Missão científica pós-tsunami na Indonésia

Wani na Indonésia

Destroços do tsunami de 28 de setembro de 2018, na aldeia de Wani, na Indonésia

MW
Benteng, na costa oeste da bacia de Palu
Martin Wronna a medir a altura das escarpas, resultantes do deslizamento de terra aquando do tsunami em Benteng, na costa oeste da bacia de Palu
Fonte RO

No dia 6 de novembro de 2018, pouco mais de um mês depois do sismo e tsunami que atingiram a Baía de Palu na Indonésia, Martin Wronna e Rachid Omira, investigadores do Instituto Dom Luiz de Ciências ULisboa e IPMA, fizeram as malas e partiram para o local do desastre, que tirou a vida a mais de 2000 pessoas e causou a deslocação a outras 80 000. Foram em missão científica, integrados numa equipa internacional de peritos, constituída logo após o tsunami. Durante cinco dias e antes que o tempo apagasse as marcas da água e a memória dos testemunhos, a equipa percorreu as zonas mais afetadas, fez medições e falou com as populações locais.

O objetivo da missão era claro: melhorar a caracterização do tsunami de dia 28 de setembro de 2018, de modo a desenvolver técnicas e programas de mitigação destes fenómenos naturais. Mas como se organiza uma expedição científica que reúne investigadores de vários pontos do mundo num local ainda tão fragilizado? Depois de muitas reuniões, visualizações de vídeos de testemunhos e modelações computacionais, definem-se os locais a estudar, os parâmetros a medir e as tecnologias a utilizar no terreno. As autoridades e cientistas locais desempenham um papel fundamental na operacionalização dos trabalhos. Foram eles que, de 6 a 11 de novembro de 2018, acompanharam Martin Wronna, Rachid Omira e o resto da equipa nos locais mais afetados pelo tsunami na Baía de Palu. Martin Wronna descreve-nos um dia típico nesta missão: “Começávamos por tomar o pequeno-almoço e reunir toda a equipa, traçando os objetivos do dia. Partíamos depois, de carro com os cientistas locais, para o terreno, procurávamos testemunhos e fazíamos medições das marcas de passagem do tsunami na costa, por exemplo, inundações em casas, deslocações de terra, detritos. De seguida, partíamos para um outro local e repetíamos o mesmo processo.” No total, a equipa de peritos fez medições em 80 locais diferentes, medindo em média cinco a dez pontos por dia, consoante a dificuldade nos acessos às localidades.

Kabonga Besar
Rachid Omira a medir as marcas de água, numa casa atingida pelo tsunami em Kabonga Besar, na costa oeste da baía de Palu
Fonte MW

Martin Wronna e Rachid Omira regressaram a casa no dia 11 de novembro de 2018 e os dados recolhidos na baía de Palu começaram a ser introduzidos nos modelos computacionais em que trabalham. Estes modelos serão cruciais para ajudar a compreender o que se passou no dia 28 de setembro e responder a questões que ainda não foram clarificadas pela comunidade científica, como por exemplo quais os mecanismos geradores deste tsunami. Rachid Omira conta-nos quais são os passos que se seguem nesta missão: “Iremos publicar os dados recolhidos na Indonésia para que todos possam usufruir dos mesmos e de seguida reproduzir a inundação do tsunami com modelos computacionais. Esperamos que estes sirvam no futuro para melhorar, por exemplo, os sistemas de alarme de tsunami na costa.”

Marta Aido, IDL com ACI Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Aluna junto a uma das colunas do átrio do C6

A mostra pictrica da atividade cientfica da FCUL inaugurada a 13 de maro. Conhea as razes pelas quais deve visitar a exposio.

O que são líquidos iónicos? Num dos primeiros programas do ano, o Com Ciência entrevistou o professor e investigador da FCUL, Carlos Nieto de Castro sobre esta classe de solventes.

Desenho de uma figura masculina

A data de lanamento do livro ainda no pblica, mas o evento dever ocorrer brevemente, na Faculdade de Belas-Artes da UL.

Ontem evocou-se o Dia das Doenças Raras. A fibrose quística é um desses males incomuns. A investigação científica é importante em todos os setores, mas ganha especial sentido em áreas como esta.

Cerca de 20 professores de Cincias da Natureza e Cincias Naturais de nove concelhos portugueses participam na atividade promovida pelo MNHNC-UL a decorrer at abril.

Imagem de um folheto promocional

A FCUL volta a marcar presena no evento, juntamente com outras unidades orgnicas da UL.

Fotografia com pontos de interrogação

Alunos finalistas aconselham Engenharia da Energia e do Ambiente. Testemunhos de Guilherme Gaspar e Ricardo Leandro.

Fotografia de mesa com cinco pessoas sentadas, na Reitoria da UL

A rede pretende formalizar colgios doutorais em reas transversais. Opinio de Maria Amlia Martins-Louo.

Fotografia de pessoas sentadas num dos anfiteatros da FCUL

A iniciativa acontece a 17 de maro e organizada pelos Departamentos de Fsica e de Informtica.

Fotografia de Dois voluntários, sentados junto a uma banca no átrio do C5

Em fevereiro esto abertas inscries para a admisso de novos voluntrios.

A FCUL participa em "Programa de Estudos Avanados" com mais quatro instituies universitrias portuguesas e brasileiras.

Fotografia de alunos procuram informações junto a uma banca no átrio do C3

Vale a pena recordar a iniciativa do Gabinete de Mobilidade, Estgios e Insero Profissional da FCUL.

Fotografia de alunos a andarem, junto ao C8

A primeira edio do curso realiza-se j em 2012.

Outra forma de fazer turismo.

Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25.Artigo de investigadores do CeGUL e docentes do GeoFCUL no Top 25

O Encontro decorreu em Junho no GeoFCUL.

Páginas