Entrevista com os coordenadores do novo mestrado em Geologia

Novos desafios sociais, económicos e ambientais, com reflexos no mercado de trabalho

saída de campo da Geologia

O novo mestrado harmoniza a duração do ciclo de estudos com outros ciclos de estudos congéneres, permitindo assim uma maior permeabilidade entre os diversos cursos na mesma área oferecidos por outras instituições

DG Ciências ULisboa
Três professores
Raul Jorge, Rui Taborda, Maria do Rosário Carvalho
Fonte DQ Ciências ULisboa

"Este novo mestrado foi concebido de modo a garantir que os alunos consolidem a formação base que habilita ao exercício da profissão em contextos diversos, de modo a resolverem problemas associados às Ciências da Terra, aos recursos geológicos e hídricos e ao ambiente e satisfazerem as necessidades profissionais do mercado de trabalho para geólogos."

A Faculdade tem um novo ciclo de estudos acreditado pela  Agência e Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES), para substituição dos mestrados na área da Geologia com 90 ECTS. O novo mestrado em Geologia tem a duração de dois anos, com 120 ECTS. Em entrevista, os coordenadores do novo mestrado em Geologia - Rui Taborda, Raul Jorge e Maria do Rosário Carvalho – identificam as principais mudanças do programa de estudos, o que o diferencia e as expetativas que o Departamento de Geologia tem para o futuro, na sequência da implementação destas alterações. Um dos objetivos do Departamento é que os estudantes que escolham esta área científica possam ajudar a resolver os problemas associados às Ciências da Terra, aos recursos geológicos e hídricos e ao ambiente, satisfazendo as necessidades profissionais do mercado de trabalho para geólogos.

Sedimento e régua
Não existem dados oficiais específicos sobre a empregabilidade dos mestrados anteriores na área da Geologia da Faculdade, no entanto, de acordo com dados agregados da ULisboa a taxa de emprego na área das Ciências Físicas e da Terra era de 87%, mais de metade na sua área da formação
Fonte DG Ciências ULisboa

Quais são as razões que motivaram esta alteração?

Coordenadores do mestrado de Geologia (CMG) - As principais razões que motivaram a mudança estão relacionadas com a evolução do conhecimento científico e tecnológico e a existência de novos desafios sociais, económicos e ambientais, com reflexos no mercado de trabalho na área da Geologia. Estas mudanças conduziram à reorganização da estrutura global (1º e 2º ciclos) da oferta formativa, das unidades curriculares e dos seus conteúdos programáticos. Nesse sentido, o novo mestrado foi estruturado de forma a alinhar de forma mais consistente a componente letiva com a relevância social e económica das Ciências da Terra, nomeadamente na resolução de problemas relacionados com a gestão ambiental, adaptação às consequências das alterações globais e exploração sustentada de recursos geológicos, energéticos e hídricos.

Em que consistem estas principais mudanças?

CMG - O novo mestrado em Geologia consolida a oferta formativa de 2º ciclo na área da Geologia, que era constituída por quatro mestrados (Geologia, Geologia Económica, Geologia Aplicada, Geologia do Ambiente, Riscos Geológicos e Ordenamento do Território). A nova configuração curricular assenta num tronco comum sólido onde se desenvolvem competências transversais e que está orientado para aquisição dos conhecimentos essenciais para o exercício da profissão de geólogo. Esta formação é complementada por conteúdos que permitem a especialização em três domínios fundamentais da Geologia: Geodinâmica e Recursos Geológicos, Paleoambientes e Mudanças Globais, e Geologia Aplicada e Ambiental. A especialização é ainda aprofundada através da escolha de um grupo alargado de disciplinas opcionais e das unidades curriculares de Estudo Orientado, de Projeto de Campo e Experimental e da Dissertação/Estágio. O novo mestrado harmoniza a duração do ciclo de estudos com outros ciclos de estudos congéneres, permitindo assim uma maior permeabilidade entre os diversos cursos na mesma área oferecidos por outras instituições.

"A nova configuração curricular assenta num tronco comum sólido onde se desenvolvem competências transversais e que está orientado para aquisição dos conhecimentos essenciais para o exercício da profissão de geólogo."

saída de campo geologia
Os futuros  alunos que optem por este curso têm uma maior capacidade de adaptação às alterações cíclicas do mercado de trabalho nacional e internacional
Fonte DG Ciências ULisboa

O que distingue este mestrado de outros na mesma área?

CMG - Como já se referiu, a estrutura do novo mestrado assenta em três eixos fundamentais: 1) a pertinência e atualidade dos conteúdos programáticos ministrados, 2) a aposta clara na componente prática do curso de mestrado e 3) o vasto leque de disciplinas de opção que permite uma correta e fácil adaptação aos interesses específicos de cada aluno. A conjugação destes três eixos permite ainda aos futuros alunos, que optem por este curso de mestrado, uma maior capacidade de adaptação às alterações cíclicas do mercado de trabalho nacional e internacional. O plano curricular simultaneamente coerente e flexível conjuga de modo equilibrado componentes nucleares transversais e opções especializadas. Estas características fazem seguramente deste mestrado uma singularidade no plano nacional e permitem antever uma boa aceitação junto das entidades empregadoras públicas e privadas.

Leia o artigo de opinião do Departamento de Geologia sobre o novo mestrado que tem como objetivo formar profissionais com uma formação sólida em áreas chave das Ciências da Terra e que possam responder aos desafios da sociedade do século XXI.

Quais são as expetativas que têm para o futuro?

CMG - Este novo mestrado foi concebido de modo a garantir que os alunos consolidem a formação base que habilita ao exercício da profissão em contextos diversos, de modo a resolverem problemas associados às Ciências da Terra, aos recursos geológicos e hídricos e ao ambiente e satisfazerem as necessidades profissionais do mercado de trabalho para geólogos.

"As alterações propostas no novo ciclo de estudos, que acrescentam componentes de formação nas áreas da Sustentabilidade e Competências Digitais, sem colocar em causa uma sólida formação nas áreas fundamentais da Geologia que caracterizavam os ciclos de estudos precedentes, permitem prever uma melhoria considerável na inserção dos mestres em Geologia no mercado de trabalho."

Quantos alunos concluíram com sucesso os mestrados na área da Geologia desde 2018 até agora?

CMG - No mestrado em Geologia 23 alunos, no de Geologia Económica - 27 alunos, no de Geologia Aplicada oito alunos e no de Geologia do Ambiente, Riscos Geológicos e Ordenamento do Território 17 alunos.

Pedreira
As principais razões que motivaram a mudança do curso estão relacionadas com a evolução do conhecimento científico e tecnológico e a existência de novos desafios sociais, económicos e ambientais
Fonte DG Ciências ULisboa

Quais são os indicadores de empregabilidade do curso?

CMG - Não existem dados oficiais específicos sobre a empregabilidade dos mestrados anteriores na área da Geologia da Faculdade, no entanto, de acordo com dados agregados da ULisboa a taxa de emprego na área das Ciências Físicas e da Terra era de 87%, mais de metade na sua área da formação.

As alterações propostas no novo ciclo de estudos, que acrescentam componentes de formação nas áreas da Sustentabilidade e Competências Digitais, sem colocar em causa uma sólida formação nas áreas fundamentais da Geologia que caracterizavam os ciclos de estudos precedentes, permitem prever uma melhoria considerável na inserção dos mestres em Geologia no mercado de trabalho.

Ana Subtil Simões, Gabinete de Jornalismo Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
O novo mestrado em Geologia
Um grupo de membros de Instituições do Ensino Superior, onde se inclui CIÊNCIAS, está reunido em frente a um jardim, em visita à Siemens

 A iniciativa teve como objetivo aproximar a academia do tecido empresarial.

Nuno Gonçalves alcança o segundo lugar na competição 3MT ULisboa.

Nuno Gonçalves foi distinguido com o segundo lugar, na final da competição ‘Três Minutos de Tese – 3MT ULisboa’, que se realizou esta quint

Inês Ventura

Inês Ventura, a desenvolver o seu doutoramento no Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) e no Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (

Universidade de Lisboa

A Universidade de Lisboa alcança a 260ª posição no QS World University Rankings (SUR) 2025, tornando-se na universidade portuguesa mais bem classificada neste ranking.

Signatários do acordo

Dia 5 de junho foi assinado o acordo para a construção do espectrógrafo ANDES (ArmazoNes high Dispersion Echelle Spectrograph – Espectrógrafo Echelle de alta dispersão do Armazones), entre o Observatório Europeu do Sul (

 Luís Carriço, Diretor de CIÊNCIAS, e David Gonçalves, Dean do Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ) assinam acordo sentados a uma mesa

CIÊNCIAS assinou no dia 5 de junho um acordo de cooperação com o Instituto da Ciência e do Ambiente da Universidade de São José (USJ), com vista à cooperação científica em várias áreas de interesse comum.

Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Dia Nacional dos Cientistas - 16 de maio

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído em 2016 por Resolução da Assembleia da República com o objetivo de reconhecer e celebrar a contribuição vital dos cientistas para o progresso da sociedade.

CIÊNCIAS e OKEANOS em parceria para monitorizar biodiversidade e alterações dos ecossistemas marinhos

Projeto internacional SEAGHOSTS visa a monitorização e conservação das populações de painhos, as aves marinhas mais pequenas do planeta.

Reitoria da ULisboa

O CWUR 2024 avaliou de entre 20.966 instituições de ensino superior e atribuiu à ULisboa o 211.º lugar (top 1.1%) e a 80.ª posição no panorama europeu.

Páginas