No Campus com Helder Coelho

Emprego na Informática

Helder Coelho

Sabemos que o emprego dos informáticos está de novo em alta, mas com salários mais baixos. Não sabemos por quanto tempo, pois a incerteza tem pairado sobre o planeta como uma sombra ameaçadora [caso do Médio Oriente, mudanças na China, e nos países emergentes (Brasil, Angola, Rússia), em dificuldades por causa do preço do petróleo]. Ao mergulharmos nesta nova (quarta) revolução industrial, caraterizada pela fusão de tecnologias vindas das esferas física, digital e biológica, e também pelas assimetrias com a quantidade de riqueza produzida, o que está em discussão (veja-se o Forum de Davos) é a sua distribuição justa e isso tem a ver com a natureza do trabalho e as competências dos trabalhadores.

Nos últimos anos a saída de quadros superiores seniores e de cientistas, de Portugal, acompanhou uma grande vaga de emigração, sobretudo para a Europa (Reino Unido, Alemanha e Luxemburgo, mas também Noruega e França). Ao mesmo tempo o sector das startups, nas TIC, ganhou espaço em toda a parte (veja-se a revista Wired UK), e também em Portugal, e alguns exemplos são já promissores: Talkdesk, Muzzley, Uniplaces, Farfetch, Veniam, Seedrs, Feedzai, Mobizy, Musikki, ou Zaask. Algumas foram adquiridas ou deslocadas para fora do país (MobiComp de Carlos Oliveira adquirida em 2008 pela Microsoft, Mint de Paulo Rodrigues em Barcelona), e outras desapareceram (Ydreams de António Câmara) por causa de dificuldades financeiras.

Cinco zonas, ao longo da costa atlântica, têm-se destacado (Braga, Porto, Aveiro, Coimbra e Lisboa), com as universidades a assumirem um papel na incubação de ideias (por exemplo no Tec Labs da FCUL, UniNova no Monte da Caparica), no acolhimento de grupos e no amparo inicial de projetos. Algumas empresas como a SISCOG, Novabase, Altitude e Critical (de Gonçalo Quadros) ganharam espaço e cresceram internacionalmente (o grupo Critical incluiu a Critical Manufacturing, a Watchful Software, a Critical Links, a Critical Health, a Critical Materials, a iTGrow e a Oncaring). Outras estabilizaram, organizaram-se melhor, fortaleceram-se e preparam-se para novos alvos.

A COTEC (o programa COHiTEC apoiou 151 projetos e gerou 26 startups de base tecnológica que atraíram 35 milhões de euros em investimentos) tem acompanhado este processo, estimulando a inovação. A FCT, após um trabalho meritório, durante a governação da Ciência pelo professor Mariano Gago, perdeu cerca de 20% do orçamento e reduziu a fatia do PIB de 1.6% para 1.3% nos últimos quatro anos, levando à quase destruição da massa crítica de muitos grupos e a um desânimo geral de toda a comunidade de TIC (a administração da FCT desinvestiu na Informática e investiu fortemente no sector da saúde). Essa mudança na política da ciência deve ser analisada com cuidado.

Como se faz uma empresa? Não existe nenhuma fórmula milagrosa, mas os casos de estudo apontam para a experimentação na universidade, nas unidades curriculares (pequenos projetos), nos trabalhos de mestrado ou mesmo de doutoramento como propícios para um estudante, ou um grupo, arriscar a montar as suas ideias como se fosse numa fase de pré-incubação, eventualmente, nas unidades de I&DE como o Lasige e o LabMAg (agora BioIsi grupo MAS).

Vejamos um exemplo norte-americano do MIT. Todd Zion, engenheiro químico abandonou o seu emprego na Eastman Kodak em 1999 e inscreveu-se no programa de doutoramento do MIT com a ideia de fazer um remédio inteligente (insulina autorregulável) para a diabetes. Em vez de seguir o velho processo do desenvolvimento orientado por objetivos, escolheu um método clássico, da Inteligência Artificial, conhecido por tentativa e erro e obteve melhores resultados. Adotou a engenharia molecular (nanoescala), e, ao fim de quatro anos, a sua insulina inteligente permitiu criar uma empresa SmartCells, e, através da persistência e do controle dos efeitos colaterais, foi descoberto pela gigante farmacêutica Merck, em 2010, que a comprou. No fim de 2014, o remédio estava a ser analisado do ponto de vista animal, fase prévia à sua aprovação nos EUA e consequente à entrada no circuito comercial.

Na FCUL alguns casos têm sido acarinhados como a Vectr Labs e a Science4You. Outros casos têm tido um progresso autónomo, como a GameWhizzes (de Alexandre Ribeiro e responsável pelo jogo Fangz, que esteve no top 1 da lista da Loja Apple), a etNos (de Henrique Vaz) e a Unbabel (de Vasco Pedro).

Que perfil deve ter um profissional no momento atual (e futuro), caraterizados pela falta de certeza nas mudanças e pelo trabalho globalizado e sujeito a pressões várias? Que vantagens competitivas podem construir? As competências digitais mais procuradas [Expresso Emprego de 16 de janeiro 2016: barómetro do momento (2015), segundo a Linkedin, das tendências de contratação] são: cloud and distributed computing, análise estatística e data mining, integração de software, mobile development, segurança de redes e de informação, gestão de sistemas de armazenamento, arquitetura web e desenvolvimento de redes, user interfaces design, e design de algoritmos. Mas será que um profissional se deve apenas preocupar com as formações tradicionais, baseadas em competências técnicas adquiridas nos cursos universitários? É claro que não, e as universidades vêm desde há algum tempo alertando os estudantes para as capacidades de agilidade intelectual, as competências emocionais e criativas (não existe inovação sem criatividade), que vejam as coisas de outros ângulos (pensar diferente, fora da caixa) e que fujam às rotinas.

Certos caça-talentos vão ainda mais longe e aconselham a feitura de um plano de marketing pessoal (criar uma imagem de si próprio), uma rede de contactos, e, ainda, ser estratégico (construir a carreira com marcas que sejam boas para, mais à frente, poderem ajudar e beneficiar o candidato a ter êxito). Isto quer dizer que o espaço universitário precisa de agentes mais interventores. Pensem um pouco sobre o que isto quer dizer.

Helder Coelho, professor do Departamento de Informática de Ciências
Logotipo Radar

O primeiro Radar Tec Labs de 2021, dedicado às atividades do Centro de Inovação da Faculdade, tem como empresa em destaque a Delta Soluções.

José Artur Martinho Simões

A ideia para esta entrevista surgiu na sequência da publicação do livro "A Anatomia das Moléculas", de José Artur Martinho Simões, pela Imprensa da ULisboa. É um livro curto que numa linguagem simples, precisa e atraente, acompanhada de muitas imagens, nos dá a conhecer o admirável mundo das moléculas, as suas propriedades, ligações e reações.

Pessoa a tomar notas num caderno

Desde que o atual site da Faculdade foi lançado, há cerca de nove anos, foram publicados 1800 géneros jornalísticos relacionados com o ensino, a investigação e a transferência do conhecimento e da inovação nas áreas das ciências exatas e naturais e das tecnociências. Em 2020 publicamos 144 géneros jornalísticos, no ano anterior 121. Este mês demos visibilidade a mais de uma mão cheia de assuntos diferentes.

Capa do livro de Rui Pita Perdigão

Rui Pita Perdigão, recentemente eleito membro correspondente de Física da Academia de Ciências de Lisboa, realça o que sentiu ao receber esta distinção e escreve sobre a “nova área da Física” que semeou na sua cátedra interuniversitária.

Rui Pita Perdigão numa sala da aula

“Rui Pita Perdigão é um cientista e professor com um excelente currículo, tanto a nível científico como de ensino, inovação pedagógica e gestão universitária”, declara a Academia.

Monitor com gráfico

Um artigo da autoria de investigadores do Centro de Estatística e Aplicações da Universidade de Lisboa - Luzia Gonçalves, Maria Antónia Amaral Turkman, Carlos Geraldes, Tiago A. Marques e Lisete Sousa - chama a atenção para o uso de forma incorreta de modelos estatísticos, evidenciado durante a pandemia da COVID-19. 

Campus Ciências ULisboa

A Universidade de Stanford divulgou uma lista com os principais cientistas mais citados do mundo em várias áreas científicas. Portugal está representado com 385 cientistas afiliados a instituições portuguesas, 104 são profissionais afiliados a faculdades ou institutos da ULisboa.Ciências ULisboa está representada nesta lista com 14 cientistas.

CGD/MATHFCUL vai participar na final nacional do GMC 2020

A CGD/MATHFCUL participa na final nacional do Global Management Challenge 2020. A 41.ª final nacional do GMC decorre a 15 de março, os resultados serão anunciados a 16 de março de 2021. A equipa vencedora nacional da edição 2020 vai representar Portugal na final internacional.

Pormenor da radiogaláxia gigante MGTC J095959.63+024608.6, detetada com o radiotelescópio MeerKAT

A descoberta de duas novas galáxias gigantes na emissão no rádio sugere que muitas mais destas estruturas impressionantes estarão prestes a revelar-se, segundo um estudo internacional que contou com a colaboração do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço.

Agregação amilóide na doença de Alzheimer e mecanismos neuronais de proteção

“Estou muito grato por este reconhecimento que nos impele a fazer mais e melhor”, conta Cláudio M. Gomes, a propósito da menção honrosa que recebeu no âmbito dos Prémios Científicos Universidade de Lisboa/Caixa Geral de Depósitos 2019.

Reunião de coconstrução das Rotas da Caravana AgroEcológica no Instituto Politécnico de Viseu, em janeiro de 2020

A Caravana AgroEcológica é um projeto participativo criado pelo grupo de investigação MITE2 do cE3c, Ciências ULisboa com o objetivo de aproximar produtores, consumidores e investigadores através da agroecologia. A CA desenvolve atualmente cinco iniciativas paralelas.

European Mathematical Society

Jorge Buescu, professor do Departamento de Matemática da Ciências ULisboa, é vice-presidente da European Mathematical Society (EMS). É a primeira vez que um português é eleito vice-presidente da EMS. O mandato de Jorge Buescu começa em janeiro deste ano e termina no final de 2024.

Oceano

A redução de oxigénio nos oceanos é o fator com mais impacto negativo nos organismos marinhos. Esta é a principal conclusão de um estudo publicado na revista Nature Ecology and Evolution, liderado por membros do Laboratório Marítimo da Guia do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente, polo da Ciências ULisboa, segundo comunicado de imprensa emitido esta segunda-feira.

Modelo digital de superfície da duna de Porto Santo, com evidência da perturbação da duna frontal atualmente sujeita a deflação eólica

Ciências ULisboa integra o consórcio do projeto LIFE DUNAS que prevê a requalificação e restauro da morfologia dunar na praia do Porto Santo, Madeira, no âmbito do programa LIFE Climate Change Adaptation. Ana Nobre Silva é responsável deste projeto na Faculdade.

Polvo e peixes

Um grupo de investigadores do Laboratório Marítimo da Guia do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE), polo da Ciências ULisboa e do Max Planck Institute of Animal Behavior relatam vários eventos de diferentes polvos (Octopus cyanea) deslocando peixes com um “soco” ou “murro”, isto é, um movimento explosivo e direto com um braço.

Jovem a ler um livro perto de uma janela

Conhece a Técnica do Pomadoro? Esta prática monitoriza o estudo, garantindo períodos de alta produtividade e concentração. Leia as dicas de João Oliveira, estagiário no GAPsi Ciências ULisboa, sobre como gerir as distrações e manter a organização.

Logotipo Radar

Décima primeira rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade.

Vídeochamada com membros do ATP no complexo interdisciplinar a partir do KITP, na Califórnia, em abril de 2014

Alumnus Vítor V. Vasconcelos: Galardoado com Prémio Bragança Gil pretende aplicar conceitos e métodos da Física aos sistemas sociais.

O Instituto de Biossistemas e Ciências integrativas (BioISI), unidade de investigação sediada na Faculdade, promoveu no passado dia 26 de novembro um encontro científico para apresentar e partilhar os seus últimos projetos, resultados científicos e colaborações.

Telemóvel e teclado

Uma mudança cultural e a criação de uma nova mentalidade na conceção de ferramentas para atividades profissionais e privadas para todos os cidadãos europeus, na posse das suas totais capacidades ou com alguma limitação, é o objetivo da ação LEAD-ME COST, que tem Carlos Duarte, professor do Departamento de Informática, investigador do LASIGE Ciências ULisboa, como membro do comité de gestão desta ação.

Crianças invisuais, a interagir com adaptações e novos ambientes de programação

Professores, investigadores e alunos da Ciências ULisboa estão a estudar e desenvolver novos ambientes de programação inclusiva para crianças no LASIGE.

Oceano e costa

O Conselho Europeu de Investigação atribuiu recentemente uma bolsa Synergy no valor de 10,4 milhões de euros ao projeto 4-OCEANS, liderado por Cristina Brito, professora do Departamento de História e investigadora do Centro de Humanidades da Faculdade de Ciências Sociais Humanas da Universidade Nova de Lisboa, antiga aluna da Ciências ULisboa.

Biblioteca e livros

2020 é um ano que ficará para a história por muitas razões relacionadas com a pandemia, mas também pelos avanços registados na ciência que estuda os fotões, particularmente na fotónica linear e não linear e cujos estudos foram publicados na Nature, Nature Photonics e Science e contaram com a colaboração teórica de Vladimir Konotop, professor do Departamento de Física e investigador do Centro de Física Teórica e Computacional da Ciências ULisboa.

Pormenor da capa do livro

O livro “Alterações Climáticas Desafios para Portugal depois do Acordo de Paris” pretende mostrar a diversidade temática associada ao problema das alterações climáticas, e fornecer ao leitor interessado uma fonte acessível e em português, que lhe permita ficar a par dos desenvolvimentos mais recentes nas diferentes áreas abordadas.

Telhados fotovoltaicos

Definir um modelo genérico de laboratório vivo para as universidades - Living Lab Universitário -, adaptável ao resto da sociedade, é o grande objetivo do projeto europeu TR@NSNET, que junta em consórcio a Ciências ULisboa, a Universidade da Beira Interior, a Université Toulouse III Paul Sabatier (UT3), a Université de La Rochelle, ambas em França e a Universidad Politecnica de Madrid, em Espanha.

Páginas