“No fim, somos Atlântico e somos Portugal”

Última aula do professor Jorge Miguel Miranda decorreu no dia 26 de maio

Miguel Miranda e a plateia

Assistiram à lição de jubilação vários amigos, colegas e familiares de Miguel Miranda, assim como antigos e atuais governantes

DCI Ciências ULisboa

O professor e geofísico Jorge Miguel Miranda deu a sua última aula na passada sexta-feira, e despediu-se do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), laboratório do Estado que presidiu nos últimos dez anos.

A Lição de Jubilação "Política e Ciências - Renascimento das Ciências Naturais” decorreu no dia 26 de maio no Grande Auditório da Faculdade, sob o olhar atento de uma plateia de colegas da Faculdade e do mundo da ciência, antigos e atuais governantes assim como vários amigos.

Na assistência, entre os antigos governantes estavam Ana Paula Vitorino, Assunção Cristas, Eduardo Cabrita, Manuel Pinto de Abreu e Ricardo Serrão Santos. Dos atuais governantes marcaram presença António Costa Silva, ministro da Economia e do Mar; Elvira Fortunato, ministra da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior; José Luís Carneiro, ministro da Administração Interna; José Maria Costa, secretário de Estado do Mar; e Maria do Céu Antunes, ministra da Agricultura. Estiveram também presentes José Manuel da Costa, presidente da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil; Rita Faden, presidente da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento; e Luís Ferreira, reitor da ULisboa.

imagens do evento
A reportagem fotográfica do acontecimento está disponível na página de Facebook da Faculdade.
Fonte DCI Ciências ULisboa

Após as palavras do Diretor da Faculdade, que agradeceu em nome de todos os presentes “tudo o que Miguel Miranda fez por nós, e pela forma como influenciou as nossas vidas”, Miguel Miranda iniciou a sua intervenção fazendo um breve historial dos laboratórios do Estado e da formação do IPMA, prosseguindo partilhando parte da sua experiência neste instituto, ao longo dos últimos dez anos.

Das experiências marcantes destacou, entre outras, os fogos de 2017, o furacão Lorenzo de 2019 e as cheias de dezembro de 2022, fenómenos extremos que atingiram Portugal e cujas crises teve a responsabilidade de gerir enquanto presidente do IPMA. Explicou que, casos como estes, nos quais estão presentes grandes quantidades de energia na atmosfera, “não são suscetíveis de nenhum tipo de preparação, não é possível, não estamos imunes a riscos, vão haver sempre vítimas e prejuízos – o nosso trabalho é minimizá-los”. Acrescentou que no contexto atual está a ser feita pouca adaptação, no que toca à gestão de territórios e pessoas, para tanta emergência.

Destacou o papel de “mediador honesto” que deve ter o IPMA, assim como todos os laboratórios do Estado, no estudo, estabelecimento de cenários e produção de pareceres em resultado da opinião de vários agentes, permitindo encaminhar os decisores políticos para a melhor decisão possível a tomar.

Neste âmbito, apontou como um problema a desorçamentação generalizada a que se tem assistido por parte das universidades e comunidade científica, passando os recursos para organizações mais flexíveis, de direito privado, com mais capacidade para executar a investigação, mas menos controle e vantagens do que o Estado. Com algumas críticas à administração pública e ao desinvestimento sucessivo nos laboratórios do Estado, Miguel Miranda afirma que a desorçamentação nas organizações é errada, e deve acabar.

O assunto teve destaque no Público e no Observador.

A última parte da lição incidiu sobre a necessidade de valorizar mais as ciências naturais na resolução dos problemas ambientais, para além da engenharia e da tecnologia.

Destacou o crescimento insustentável da humanidade - 97% da biomassa de mamíferos da Terra corresponde ao Homem e aos animais domésticos, restando apenas 3% para os animais selvagens. “Temos que repor uma parte do equilíbrio, tomar algumas medidas para reverter a situação, que envolvem uma nova relação homem-natureza; não podemos ficar à espera que a natureza recupere o equilíbrio por si só”, diz, em entrevista à RTP.

É urgente repor o meio natural e os ecossistemas, sendo que este objetivo “tem que se tornar a prioridade da humanidade”, e que “só será possível cumprir se todos fizerem parte da solução”.

Miguel Miranda concluiu dizendo: “Quando olhamos para a nossa comunidade, nós podemos dizer que somos melhores que alguns em muitas áreas, melhores que todos em algumas (poucas) áreas, mas no fim, para o bem e para o mal, somos Atlântico e somos Portugal”.

O professor catedrático da Ciências ULisboa e presidente do IPMA desde 2013, Miguel Miranda, despediu-se assim da universidade e de uma década na presidência daquele instituto – o laboratório do Estado incumbido de zelar no país por áreas tão diversas como a meteorologia, o clima, os sismos, os tsunamis ou a avaliação de recursos da pesca.

 

Marta Tavares, Gabinete de Jornalismo Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Jubilação de Jorge Miguel Miranda
Branca Edmée Marques, cientista alumna de CIÊNCIAS

Branca Edmée Marques, alumna de CIÊNCIAS, será homenageada no dia 20 de junho pelos Museus da Universidade de Lisboa

Margarida Fortes, docente do Departamento de Biologia Vegetal de CIÊNCIAS dá uma aula em frente a um quadro com uma projeção imagética

Margarida Fortes, professora de CIÊNCIAS, visitou a Escola Secundária de Carcavelos para dar uma aula acerca da edição genética.

Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ), com vista à cooperação científica em várias áreas de interesse comum.

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Dia Nacional dos Cientistas - 16 de maio

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído em 2016 por Resolução da Assembleia da República com o objetivo de reconhecer e celebrar a contribuição vital dos cientistas para o progresso da sociedade.

Páginas