Poluição por plásticos

Das zonas estudadas, o estuário do Tejo apresentou a maior abundância de microfibras

EVOA Paulo Valdivieso

Scripta manent. O que se escreve, fica, permanece.


Pedro M. Lourenço a anilhar em Vasa Sacos
Imagem cedida por PML

Há cinco anos o biólogo marinho Pedro M. Lourenço encontrou microfibras em dejetos de aves. Foi nessa ocasião que surgiu a ideia de avaliar a abundância de microplásticos nos estuários, iniciando assim um estudo sobre a poluição por plásticos.

O investigador do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM) começou por fazer uma amostragem dirigida ao tema. Mais tarde, em 2013/2014, surgiu a oportunidade de ter uma aluna de mestrado dedicada a tempo inteiro ao assunto.

Catarina Serra Gonçalves após concluir a licenciatura em Biologia em Ciências, em julho de 2012, iniciou o mestrado em Biologia da Conservação, possibilitando dessa forma a amostragem aprofundada.

Quando os cientistas perceberam que seria importante determinar a composição química das fibras estabeleceram contacto com Joana Ferreira, investigadora da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, que auxiliou na análise espectroscópica das fibras.

A equipa do CESAM trabalha sobretudo com ecologia de aves costeiras e marinhas. Neste estudo sobre a poluição de plásticos no estuário do Tejo e em duas zonas costeiras da África Ocidental - o Banc d’Arguin na Mauritânia e o arquipélago dos Bijagós na Guiné-Bissau -, Pedro M. Lourenço e Catarina Gonçalves fizeram a maior parte do trabalho de campo, análise laboratorial e de dados.


Catarina Serra Gonçalves durante um estágio de conservação de tartarugas de água doce na Amazónia
Fonte Ana Romero

Atualmente, Catarina Serra Gonçalves prepara-se para começar o doutoramento na Universidade da Tasmânia, na Austrália. O seu projeto visa identificar os padrões de distribuição de micro e macro plástico ao longo da costa australiana, seguindo um pouco o estudo iniciado durante o mestrado em Ciências, de forma a definir hotspots de poluição marinha.


Saida noturna de Anfibios em Sintra
Fonte Diogo Cabecinha

Quando ingressou no ensino superior, a primeira opção de Catarina Serra Gonçalves foi Biologia, em Ciências. Gostou bastante dos professores e na sua opinião, quer a licenciatura, quer o mestrado deram boas bases de conhecimento teórico e prático. “Tem uma panóplia elevada de equipas de elevado nível científico e especializadas em variados temas”, conta a jovem que se interessou pelo estudo da ecologia e da conservação de aves marinhas e de limícolas, e que teve como orientadores de mestrado, Pedro M. Lourenço e José Pedro Granadeiro. “O que me interessou foi estudar um tema com elevada importância para a conservação da biodiversidade, acabei assim por divergir para estudar a poluição nos ecossistemas estuarinos e nas suas comunidades”, conclui acrescentando que “a publicação do artigo é um alerta para este problema e para as várias implicações destas partículas na biodiversidade”.

Para Pedro M. Lourenço as principais dificuldades deste trabalho estão relacionadas com o processamento das amostras de sedimento, que é “muito moroso e requer uma paciência razoável” e com a recolha das amostras nas zonas entremarés do estuário, que implica “longas caminhadas em lama”. Já a principal alegria passou por ver “o trabalho levado a bom porto”, quer na forma da tese que a Catarina Serra Gonçalves defendeu em 2016, quer com a publicação do artigo.

No passado dia 8 de agosto, a Science Direct divulgou “Plastic and other microfibers in sediments, macroinvertebrates and shorebirds from three intertidal wetlands of southern Europe and west Africa”, que apresenta os principais resultados deste trabalho e que contou também com a colaboração de Teresa Catry e José Pedro Granadeiro, ambos docentes do Departamento de Biologia Animal de Ciências. No próximo mês de dezembro o artigo será publicado, no volume 231, na Environmental Pollution.

Das zonas estudadas, o estuário do Tejo apresentou a maior abundância de microfibras. Os investigadores concluíram que todas as espécies de invertebrados e de aves analisadas ingerem microfibras e que estes poluentes propagam-se nas cadeias alimentares. Os cientistas alertam para o facto de alguns estudos laboratoriais mostrarem que a ingestão de microplásticos pelos animais pode causar distúrbios fisiológicos; e que os dois bivalves estudados no Tejo - a lambujinha e o berbigão - são consumidos pelo homem, que pode assim ingerir estes poluentes inadvertidamente, aconselhando a monitorização deste potencial problema.

“Atualmente temos vários projetos em curso sobre as aves marinhas e suas interações com outros organismos nos mares do arquipélago da Madeira, assim como um projeto (ainda em fase de planeamento) sobre a comunidade de aves limícolas do arquipélago dos Bijagós, na Guiné-Bissau. Este trabalho foca-se sobretudo em temas como a dieta, seleção de habitat, distribuição das aves e interações com as presas das aves e terá uma componente sobre poluição, não só por plásticos mas também por metais pesados.”
Pedro M. Lourenço

Birds of the World - Learn about a different bird species everyday!

Ana Subtil Simões, Área de Comunicação e Imagem de Ciências
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Estuários de plástico

Estudo da UCL e do CFTC Ciências ULisboa pode ser útil no controlo de ecossistemas microbióticos e no desenvolvimento de dispositivos médicos. Entrevista com Nuno Araújo e Vasco Braz, autores do artigo publicado na Nature Communications.

A propagação de bactérias perto de superfícies é fortemente influenciada pela presença de obstáculos. Investigadores da University College London, no Reino Unido e do Centro de Física Teórica e Computacional da Ciências ULisboa publicaram recentemente um estudo na revista Nature Communications, cujos resultados contribuem para o conhecimento de uma das áreas mais ativas da Física da Matéria Condensada - o estudo de matéria ativa em ambientes complexos.

"Quando há 50 anos, em julho de 1969, astronautas norte-americanos (missão Apollo 11) pousaram pela primeira vez na Lua as suas impressões registaram uma imensa desolação. O ambiente, sem vida ou atmosfera, que aí foram encontrar quadrava bem com o nome atribuído à grande planície crivada de crateras onde haviam chegado: o Mar da Tranquilidade." Crónicas em Ciências com Luís Tirapicos.

No passado dia 4 de outubro ocorreu um incidente num laboratório do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE), em Ciências ULisboa.O edifício foi evacuado e dado o alerta para os meios externos de socorro, que em articulação com o sistema de segurança da Faculdade rapidamente controlaram a ocorrência.Não houve qualquer vítima, nem danos materiais a registar.

Investigação liderada por cientistas do polo da Ciências ULisboa do MARE revela como os mutualismos de limpeza marinhos lidam com o aquecimento e acidificação dos oceanos. José Ricardo Paula, primeiro autor do artigo publicado recentemente na revista Scientific Reports do grupo Nature, está inscrito no doutoramento de Biologia - especialidade de Biologia Marinha e Aquacultura e sempre foi apaixonado por comportamento animal, cooperação e mutualismos - especialmente debaixo de água.

"Fomos os mais rápidos, mas não conseguimos trazer o troféu para casa. Não importa, a jornada já foi o próprio prémio." Crónicas em Ciências com o professor Hugo Ferreira. O tema em foco é a competição internacional de estudantes universitários SensUs e a equipa da ULisboa que competiu ao lado de outras 13, provenientes de universidades da Europa, América do Norte, China e Egito.

Ciências ULisboa e a Maxdata Software apresentam a 26 de setembro, entre as 14h00 e as 17h45, na sala de atos, no edifício C6, no campus da Faculdade, os principais resultados do RESISTIR. O projeto visa apoiar e implementar novos sistemas de medicina preditiva, personalizada, preventiva e participativa e insere-se num consórcio que junta o BioISI, o LaSIGE; entidades empresariais na área de eHealth e diversas instituições de saúde.

Um grupo de investigadores da ULisboa está cada vez mais perto de conseguir criar um processo economicamente viável de reciclagem do dióxido de carbono responsável pelo efeito de estufa. Paulo N. Martinho, investigador de Ciências ULisboa, coordenou este trabalho, que dada a relevância dos resultados obtidos foi capa recentemente de uma das edições da conceituada revista Chemistry – A European Journal.

Rebecca Bell, professora do Imperial College London, no Reino Unido, é a oradora da palestra do distinguished lecturer programme do European Consortium for Ocean Research Drilling (ECORD), coorganizada pelo Instituto Dom Luiz Ciências ULisboa. A especialista em Tectónica irá falar sobre um novo tipo de sismos, os chamados sismos lentos.

Um grupo de investigadores do Grupo de Fala e Linguagem Natural (NLX) do Departamento de Informática de Ciências ULisboa visitou, em julho passado, o Laboratório de Inteligência Artificial da Lenovo, no âmbito de um projeto de intercâmbio científico, coordenado por António Branco, professor do DI e coordenador do NLX.

FRISK visa descobrir as rotas predominantes de chegada dos novos peixes não indígenas através da utilização integrada de ferramentas moleculares, modelação espacial, seguimento dos movimentos dos peixes e ciência cidadã. Leia a crónica de Filipe Ribeiro, investigador principal do projeto e do polo de Ciências ULisboa do MARE.

Ciências ULisboa continua a ser uma referência no ensino superior, preenchendo a totalidade das vagas na 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso ao ensino superior. Leia o artigo de Pedro Almeida, subdiretor da Faculdade.

A maior conferência Android do mundo, com 11 anos de existência e presente em mais de 25 cidades por todo o mundo, - Droidcon Lisboa 2019 - realiza-se pela primeira vez em Portugal nos dias 9 e 10 de setembro, no campus de Ciências ULisboa.

A equipa LxUs integra alunos das faculdades de Ciências e de Farmácia da ULisboa e é a primeira a representar Portugal no SenSus. Os estudantes desenvolveram biossensores para medição dum fármaco biológico, utilizado para tratar doenças como a artrite reumatoide. Grande parte da equipa é da área da Engenharia Biomédica e Biofísica.

“O meu estágio foi muito desafiante”, conta Marissa Verhoeven, estudante de Biologia Aplicada na Holanda, após a experiência no projeto de permacultura experimental da HortaFCUL. Na crónica sobre esta experiência partilha os resultados da sua investigação sobre a produção e o uso do vermicomposto, bem como um livro infantil sobre a importância das abelhas.

Paula Simões ora leciona e orienta alunos, o que geralmente ocupa grande parte das suas manhãs ou tardes, ora ocupa o restante tempo com outras atividades como é exemplo o projeto “Cigarras de Portugal – Insetos Cantores”, no âmbito do qual os cidadãos são desafiados a estarem atentos aos sons das cigarras!

O professor de Ciências ULisboa Tiago Guerreiro é um dos novos editores chefes da Association for Computing Machinery (ACM) Transactions on Accessible Computing (TACCESS).

Grupo de investigadores e responsáveis de instituições de investigação escreveram uma carta aberta de protesto sobre decisão do Tribunal de Justiça Europeu sobre genoma.

Francisco Pina Martins, Adrià López-Baucells e Inês Gomes Teixeira são os vencedores do Prémio de Doutoramento em Ecologia 2019. Os trabalhos galardoados serão apresentados durante o 18.º Encontro Nacional de Ecologia, que se realiza em simultâneo com o 15.º Congresso Europeu de Ecologia, entre 29 de julho e 2 de agosto em Ciências ULisboa.

"É um erro pensarmos que uma boa equipa de I&DE só deve ser construída com os mais espertos: de facto, é o coletivo, constituído com pessoas que trazem uma gama variável de perspetivas (pontos de vista) para um problema, que obtém os melhores resultados", in no Campus com Helder Coelho.

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço e o Museu da Presidência da República celebram os 50 anos da chegada à Lua.

Professores de todo o país vão estar reunidos no maior evento de formação acreditada na área do ensino das ciências realizado em Portugal. O VI Encontro Internacional da Casa das Ciências acontece entre os dias 10 e 12 de julho, no campus de Ciências ULisboa.

Tal como sucedeu em edições anteriores, vários professores e investigadores de Ciências ULisboa participam no Ciência 2019 - Encontro com a Ciência e Tecnologia em Portugal, que decorre em Lisboa até 10 de julho.

Mara Gomes, aluna do 2.º ano do mestrado em Ciências do Mar participou no cruzeiro oceanográfico RV Polarstern em junho passado, sob o lema “Changing Oceans – Changing Future”. “Mara Gomes teve a dupla experiência de participar como cientista e de ensinar os alunos do programa POGO”, conta Vanda Brotas, professora do Departamento de Biologia Vegetal e investigadora do polo de Ciências ULisboa do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE).

As classificações excelente e muito bom destacaram-se na avaliação feita aos centros de investigação afetos a Ciências ULisboa. Para os próximos quatro anos, Ciências ULisboa pretende continuar a sua aposta na investigação de excelência, agora com um pouco mais de fundos (um acréscimo de mais de quatro milhões de euros).

Páginas