Entrevista a Helena Calhau

“Todos temos algo para ensinar”

FameLab Portugal

"Sem dúvida que adquiri conhecimentos importantes não só para o evento mas para o resto da minha vida, seja profissional ou até mesmo pessoal."

Helena Calhau

“O que realmente me aqueceu o coração foi o facto de que, depois da apresentação, algumas pessoas dedicaram tempo a dirigirem-se a mim para discutir o tema em mais profundidade, explicar-me os seus pontos de vista e opiniões”, declara Helena Calhau, aluna do 2.º ano da licenciatura em Física, finalista do concurso FameLab Portugal 2017.

O que a levou a participar?

Helena Calhau (HC) - Gosto de ciência e é comum falar mais do que devia, falar de ciência pareceu-me então um bom trabalho para mim.

De que trata o tema que apresentou?

HC - Na semifinal falei de matéria negra: o que é, como provar a sua existência e como utilizá-la para irritar um cientista. Na final irei falar da importância da água no que diz respeito à procura de vida fora do nosso planeta.

Como se preparou para este desafio?

HC - Acredito que, como em tudo na vida, não se deve falar de coisas que não se compreende. Assim, a única preparação possível é informarmo-nos o máximo possível sobre o assunto que vamos abordar. Claro que o estudo e a vida em geral nem sempre nos dão tanto tempo como gostaríamos e, por vezes, os próprios nervos enrolam a língua e “a coisa” não sai bem como devia. Mas desde que se saiba do que se está a falar e se fale sobre algo que se goste, não penso que seja necessário muito mais preparação.

A Comunicação de Ciência é uma área do seu interesse e em que pretende continuar a adquirir competências? Que importância lhe atribui?

HC - Eu sei, infelizmente por experiência própria, o que custa gostar de algo e nem sempre ter a capacidade para o entender. É um sentimento que não desejo a ninguém. Principalmente porque por vezes nem sequer é culpa nossa. Por vezes outros fatores, como o tempo, saúde ou falta de recursos, interferem nesse entendimento. Mas mais que isso, sei o que é querer compreender algo e as pessoas que possuem a capacidade de te ajudar parecem viver num planeta completamente diferente do teu. Para mim é aí que a comunicação de ciência entra em ação. Não interessa se se está a falar para um miúdo ou miúda que quer um dia ir à lua mas os amigos acham mais interessante discutir as novidades da novela da tarde ou para um adulto cuja ansiedade pelo conhecimento se recusa a ser amassada pela dureza da vida. Acredito que o acesso à ciência deve ser facilitado a toda a população e não apenas a quem teve a boa sorte de lho ser entregue. Mais, acredito que os cientistas também usufruem de benefícios no que toca a este tipo de interações. Todos temos algo para ensinar, tenha esse conhecimento sido ensinado ou adquirido por experiência própria. Se a Comunicação de Ciência é a ponte entre esses níveis de sabedoria, então tenho todo o prazer de a atravessar quantas vezes me for possível.

O que foi mais gratificante, nesta participação?

HC - Essa é uma pergunta difícil. Suponho que se tiver de escolher apenas uma coisa seria exatamente o que o projeto procura fazer: falar de ciência. Não só com os nossos colegas, amigos e família, mas pessoas novas que têm opiniões novas e pontos de vista diferentes. A verdadeira vitória para mim não foi estar em palco ou ter passado à final. Não me entendam mal, passar à final foi uma maravilha, principalmente porque me dá uma oportunidade de não só aplicar tudo aquilo que aprendi desde então mas de voltar a partilhar um tema que acho bastante interessante. No entanto, o que realmente me aqueceu o coração foi o facto de que, depois da apresentação, algumas pessoas dedicaram tempo a dirigirem-se a mim para discutir o tema em mais profundidade, explicar-me os seus pontos de vista e opiniões e fazer perguntas extra sobre o assunto. Isso para mim é comunicação científica e é isso que este programa nos dá a oportunidade de fazer.

E o que foi mais difícil?

HC - Parecendo que não, quando entramos numa sala cheia de desconhecidos que estão literalmente à nossa espera e à espera de ouvir o que temos para dizer, aprendemos umas quantas coisas sobre nós. Subitamente os temas que passámos tanto tempo a estudar, ponderar e analisar já não são apenas nossos. São de toda a gente que os nos quer ouvir falar sobre eles, e, de tal forma, não só as nossas próprias opiniões e conclusões mas também a forma como as expressamos, o som da nossa voz, a nossa linguagem corporal, encontram-se expostas ao público para julgamento. Tal pode ser assustador. Obter esse feedback, por muito construtivo que seja, e não o deixar deitar-te abaixo é sem dúvida algo que requer esforço.

Isso, e os três minutos. Aqueles três minutos “matam-me”.

Que balanço faz da masterclass?

HC - Sem dúvida que adquiri conhecimentos importantes não só para o evento mas para o resto da minha vida, seja profissional ou até mesmo pessoal. Há coisas que as pessoas no ramo da ciência por vezes não dedicam muita preocupação. Os mistérios do Universo são tantos que deixam pouco tempo para a maneira como nos sentamos numa cadeira ou a forma como começamos uma conversa com as pessoas à nossa volta. E no entanto, é quase tão importante como aquilo que estamos a dizer.
Para além disso, é um fim de semana passado com pessoas que estudam / trabalham de certa forma na área. De repente, o evento deixa de ser uma competição e passa a ser um convívio entre pessoas que têm paixões em comum.

Raquel Salgueira Póvoas, Área de Comunicação e Imagem
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Sala com computadores

João Sousa, investigador no Laboratório de Sistemas Informáticos de Grande Escala, foi distinguido com o prémio DSN 2019 William C. Carter, no âmbito do trabalho desenvolvido na tese de doutoramento "Byzantine state machine replication for the masses", realizada enquanto aluno do Departamento de Informática de Ciências ULisboa.

Pedro Mocho

Pedro Mocho lidera o estudo que identificou uma nova espécie de dinossáurio - Oceanotitan dantasi. Geologia sempre foi a sua paixão. Nos próximos seis anos continuará a estudar a história evolutiva dos dinossáurios saurópodes do Mesozóico Ibérico.

Esqueleto de <i>Oceanotitan dantasi</i> à escala

Uma equipa de paleontólogos identificou uma nova espécie de dinossáurio - Oceanotitan dantasi -, descoberto na Praia de Valmitão, na Lourinhã, em 1996. A identificação da nova espécie confirma a presença de uma grande diversidade de saurópodes no Jurássico Superior de Portugal rivalizando a diversidade já reconhecida nas faunas do Jurássico Superior da América do Norte e de África.

Estudantes a trabalhar

Nuno Silva termina a bolsa Erasmus+ em julho. O programa de mobilidade tem sido na sua opinião uma ótima experiência. Recentemente o aluno de Engenharia Biomédica e Biofísica foi um dos vencedores do Innovation Award da Explore Competition.

Martin O'Halloran, Eoghan Dunne, Nuno Silva e Laura Farina

Nuno Silva, aluno do mestrado integrado em Engenharia Biomédica e Biofísica de Ciências ULisboa a estudar no Translational Medical Device Lab, da National University of Ireland,em Galway, no âmbito de uma bolsa Erasmus+, venceu juntamente com o colega Eoghan Dunne, o Innovation Award da Explore Competition.

João Duarte

Investigadores de Ciências ULisboa propõem um novo mecanismo que permite explicar a existência de uma anomalia tectónica a SW do Cabo de São Vicente.

O neurocientista português Fernando Lopes da Silva nascido em Lisboa a 24 de Janeiro de 1935, faleceu no passado dia 7 de maio, na Holanda, onde vivia há mais de 50 anos. Ciências ULisboa lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos familiares, amigos e colegas de Fernando Lopes da Silva.

Permacultura

A rede europeia ECOLISE publicou este mês um novo relatório sobre a eficácia das ações de sustentabilidade e mudança climática realizadas pelas comunidades locais. O investigador de Ciências ULisboa, Gil Penha-Lopes, líder deste projeto, espera que daqui a dois anos haja um novo relatório e que a plataforma online - wiki.ecolise.eu - suporte uma comunidade ainda mais dinâmica e saudável.

"A presença de um 'devias' é muitas vezes uma barreira à congruência entre o eu real e o eu ideal", escreve a psicóloga do Gapsi, Andreia Santos, na rubrica habitual.

Uma equipa internacional constituída por 121 cientistas reconstruiu a complexa história dos cavalos domésticos. O estudo divulgado este mês na revista Cell inclui a participação de Maria do Mar Oom, investigadora do polo de Ciências do cE3c e de Cristina Luís, investigadora do polo de Ciências do CIUHCT, MUHNAC e CIES-ISCTE-IUL, que coordenou o desenvolvimento do trabalho da equipa portuguesa.

O naturalista entomólogo do Museu Bocage desde 1957 até 1975 faleceu no dia 29 de abril de 2019. José Alberto Quartau presta homenagem "a quem lhe abriu as portas" da Entomologia.

ETAPS 2019

Vasco T. Vasconcelos, professor do Departamento de Informática de Ciências ULisboa, Kohei Honda, professor da Queen Mary University of London, no Reino Unido, entretanto falecido e Makoto Kubo, professor da Chiba University of Commerce, no Japão, autores do artigo “Language primitives and type discipline for structured communication-based programming”, apresentado durante o European Symposium on Programming, em 1998, foram galardoados com o ETAPS 2019 Test of Time Award.

Mar

Carlos Antunes, Cristina Catita e Carolina Rocha são os vencedores do Prémio "Engenheiro Empreendedor 2018 - Ano OE das Alterações Climáticas”. Os investigadores de Ciências ULisboa criaram uma aplicação web, suportada por um serviço de mapas na web para a visualização dos cenários de subida do nível do mar em Portugal continental e respetiva cartografia de inundação e de vulnerabilidade física costeira para 2025, 2050 e 2100.

Campus Ciências ULisboa

"Se quisermos conhecer agora o que se passa na Ciência da Computação, do ponto de vista científico e tecnológico, devemos consultar, mensalmente, a revista CACM - Communications of the Association of Computing Machinery, dos EUA", in no Campus com Helder Coelho.

auditório ISCTE-IUL

“Mostramos que estamos no bom caminho e que já temos muitas ações desenvolvidas e que temos potencial para ir muito mais longe”, comenta Margarida Santos-Reis, uma das oradoras do seminário “Integrating the Sustainable Development Goals into Higher Education”.

Fadhil Musa, Rita Maçorano, Ana Faísca, Filipa Tomé e Francisca Canais

A Faculdade participou nos “Encontros com a Inovação em Saúde – 8.ª Edição” e na 4.ª Edição do “Mercado de Inovação em Saúde”.

Esquema

“Gostaria de continuar envolvida em projetos ligados às tecnologias médicas, que sejam inovadores e que procuram ter impacto e melhorar o bem-estar das pessoas”, conta Daniela Marques Godinho, a aluna de doutoramento em Engenharia Biomédica e Biofísica de Ciências ULisboa, distinguida com o 3.ª lugar do Best Student Paper, edição de 2018, durante o 12.º Congresso do Comité Português da URSI.

Biblioteca do IDL

A visita de Sang-Mook Lee a Portugal tem como objetivo científico a magnetometria em furos de sondagens e contempla passagens pelo campus de Aljustrel do Laboratório Nacional de Energia e Geologia, Almina, Minas de Aljustrel e Mina de Ciência - Centro Ciência Viva do Lousal.

Primeira imagem de um buraco negro, localizado no centro da galáxia Messier 87

A primeira imagem direta de um buraco negro foi divulgada esta quarta-feira, dia 10 de abril, em sete conferências de imprensa simultâneas, pela iniciativa internacional Event Horizon Telescope.

Grupo de Transição Energética do IDL Ciências ULisboa

Raquel Figueiredo, estudante de doutoramento em Sistemas Sustentáveis de Energia, é a primeira autora do artigo que será publicado na edição de junho do Journal of Cleaner Production e que avalia alternativas renováveis às centrais de carvão em Portugal.

"Torna-se urgente e imperativo travar e reverter todo este processo de destruição. Amemos ou odiemos os insetos, o certo é que será difícil sobrevivermos sem eles", escreve o cientista José Alberto Quartau.

Edição 2018 da Jobshop Ciências

A feira de emprego de Ciências já vai na X edição e todos os anos mais empresas estão presentes assim como mais estudantes participam na iniciativa.

livros

Henrique Leitão, investigador do Departamento de História e Filosofia das Ciências e do Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia de Ciências ULisboa ganhou uma European Council Research (ERC) Advanced Grant 2018, no valor de dois milhões de euros, no âmbito do projeto “Making the Earth Global: Early Modern Nautical Rutters and the Construction of a Global Concept of the Earth”.

Cérebro

Cláudio Gomes, professor no Departamento de Química e Bioquímica de Ciências ULisboa e investigador no BioISI, apresenta dia 28 de março o mais recente trabalho do seu laboratório sobre um novo mecanismo bioquímico nas células nervosas que retarda a formação de agregados de proteína no cérebro, causadores da doença de Alzheimer, na 14ª Edição daAD/PDTM - Conferência Internacional de Doença de Alzheimer e Parkinson.

Maria José calhorda

O Prémio Ferreira da Silva 2018 da Sociedade Portuguesa de Química (SPQ) é atribuído a Maria José Calhorda, professora do Departamento de Química e Bioquímica de Ciências ULisboa, e será entregue durante o XXVI Encontro Nacional da SPQ, a ocorrer no Porto, de 24 a 26 de julho de 2019.

Páginas