Personalidades em Ciências

“Physical Tourist in Lisbon”

Em Portugal há lugar para um turismo de cariz científico. Há cerca de quatro anos, Ana Simões foi convidada a escrever para a rubrica Physical Tourist da revista americana “Physics in Perspective”, uma publicação de História das Ciências dirigida essencialmente aos professores do ensino secundário. O artigo “Physical Tourist in Lisbon” assinado por Ana Simões, juntamente com outras duas colegas, já foi aprovado pelos editores da revista e deverá ser publicado até ao final do ano. Os percursos pedestres sugeridos pelas autoras podem ser realizados em dois dias, tendo como ponto de partida a Estátua do Fernando Pessoa, no Chiado. Caso a candidatura portuguesa à organização do próximo congresso da European Society for the History of Science saia vencedora, quem sabe se em 2014 os congressistas não irão poder efetuar este roteiro!

Um destes dias a professora e investigadora Ana Simões trará às instalações da FCUL um historiador da Química para apresentar a obra “Neither Physics nor Chemistry: A History of Quantum Chemistry”, um livro escrito em colaboração com Kostas Gavroglu, professor de História das Ciências da Universidade de Atenas, na Grécia, desde 1994.

“É mais do que uma ideia”, comenta a docente da Secção Autónoma de História e Filosofia das Ciências da FCUL e coordenadora do Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia, uma unidade de investigação que tem como instituições de acolhimento a FCUL e a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa.

Em entrevista, a historiadora das ciências, nascida a 13 de outubro de 1958, dá-nos a conhecer este último trabalho, publicado em outubro passado pelo MIT Press. “Neither Physics nor Chemistry: A History of Quantum Chemistry” não existe nas livrarias portuguesas, mas pode ser encomendado pela Amazon. O livro, redigido em cerca de dois anos, reflete o trabalho desenvolvido pelos investigadores nos últimos 18 anos. Ana Simões diz que se trata de “um livro que não é propriamente muito fácil de ler porque estamos a tratar de uma disciplina que é complexa, que usa muito o formalismo matemático da mecânica quântica. Escrevemos o livro praticamente sem equações. A temática é relativamente circunscrita e técnica”. Outro “megaprojeto” de Ana Simões com Kostas Gavroglu consiste na escrita de um livro dedicado às relações entre a Química e a Matemática, procurando perceber qual foi o papel que a Matemática e a matematização tiveram na Química.

A antiga aluna de Física, professora na Faculdade de Ciências desde 1982, dedica muito do seu tempo à História da Ciência em Portugal. No final do verão espera finalizar, juntamente com outros quatro colegas, um livro sobre a história da Faculdade de Ciências, desde a sua criação até à Democracia. Para além desta obra, Ana Simões também participou recentemente noutro  livro sobre a história da UL,  consagrado à universidade contemporânea, séculos XIX e XX e que, em conjunto com outro sobre a universidade medieval, deverão ser apresentados publicamente num futuro muito próximo.

A história da FCUL é singular, mas pouco conhecida, por isso, projetos como estes assumem particular importância. Para Ana Simões, “um trabalho que reflita sobre o passado de uma instituição, ou o passado da ciência em Lisboa ou em Portugal, é sempre algo de muito importante para repensarmos o nosso trajeto e até é, do meu ponto de vista, importante para percebermos o momento presente, projetarmos o futuro e percebermos que há muitas questões que vão reaparecendo”, como por exemplo, as coligações e conflitos entre faculdades, um tema tão na ordem do dia e igualmente presente na génese da Faculdade de Ciências.

A preservação e divulgação do património científico português tem grande importância na vida da antiga aluna da licenciatura de Física da FCUL, mais tarde estudante de doutoramento em História, com especialização em História e Filosofia das Ciências, na Universidade de Maryland em College Park, nos EUA. Inclusivamente, Ana Simões, bem como outros colegas, têm escrito alguns papers usando os arquivos dos Museu Nacional de História Natural e da Ciência e do Observatório Astronómico de Lisboa. O espólio patrimonial destas instituições é, de facto, uma mais-valia para a História das Ciências em Portugal. Recentemente, o reitor da UL, António Sampaio da Nóvoa, recebeu o título de membro honorário da Universeum – European Academic Heritage Network, uma rede reconhecida pelo Conselho Europeu e que procura valorizar o património científico, museológico, monumental, botânico e arquivístico das universidades europeias.

Com mais de 90 publicações no currículo, a professora da FCUL coordenou juntamente com o colega Henrique Leitão a coleção História e Filosofia das Ciências, publicada pela Porto Editora e entretanto encerrada. Esta coleção integra 14 volumes de traduções de livros importantes para a História das Ciências, como é o caso de “Galileu, Cortesão”, de Mario Biagioli, traduzido por Ana Sampaio e que recebeu a esse propósito uma menção honrosa na 15.ª edição do Prémio de Tradução Científica e Técnica em Língua Portuguesa.

Outro volume incluído nesta prestigiada coleção é a obra “Cidadão do Mundo. Uma Biografia Científica do Abade Correia da Serra”. A obra escrita por Ana Simões, Maria Paula Diogo e Ana Carneiro sobre o naturalista e um dos fundadores da Academia das Ciências foi traduzida recentemente para Inglês, pela Universidade de Califórnia, Berkeley, uma opção que teve em consideração as relações entre o cientista português e os primeiros presidentes americanos. O encerramento da coleção História e Filosofia das Ciências foi determinado pelo limitado número de vendas. Ana Simões acredita que existe público para estes livros e que as editoras devem continuar a investir neste tipo de edições, apostando fortemente na divulgação das obras. “Estes livros não tinham grande saída porque eu acho que eles não tinham grande visibilidade”, conclui. Segundo a direção editorial da Porto Editora, “a decisão de não dar continuidade à coleção demorou algum tempo e foi difícil de tomar”. A empresa fundada em 1944 explica que enfrentou dificuldades em rentabilizar a coleção devido, sobretudo, à pequena dimensão do mercado português e aos elevados investimentos a que este tipo de publicações obriga. Para a direção editorial daquela sociedade por quotas: “estes aspetos foram sendo agravados pelo recurso frequente a fotocópias e à facilidade com que os alunos portugueses leem textos em língua estrangeira, preferindo nalguns casos as edições originais às traduções, mesmo que muito cuidadas e de grande qualidade, como é o caso das da coleção História e Filosofia das Ciências”.

Ana Subtil Simões, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciencias@fc.ul.pt
CAP

A 8.ª conferência Communicating Astronomy with the Public, ocorrida em março, no Japão, juntou mais de 450 comunicadores de ciência, de 53 países. João Retrê, do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço foi um deles.

relógio solar

“O que é o Planeta Terra?” foi a questão que marcou o início dos workshops “Relógio Solar” e “Robot/Pintor” que decorreram no passado dia 9 de abril na Faculdade de Ciências e que contaram com a participação de 15 alunos do Colégio da Beloura em Sintra com idades entre os 4 e os 5 anos.

Rosto do investigador

O prémio é concedido pelos editores do Journal of Coordination Chemistry a um jovem químico, autor do melhor artigo do ano. Pela primeira vez é atribuído a um português, no âmbito de um trabalho realizado por investigadores da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, nomeadamente no Centro de Química e Bioquímica e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas .

Célia Lee

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de abril é com Célia Lee, que trabalha no suporte à investigação e à prestação de serviços no Instituto Dom Luiz.

 BARCOSOLAR.EU

Sara Freitas, doutoranda de Sistemas Sustentáveis de Energia, colabora no Festival Solar Lisboa, que acontece em maio e inclui muitas atividades gratuitas, tais como passeios num catamarã solar, semelhantes aos que ocorreram em abril no Parque das Nações e que contaram com a presença do grupo Energy Transition do Instituto Dom Luiz.

Erica Sá, bióloga, bolseira e membro da equipa do MARE, faleceu dia 11 de abril, aos 36 anos. A Faculdade lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

Centro de Dados da FCUL

"Wittgenstein coloca (em 1934) a pergunta “Pode uma máquina pensar?”, 16 anos antes de Alan Turing (no artigo “Computing Machinery and Intelligence” da revista Mind, novembro, 1950). E, essa especulação feita no campo da Filosofia tem um significado interessante nos dias de hoje, aparecendo como uma previsão significativa (Oliveira, 2017)", escreve Helder Coelho em mais um ensaio.

Imagem da Orion A

A missão Gaia dedica-se a observar estrelas. A sua finalidade é mapear a Via Láctea em 3D. O primeiro lançamento de dados ocorreu em 2016. O próximo acontece a 25 de abril e corresponde à primeira entrega com distâncias, velocidades e vários outros parâmetros astrofísicos para a maioria das estrelas.

Trabalho em Bio Hacking

Ciências colabora com o módulo Bio Hacking na iniciativa Young Creators 2018. Esta é a segunda vez que a Faculdade integra o projeto.

Equipa de trabalho CEAUL

O Centro de Estatística e Aplicações da Universidade de Lisboa realizou o seu primeiro workshop no dia 17 de março.

Homem a espreguiçar

Sabendo que no nosso dia-a-dia, por motivos laborais ou outros, ficamos sentados muito tempo, que medidas deveremos tomar para minimizar os seus efeitos?

Pormenor da Lua

Martin Schilller e Martin Bizzarro, investigadores da Universidade de Copenhaga, na Dinamarca e Vera Assis Fernandes, investigadora do Museu de História Natural de Berlim, na Alemanha e colaboradora do Instituto Dom Luiz, desafiam a teoria dominante sobre a formação dos corpos planetários do sistema solar e a própria origem do sistema Terra - Lua.

Conceção artística de um exoplaneta a passar (transitar) em frente da sua estrela

A missão Ariel tem como objetivo descrever as atmosferas dos exoplanetas. A equipa de investigação é composta por 12 investigadores, sete deles têm ligação a Ciências.

Imagem de motivação

Uma das formas de lidar com a ansiedade e o medo é ganhar perspetiva.

Rosto de Henrique Cabral

Nesta fotolegenda destacamos uma passagem da entrevista com o biólogo Henrique Cabral e que pode ser ouvida no canal YouTube e na área multimédia deste site.

Edifício C2

A primeira reunião do projeto PROSEU “PROSumers for the Energy Union: mainstreaming active participation of citizens in the energy transition”, financiado pelo Horizonte 2020 e com a duração de três anos, realiza-se no campus de Ciências, nos dias 22 e 23 de março.

Carrinho

Dez empresas discutem os últimos avanços no sector da mobilidade sustentável.

Sala de aulas

Parece razoável inferir que queremos ter estudantes que saibam como aprender e que conheçam como descobrir a informação que precisam a partir de uma variedade de fontes.

Papel ardido

Saí da FCUL ao fim da tarde rumo ao meu fim de semana. Para trás ficou um edifício imponente a fervilhar de vida, e ao mesmo tempo já a minha casa! A casa que nos ampara, nos ensina e, a mim, permitia uma entrada num mundo tão fortemente diferente do vivido por mim noutro lugar.

Pessoas na Politécnica recuperam objetos no rescaldo do incêndio

Ainda durante o rescaldo do incêndio iniciaram-se as operações de salvamento e recuperação do que ainda fosse possível salvar e recuperar.

Imagem abstrata

Dez países juntam-se para o estudo do património dos materiais plásticos.

Edifício da Escola Politécnica

Politénica (FCUL)... escrever e ou pensar sobre “ELA”, hoje, ainda me emociona...

Pormenor de uma palmeira

Agora era diferente. No fim da Ferreira Borges surgia sempre a mesma dúvida que me tolhia o passo: onde são as aulas hoje? E eu, traído pela minha própria desorganização, fazia todos os dias o mesmo esforço para encontrar uma qualquer lógica que me ajudasse a decidir para onde ir naquele dia. Politécnica? 24 de Julho? É claro que ter um horário comigo ajudaria...

Rosto de Marta Antunes

O que fazem e o que pensam alguns membros da comunidade de Ciências? O Dictum et factum de março é com Marta Antunes, técnico superior do Departamento de Geologia de Ciências.

Bombeiro apaga fogo

Era madrugada e o edifício da Faculdade de Ciências de Lisboa, na rua da Escola Politécnica, ardia. Dezoito de março, seriam duas horas da madrugada. Um salto da cama, um vestir rápido e uma fuga apressada ao encontro das labaredas.

Páginas