Opinião

Em homenagem a Ricardo Augusto Quadrado


Ricardo Quadrado

Faleceu recentemente, com 95 anos, Ricardo Augusto Quadrado. Foi um professor de Cristalografia e Mineralogia da FCUL, e da Universidade da Madeira, extremamente marcante para quantos tiveram o privilégio de com ele privar. Operações de simetria, teoremas de interdependência, da resolução de triângulos esféricos e de tantos outros “bichos-de-sete-cabeças” com que eram confrontados, logo no seu 1.º ano, os alunos da licenciatura em Geologia. Apesar da aparente complexidade destas matérias, muitos foram conquistados pelo raciocínio matemático e rigoroso de Ricardo Quadrado e descobriram a beleza e simplicidade da simetria dos minerais. Alguns desses discípulos viriam a ser, anos mais tarde, seus seguidores nesta mesma Escola.

Mas com ele aprendemos muito mais que Cristalografia e Mineralogia.

Ricardo Quadrado licenciou-se em Matemática em 1947/1948, e posteriormente em Engenharia Geográfica e Geologia. Estagiou como engenheiro na mina da Panasqueira, nos anos 1950, e foi convidado para assistente por Carlos Torre de Assunção em 1957. Doutorou-se em Cristalografia, em Madrid, através de uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian de 1962 a 1967. Em 1975 alcança a categoria de professor extraordinário, em 1980 a de professor catedrático. Jubilou-se, por limite de idade, em 1990, mas continuou a leccionar, graciosamente, durante alguns anos ainda. Foi militante do MUD Juvenil, nos anos quarenta, o que lhe valeu dissabores com a poderosa PIDE.

Ricardo Quadrado foi um professor quase obcecado pela importância de compreender os assuntos a fundo. Era capaz de passar semanas pesquisando livros e mais livros até compreender um determinado tópico, ou até concluir que este ou aquele estavam errados. A sua atitude crítica e exigente ajudaram-nos muito a prosseguir a busca da essência dos conceitos, e a tentar transmiti-la a outros.

Foi um transmontano “rijo”, de bondade e generosidade inexcedíveis, sempre pronto a defender os fracos e os desprotegidos. Com ele aprendemos também o valor da honestidade científica. Um dia trouxe para a aula um grosso volume de enciclopédia, e leu uma descrição cristalográfica. No fim disse: “Isto está errado. E estou à vontade para o afirmar, pois o autor sou eu. Quando escrevi este artigo sabia pouco acerca do assunto”. Acrescente-se que Ricardo Quadrado é (e já então era) licenciado em Geologia, Engenharia Geográfica e Matemática, e doutorado em Cristalografia. Aprendemos que é normal não saber tudo e que é importante ensinarmos o que sabemos, não o que não sabemos.

Muitos de nós fomos alunos de Ricardo Quadrado durante a ditadura. Nessa época era muito arriscado enfrentar o regime. Ricardo Quadrado salientou-se muito neste aspecto, dando exemplo de alguém que preferiu ser vítima de perseguições e injustiças a prescindir das suas convicções e ideais. Aprendemos que há alturas em que temos que nos bater pelos nossos valores, mesmo que isso nos acarrete consequências indesejáveis.

Ricardo Quadrado foi um grande professor, sobretudo por transbordar de conhecimento, por saber ouvir e saber dialogar. Estava sempre pronto a explicar. Os seus exames orais ficaram conhecidos pelo muito que neles se aprendia.

O respeito e amizade entre professores e alunos é bem conhecido na Geologia, em parte devido aos laços criados durante os trabalhos de campo. Ricardo Quadrado contribuiu muito para o estabelecimento de um altíssimo padrão de respeito pelos alunos, quer no trato directo, quer ao defender os direitos dos estudantes nos mais variados areópagos.

Ricardo Quadrado deixou uma marca muito forte no “GeoFCUL”, sobretudo na memória e forma de estar de inúmeros estudantes e dos actuais professores. Compete-nos continuar e transmitir o muito de excelente que dele herdámos.

Nota da redação: os autores não seguem o atual Acordo Ortográfico.

Fernando Barriga e Isabel Costa, Departamento de Geologia de Ciências
Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ), com vista à cooperação científica em várias áreas de interesse comum.

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Dia Nacional dos Cientistas - 16 de maio

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído em 2016 por Resolução da Assembleia da República com o objetivo de reconhecer e celebrar a contribuição vital dos cientistas para o progresso da sociedade.

CIÊNCIAS e OKEANOS em parceria para monitorizar biodiversidade e alterações dos ecossistemas marinhos

Projeto internacional SEAGHOSTS visa a monitorização e conservação das populações de painhos, as aves marinhas mais pequenas do planeta.

Reitoria da ULisboa

O CWUR 2024 avaliou de entre 20.966 instituições de ensino superior e atribuiu à ULisboa o 211.º lugar (top 1.1%) e a 80.ª posição no panorama europeu.

Páginas