariar 2,15 milhões de euros e três novos investidores - a Lince Capital, a Basinghall e a Beta Capital - para impulsionar ainda mais a inovação do seu produto, elevando o investimento total acumulado para os três milhões euros.

imagem da Reitoria da ULisboa

A ULisboa é uma vez mais a universidade portuguesa melhor classificada a nível nacional no SCImago Institutions Rankings (SIR), tendo subido este ano 25 posições, apesar deste ano terem sido analisadas mais 229 universidades. A ULisboa anunciou esta semana que está entre as 150 melhores instituições do mundo e a nível nacional lidera 12 áreas e 22 subáreas científicas, posicionando-se em 2.º lugar em quatro áreas e 21 subáreas.

Imagem do Cercal num portátil com pessoas desfocadas

A Ciências ULisboa já tem os primeiros resultados do trabalho científico que tem vindo a desenvolver na área onde vai ser implementada a central fotovoltaica do Cercal, em Santiago do Cacém, um estudo considerado pioneiro pela integração de tantas componentes biológicas e pelo detalhe espacial que foi usado.

imagem de uma tartaruga no oceano

Um novo estudo internacional liderado por Catarina Frazão Santos, professora da Ciências ULisboa, identifica dez elementos-chave que promovem o desenvolvimento e a implementação de processos de planeamento do uso do oceano sustentáveis, equitativos e inteligentes do ponto de vista climático em todo o mundo. O artigo científico publicado esta terça-feira, dia 12 de março, na revista do grupo Nature - npj Ocean Sustainability - foi desenvolvido por cientistas e peritos de organizações internacionais e instituições académicas de Portugal, África do Sul, Austrália, Brasil, Canadá, Chile, Estados Unidos, Itália e Reino Unido.

Várias pessoas dacomitiva do Uganda no pátio do edifício C6

Uma comitiva do Uganda visitou Ciências ULisboa no passado dia 4 de março, no âmbito do projeto ICT-4MRPQ e que visa reforçar a capacidade das instituições de ensino superior do Uganda para utilizar as TIC nos processos de gestão da qualidade do percurso de investigação dos mestrados e conceber reformas políticas para obter resultados de investigação relevantes e de elevada qualidade.

Páginas