Temporada Portugal França 2022

Prémio Tremplin Mariano Gago para Alison Duncan e Sara Magalhães

Compreender como os parasitas prejudicam os seus hospedeiros é uma questão científica muito relevante ao nível da ciência fundamental e aplicada

Planta de tomate

É importante entender a relação dos ácaros com o seu ecossistema para conseguir prever o que vai acontecer às plantas de tomate

GJ Ciências ULisboa

“O efeito da competição e simbiose na virulência de um parasita de plantas" - um projeto coordenado pelas cientistas Alison Duncan e Sara Magalhães -, com a duração de dois anos e que irá receber um financiamento no valor de 21.000€, é um dos quatro projetos vencedores da 1.ª edição do Prémio Tremplin Mariano Gago.

Cientistas
Para Sara Magalhães o prémio simboliza uma homenagem a Isabelle Olivieri
Imagem cedida por SM

A cerimónia de entrega dos prémios acontece no próximo dia 21 de junho, na Academia de Ciências francesa, em Paris, no âmbito da Temporada Portugal França 2022, e quem o irá receber é a investigadora do Institut des Sciences de l’Evolution (ISEM) do Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS) da University of Montpellier, já que a professora do Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa e investigadora do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c), por motivos de agenda, não pode participar na cerimónia.

Para Sara Magalhães esta distinção é muito prestigiante. “Desde a Sociologia à Física Quântica, só houve quatro grupos portugueses e franceses a serem distinguidos com este prémio!”, diz.

A cientista portuguesa refere ainda que o prémio também simboliza uma homenagem a Isabelle Olivieri (1957–2016), com quem começou a trabalhar em 2004, e que orientou o seu pós-doutoramento, no ISEM/CNRS/UM e que consistiu em estudar a evolução e plasticidade fenotípica dos ácaros, nomeadamente a relação de um ácaro com a(s) planta(s). “Estou muito feliz com este prémio. Esta colaboração com o grupo francês faz parte da minha história. Parte de mim está em Montpellier e isto acontece agora porque houve esse momento anterior. É por isso uma homenagem à Isabelle e à forma como nos ‘criou’: para a Isabelle como para nós, os seus descendentes, a ciência é uma atividade colaborativa, e devemos evitar estar em competição uns com os outros, o importante é trabalharmos com pessoas de quem gostamos para juntos irmos mais longe. Para mim este prémio é uma valorização desse espírito”, conta.

Alison Duncan
Alison Duncan irá receber o prémio no próximo dia 21 de junho
Fonte cE3c Ciências ULisboa

Após terminar o pós-doutoramento, Sara Magalhães regressou a Portugal, mas continuou a trabalhar intensamente com Isabelle Olivieri. Ambas orientaram o pós-doutoramento de Alison Duncan, entre 2013 e 2014, sobre a alocação de sexo em ácaros, realizado no âmbito do projeto “Evolução da alocação de sexo em Tetranychus urticae, uma das principais pragas agrícolas (EVOLSEXALLOC)”, financiado pela FCT e pela Agence Nationale de la Recherche (ANR). Sara Magalhães comenta a brincar, que este prémio parece ter sido feito para estes dois grupos de trabalho, que nunca deixaram de trabalhar entre si.

“A nossa colaboração até ao momento investigou o papel da competição moldando a história de vida e a evolução da virulência num ácaro - Tetranychus urticae - em plantas hospedeiras. O atual projeto irá explorar a simbiose da Tetranychus urticae (Wolbachia) e do sistema imunológico do hospedeiro, sozinho e em combinação, na mediação de resultados com um competidor interespecífico, a Trypanosoma evansi”, explica Alison Duncan, mencionando ainda que este projeto também inclui Flore Zélé, investigadora do ISEM/CNRS/UM.

Flore Zélé chegou ao grupo de Ecologia Evolutiva e ao subgrupo MITE2 do cE3c Ciências ULisboa, ambos coordenados por Sara Magalhães, em 2013, para integrar a equipa do projeto EVOLSEXALLOC e realizar o pós-doutoramento sobre a bactéria Wolbachia e a alocação sexual em ácaros.  Esteve no grupo do cE3c quase oito anos.

Sara Magalhães
“Estou muito feliz com este prémio. Esta colaboração com o grupo francês faz parte da minha história", diz Sara Magalhães
Fonte GJ Ciências ULisboa

A Wolbachia é uma bactéria importantíssima, que altera algumas características dos ácaros e pode condicionar as pragas de cultura. Nesse sentido foram feitas várias experiências, inclusivamente no âmbito da consolidator grant do European Research Council (ERC), atribuída em 2017 a Sara Magalhães para explorar o sistema biológico composto por duas espécies de ácaro-aranha - Tetranychus urticae Tetranychus evansi -, que competem pela planta do tomate, trabalho esse que também contou com a colaboração do grupo francês.

“Os ácaros são parasitas de plantas. Se olharmos do ponto de vista da teoria das interações entre parasita e hospedeiro, podemos ver que há várias propriedades emergentes, que podem sair do facto de eles próprios terem um parasita ou não. Aquilo que se chama super parasitismo, isto é, um parasita que tem outro parasita, e observar como é que isso afeta a relação entre eles e o seu hospedeiro, mas também entre eles e os seus competidores”, explica Sara Magalhães.

Já existe bastante conhecimento sobre como um ácaro interage com a bactéria Wolbachia e como os dois ácaros interagem entre si, decorrente do trabalho realizado pelos investigadores do cE3c Ciências ULisboa - Inês Fragata e Diogo Godinho -, que tentaram perceber a relação de coexistência ou competição entre estes dois ácaros e a evolução dessas interações, através de várias experiências.

Também Flore Zélé em colaboração com a investigadora do cE3c Ciências ULisboa - Leonor Rodrigues -, que fez o doutoramento sob a orientação de Isabelle Olivieri e de Sara Magalhães, fizeram várias experiências relacionadas com a evolução da relação entre o ácaro e esta bactéria.

Apesar de todo o conhecimento acumulado existem ainda lacunas nesta área e compreender como os parasitas prejudicam os seus hospedeiros é uma questão científica muito relevante ao nível da ciência fundamental e aplicada, dado o impacto que pode ter na saúde humana e animal, na agricultura e no funcionamento do ecossistema.

laboratório
Os grupos voltam a olhar novamente para duas espécies de ácaros, com e sem Wolbachia e a realizar experiências minuciosas em laboratório
Fonte GJ Ciências ULisboa

Por isso, com este projeto as equipas voltam a olhar novamente para duas espécies de ácaros, com e sem Wolbachia e a realizar experiências minuciosas em laboratório. Uma parte do doutoramento em Biodiversidade, Genética e Evolução da aluna da Faculdade - Mariya Kozak - está inclusivamente relacionado com esta temática.

“É importante entender esta relação dos ácaros com o seu ecossistema para conseguir prever o que vai acontecer às plantas de tomate”, conclui entusiasmada Sara Magalhães.

A equipa do projeto premiado conta ainda com Sarah Grosjean.

Temporada Portugal França 2022 e o Prémio Tremplin Mariano Gago

É a primeira vez que o Prémio Tremplin Mariano Gago é atribuído e o seu objetivo é distinguir e aprofundar a cooperação científica existente entre grupos franceses e portugueses.

Os organizadores do prémio receberam 59 candidaturas, 31 delas foram avaliadas com o critério mais alto.

A Temporada Portugal França 2022 assinala a cooperação entre os dois países, nomeadamente nas áreas do ensino superior e da investigação, realizando uma série de iniciativas, destaque para o workshopBioinspiração - Quando a natureza inspira a humanidade", que aconteceu recentemente no Museu Nacional de História Natural e da Ciência.

Nesta edição, o júri selecionou quatro projetos. Os outros três projetos distinguidos com este galardão são "Metal-based contrast agents for specific visualisation of biomarkers in Magnetic Resonance Imaging", coordenados por Eva Jakab Toth e Mariette Pereira; "Secretomic fingerprint as Parkinson's disease early biomarker", coordenado por Thierry Galli e Nuno Raimundo; e "NanoXIMAGES", coordenado por Hamed Merdji e Marta Fajardo.     

As candidaturas apresentadas dizem respeito a programas de investigação baseados em resultados preliminares da colaboração realizada entre os grupos franceses e portugueses com detalhes objetivos e ambiciosos para o desenvolvimento desta cooperação. O valor total do prémio é 84.000€. O financiamento irá permitir entre outras atividades o intercâmbio de jovens estudantes, reforçando a colaboração entre os grupos.

Ana Subtil Simões, Gabinete de Jornalismo Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt

O grande momento do dia é a sessão solene, que inclui este ano o lançamento do segundo volume dos Professores Cientistas e a inauguração do Quadro de Honra.

Sobre Namoros e Casamentos

Jorge Buescu

Quinta-feira, dia 12 de Abril de 2012, às 18h30, na sala 6.1.36

Vela

Ricardo Leandro é o vencedor da Competição Europeia. O estudante da FCUL apresentou a melhor ideia: um coletor solar térmico de baixo custo, acoplável a um módulo fotovoltaico.

A palestra "O Princípio do Tempo" proferida por Pedro Gil Ferreira é uma das iniciativas do “VII Encontro Ibérico de Cosmologia”, que decorre em abril nas instalações da FCUL.

Jovem usa microscópio

A FCUL estimula a abertura permanente à sociedade civil, promovendo acontecimentos que visam a disseminação de conhecimentos e a interligação com diferentes agentes sociais.

Os vários objectivos do DEGGE: Tudo o que nos define, e tudo o que apoiamos

O ENEI'12 vai realizar-se na FCUL.

ESTRUTURA E GESTÃO DO DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA ANIMAL (DBA)

Apresentação do Departamento

Paleontólogos do MNHN da UL e do GeoFCUL em foco na revista TVmais.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avançados" com mais quatro instituições universitárias portuguesas e brasileiras.

O DQB e a FCUL acolheram, mais uma vez, a realização de provas semifinais das Olimpíadas de Química Júnior 2012 no sábado, 14 de abril de 2012.

Pessoas estudam numa mesa na biblioteca

“Acho que qualquer aluno consegue ser bom, se tiver uma boa disciplina de trabalho e objetivos concretos”. Quem o diz é Gonçalo Faria da Silva, estudante do 3.º ano de Biologia.

No penúltimo dia de março realiza-se a quinta e última sessão do workshop destinado a preparar os estudantes para a obtenção do 1.º emprego.

 

Alunos da FCUL

A Schlumberger realiza uma sessão de recrutamento em Ciências. As grandes empresas procuram os melhores profissionais. A FCUL apoia a inserção profissional dos seus diplomados.
 

O evento é uma organização conjunta da Norton/Symantec e do mestrado em Segurança Informática do DI-FCUL.

O DM está na Futurália

Para Duarte Flor, presidente da associação académica e aluno do 12.º ano em Ciências, é importante que os candidatos ao ensino superior visitem as instalações de uma faculdade.

Desenho de uma figura masculina

“Existe um espaço onde o sentimento de pertença a uma escola pode ser reavivado", afirma Miguel Ramos.

Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictórica da atividade científica da FCUL é inaugurada a 13 de março. Conheça as razões pelas quais deve visitar a exposição.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lançamento do livro ainda não é pública, mas o evento deverá ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Ciências da Natureza e Ciências Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer até abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presença no evento, juntamente com outras unidades orgânicas da UL.

Páginas