"Aprender a comunicar ciência é um processo contínuo e nunca terminado", diz Nuno Gonçalves, finalista do 3MT ULisboa

Nuno Gonçalves

Ao longo dos últimos dias, temos dado a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que vão participar na final da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’.

Entrevistámos Nuno Gonçalves, a realizar o doutoramento no Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), que fala sobre o desafio de comunicar termos técnicos ao público e o contributo das “máquinas que criam arco-íris” na procura de planetas semelhantes à Terra. Para isso, o seu trabalho foca-se no desenvolvimento de espectrógrafos de alta resolução de luz visível com dimensões reduzidas, capazes de serem enviados para o espaço.

O que significa para ti chegar à final do 3MT ULisboa?

Nuno Gonçalves (NG) - Fiquei muito feliz com atingir esta meta no 3MT. Depois de ter conhecido alguns dos participantes, apercebi-me que todos eles e elas são muito bons comunicadores do seu trabalho. Por isso, fiquei muito feliz por ter sido um dos 12 alunos que passaram à final. Não o conseguia ter feito sem a ajuda de alguns dos meus amigos que me ouviram vezes sem conta a repetir o mesmo discurso e a darem-me feedback. Agora, estou muito focado em conseguir comunicar o meu trabalho o melhor possível para todos os presentes na final de dia 6 de junho. E assim, tentar mostrar a importância que os arco-íris podem ter para a astronomia.

O que destacas desta experiência até agora? Tens alguma curiosidade que gostasses de partilhar?

NG - Esta experiência está a ser bastante enriquecedora. Está-me a fazer pensar em como conseguir contar a história completa do meu trabalho de doutoramento. Tal como o trabalho de muitos dos meus colegas, o meu, acaba por ser acerca de "como apertar um parafuso" muito específico, parafuso este, que está inserido num tema muito grande e complexo. Por isso, quando é para comunicar o trabalho, é desafiante abstrair-me da complexidade e do jargão da área para o comunicar para o público geral de forma cientificamente correta. Participar no 3MT sem dúvida que me ajudou a crescer neste sentido e a ultrapassar algumas destas dificuldades. Se bem que, aprender a comunicar ciência é um processo contínuo e nunca terminado.


Nuno Gonçalves

No que consiste a tua investigação, que problema estás a estudar no teu doutoramento?

NG - No meu projeto de doutoramento eu trabalho com "máquinas que criam arco-íris", ou seja (e usando o jargão técnico), espectrógrafos de alta resolução de luz visível. Estas máquinas são muito importantes para os astrónomos, já que permitem criar "arco-íris" (i.e, espectros) feitos com luz de estrelas muito distantes. Os astrónomos utilizam estes espetros e conseguem descobrir se existem planetas a orbitar essa estrela e do que é que é feita a atmosfera destes planetas. Estas são informações muito importantes quando andamos à procura de um planeta como a Terra a orbitar uma estrela como o Sol. Encontrar um planeta similar ao nosso, permite-nos dar um passo em frente na demanda que é encontrar vida fora da Terra.

Hoje em dia, nós usamos estas máquinas nos grandes observatórios de astronomia, mas usa-las aqui na Terra trás algumas limitações. A nossa atmosfera bloqueia uma parte das "cores" que chegam das estrelas, e torna difícil ver as mais ténues. Por isso, se conseguíssemos usar estas "máquinas de arco-íris" para lá da nossa atmosfera, contornaríamos esta dificuldade. No entanto, estas máquinas são muito grandes e complexas, por isso dificilmente as conseguíamos meter num satélite e enviar para o espaço. É aqui que entra o meu trabalho de doutoramento. Eu estou a dar os primeiros passos de como diminuir o tamanho destas máquinas. Para isso, tive que estudar as que já funcionam aqui na Terra e descobrir os parâmetros críticos para as suas capacidades óticas e dimensões. Com base nestes parâmetros, extrapolei-os para um novo desenho de uma "máquina de arco-íris", de forma a que esta consiga fazer o "mesmo trabalho" que as máquinas cá na Terra, mas cabendo num espaço muito mais pequeno. Desta forma, conseguimos pegar nestas novas máquinas e mandá-las para o espaço.

Que mensagem gostarias de deixar a outros estudantes de CIÊNCIAS que estejam a ponderar participar no futuro?

NG - Acho que comunicar ciência é uma parte fundamental do trabalho de qualquer cientista. Comunicar, torna-nos melhores alunos, investigadores e, sobretudo, professores. Penso que sirva de pouco realizarmos ciência de ponta se não a conseguirmos transmitir aos nossos pares, a colegas de áreas diferentes e, sobretudo, ao resto da sociedade civil. Aconselho vivamente a todos os meus colegas a abraçarem o desafio do 3MT. Acho que pela formação de comunicação, já vale a pena a experiência, pois ganhamos umas "luzes" do que deveremos fazer para comunicar o nosso trabalho. Se abraçarmos convictamente o desafio, poderemos ter uma oportunidade de sair da nossa zona de conforto e expor o nosso trabalho para uma plateia maior que o nosso grupo de trabalho diário. E assim, aos poucos, tornar-nos melhores comunicadores e melhores cientistas.

A final da competição terá lugar amanhã, dia 6 de junho, às 17h00, no Museu Nacional de História Natural e da Ciência. Sabe mais sobre os finalistas já destacados: Ana Santos, Francisco Azevedo e Silva e Inês Ventura.

Marta Daniela Santos, Gabinete de Comunicação de Ciência da DCI CIÊNCIAS
mddsantos@ciencias.ulisboa.pt
Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ), com vista à cooperação científica em várias áreas de interesse comum.

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Dia Nacional dos Cientistas - 16 de maio

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído em 2016 por Resolução da Assembleia da República com o objetivo de reconhecer e celebrar a contribuição vital dos cientistas para o progresso da sociedade.

CIÊNCIAS e OKEANOS em parceria para monitorizar biodiversidade e alterações dos ecossistemas marinhos

Projeto internacional SEAGHOSTS visa a monitorização e conservação das populações de painhos, as aves marinhas mais pequenas do planeta.

Reitoria da ULisboa

O CWUR 2024 avaliou de entre 20.966 instituições de ensino superior e atribuiu à ULisboa o 211.º lugar (top 1.1%) e a 80.ª posição no panorama europeu.

Páginas