FCUL no mundo

“Vão e desfrutem de cada dia”

Rosto de Vera Carvalho
Cedida por Vera Carvalho

Vera Carvalho é aluna do mestrado de Bioinformática e Biologia Computacional da FCUL. Em agosto de 2011, a vontade de querer algo mais para além daquilo que o país lhe estava a proporcionar levou-a a embarcar na aventura Erasmus. O destino foi a Dinamarca, mais precisamente a Arhus Universitet. Depois do período de estudos neste programa, Vera deu continuidade ao desafio a que se propôs e ingressou num período de estágio na Kubenhavn Universiete, onde ainda se encontra.

Se em três palavas pudesse descrever a experiência que tem vivido, optaria por “diferente”, “mais” e “melhor”.
Quando questionada sobre a influência deste marco na sua vida profissional futura, não hesitou em citar a fundadora do programa Erasmus, Sofia Corradi: “quando os alunos voltam do intercâmbio (...) são pessoas diferentes, têm algo mais”, e isso é algo que muitas entidades empregadoras valorizam”. A experiência tem vindo a conquistá-la e, para já, o regresso ao país de origem não faz parte dos planos.

Fique a saber mais sobre a aventura além-fronteiras desta aluna da FCUL, na entrevista que se segue
Para mais informações sobre o programa Erasmus, bem como os restantes programas de mobilidade, basta consultar o portal da FCUL. No presente ano letivo, as inscrições para este programa terminam já no dia 10 de fevereiro.

Fonte: Cedida por Vera Carvalho
Legenda: A aluna da FCUL viajou até à Dinamarca, em 2011, para desenvolver um período de estudos e aqui permanece. Agora, em período de estágio

FCUL - O que despertou o interesse em ter uma experiência além-fronteiras?

Vera Carvalho (VC) - A novidade... Querer algo mais.

FCUL - A quem recorreu, dentro da FCUL e fora dela, para pedir informações e/ou conselhos sobre este assunto?

VC - Essencialmente ao portal da FCUL, ao gabinete de relações internacionais e a amigos que tinham amigos em Erasmus.

FCUL - Sempre soube para onde ir nesta aventura Erasmus ou a incerteza quanto ao destino também fez parte do roteiro?

VC - A minha decisão foi tomada com base nos rankings das (poucas) universidades com quem a FCUL tinha acordo e que tinham o mestrado em Bioinformática. Portanto, não, inicialmente não tinha nenhum destino em mente.

FCUL - Porquê estudar fora do país?

VC - Porque o meu país já me deu tudo o que tinha para dar. Estava na altura de obter mais.

FCUL - Como descreveria o país que a acolheu?

VC - Este país provoca dois tipos de reação: há pessoas que vêm, desfrutam do seu Erasmus, divertem-se imenso e fazem amigos, mas quando chega ao fim sabem que está na hora de ir para casa. Foi bom mas já chega. Depois há as pessoas que se adaptam. Que se começam a sentir em casa, e que encaram as contrariedades como um desafio. Essas pessoas ficam.

FCUL - Como é o dia-a-dia do estudante no local onde se encontra? Se em três palavras pudesse caracterizar a sua experiência, quais seriam?

VC - Há tempo para tudo. Há tempo para ir às aulas, há tempo para estudar e tirar boas notas, há tempo para sair até às tantas da manhã, ou beber um café depois de jantar. Sextas-feiras e sábados à noite ninguém fica em casa, o resto da semana é conforme vai apetecendo. Três palavras... Diferente, mais e melhor.

FCUL - Há alguma situação engraçada ou que a tenha marcado por qualquer outra razão que queira destacar?

VC - Não sei se isto é engraçado ou triste, mas a certa altura os amigos que se fazem em Erasmus conhecem-nos melhor que os amigos portugueses...

FCUL - De que tem mais saudades longe de terras lusas?

VC - Da comida. Do preço da comida. De poder dar um abraço a um amigo e ele não sentir o seu espaço pessoal invadido.

FCUL - Que importância julga ter esta experiência no seu percurso académico/profissional?

VC - É evidente que uma pessoa que tem formacão em locais diferentes, tem vantagem sobre uma pessoa que estudou toda a vida na mesma faculdade. É-se avaliado de outra maneira, há toda uma série de competências que são postas à prova. É necessária uma flexibilidade que não seria estimulada de outra forma.

FCUL - Julga que este marco da sua vida terá influência na sua vida profissional futura?

VC - Citando a professora Sofia Corradi, fundadora do programa Erasmus, “quando os alunos voltam do intercâmbio (...) são pessoas diferentes, têm algo mais”, e isso é algo que muitas entidades empregadoras valorizam.

FCUL - Qual a importância de ter uma experiência além-fronteiras no contexto da área científica em que estuda?

VC - Contactar com áreas de investigacão que nem se sabia que existiam. Quando uma pessoa está confinada à sua universidade, tem tendência para pensar que o que se passa no resto do mundo é aquilo que os professores lhes contam. A verdade é que há muito mais, e a menos que se seja leitor assíduo de revistas científicas que abranjam um largo espectro de temas, não se tem noção da diversidade de investigacão que anda a ser feita.

FCUL - Que conselhos deixa aos seus colegas que queiram ter uma experiência Erasmus ou àqueles que ainda tenham dúvidas?

VC - Vão sozinhos, não tenham medo, não tenham expectativas. Vão e desfrutem de cada dia, sem pensar no dia de voltar para casa.

FCUL - Que dicas lhes dá caso queiram embarcar nesta aventura?

VC - Informem-se bem sobre a Universidade para onde tencionam ir. Verifiquem se há ajuda na questão do alojamento, se há eventos de boas-vindas aos novos alunos, etc.. Tudo isto é muito importante quando se chega a um país novo.

FCUL – Continua nesta aventura do Erasmus… Que verbo julga vir a aplicar quanto ao seu futuro próximo: regressar ao país de origem ou ficar no estrangeiro?

VC - Ficar no estrangeiro.

Raquel Salgueira Póvoas, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura da FCUL
info.ciencias@fc.ul.pt
grande auditório da Faculddade com pessoas

O livro “ESPRESSO: Uma Aventura no Deserto de Atacama”, da autoria dos cientistas Alexandre Cabral  e Nuno Cardoso Santos, foi apresentado ao público numa cerimónia ocorrida no grande auditório da Faculdade no passado dia 14 de maio. A obra bilingue e gratuita dá a conhecer a aventura tecnológica e humana da construção do ESPRESSO, com fotografias e memórias criadas no deserto mais seco no mundo, no Chile.

logotipo radar

Vigésima terceira rubrica Radar Tec Labs, dedicada às atividades do Centro de Inovação da Faculdade. A empresa em destaque é a NBI – Natural Business Intelligence.

pessoas observam a exposição

“De Lisboa para os Trópicos” é o nome da mais recente exposição da Ciências ULisboa, patente no átrio do edifício C6 desde 21 de abril e que vai estar em exibição até ao próximo dia 21 de junho. A mostra itinerante de fotografias assinala o 2.º aniversário do Colégio Tropical, uma unidade transversal da ULisboa.

Logotipo CHI 2022

A principal conferência internacional dedicada aos fatores humanos em sistemas computacionais distinguiu com a classificação de melhor apresentação 25 papers, destaque para o paper "Investigating the Tradeoffs of Everyday Text-Entry Collection Methods" sobre as vantagens e desvantagens de vários métodos de introdução de texto.

Margarida Amaral

Margarida Duarte Amaral dirigiu o Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (BioISI) durante oito anos. Esta entrevista é sobre o passado, o presente e o futuro e como “o todo é maior do que a simples soma das suas partes”.

pin sobre palavra credit

Conceição Freitas, presidente do Conselho Científico da Ciências ULisboa, escreve sobre a prestigiante subida da ULisboa no Center for World University Rankings e no SCImago Institutions Rankings.

4 fotografias da envolução do terreno

Life Ribermine é o nome de um projeto ibérico responsável pelo restauro geomorfológico de minas em Portugal e Espanha. A  Associação Centro Ciência Viva do Lousal, da qual Ciências ULisboa é associada fundadora, é o único parceiro português do projeto.

Saco com logotipo da jobshop em destaque

A XII edição da Jobshop Ciências 2022 - a feira anual de emprego da Ciências ULisboa realiza-se nos próximos dias 11 e 12 de maio, no campus da Faculdade, no Campo Grande. Cerca de 80 entidades participam nesta edição e poderão contactar diretamente os estudantes, graduados e pós-graduados da Faculdade em stands, workshops e sessões de recrutamento. Além de empresas, também participam no acontecimento unidades de I&D da Faculdade.

Vários edificos - imagem com duas cores

Com foco na posição de Portugal em comparação com os restantes países europeus, a rubrica "Dados Contados" abordou temas como educação, desigualdade salarial, direitos LGBTQ+, impostos e imigração, entre outros, através de diversos indicadores estatísticos. Durante toda a produção, a autenticidade das fontes e a correta representação dos dados foram as duas principais preocupações.

duas pessoas a fazerem uma experiencia, e um monitor do Dia Aberto ao fundo a observar

Depois de duas edições com atividades online, o Dia Aberto em Ciências regressa este ano às atividades presenciais. A investigação científica e o ensino vão estar no centro da programação, abrangendo todas as áreas científicas. São mais de 70 as atividades disponíveis, entre visitas a laboratórios, atividades científicas, palestras, speed dating com cientistas, visitas ao campus e conversas rápidas sobre os cursos.

Henrique Leitão e Gracinda Gomes

Os cientistas da Faculdade foram eleitos sócios honorários da Sociedade Portuguesa de Matemática (SPM), juntamente com outras quatro personalidades, duas delas da ULisboa. Atualmente a SPM tem nove sócios honorários.

Jaime A. S. Coelho, professor convidado do Departamento de Química e Bioquímica e investigador do polo desta faculdade do Centro de Química Estrutural, foi distinguido pela Sociedade Portuguesa de Química (SPQ) com o Prémio para Melhor Químico Orgânico Jovem 2021.

Alunos na biblioteca do C8

Os artigos da revista Astronomy & Astrophysics (A&A), uma das principais revistas científicas de Astronomia do mundo, já são publicados em acesso aberto, através do subscribe-to-open (S2O), um modelo de ciência aberta por assinatura.

5 quitones

Artigo científico publicado no Journal of Paleontology dá conta da descoberta em Portugal de duas novas espécies de moluscos marinhos do Pliocénico (há cerca de 3,6 Ma) . O cientista Carlos Marques da Silva é um dos autores deste trabalho.

pessoa a ver uma fotografia da exposição

Crónica sobre a exposição “De Lisboa para os Trópicos”, da autoria de Rúben Oliveira e Teresa Vaz, curadores da mostra e que a partir de 21 de abril e até 21 de junho vai estar em exibição no átrio do edifício C6, no campus da Faculdade.

Cinco oradores e vários alunos a assistir

A Matemática une. O tema das comemorações do Dia Internacional da Matemática 2022 reflete o espírito de quem organiza atividades de divulgação científica, na Faculdade e fora dela, e também de quem participa. Fique a par das atividades do IDM, e conheça a opinião de estudantes e professores.

Logotipo das comemorações do Dia da Faculdade

Após dois anos a comemorar um aniversário de forma remota, em 2022, a comunidade da Faculdade volta a reunir-se no grande auditório da Ciências ULisboa para celebrar os 111 anos da instituição, criada por decreto a 19 de abril de 1911. A cerimónia comemorativa acontece no próximo dia 27 de abril, a partir das 14h00.

Logotipo da olimpíadas

A semifinal das Olimpíadas de Química Mais (OQ+) e a semifinal das Olimpíadas de Química (OQ) Júnior acontecem, respetivamente, nos próximos dias 30 de abril e 7 de maio, no campus da Faculdade. Professores e estudantes do Departamento de Química e Bioquímica colaboram em ambos os eventos.

Mercado de Santa Clara

"A sustentabilidade económica e escalabilidade dos sistemas agroecológicos é um objetivo difícil de atingir, mas sem dúvida necessário", escreve Inês Costa Pereira, da equipa da Caravana AgroEcológica, a propósito do 4.ª Dia Aberto de Produtores.

Unidade de colimação

O grupo de Instrumentação do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço  produziu nos laboratórios da Ciências ULisboa uma peça essencial para o sucesso da missão espacial PLATO, designada unidade de colimação. Segundo notícia publicada no site do IA, duas delas já estavam previstas no âmbito do consórcio, a terceira acontece por encomenda direta da Agência Espacial Europeia.

Barco

Eduardo Sampaio, aluno de doutoramento da Faculdade, participou num documentário em Cabo Verde a bordo de um barco chamado Captain Darwin, como conta nesta crónica. Este mês a Science também publica uma carta da sua autoria, a propósito de uma das aventuras vividas durante parte desta viagem.

José Ribeiro, Pedro Machado e João Dias

Um estudo do IA Ciências ULisboa analisa observações da luz infravermelha dos planetas Vénus, Marte e Júpiter comparando-as com simulações do Planetary Spectrum Generator. Artigo inclui entrevista com o autor principal do artigo, alumnus da Faculdade.

Musaranho

O musaranho-de-dentes-brancos (Crocidura russula) está em expansão na Europa e foi identificado como tendo um carácter invasor em algumas ilhas, nomeadamente na Irlanda.Segundo comunicado de imprensa pulicado esta segunda-feira no EurekAlert!, a descoberta é feita por um grupo de investigadores do CESAM Ciências ULisboa e do Institute of Environmental Biology da Adam Mickiewicz University, na Polónia.

Mesa de trabalho com computador e utilizador

O redesenho do portal é um projeto da responsabilidade da Direção, Direção de Serviços Informáticos, Gabinete de Gestão de Informação e Departamento de Informática (DI). No âmbito desta iniciativa, Carlos Duarte, professor do DI Ciências ULisboa e membro da equipa, convida os utilizadores do portal a participar num breve estudo.
 

ETAR

A eficiência de remoção da carga do vírus responsável pela COVID-19 nos processos de tratamento das águas residuais em Estações de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) é uma das conclusões mais relevantes do projeto de investigação SARS Control.

Páginas