Opinião

Teletrabalho

À procura de um equilíbrio entre a produtividade e a saúde mental #COVID19 #EuFicoEmCasa

Teletrabalho

Trabalhar com foco revela-se essencial neste momento

unsplash - Bench Accounting
Andreia Santos
Andreia Santos
Fonte ACI Ciências ULisboa

Esta nova realidade do teletrabalho exigiu e exige diferentes adaptações. De repente não se ficou apenas em casa a trabalhar, as metodologias de trabalho também tiveram de se alterar.

Como todos já constatámos, dar uma aula, formação ou ter uma reunião por videochamada não funciona exatamente da mesma forma como antes. Implica frequentemente, um esforço redobrado para repensar e modificar os conteúdos e materiais, ou seja, o tempo e esforço para cada tarefa podem ter de ser maiores nesta fase.

A acrescentar a estes desafios, estamos a viver uma situação de stress (uma situação externa e real) que pode despoletar mais ou menos ansiedade em algumas pessoas. E sabemos que o resultado de trabalhar com ansiedade e/ou stress não é o mesmo, pois implica uma sobrecarga da nossa energia e concentração. Finalmente, não é seguro que numa casa com várias pessoas, tenhamos sempre um “local de trabalho” fixo e com as melhores condições.

Isto certamente não é uma novidade, mas é bastante fácil esquecermo-nos que há de facto um somatório de fatores a afetarem a nossa experiência. Por isso, é muito frequente ouvir as pessoas a relatarem que ficam chateadas ou desiludidas com elas próprias por não estarem a conseguir ser tão produtivas como eram ou como gostariam de ser. O resultado pode ser sentir ansiedade e culpa e tentar compensar com mais trabalho, por muitas horas seguidas. Muitas vezes, não se permitindo a momentos de relaxamento ou de descanso, incluindo dormir. Muitas pessoas podem estar a perguntar-se: “mas se tem de ser feito, como é que eu vou descansar ou relaxar?”.

É verdade, as coisas precisam ser feitas, mas, se não fizermos uma boa gestão de nós próprios, estamos potencialmente a acabar com a única fonte que pode produzir - nós. Como na história da galinha dos ovos de ouro, em que o agricultor, tão ávido de ter os ovos de ouro de forma rápida, matou a capacidade produtiva da galinha e esta não produziu mais ovos.

O estar em casa, não afasta o cenário de situações de cansaço extremo ou de burnout, pelo que, ainda mais do que noutras alturas, é da máxima importância estarmos atentos aos sinais. Sinais esses, que indicam que é preciso mudar alguma coisa na forma como se gere o tempo.

Neste sentido, se quero e preciso trabalhar tenho de recarregar energia. Como é que carrego energia? Tendo momentos de descanso e/ou relaxamento e realizando atividades que deem prazer. Mas e o que faço em relação ao trabalho e à falta de concentração que posso sentir? Trabalhar com foco revela-se essencial neste momento.

Algumas dicas

  • Estabelecer períodos de trabalho sem distrações, por exemplo desligar notificações e depois fazer uma pequena pausa e assim sucessivamente. Dar tempos concretos, ajuda! Por exemplo, dar 40 minutos de foco e depois um intervalo de cinco minutos; 
  • Definir períodos específicos para ir ver emails e notificações de telemóvel;
  • Definir horários de trabalho, pelo menos uma hora para começar e para acabar e que trabalhar para além desse horário, seja a exceção e não a regra;
  • Perceber o que é importante, ou melhor ainda, o que é essencial; 
  • Conseguir dizer não! Dizer não, face ao excesso de solicitações profissionais, mas também dizer não face a solicitações “caseiras”. A ideia do multitask é um mito, talvez tentador em alguns momentos, mas normalmente penalizador em termos de energia e foco, logo na produtividade.

A questão que também pode surgir é: “o problema é que defino objetivos e horários, mas tenho sempre uma sensação (interna) de urgência, que tenho de estar sempre a fazer coisas, mesmo quando sinto que já não estou a ser produtivo...”. Para diferentes problemas, diferentes soluções.

Às vezes, a estratégia a adotar pode não ser algo de cariz mais funcional, mas sim algo do foro mais emocional. Por exemplo, por vezes as pessoas entram nos chamados loops do perfecionismo. Não porque a tarefa já não possa estar concluída e bem-feita, mas porque não adotar uma estratégia de esforço contínuo ou até descansar, as deixa a sentir um peso grande, uma culpa. A longo prazo, esta situação tende a gerar níveis de cansaço físico e emocional muito elevados. Aliás, nesta situação é tão fácil haver tão poucos limites entre o tempo dedicado ao trabalho e à parte pessoal. Agora, isso não torna a imposição de limites impossíveis, mas sim, mais desafiantes e necessários. Há um outro exemplo de questões mais emocionais que funcionais. A ausência de estrutura formal pode trazer a sensação de se estar aquém. Sair do local de trabalho facilita a sensação de dever cumprido. Estar em casa, pode alimentar uma sensação de estar em falta e esse estar em falta ser compensado por mais tempo de trabalho ou estar sempre disponível, para responder a mails, telefonemas ou mensagens. Mais uma vez, é um processo gerador de sobrecarga emocional e de desgaste.

Para terminar, deixo uma sugestão de pergunta que, pode ajudar a identificar os momentos em que já não se está a ser produtivo: “Continuo a fazer isto porque preciso mesmo, exemplo um prazo apertado para entregar algo ou não fecho o assunto porque é uma forma de aliviar a minha ansiedade?".

Andreia Santos, Gabinete de Apoio Psicopedagógico da Área de Mobilidade e Apoio ao Aluno de Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Foto do instrumento NIRPS

O espectrógrafo NIRPS, a sigla inglesa para Near-Infrared high resolution spectrograph, ou espectrógrafo no infravermelho próximo de alta resolução, cujo desenvolvimento e construção contou com a participação do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), observa na banda do infravermelho, no Telescópio ESO de 3,6 metros do Observatório de La Silla, no Chile, complementando assim espectrógrafos como o HARPS e o ESPRESSO. 

fundo marinho

Novo artigo publicado na Nature Ecology and Evolution, por uma equipa de 30 investigadores de todo o mundo, da qual fazem parte dois investigadores portugueses com ligação à Ciências ULisboa, resulta da consulta prévia de cerca de 680 especialistas e outros profissionais ligados ao meio marinho.

Anfiteatro no C8 e paryicipantes do evento

"A Conferência Internacional Hi-Phi teve um sucesso muito para além do expectável e mostrou a vitalidade do diálogo entre a História e a Filosofia das Ciências", escrevem Ana Duarte Rodrigues e João L. Cordovil, coordenadores científicos respetivamente do CIUHCT e do CFCUL, na crónica sobre o importante acontecimento.

3 alunos no labotarório

Dois anos depois de um interregno, “Ser Cientista” está de volta de 25 a 29 de julho e propõe a jovens alunos que experimentem a “vida” de um investigador.

Pedreira

O mestrado em Geologia tem como objetivo formar profissionais com uma formação sólida em áreas chave das Ciências da Terra e que possam responder aos desafios da sociedade do século XXI. Artigo de opinião do Departamento de Geologia a propósito deste novo plano de estudos.

saída de campo da Geologia

A Faculdade tem um novo ciclo de estudos acreditado pela  Agência e Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES), para substituição dos mestrados na área da Geologia com 90 ECTS. O novo mestrado em Geologia tem a duração de dois anos, com 120 ECTS.

Mesa com vários oradores no grande auditório da Faculdade

A sessão de abertura do 30th International Carbohydrate Symposium foi antecipada e presencial, tendo sido gravada em Ciências ULisboa, para ser apresentada internacionalmente a 10 de julho, primeiro dia do simpósio. A cientista Amélia Pilar Rauter, nesta crónica, descreve o que aconteceu nessa sessão, o antes e depois… O simpósio termina a 15 de julho e segundo a presidente da International Carbohydrate Organisation  serão apresentadas as invenções e descobertas mais recentes, muitas delas relevantes para a sociedade.

dois alunos no laboratório

Doze alunos do Clube Ciência Viva da Escola Secundária Padre António Vieira visitaram um dos laboratórios da Faculdade. A visita foi organizada pelo professor Octávio Paulo, orientada por dois alunos da Faculdade.

Imagem do palco do evento com oradores em destaque

“A iniciativa alcançou o sucesso científico desejado, prontamente reconhecido pela maioria dos seus participantes, (...) o que confirma o interesse crescente que os temas dos riscos urbanos têm vindo a suscitar, no seio da comunidade técnica e científica internacional”, escreve Paula Teves-Costa, presidente da Comissão Organizadora da ICUR2022.

evento da ECFS com pormenor para sigla da sociedade

Carlos M. Farinha, professor do Departamento de Química e Bioquímica da Ciências ULisboa e investigador do Grupo de Investigação em Fibrose Quística, incluído no Grupo de Genómica Funcional e Proteostase do BioISI, foi eleito membro do Conselho de Direção da Sociedade Europeia de Fibrose Quística (ECFS sigla em inglês).

Dua jovens observam espécies no campus da Faculdade

"O BioBlitz é uma metodologia para realizar uma avaliação rápida da biodiversidade de um local num determinado período de tempo", escrevem Patrícia Tiago e Sergio Chozas, coordenadores do +Biodiversidade @CIÊNCIAS. Há cerca de um mês dinamizaram um BioBlitz no campus da Faculdade. Leia a crónica dos cientistas sobre o assunto.

Imagem de satélite da erupção do vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha'apai

Estudo publicado na Nature e liderado por investigadores do Instituto Dom Luiz da Ciências ULisboa e do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) explica o mecanismo por detrás da geração e propagação do tsunami incomum, ocorrido após a explosão colossal do vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha'apai, em Tonga.

Imagens do campus, laboratórios e salas de aula

Entrevista com os professores Cláudio M. Gomes, Margarida Gama Carvalho e Carlos Cordeiro - membros da Comissão de Coordenação do Mestrado em Bioquímica e Biomedicina -, sobre o mestrado em Bioquímica e Biomedicina. Até maio de 2022, cerca de 165 alunos concluíram com sucesso este mestrado, criado em 2009.

Imagens relacionadas com o mestrado em Bioquímica e Biomedicina

"Há importantes mudanças no plano de estudos. Simplificámos o percurso formativo, abolindo áreas de especialidade, mas dando grande liberdade aos alunos para a escolha das optativas que mais lhes interessam e ampla escolha", escrevem Cláudio M. Gomes, Margarida Gama Carvalho e Carlos Cordeiro, membros da Comissão de Coordenação do Mestrado em Bioquímica e Biomedicina.

bioplásticos

O BioLab Lisboa é palco do evento Young Creators – BioLab Edition, que se realiza entre 4 e 8 de julho e cujas inscrições terminam a 2 de julho. O programa destina-se a pessoas com mais de 12 anos. O objetivo desta iniciativa é incentivar a criatividade e o desenvolvimento de novas ideias, através do acesso a equipamentos e ao conhecimento na área da Biotecnologia.

Jovem em frente ao computador

A 1.ª fase de candidaturas aos mestrados da Faculdade decorre até 11 de julho. Esteja atento às redes sociais da Faculdade e conheça os testemunhos de quem frequenta estes cursos. Para Fernanda Oliveira, subdiretora da Direção, “a Faculdade tem uma oferta formativa muito diversificada”.

Complexo não covalente de composição [KrSF5]+ (Fig. 1), que provem duma molécula estável, [KrSF6]+ (Fig. 2), em resultado da reação direta de hexafluoreto de enxofre com crípton ionizado

Este ano comemora-se os 60 anos da descoberta da reatividade dos gases nobres nomeadamente do xénon. Nuno A. G. Bandeira, investigador do Departamento de Química e Bioquímica e do BioISI Ciências ULisboa, escreve sobre os gases nobres, suas aplicações e um estudo recente da sua autoria e de cientistas do Centro de Química Estrutural e que apresenta um novo composto de crípton.

Logotipo GMC

A primeira fase de decisões da primeira volta do Global Management Challenge 2022 terminou no passado dia 14 de junho. Em competição estiveram 206 equipas a nível nacional - compostas por estudantes, quadros de empresas ou mistas -, duas delas incluem estudantes da Ciências ULisboa.

Grande auditório da Faculdade com pessoas

Vale a pena recordar os 111 anos comemorados no grande auditório da Faculdade no canal YouTube, numa viagem imaginária a Marte, com a tradicional entrega de prémios e distinções e outros momentos singulares, assim como conhecer a opinião daqueles que participaram no evento.

sao jorge ao fundo e logotipo da iniciativa

“Andamentos da Ciência” é o novo ciclo de conferências da Ciências ULisboa que arranca no próximo dia 22 de junho. Nesta iniciativa, especialistas de diferentes áreas do conhecimento vão partilhar o saber sobre os temas mais atuais da sociedade, na forma de comunicações inspiradas nas palestras TED.

quatro estudantes

O Departamento de Geologia atribuiu 14 cartas de reconhecimento de mérito aos melhores alunos da licenciatura em Geologia de 2019/2020 e de 2020/2021. O Gabinete de Jornalismo entrevistou alguns dos estudantes distinguidos na ocasião. Saiba o que pensam sobre o curso que frequentaram na Faculdade e o que estão a fazer neste momento.

conjunto de pessoas no palco

Numa cerimónia realizada durante a Feira Nacional da Agricultura 2022, em Santarém, foi apresentado e contratualizado o projeto AdaptForGrazing, inscrito no Plano de Recuperação e Resiliência. O projeto é coordenado por Cristina Branquinho, professora do Departamento de Biologia Vegetal da Faculdade e investigadora do cE3c.

Praia

No próximo dia 17 de junho, na praia de Albarquel, em Setúbal, decorrem as atividades “Ida à Maré e Festa na Praia”, promovidas pelo projeto bLueTIDE. Estas atividades contam com a participação de investigadores do MARE - Centro de Ciências do Mar e do Ambiente, polo da Ciências ULisboa, com o apoio da Incubadora do Mar & Indústria da Figueira da Foz.

Ato solene da atribuição do título no Centro Cultural Alcazaba de Mérida

Ricardo Trigo, professor do Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia e investigador do Instituto Dom Luiz, recebe título doutor honoris causa da Universidade da Extremadura, numa cerimónia que teve lugar no Centro Cultural Alcazaba de Mérida, em Badajoz, Espanha, no passado dia 1 de junho.

Galardoados com os Prémios Verdes

O COVIDETECT é o vencedor dos Prémios Verdes na categoria investigação. “É uma distinção que muito nos honra e que reforça o caráter inovador e visionário do projeto”, diz Mónica Vieira Cunha, professora do Departamento de Biologia Vegetal da Ciências ULisboa, investigadora do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c) e coordenadora científica do consórcio.

Páginas