Personalidades em Ciências

“Physical Tourist in Lisbon”

Em Portugal há lugar para um turismo de cariz científico. Há cerca de quatro anos, Ana Simões foi convidada a escrever para a rubrica Physical Tourist da revista americana “Physics in Perspective”, uma publicação de História das Ciências dirigida essencialmente aos professores do ensino secundário. O artigo “Physical Tourist in Lisbon” assinado por Ana Simões, juntamente com outras duas colegas, já foi aprovado pelos editores da revista e deverá ser publicado até ao final do ano. Os percursos pedestres sugeridos pelas autoras podem ser realizados em dois dias, tendo como ponto de partida a Estátua do Fernando Pessoa, no Chiado. Caso a candidatura portuguesa à organização do próximo congresso da European Society for the History of Science saia vencedora, quem sabe se em 2014 os congressistas não irão poder efetuar este roteiro!

Um destes dias a professora e investigadora Ana Simões trará às instalações da FCUL um historiador da Química para apresentar a obra “Neither Physics nor Chemistry: A History of Quantum Chemistry”, um livro escrito em colaboração com Kostas Gavroglu, professor de História das Ciências da Universidade de Atenas, na Grécia, desde 1994.

“É mais do que uma ideia”, comenta a docente da Secção Autónoma de História e Filosofia das Ciências da FCUL e coordenadora do Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia, uma unidade de investigação que tem como instituições de acolhimento a FCUL e a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa.

Em entrevista, a historiadora das ciências, nascida a 13 de outubro de 1958, dá-nos a conhecer este último trabalho, publicado em outubro passado pelo MIT Press. “Neither Physics nor Chemistry: A History of Quantum Chemistry” não existe nas livrarias portuguesas, mas pode ser encomendado pela Amazon. O livro, redigido em cerca de dois anos, reflete o trabalho desenvolvido pelos investigadores nos últimos 18 anos. Ana Simões diz que se trata de “um livro que não é propriamente muito fácil de ler porque estamos a tratar de uma disciplina que é complexa, que usa muito o formalismo matemático da mecânica quântica. Escrevemos o livro praticamente sem equações. A temática é relativamente circunscrita e técnica”. Outro “megaprojeto” de Ana Simões com Kostas Gavroglu consiste na escrita de um livro dedicado às relações entre a Química e a Matemática, procurando perceber qual foi o papel que a Matemática e a matematização tiveram na Química.

A antiga aluna de Física, professora na Faculdade de Ciências desde 1982, dedica muito do seu tempo à História da Ciência em Portugal. No final do verão espera finalizar, juntamente com outros quatro colegas, um livro sobre a história da Faculdade de Ciências, desde a sua criação até à Democracia. Para além desta obra, Ana Simões também participou recentemente noutro  livro sobre a história da UL,  consagrado à universidade contemporânea, séculos XIX e XX e que, em conjunto com outro sobre a universidade medieval, deverão ser apresentados publicamente num futuro muito próximo.

A história da FCUL é singular, mas pouco conhecida, por isso, projetos como estes assumem particular importância. Para Ana Simões, “um trabalho que reflita sobre o passado de uma instituição, ou o passado da ciência em Lisboa ou em Portugal, é sempre algo de muito importante para repensarmos o nosso trajeto e até é, do meu ponto de vista, importante para percebermos o momento presente, projetarmos o futuro e percebermos que há muitas questões que vão reaparecendo”, como por exemplo, as coligações e conflitos entre faculdades, um tema tão na ordem do dia e igualmente presente na génese da Faculdade de Ciências.

A preservação e divulgação do património científico português tem grande importância na vida da antiga aluna da licenciatura de Física da FCUL, mais tarde estudante de doutoramento em História, com especialização em História e Filosofia das Ciências, na Universidade de Maryland em College Park, nos EUA. Inclusivamente, Ana Simões, bem como outros colegas, têm escrito alguns papers usando os arquivos dos Museu Nacional de História Natural e da Ciência e do Observatório Astronómico de Lisboa. O espólio patrimonial destas instituições é, de facto, uma mais-valia para a História das Ciências em Portugal. Recentemente, o reitor da UL, António Sampaio da Nóvoa, recebeu o título de membro honorário da Universeum – European Academic Heritage Network, uma rede reconhecida pelo Conselho Europeu e que procura valorizar o património científico, museológico, monumental, botânico e arquivístico das universidades europeias.

Com mais de 90 publicações no currículo, a professora da FCUL coordenou juntamente com o colega Henrique Leitão a coleção História e Filosofia das Ciências, publicada pela Porto Editora e entretanto encerrada. Esta coleção integra 14 volumes de traduções de livros importantes para a História das Ciências, como é o caso de “Galileu, Cortesão”, de Mario Biagioli, traduzido por Ana Sampaio e que recebeu a esse propósito uma menção honrosa na 15.ª edição do Prémio de Tradução Científica e Técnica em Língua Portuguesa.

Outro volume incluído nesta prestigiada coleção é a obra “Cidadão do Mundo. Uma Biografia Científica do Abade Correia da Serra”. A obra escrita por Ana Simões, Maria Paula Diogo e Ana Carneiro sobre o naturalista e um dos fundadores da Academia das Ciências foi traduzida recentemente para Inglês, pela Universidade de Califórnia, Berkeley, uma opção que teve em consideração as relações entre o cientista português e os primeiros presidentes americanos. O encerramento da coleção História e Filosofia das Ciências foi determinado pelo limitado número de vendas. Ana Simões acredita que existe público para estes livros e que as editoras devem continuar a investir neste tipo de edições, apostando fortemente na divulgação das obras. “Estes livros não tinham grande saída porque eu acho que eles não tinham grande visibilidade”, conclui. Segundo a direção editorial da Porto Editora, “a decisão de não dar continuidade à coleção demorou algum tempo e foi difícil de tomar”. A empresa fundada em 1944 explica que enfrentou dificuldades em rentabilizar a coleção devido, sobretudo, à pequena dimensão do mercado português e aos elevados investimentos a que este tipo de publicações obriga. Para a direção editorial daquela sociedade por quotas: “estes aspetos foram sendo agravados pelo recurso frequente a fotocópias e à facilidade com que os alunos portugueses leem textos em língua estrangeira, preferindo nalguns casos as edições originais às traduções, mesmo que muito cuidadas e de grande qualidade, como é o caso das da coleção História e Filosofia das Ciências”.

Ana Subtil Simões, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciencias@fc.ul.pt

Após o evento de 12 de fevereiro, que antecedeu o Flash Mob Tabela Periódica Humana de Ciências ULisboa estão programadas duas tertúlias sobre a tabela periódica com os cientistas Raquel Gonçalves Maia e Miguel Castanho, respetivamente nos dia 10 de abril e 9 de maio.

Fernando Roldão Dias Agudo, jubilado de Ciências ULisboa desde o ano de 1996, faleceu no passado dia 23 de fevereiro. A Faculdade lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos familiares, amigos e colegas de Fernando Roldão Dias Agudo.

Em 2018 os Prémios Científicos ULisboa/Caixa Geral de Depósitos foram atribuídos aos investigadores de Ciências ULisboa Cristina Branquinho, Francisco Couto, Nuno Araújo e Pedro Antunes. A edição de 2018 do Prémio Científico ULisboa/ Santander Universidades também distinguiu a professora Carla Silva.

Sentiu o sismo de 28 de fevereiro de 1969? Conhece relatos desse acontecimento? Se as respostas forem afirmativas, então responda ao inquérito macrossísmico nacional por ocasião dos 50 anos sobre o grande sismo de 1969, lançado este mês pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera,Instituto Superior Técnico, Ciências ULisboa e Instituto Dom Luiz.

Ciências ULisboa e a Milestone Consulting assinaram recentemente um protocolo de cooperação para a atribuição de um Prémio para o Melhor Aluno do 1.º ano do Mestrado em Matemática.

O primeiro Curso de Campo do Projeto IFiT integrado no Programa Erasmus+ realiza-se entre 20 de maio e 2 de junho de 2019, em Aljezur, na Costa Vicentina. As candidaturas ao Student Project Week terminam a 4 de março.

Cerca de 45 alunos do 11.º ano conheceram o Microscópio Eletrónico de Varrimento e participaram na palestra "Imagem Médica: Como a Física permite ver o interior do corpo humano".

"Umas das primeiras etapas para o estabelecimento de limites é tomar consciência e reconhecer as suas próprias necessidades e sentimentos para que, de forma saudável possa cuidar delas nas relações", aconselha a psicóloga Andreia Santos.

A investigação liderada por Javier Peralta, da missão japonesa Akatsuki, teve a participação de Pedro Machado, professor do Departamento de Física de Ciências ULisboa e investigador do Instituto de Astrofísica e Ciência do Espaço.

"Tanto os probióticos como os prebióticos têm demonstrado melhorar os biomarcadores associados ao cancro colon retal e, relativamente à Síndrome do Intestino Irritável, a evidência refere que os probióticos têm um papel importante no alivio dos sintomas e qualidade de vida dos doentes", escreve a nutricionista Maria Inês Antunes.

O geocaching é utilizado pela primeira vez como indicador para avaliar os serviços culturais prestados pelos ecossistemas. Inês Teixeira do Rosário, investigadora do cE3c, doutorada em Ecologia por Ciências ULisboa, é a primeira autora do artigo da Ecological Indicators.

A apresentação de Catarina Frazão Santos durante a ICES ASC 2018 valeu-lhe o Best Early Career Scientist Presentation Award. O tema da apresentação corresponde ao projeto de investigação por si coordenado e que termina em 2021.

Sabia que em Portugal existe uma nova espécie de abelha? Chama-se Protosmia lusitanica e até agora apenas se conhece um único exemplar, uma fêmea coletada por Ana Gonçalves, na primavera de 2016, no Parque Natural do Vale do Guadiana, nas margens do Rio Vascão, em Mértola.

Susana Custódio preside à Comissão Executiva do ORFEUS - Observatories & Research Facilities for European Seismology, integrado no EPOS - European Plate Observing System.

Nuno A. G. Bandeira modelou computacionalmente as propriedades eletroquímicas de óxidos de molibdénio. O investigador da Universidade de Lisboa pretende continuar a estudar moléculas originais e interessantes seja qual for a sua finalidade. “A tabela periódica ainda tem muito para nos dizer”, diz o cientista.

Estudo de fósseis revela a extinção de uma árvore da família do chá que se encontrava presente há 1,3 milhões de anos na ilha da Madeira. Carlos A. Góis-Marques, aluno de doutoramento em Geologia, é um dos autores desta investigação.

É o mecanismo mimético que nos permite interatuar uns com os outros, compreender os sentimentos dos amigos, e viver a compaixão e a empatia”, in Campus com Helder Coelho.

Ao todo estão previstas sete sessões, com pelo menos um orador convidado. Em cada uma delas Dinis Pestana falará sobre livros que estejam relacionados com o tema em análise. O objetivo é conquistar leitores, sobretudo entre os estudantes universitários.

“Aceitar que por vezes se falha, que podemos não ter a aprovação dos outros e aceitar as consequências das tomadas de decisão, pode inicialmente ser mais desconfortável, mas acarreta consigo uma maior sensação de responsabilidade e liberdade na vida”, escreve na rubrica habitual a psicóloga do GAPsi, Andreia Santos.

O primeiro estudo científico desenvolvido no PermaLab – um laboratório vivo de permacultura, situado no campus de Ciências ULisboa, será publicado no volume 212 da edição de março de 2019 do Journal of Cleaner Production, reforçando dessa forma a importância dos laboratórios vivos no contexto universitário.

“O desenvolvimento de uma missão astronómica espacial é uma aventura demorada, que, nos casos mais complexos, pode demorar mais de duas décadas. Com o Athena estamos envolvidos neste processo desde os primeiros passos, tendo ajudado a construir a proposta ‘vencedora’”, conta José Afonso, que lidera a participação portuguesa na missão Athena, prevista para 2031.

Guilherme Weishar apresenta-nos o projeto de Sismologia nas Escolas do Instituto Dom Luiz e que tem uma componente de citizen science.

Objetivo da missão dos investigadores do IDL Ciências ULisboa e do IPMA?! Melhorar a caracterização do tsunami de 28 de setembro de 2018, de modo a desenvolver técnicas e programas de mitigação destes fenómenos naturais.

Cernorium é o canal YouTube de Ricardo Honório, aluno do mestrado integrado em Engenharia Física de Ciências ULisboa. O projeto tem já disponível o primeiro episódio e é a “concretização de uma ideia antiga que procura aliar a paixão pela Física com algum humor.

Evocações sobre Entomologia no Museu Bocage e na Faculdade, pelo professor, cientista José Alberto Quartau. Versão abreviada da alocução proferida aquando do 35.º aniversário do Departamento de Biologia Animal de Ciências ULisboa, em 5 de junho de 2018.

Páginas