“O mar tomou-se de repente muito novo e muito antigo”

 “O mar tomou-se de repente muito novo e muito antigo”
GCIC

Foi a bordo de um Galeão que a equipa do MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente-, e alguns interessados pela temática, viajaram pelo Parque Marinho do Parque Natural da Arrábida.

A conduzir o barco esteve Alexandre Vlasov, ucraniano há 14 anos em Portugal. No verão, não há um dia em que não assuma o comando e leve passageiros a passear por aquelas águas.

“As pessoas querem ver os golfinhos e querem andar à vela, já que Portugal é ‘um país de descobridores’. Gosto de lhes mostrar a nossa costa!”, diz, notando-se o orgulho que o faz ser também mais um “desses descobridores”.


Fonte: GCIC
Legenda: No verão, não há um dia em que Alexandre Vlasov, ucraniano, não assuma o comando e leve passageiros a passear por aquelas águas. Já o faz há 10 anos

Temperatura de feição, paisagens a condizer com o entusiasmo dos participantes, tudo a postos para conhecer a fauna local.

Às 10h00 o grupo saiu do porto de Sesimbra. Ao mesmo tempo, um outro barco levou grupos de escolas, houve ainda mais um a transportar mergulhadores que se dedicaram à captação de fotografias.
 


Fonte: GCIC
Legenda:  No Galeão viajaram 27 pessoas

O evento marcou o Dia Mundial do Ambiente. O objetivo foi, segundo Henrique Cabral, professor catedrático de Ciências e diretor e coordenador científico do MARE, “dar a conhecer o centro, alertar para os problemas que afetam o mar, na atualidade, e fazer com que as pessoas sejam parte da solução destes problemas. O mar representa uma parte substantiva do planeta, tem uma grande importância em tudo o que se passa, desde o clima até aos processos de regulação dos ecossistemas e é um pouco esquecido pela sociedade. São as pessoas que contribuem para a sua conservação e para a mudança de mentalidades e se a comunidade científica estiver fechada e só falar entre pares, o nosso contributo é reduzido”.

Durante a viagem no Galeão, 27 pessoas prestaram atenção às explicações dadas por biólogos sobre as particularidades das aves marinhas e cetáceos existentes naquela área e sobre alguns dos problemas do parque marinho.

 
Fonte: GCIC
Legenda: O biólogo informou que naquela área é possível encontrar praticamente todas as aves marinhas que ocorrem ao largo da plataforma continental portuguesa 

Entre as diversas curiosidades, Paulo Catry, especialista em aves marinhas do MARE, falou “nas adaptações extraordinárias que as aves marinhas têm, como a capacidade de viver meses ou anos a fio no mar sem nunca precisarem de vir a terra descansar, o facto de poderem fazerem viagens de muitos milhares de kms – algumas conseguem ir até à África do Sul, por exemplo -, e também a sua grande longevidade - muitas vivem até aos 20, 30, 40 anos e, excecionalmente, até aos 50”.

O biólogo informou que naquela área é possível encontrar “praticamente todas as aves marinhas que ocorrem ao largo da plataforma continental portuguesa, desde alcatrazes, pardelas de varias espécies, cagarras, tordas-mergulheiras, airos, garajaus, cravinas, moleiros, alcaides, entre outros.”


Fonte: GCIC
Legenda: Paulo Catry, especialista em aves marinhas do MARE, deu conta de diferentes curiosidades das espécies existentes naquela zona

A atenção manteve-se durante as explicações dadas pelos especialistas em cetáceos. Por exemplo, Ana Rita Luís, investigadora da Unidade de Eco-Etologia do Instituto Superior de Psicologia Aplicada – ISPA e membro do MARE -, mostrou um mosaico de barbatanas da população de golfinhos existente no Sado.


Fonte: GCIC
Legenda: Mosaico informativo de cetáceos avistados naquela zona

“Cada barbatana tem características específicas que nos permitem identificar o indivíduo a que pertence. No nosso mosaico temos ainda a indicação da data do primeiro avistamento, daqueles que foram vistos já em fase adulta ou juvenis e daqueles que foram avistados quando eram crias e, neste caso, é assinalado o ano do seu nascimento. Em alguns deles, temos a indicação do sexo, que é muito difícil de identificar. As fémeas reconhecem-se por associação às crias, os machos por observação da zona ventral e da barbatana”, explicou a investigadora que há sete anos trabalha nesta área e se sente fascinada pelo impacto ambiental e pela comunicação acústica.

Seguiu-se outro desafio: tentar ouvir golfinhos através de um hidrofone.

Sons da FCUL - Ouça a explicação do funcionamento de um hidrofone pela Ana Rita Luís, investigadora da Unidade de Eco-Etologia do Instituto Superior de Psicologia Aplicada – ISPA e membro do MARE . Pode encontrar outros clips de audio aqui.

 

Depois das aprendizagens no mar, em terra o dia foi preenchido com bancas de atividades, no porto de Sesimbra, com o intuito de demonstrar alguma da investigação feita no MARE, como a observação de plâncton, a observação de invertebrados bentónicos, a recolha de amostra para análise genética, a análise de sons de golfinhos e peixes, entre outros. As fotografias dos mergulhadores foram ainda dadas a conhecer no concurso de fotografia programado para aquele dia.


Fonte: GCIC
Legenda: No total, 100 pessoas participaram nas iniciativas de comemoração do Dia Mundial do Ambiente organizadas por este centro que une 400 investigadores de seis universidades portuguesas

Para Cristina Lopes, estudante de Turismo a participar na iniciativa, a experiência foi bastante positiva já que, como referiu, “estes passeios servem para mostrar aos portugueses toda a riqueza que nós temos a que, por vezes, não damos valor, quer por desconhecimento, quer pela falta de curiosidade ou até pela falta de tempo”. Quanto às aprendizagens adquiridas, que serão úteis para a área profissional que pretende exercer, a do turismo, acrescentou “ver, por exemplo, estes senhores a amanhar as redes faz parte da nossa cultura, do nosso povo, temos muita coisa extraordinária para transmitir”.

No total, 100 pessoas participaram nas iniciativas de comemoração do Dia Mundial do Ambiente organizadas por este centro que une 400 investigadores de seis universidades portuguesas – ULisboa, ISPA, Universidade de Coimbra, Universidade dos Açores, Universidade de Évora e Universidade Nova de Lisboa -, e que combina “competências de investigação científica e desenvolvimento de aplicações tecnológicas aplicadas a todos os tipos de sistemas aquáticos, desde as bacias hidrográficas, estuários e zonas costeiras, até ao oceano aberto e mar profundo”.

Depois das descobertas e da contemplação de toda a envolvente o alerta foi transmitido e apreendido: despertar para a necessidade de respeitar e conservar os oceanos é preciso!

A reportagem fotográfica da iniciativa pode ser encontrada no Facebook de Ciências em https://www.facebook.com/fac.ciencias.ul?ref=hl#!/media/set/?set=a.815172401840069.1073741858.123970940960222&type=3 .

Dia do Ambiente com o MARE

“O dia foi muito positivo. Houve uma grande participação dos media o que multiplica a difusão da mensagem, houve também pessoas da comunidade local, estudantes, entre outros. Foi muito interessante” Henrique Cabral, professor catedrático de Ciências e diretor e coordenador científico do MARE

“[Esta iniciativa] é boa para os alunos pois ficam a perceber a importância destes elementos e reforçam o conhecimento de que têm de respeitar a natureza que é um bem que é de todos” Odete Fernandes, professora da área das Ciências e Tecnologias

“Viemos ver uma exposição para a qual contribuímos, através dos trabalhos realizados por nós na praia Amieira – fotografias, sinais de aviso, herbário com plantas existentes na duna. O objetivo do nosso projeto foi o de conservar as dunas e proteger e avisar as pessoas que frequentam a praia para este assunto. Esta é a área que eu gosto, a da Biologia Marinha. Por isso, esta experiência mostrou-me que trabalho se executa nesta profissão e contribuiu certamente para me ajudar a decidir que caminho seguir no futuro” Rafael Benavente, aluno do 10.º ano da área das Ciências e Tecnologias

“Achei muito interessante. Gostei bastante de ouvir o biólogo que falou sobre as aves marinhas. Participar neste dia acaba por ser muito útil pela informação que se obtém, para valorizar a zona de Sesimbra e aquilo que temos para oferecer em termos de turismo” Artur Alves, aluno do curso de Turismo

“Sou bióloga marinha de profissão, estou a fazer um curso de turismo e achei que este passeio seria uma mais-valia. Isto faz parte da minha formação, é aquilo que eu gosto e que gosto de transmitir aos outros. Já tinha feito vários passeios e voltei a fazer este. Aqui transmitem-se muitas informações que por vezes são básicas e não chegam ao público em geral, ou questões que ninguém tem noção e têm muita importância”, Ana Ferreira, aluna do curso de Turismo

Raquel Salgueira Póvoas com reportagem fotográfica de PCR, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura
info.ciencias@fc.ul.pt
Bombeiro e participante a apagar um fogo com extintor no campus

Em outubro, Ciências ULisboa organizou um conjunto de ações de sensibilização dedicadas à segurança no campus da Faculdade. A iniciativa “Ciências em Segurança”, promovida pela Associação de Estudantes, contou com a ajuda do Gabinete de Segurança, Saúde e Sustentabilidade  e do Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa. 

Catarina Frazão Santos

O Conselho Europeu de Investigação atribui bolsa de arranque, no valor de 1,499,819.00 euros, a Catarina Frazão Santos, investigadora e docente no Departamento de Biologia Animal da Ciências ULisboa e investigadora integrada no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente, pelo seu projeto “Planeamento do Uso Sustentável do Oceano na Antártida num contexto de Alterações Ambientais Globais (PLAnT)”.

imagem ilustrativa de inteligencia artificial

"Conceitos que no passado eram aplicados exclusivamente à mente e ao cérebro humano estão agora a ser aplicados aos sistemas computacionais", escreve Klaus Gärtner, investigador do Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa.

"Este acontecimento é uma oportunidade para divulgar e celebrar a qualidade da investigação e da inovação desenvolvidas na Ciências ULisboa”, diz Margarida Santos-Reis, subdiretora da Faculdade para a área da investigação, a propósito da 5.ª edição do Dia da Investigação e Inovação.

imagem gerada por IA

"A realização de determinadas funções biológicas é explicada como efeito de uma “computação natural” executada pelo organismo. O objetivo destes programas é, como bem exemplificado por este recente artigo de Joshua Bongard e Michel Levin, promover uma confluência entre biologia e engenharia", escreve Lorenzo Baravalle, investigador do Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa.

pessoas a escavar na terra

Pegadas de dinossauros com 195 milhões de anos foram descobertas em Alvaiázere, no distrito de Leiria, sendo as mais antigas da Península Ibérica, segundo estudo publicado na revista científica Historical Biology. Carlos Neto de Carvalho, investigador do Instituto Dom Luiz, é um dos autores do trabalho.

Anfiteatro com pessoas

A 4.ª edição do acontecimento organizado pela Associação Portuguesa de Estudantes de Física (Physis), em colaboração com IA Ciências ULisboa e o Núcleo de Física e de Engenharia Física (NFEF) da Ciências ULisboa começou esta sexta-feira, dia 13 de outubro, no campus da Faculdade e termina este domingo, dia 15. Um dos pontos altos do programa é o debate “Há futuro na exploração espacial?”.

anffiteatro com cientistas

A Ciências ULisboa conta com 26 investigadores colocados nos rankings “World’s Top 2% Scientists”, de acordo com o mais recente estudo publicado pela Elsevier, comprovando a relevância da sua produção científica.

Laureados com o Nobel da Química

O Nobel da Química de 2023 foi atribuído conjuntamente a Moungi G. Bawendi, Louis E. Brus e Alexei I. Ekimov, pelo trabalho que levou à descoberta e ao desenvolvimento de pontos quânticos, nanopartículas tão minúsculas que o seu tamanho determina as suas propriedades, segundo comunicado oficial da Real Academia das Ciências da Suécia.

rato

O estudo “Resistência a rodenticidas anticoagulantes desafia esforços do controlo de pragas em Portugal” - realizado por uma equipa de investigadores do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar – visa recolher informações que tornem a gestão do ratinho doméstico mais eficiente, minimizando os seus impactos.

Katalin Karikó e Drew Weissman

A 2 de outubro de 2023 o Prémio Nobel da Fisiologia e Medicina foi atribuido a Katalin Karikó e Drew Weissman por descobertas biotecnológicas subjacentes à formulação das vacinas de mRNA (RNA mensageiro) para COVID-19. Em todo o mundo, mais de três mil milhões de pessoas receberam pelo menos duas doses destas vacinas (vacinas Comirnaty da Pfizer e Spikevax da Moderna). Em Portugal, cerca de sete milhões de pessoas receberam pelo menos três doses.

Pierre Agostini, Ferenc Krausz e Anne L'Huillier

O Nobel da Física de 2023 foi atribuído a três físicos europeus - Pierre Agostini, Ferenc Krausz e Anne L'Huillier -, a trabalhar nos EUA, Suécia e Alemanha. Reconhece os trabalhos pioneiros relativos à produção de luz decorrentes da interacção entre electrões e atómos foto-ionizados por laser, através da geração de um número elevado de harmónicas de ordem elevada que, em conjunto, e em condições de fase relativas adequadas (phase matching) podem dar origem a trens de impulsos luminosos com durações de ato-segundo (1 as = 10-18 s).

Centro de Congressos de Lisboa com vários participantes do EUPVSEC 2023

A 40th European Photovoltaic Solar Energy Conference and Exhibition - EUPVSEC 2023 realizou-se de 18 a 22 de setembro de 2023, no Centro de Congressos de Lisboa. João Serra, professor do Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia da Ciências ULisboa, foi novamente convidado a ser o chairman da maior e mais importante conferência europeia dedicada à energia fotovoltaica.

obra de Wassily Kandinsky

"Descobertas recentes na neurociência cognitiva - por António Damásio, Vittorio Gallese e Frans de Waal, entre outros - posicionam a empatia como um facto neurobiológico", escreve Graça P. Corrêa, investigadora do Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa.

pessoas numa escavação numa jazida de fósseis

Novo estudo publicado na revista Zoological Journal of the Linnean Society descreve um novo dinossáurio saurópode que viveu na Península Ibérica há 122 milhões de anos. Esta nova espécie de dinossáurio, apelidada de Garumbatitan morellensis, foi descrita a partir de restos descobertos em Morella (Castelló, Espanha) por uma equipa de paleontólogos portugueses e espanhóis e permitiu ampliar a diversidade de dinossáurios conhecida num dos melhores registos fósseis do Cretácico Inferior da Europa.

sensor de radiação no topo de um veículo

Um novo estudo desenvolvido por investigadores da Ciências ULisboa e do Instituto Dom Luiz com a colaboração de parceiros em França (Mines Paris - PSL) e Luxemburgo (LIST), publicado na revista Progress in Photovoltaics: Research and Applications, explora o potencial em ambiente urbano de veículos solares em 100 cidades em cinco continentes.

auditório lotado

18 de setembro foi o primeiro dia de aulas para mais de 800 novos alunos matriculados nas licenciaturas da Ciências ULisboa na 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso. A sessão de boas-vindas aos novos alunos decorreu às 11h30, no auditório 3.2.14.

Luís Fernando Marques Mendes foi um biólogo inteiramente dedicado à Entomologia, desde que se licenciou em 1971 pela Ciências ULisboa. Faleceu na passada quinta-feira, 14 de setembro, após prolongada doença. A Faculdade lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos seus familiares, amigos e colegas.

Laje rochosa - primeiras evidências de vertebrados do fundo do mar

A descoberta de fósseis extremamente raros, que representam as primeiras evidências de peixes de águas profundas, atrasa a invasão da planície abissal em 80 milhões de anos. Estas descobertas foram publicadas este mês num novo estudo na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

Grupo de pessoas

A 13ª Conferência Internacional SedNet - Continuum Sedimentar: aplicando uma abordagem de gestão integrada realizou-se na Ciências ULisboa, entre 5 a 9 de setembro. O programa intensivo de cinco dias começou com workshops sobre a gestão dos sedimentos a diferentes níveis, incluiu apresentações e uma visita de campo ao Porto de Lisboa e às dunas e praias de Cascais.

O Departamento de Matemática da Ciências ULisboa e o Museu Nacional de História da Ciência juntam-se numa homenagem que marca o centenário do nascimento do professor João Santos Guerreiro, a realizar no próximo dia 23 de setembro, entre as 14h00 e as 18h00, no Anfiteatro Manuel Valadares, no MUHNAC.

peixes

Os organismos estão a tornar-se mais pequenos através de uma combinação de substituição de espécies e mudanças dentro das espécies: trata-se da conclusão de um novo estudo publicado na revista Science, que analisou dados de todo o mundo dos últimos 60 anos e de diversas espécies de animais e plantas.

Filipe Rosas

​Filipe Rosas é o novo coordenador do Instituto Dom Luiz (IDL).

Susana Custódio com alunos

Portugal obteve uma medalha de prata e três medalhas de bronze na 16.ª edição da International Earth Science Olympiad (IESO 2023), que assinala a 8.ª participação portuguesa. A SGP e a CNOG agradecem à Faculdade o apoio científico prestado no âmbito do programa de preparação da equipa portuguesa para a 16.ª edição da IESO.

3 homens sentados

MARGINS surgiu com o objetivo de estudar as interações socioecológicas entre comunidades humanas e ambiente na zona costeira da Guiné-Bissau e compreender a inter-relação de arrozais e mangais como parte de uma unidade afetada pelas mudanças climáticas. No projeto estão envolvidos docentes, investigadores do IDL e cE3c e estudantes da Faculdade.

Páginas