No Campus com Helder Coelho

Design e Computação

Helder Coelho

Hoje em dia, o Design incomoda e é muito mais intrometido do que nunca no negócio dos computadores. Por exemplo, determina não só que apps de um telemóvel vão sobreviver ou morrer, mas também está presente nos melhoramentos conduzidos pelos dados de um retalhista.

A Revista norte-americana Wired (ou mesmo a versão inglesa dirigida para a Europa) reconheceu a sensatez de Steve Jobs em colocar, desde os anos 80, o design no posto de comando da Informática (veja-se o desenho da Lisa e depois do primeiro Mac), graças às formas, cores, e materiais, puxando o estilo como elemento de atração dos utentes. O quadrado design-ideias-tecnologia-negócios tem vindo a marcar os últimos anos das start-ups, as suas perspetivas e novas possibilidades, com uma inovação extraordinária que atrai os consumidores e faz crescer o valor de uma empresa. Repare-se que nas formas e materiais, a Apple, por exemplo, inovou na leveza (portabilidade), na espessura e tamanho (usabilidade), obrigando os outros concorrentes a optarem pela cópia.

Desde os anos 80 que o Design é permeável à influência da ciência da computação, com particular destaque para a automatização (sistemas de informação, robótica, sensores), a tomada da decisão, e a concepção de novas ferramentas profissionais. A Apple foi uma das empresas que prestou a devida atenção a este nicho, consagrando o designer Jonathan Ive, o “i” dos Mac, iPods, iPads, iPhones, iWatch como um artesão especialmente dotado e sensível. As belas artes digitais foram apoiadas na fotografia, escultura, arquitetura, pintura, ilustração, publicidade, cinema, animação, jogos, vídeo, ou web com novas ferramentas como o Photoshop, The Grid (“artificially intelligent website-design tool”), tornando assim o trabalho (projeto) dos estilistas e artistas gráficos, em geral, mais fácil e com melhores resultados e qualidade. Algumas indústrias, como a moda, vestuário, têxtil, calçado, mobiliário, jóias, ou relojaria têm competido com ideias e soluções obtidas com engenho. Em Portugal, não ficámos, no início, longe dos países que optaram apenas pela diversificação dos salários baixos. Mas, depois graças ao empenho dos mais jovens, enveredou-se pelos intangíveis, software (marcas), algoritmos (patentes) apoiados na tecnologia dos computadores (laptops, tablets, notebooks, impressoras 3D, além dos desktops vulgares). Em algumas indústrias fomos para a frente, embora sem a sustentabilidade desejável.

Empresas como a Pixar vendida à Disney, a DreamWorks, a Weta Digital e a Massive Software usadas pelo Peter Jackson no Senhor dos Anéis e Hobbit, Digital Arts, especializada em jogos e animação, ou a Deep Dream, da Google, virada para as imagens (psicadélicas) têm explorado a Inteligência Artificial para produzirem realidades virtuais ou efeitos especiais, ou mesmo conceberem duplos, figurantes e atores artificiais (“Paul Walker” em Furious 7) para certas cenas do cinema e TV. Esse esforço não tem sido acompanhado nos últimos anos, em Portugal, por falta de investimento na qualidade humana e nos bons salários, contrariamente a alguns países concorrentes, estrangeiros, que ainda decidiram apostar mais na ciência e na educação (Finlândia, Singapura, Coreia do Sul) e assim garantirem o topo das classificações.

Helder Coelho, professor do Departamento de Informática de Ciências
Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Dia Nacional dos Cientistas - 16 de maio

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído em 2016 por Resolução da Assembleia da República com o objetivo de reconhecer e celebrar a contribuição vital dos cientistas para o progresso da sociedade.

CIÊNCIAS e OKEANOS em parceria para monitorizar biodiversidade e alterações dos ecossistemas marinhos

Projeto internacional SEAGHOSTS visa a monitorização e conservação das populações de painhos, as aves marinhas mais pequenas do planeta.

Reitoria da ULisboa

O CWUR 2024 avaliou de entre 20.966 instituições de ensino superior e atribuiu à ULisboa o 211.º lugar (top 1.1%) e a 80.ª posição no panorama europeu.

Fotografia de participantes na Training School

CLEANFOREST na vanguarda da compreensão dos efeitos dos extremos climáticos e poluição nas florestas Europeias

Participantes no Dia Aberto

O campus ganhou vida, cor e energia proveniente do entusiasmo dos cerca de 2000 alunos de 170 escolas de norte a sul do País.

CIÊNCIAS esteve presente nesta edição, com a participação dos docentes do Departamento de Física: Alexandre Cabral, no painel de abertura “À conversa sobre carreiras espaciais” e

Semana Internacional da Compostagem

Uma das transformações necessárias às entidades que querem progredir pelo caminho da sustentabilidade é fecharem os seus ciclos de materiais, nomeadamente o orgânico.

A VicenTuna - Tuna da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa - completou 30 anos em janeiro de 2024. Para comemorar, realizou no dia 30 de abril de 2024, a Festa da Primavera, um espetáculo de música e divertimento dedicado à comunidade de CIÊNCIAS e ao público em geral.

Celebrações dos 50 anos do 25 de abril de 1974 da Academia das Ciências de Lisboa

A 9 de maio realiza-se a segunda de duas jornadas de debate académico e científico organizadas pela Academia das Ciências de Lisboa, que tem por objetivo ‘analisar e discutir a evolução do panorama científico português de forma prospetiv

Páginas