FCUL no mundo

“Motivação para continuar a investir na ciência”

Joana Casimiro - Coruna
Cedida por Joana Casimiro

Ter contacto com outras línguas, melhorar o Inglês, perder o medo do desconhecido. Estes foram os principais motivos pelo qual Joana Casimiro, aluna do 3.º ano do curso de Biologia da FCUL - ramo Ambiental Marinha -, fez as malas e viajou até Espanha, mais precisamente até à Coruña.

A experiência que teve permitiu-lhe ter a certeza que na bagagem de regresso traria “para além de boas recordações, motivação para continuar a investir na ciência”.

Estudou na Faculdade de Ciências da Universidade da Coruña, enquanto aluna Erasmus, de setembro de 2013 a janeiro de 2014.

Para mais informações sobre este tipo de iniciativa, os estudantes da FCUL podem sempre contactar o Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional - internacional@fc.ul.pt - , onde encontram oportunidades além-fronteiras e, assim, podem optar por embarcar numa experiência rica em aprendizagens.

Conheça os pormenores da experiência da aluna Joana Casimiro na entrevista a seguir apresentada.

FCUL - O que despertou o interesse em ter uma experiência além-fronteiras?

Joana Casimiro (JC) - Enriquecer-me com novas experiências, tanto a nível académico como pessoal e perder o receio que se tem quando se ouve a palavra “emigração”.

FCUL - Qual o primeiro passo dado na busca de informação?

JC - Abordar colegas que já tinham feito o programa Erasmus, independentemente do sítio onde estiveram.

FCUL - A quem recorreu, dentro da FCUL e fora dela, para pedir informações e/ou conselhos sobre este assunto?

JC - Recorri à coordenadora Erasmus - Maria Eugénia Ribeiro -, para esclarecer assuntos burocráticos e aos colegas que já tinham feito Erasmus para todos os restantes assuntos (alojamento, disciplinas, [entre outros]).


Fonte: Joana Casimiro
Legenda: "Para além de boas recordações trago motivação para continuar a investir na Ciência"

FCUL - Sempre soube para onde ir nesta aventura ou a incerteza quanto ao destino também fez parte do roteiro?

JC - No início tinha incerteza quanto ao destino. É sempre deslumbrante estar perante uma lista de países prontos para me acolherem! Espanha acabou por ser eleita por estar relativamente perto e não envolver grandes custos de viagem.
 
FCUL - Porquê estudar fora do país?
JC - Principalmente para contactar com outras línguas, nomeadamente para melhorar o Inglês,  e perder o medo do desconhecido.

FCUL - Como descreve o país que a acolheu?

JC - Espanha é um país vizinho de Portugal e, como tal, não se encontram grandes discrepâncias: a língua é diferente mas relativamente fácil de entender para um português e o custo de vida é praticamente o mesmo. Encontrei a maior diferença no horário do comércio devido à siesta bem como nos horários dos hábitos de vida, principalmente os horários das refeições. Fui muito bem acolhida pela “comunidade” Erasmus da minha universidade, da qual faziam parte alguns alunos espanhóis mas, no geral, os restantes espanhóis parecem ter receio de contactar com outras realidades e línguas, ainda que seja a língua portuguesa, pelo que nesse sentido a integração foi mais difícil.


Fonte: Joana Casimiro
Legenda: "Fui muito bem acolhida pela 'comunidade' Erasmus da minha universidade, da qual faziam parte alguns alunos espanhóis"

FCUL - Como é o dia-a-dia do estudante no local onde desenvolveu Erasmus?

JC - Não difere muito do que vivia em Portugal. Encontrei a maior diferença na liberdade que tinha para fazer as coisas ao meu ritmo quando fora das aulas.

FCUL -  Se numa frase pudesse caracterizar a sua experiência, qual seria?

JC - Valeu a pena.

FCUL - Há alguma situação engraçada ou que a tenha marcado, por qualquer razão, que queira destacar?

JC - Os alunos portugueses (eu e o meu companheiro Erasmus) tinham melhores notas a algumas disciplinas na turma de Biologia da Faculdade de Ciências da Universidade da Coruña, talvez por essa razão os estudantes espanhóis nos “olhassem de lado” de vez em quando.

FCUL - De que teve mais saudades longe de terras lusas?

JC - Da família e do ambiente que se vive entre os verdadeiros amigos.

Fonte: Joana Casimiro
Legenda: Playa Orzan, A Coruña

FCUL – Que importância julga ter esta experiência no seu percurso académico/profissional?

JC - Hoje em dia, existem muitos programas de mobilidade (estudos, estágios, etc), bem como um elevado nível de emigração, pelo que sinto que este assunto está um pouco banalizado e, portanto, não me valorizarão tanto quanto queria ao nível académico/profissional por ter tido esta experiência. No entanto, pessoalmente, hoje valorizo-me muito mais por ter aprendido tantas coisas novas com esta experiência.

FCUL – Julga que este marco da sua vida terá influência na sua carreira profissional futura?

JC - Quero acreditar que sim, se bem que a minha resposta vai ao encontro da anterior: a banalização do assunto diminui a valorização das pessoas que têm a coragem de deixar o país.

FCUL - Qual a importância de ter uma experiência além-fronteiras no contexto da área científica que estuda?

JC - No meu caso em particular, esta experiência teve extrema importância pelo facto de ter contactado com artigos científicos (o essencial na minha área), coisa que não ocorreu durante os dois anos em que estudei na FCUL, e até ter de escrever um artigo-tipo com base num verdadeiro trabalho de observação. Hoje, ao falar com alguns colegas da FCUL, percebo que muitos deles têm dificuldades em saber como aceder a artigos, bem como lê-los e entendê-los, coisa que para mim agora é fácil pois passei cinco meses a fazê-lo.


Fonte: Joana Casimiro
Legenda: "No início tinha incerteza quanto ao destino. É sempre deslumbrante estar perante uma lista de países prontos para me acolherem!"

FCUL - O que trouxe na bagagem de regresso para Portugal?

JC - Para além de boas recordações, trago motivação para continuar a investir na ciência.

FCUL - Que conselhos deixa aos seus colegas que queiram ter uma experiência Erasmus ou àqueles que ainda tenham dúvidas?

JC - Informem-se com alunos que já o viveram e verão que o que parece ser tão complicado de viver é, de facto, uma experiência única e enriquecedora.

FCUL - Que dicas lhe dá caso queiram embarcar nesta aventura?
JC - Tanto a coordenadora Erasmus, como o Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional e todos os alunos que já realizaram Erasmus são uma excelente fonte de informação e estão dispostos a esclarecer todas as dúvidas que tenham.


Fonte: Joana Casimiro
Legenda: "Cabalgata de Reyes", A Coruña

FCUL - Que verbo julga vir a aplicar quanto ao seu futuro próximo: ficar no país de origem ou regressar ao estrangeiro?
JC - Preferencialmente ficar no país, mas se regressar ao estrangeiro que não seja como necessidade mas sim como vontade.

FCUL - Que diferenças encontra na forma como é encarada a ciência, aí e em Portugal?
JC -
Encontro as maiores diferenças no facto de em Espanha ter tido a oportunidade de fazer realmente um trabalho científico -  o que é crucial na minha área - , e de ter tido uma avaliação justa baseada naquilo que os alunos sabem e não no que decoram. Por estas razões, penso que os biólogos [da universidade onde me encontro] se sentem mais encorajados a amar a ciência e veem o seu trabalho em ciência recompensado, algo que eu nunca tinha sentido antes.

Raque Salgueira Póvoas, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciencias@fc.ul.pt
Carolina Margarido, Catarina Lima e Raquel Costa seguram o prémio de primeiro lugar na segunda fase do Future Innovators Program da Unicorn Factory Lisboa

Carolina Margarido, Catarina Lima e Raquel Costa venceram a segunda fase do Future Innovators Program da Unicorn Factory Lisboa

A cientista Ana Russo, investigadora do Instituto Dom Luiz (IDL), visitou duas escolas básicas do concelho de Sintra no dia 23 de abril para rea

Branca Edmée Marques, cientista alumna de CIÊNCIAS

Branca Edmée Marques, alumna de CIÊNCIAS, será homenageada no dia 20 de junho pelos Museus da Universidade de Lisboa

Margarida Fortes, docente do Departamento de Biologia Vegetal de CIÊNCIAS dá uma aula em frente a um quadro com uma projeção imagética

Margarida Fortes, professora de CIÊNCIAS, visitou a Escola Secundária de Carcavelos para dar uma aula acerca da edição genética.

Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ), com vista à cooperação científica em várias áreas de interesse comum.

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Páginas