Poluição por plásticos

Das zonas estudadas, o estuário do Tejo apresentou a maior abundância de microfibras

EVOA Paulo Valdivieso

Scripta manent. O que se escreve, fica, permanece.


Pedro M. Lourenço a anilhar em Vasa Sacos
Imagem cedida por PML

Há cinco anos o biólogo marinho Pedro M. Lourenço encontrou microfibras em dejetos de aves. Foi nessa ocasião que surgiu a ideia de avaliar a abundância de microplásticos nos estuários, iniciando assim um estudo sobre a poluição por plásticos.

O investigador do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM) começou por fazer uma amostragem dirigida ao tema. Mais tarde, em 2013/2014, surgiu a oportunidade de ter uma aluna de mestrado dedicada a tempo inteiro ao assunto.

Catarina Serra Gonçalves após concluir a licenciatura em Biologia em Ciências, em julho de 2012, iniciou o mestrado em Biologia da Conservação, possibilitando dessa forma a amostragem aprofundada.

Quando os cientistas perceberam que seria importante determinar a composição química das fibras estabeleceram contacto com Joana Ferreira, investigadora da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, que auxiliou na análise espectroscópica das fibras.

A equipa do CESAM trabalha sobretudo com ecologia de aves costeiras e marinhas. Neste estudo sobre a poluição de plásticos no estuário do Tejo e em duas zonas costeiras da África Ocidental - o Banc d’Arguin na Mauritânia e o arquipélago dos Bijagós na Guiné-Bissau -, Pedro M. Lourenço e Catarina Gonçalves fizeram a maior parte do trabalho de campo, análise laboratorial e de dados.


Catarina Serra Gonçalves durante um estágio de conservação de tartarugas de água doce na Amazónia
Fonte Ana Romero

Atualmente, Catarina Serra Gonçalves prepara-se para começar o doutoramento na Universidade da Tasmânia, na Austrália. O seu projeto visa identificar os padrões de distribuição de micro e macro plástico ao longo da costa australiana, seguindo um pouco o estudo iniciado durante o mestrado em Ciências, de forma a definir hotspots de poluição marinha.


Saida noturna de Anfibios em Sintra
Fonte Diogo Cabecinha

Quando ingressou no ensino superior, a primeira opção de Catarina Serra Gonçalves foi Biologia, em Ciências. Gostou bastante dos professores e na sua opinião, quer a licenciatura, quer o mestrado deram boas bases de conhecimento teórico e prático. “Tem uma panóplia elevada de equipas de elevado nível científico e especializadas em variados temas”, conta a jovem que se interessou pelo estudo da ecologia e da conservação de aves marinhas e de limícolas, e que teve como orientadores de mestrado, Pedro M. Lourenço e José Pedro Granadeiro. “O que me interessou foi estudar um tema com elevada importância para a conservação da biodiversidade, acabei assim por divergir para estudar a poluição nos ecossistemas estuarinos e nas suas comunidades”, conclui acrescentando que “a publicação do artigo é um alerta para este problema e para as várias implicações destas partículas na biodiversidade”.

Para Pedro M. Lourenço as principais dificuldades deste trabalho estão relacionadas com o processamento das amostras de sedimento, que é “muito moroso e requer uma paciência razoável” e com a recolha das amostras nas zonas entremarés do estuário, que implica “longas caminhadas em lama”. Já a principal alegria passou por ver “o trabalho levado a bom porto”, quer na forma da tese que a Catarina Serra Gonçalves defendeu em 2016, quer com a publicação do artigo.

No passado dia 8 de agosto, a Science Direct divulgou “Plastic and other microfibers in sediments, macroinvertebrates and shorebirds from three intertidal wetlands of southern Europe and west Africa”, que apresenta os principais resultados deste trabalho e que contou também com a colaboração de Teresa Catry e José Pedro Granadeiro, ambos docentes do Departamento de Biologia Animal de Ciências. No próximo mês de dezembro o artigo será publicado, no volume 231, na Environmental Pollution.

Das zonas estudadas, o estuário do Tejo apresentou a maior abundância de microfibras. Os investigadores concluíram que todas as espécies de invertebrados e de aves analisadas ingerem microfibras e que estes poluentes propagam-se nas cadeias alimentares. Os cientistas alertam para o facto de alguns estudos laboratoriais mostrarem que a ingestão de microplásticos pelos animais pode causar distúrbios fisiológicos; e que os dois bivalves estudados no Tejo - a lambujinha e o berbigão - são consumidos pelo homem, que pode assim ingerir estes poluentes inadvertidamente, aconselhando a monitorização deste potencial problema.

“Atualmente temos vários projetos em curso sobre as aves marinhas e suas interações com outros organismos nos mares do arquipélago da Madeira, assim como um projeto (ainda em fase de planeamento) sobre a comunidade de aves limícolas do arquipélago dos Bijagós, na Guiné-Bissau. Este trabalho foca-se sobretudo em temas como a dieta, seleção de habitat, distribuição das aves e interações com as presas das aves e terá uma componente sobre poluição, não só por plásticos mas também por metais pesados.”
Pedro M. Lourenço

Birds of the World - Learn about a different bird species everyday!

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Estuários de plástico
ETAR de Serzedelo

A primeira etapa do COVIDETECT já está concluída e com sucesso anunciou esta quarta-feira a AdP - Águas de Portugal . O projeto visa criar um sistema de alerta precoce da presença do vírus SARS-CoV-2, agente etiológico da COVID-19, através da análise de águas residuais e pretende contribuir para melhorar a resposta face a eventuais novos surtos da doença na comunidade. Ciências ULisboa assegura a coordenação científica do projeto financiado através do programa Compete 2020.

Papel e caneta, num ato de estudo

"Estudar em tempos da COVID-19 é novo e exigente. No entanto, temos recursos para tomar as rédeas, mesmo numa situação desta dimensão, e retomar o controlo", escreve Madalena Pintão, estagiária académica do GAPsi Ciências ULisboa. Conheça as suas sugestões...

Médicos e enfermeiros

"Independentemente das soluções adotadas, a crise sanitária da COVID-19 vem inequivocamente demonstrar que a Bioética, para além de uma vertente mais teórica e fundamental, tem uma vertente prática que atua no terreno e dá um contributo importante para a estabilização do funcionamento dos sistemas de saúde." Opinião de Jorge Marques da Silva, professor do Departamento de Biologia Vegetal da Ciências ULisboa e investigador do polo da Faculdade do BioISI. 

Processo de inativação do vírus SARS-CoV-2 em amostras biológicas no CT Ciências ULisboa

O Centro de Testes da Ciências ULisboa atualmente inteiramente dedicado à investigação, diagnóstico e rastreio do SARS-CoV-2 e suas variantes começou a sua atividade a 1 de maio, tendo já realizado mais de mil testes de diagnóstico à COVID-19, com a ajuda de cerca de 50 voluntários, sendo que mais de 300 pessoas manifestaram interesse em colaborar voluntariamente nesta nova infraestrutura da Faculdade.

Pormenor do protótipo da câmara de descontaminação transportável

A Delox foi distinguida recentemente com o Born from Knowledge (BfK) Awards no âmbito do protótipo de uma câmara de descontaminação transportável, que permitirá reutilizar máscaras respiratórias e que está a desenvolver em parceria com o Exército Português. A propósito desta distinção entrevistamos um dos fundadores da spin-off fundada há cerca de dois anos – Fernando Antunes, professor do DQB e investigador do polo da Faculdade do CQE.

Porta entreaberta

"Estar em casa, da forma como se tem estado, pode surgir como o 'único lugar' seguro, dando uma forte sensação de proteção. Em oposição, a ideia de sair torna-se ameaçadora. Esta é uma ideia que é preciso cuidar, para que não se torne avassaladora e angustiante no processo de retomar, no encontro entre o 'mundo cá dentro' e o 'mundo lá fora'", escreve a psicóloga Andreia Santos.

Páginas de livros

"Neste exercício permanente de experimentar será que ganhamos uma impressão do que é uma Teoria Geral da Complexidade?" Mais um ensaio "No Campus com Helder Coelho", em destaque no Dia Nacional dos Cientistas.

“A nossa Faculdade tem uma oferta vasta, diversificada e de enorme qualidade”, diz Fernanda Oliveira, subdiretora da Faculdade em comunicado de imprensa emitido recentemente a propósito dos dias virtuais que têm como público alvo sobretudo candidatos ao ensino superior e que acontecem nos dias 21 de maio e 3 de junho de 2020.

Figura humana em destaque

"No restabelecimento do contacto com o mundo alguns receios e ansiedades poderão estar presentes, a recuperação fisiológica e emocional é um processo, e como tal, leva o seu tempo." Mais um artigo do GAPsi, com nova sugestão, convidando a refletir sobre aquilo que era a vida de cada um de nós, exatamente, há um ano atrás.

4th International Conference on the Computational Processing of Portuguese

Rodrigo Santos, atualmente estudante de doutoramento em Informática na Ciências ULisboa, foi galardoado este ano com o prémio da melhor dissertação de mestrado sobre o Processamento de Língua Portuguesa no período de 2017-2019, durante a PROPOR – “14th International Conference on the Computational Processing of Portuguese”, ocorrida em Évora. 

Conceção artística do telescópio Euclid

O consórcio da missão Euclid, um telescópio que irá penetrar no lado escuro do Universo e que tem lançamento previsto para 2022, atribuiu o prémio Euclid STAR 2020 na categoria “equipa” a um dos grupos do consórcio com uma forte participação portuguesa, nomeadamente de investigadores do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA) e da Ciências ULisboa.

Balões com sorrisos

"Embora a realidade externa seja muito semelhante para todos, a forma como olhamos para ela não é igual. Por isso, alguns de nós estão desejosos que este período de isolamento termine e outros (secretamente ou não) desejam que a vida pudesse seguir um rumo parecido ao que se vive atualmente", escreve a psicóloga Inês Ventura na habitual rubrica do GAPsi.

“O cruzamento da história das ciências com a banda desenhada foi uma aposta arriscada e uma concretização genuinamente coletiva, cujo resultado final é mais do que o somatório das partes. É para nós uma grande satisfação que o universo da banda desenhada em Portugal o tenha reconhecido”, comentam Ana Simões e Ana Matilde Sousa, autoras da obra distinguida com o Prémio de Melhor Publicação Nacional com Distribuição Comercial.

Imagem gráfica da rubrica Radar Tec Labs

Quarta rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque é a ONTOP.

Máscara respiratória

O consórcio REUSE coordenado pelo CQE Ciências ULisboa surge na sequência do apoio especial a projetos de implementação rápida para soluções inovadoras de resposta à COVID-19 e tem como objetivo a descontaminação de máscaras respiratórias para posterior reutilização.

Teletrabalho

"É verdade, as coisas precisam ser feitas, mas, se não fizermos uma boa gestão de nós próprios, estamos potencialmente a acabar com a única fonte que pode produzir - nós", alerta a psicóloga Andreia Santos, na rubrica habitual do GAPsi, deixando também algumas dicas para quem está em teletrabalho.

Imagem artística relacionada com uma nuvem de pensamentos

“Após pequenas ou grandes tempestades que se passem dentro de casa, vem o diálogo e a negociação para que os tempos de cada um sejam respeitados”, escreve Madalena Pintão, estagiária académica do GAPsi Ciências ULisboa, na rubrica habitual.

ETAR de Alcântara

O Ministério do Ambiente e Ação Climática anunciou o lançamento do projeto de investigação COVIDETECT e a criação de um sistema de alerta precoce da presença do vírus SARS-CoV-2, agente etiológico da COVID-19, através da análise de águas residuais. O projeto de investigação começa a 20 de abril. Ciências ULisboa assegura a coordenação científica.

O aniversário da Ciências ULisboa será celebrado online com todos aqueles que se puderem juntar a 22 de abril no Facebook da Faculdade. A celebração incluirá a tradicional mensagem de Luís Carriço, diretor da Faculdade; as distinções e prémios atribuídos a alunos, professores e funcionários; entre outras surpresas e desafios, que serão partilhados nos próximos dias nas redes sociais. Fique atento e participe!

Imagem artística da precessão de Schwarzschild

Observações levadas a cabo pelo Very Large Telescope (VLT) do European Southern Observatory (ESO), situado no deserto chileno do Atacama, revelam pela primeira vez que a S2, uma das estrelas em órbita do buraco negro supermassivo, situado no centro da Via Láctea, se desloca tal como previsto pela Teoria da Relatividade Geral de Einstein.

Livro e caneta

Mais um artigo da equipa do GAPsi Ciências ULisboa, desta vez da psicóloga Bruna Francisco, que deixa uma questão em forma de desafio: “O que tens descoberto sobre ti, durante esta quarentena?”.

Fotografia de peixe do género Squalius em Portugal

O projeto “Acaso ou maldição? As consequências da hibridação num mundo em mudança”, premiado recentemente com uma bolsa Young Investigator pelo Human Frontier Science Program (HFSP), no valor de cerca de 1,1 milhões de euros, vai procurar responder a esta grande questão da Biologia, nos próximos três anos, de acordo com comunicado de imprensa emitido recentemente.

Maria de Sousa

Maria de Sousa, imunologista, professora emérita da Universidade do Porto e do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar e investigadora honorária do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde, faleceu durante a madrugada de dia 14 de abril. A Faculdade lamenta o triste acontecimento, apresentando as condolências aos familiares, amigos e colegas.

Imagem de uma figura feminina

Cláudio Pina Fernandes, coordenador do GAPsi Ciências ULisboa, escreve sobre a complexidade das emoções e alerta: "é importante termos estratégias que nos permitam regulá-las".

Navio oceanográfico alemão Meteor

“Pela 1.ª vez foi possível realizar um estudo completo e sistemático ao longo de um segmento da fronteira de placas Açores/Gibraltar”, diz João C. Duarte, professor do Departamento de Geologia (DG) da Ciências ULisboa, investigador do Instituto Dom Luiz (IDL) e um dos membros da equipa portuguesa presente na campanha oceanográfica M162 – GLORIA FLOW.

Páginas