Cientistas estudam mortalidade da fase larvar da sardinha

Larva de sardinha

Imagem cedida pelos autores do estudo

Susana Garrido liderou a investigação

Cada fêmea de sardinha emite aproximadamente 20.000 óvulos por semana. Apesar da grande fecundidade da espécie, uma parte muito significativa das larvas de sardinha morrem logo após a fase de ovo - independentemente do alimento disponível e na ausência de predadores - e as que nascem mais pequenas não têm qualquer hipótese de sobrevivência.

Estes são os resultados de um trabalho realizado no âmbito do projeto de investigação VITAL, ocorrido entre 2010 e 2014, liderado por Susana Garrido, na época investigadora de pós-doutoramento de Ciências ULisboa, atualmente a desenvolver a sua atividade profissional no Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Outros investigadores já haviam estudado o assunto, mas a maioria desses trabalhos centraram-se nas causas ambientais desta mortalidade, como a falta de alimento e a predação das larvas. Neste trabalho, os cientistas estudaram a mortalidade da fase larvar da sardinha, procurando determinar se fatores intrínsecos, como o tamanho com que as larvas eclodem - relacionado com fatores genéticos ou maternais -, influenciam a viabilidade das larvas.

“Num contexto de alterações climáticas, em que o aumento da temperatura influencia as taxas metabólicas e consequentemente o tamanho à eclosão das larvas, esta mortalidade seletiva pode ter importantes consequências na dinâmica destas populações com elevado interesse económico”
Susana Garrido

Born small, die young: Intrinsic, size-selective mortality in marine larval fish” - da autoria de Susana Garrido, Radhouan Ben-Hamadou, Miguel Santos, Susana Ferreira, Alexandra Teodósio, Unai Cotano, Xabier Irigoien, Myron Peck, Enric Saiz e Pedro Ré - , apresenta os resultados desta investigação e foi publicado online na Scientific Reports, a 24 de novembro de 2015.


Ovos de sardinha
Imagem cedida pelos autores do estudo

Susana Garrido liderou a investigação e desenhou as experiências em colaboração com o investigador do IPMA, Miguel Santos e o professor de Ciências ULisboa, Pedro Ré, contando ainda com a colaboração dos consultores do projeto – o professor da Universidade de Hamburgo, Myron Peck e o investigador do CSIC Barcelona, Enric Saiz.

Os autores do artigo estudaram larvas cultivadas em laboratório, em particular nas instalações do Oceanário de Lisboa, onde um cardume de sardinhas foi mantido em condições controladas desovando frequentemente e também em larvas recolhidas no mar, nomeadamente na Baía da Biscaia. Susana Garrido colabora há vários anos com investigadores do AZTI, no País Basco, estudando a ecologia de larvas de peixes pelágicos. Unai Cotano e Xabier Irigoien, investigadores do AZTI, foram responsáveis pela colheita das larvas no mar.

MODELA > VITAL

O projeto VITAL liderado por Ciências ULisboa, em colaboração com o Oceanário de Lisboa e o CCMAR, surge na sequência do projeto MODELA, liderado pelo IPMA. Ambos foram financiados pela FCT. O primeiro visou modelar a fase larvar da sardinha ao largo da costa continental portuguesa com o intuito de compreender as principais causas de mortalidade nesta fase. O segundo procurou obter parâmetros reais da variação da sobrevivência e crescimento das larvas em função dos fatores ambientais.

Pedro Ré coordenou o trabalho experimental dedicado à análise de otólitos, realizado maioritariamente pela bolseira Susana Ferreira, orientada por Susana Garrido e pela professora Alexandra Teodósio do Centro de Ciências do Mar da Universidade do Algarve (CCMAR). A análise estatística e a apresentação gráfica dos resultados foram realizadas por Radhouan Ben-Hamadou, presentemente na Universidade do Qatar.

O grupo continua os estudos nesta linha de investigação. Querem aprofundar o conhecimento da ecologia dos peixes pelágicos, nomeadamente as causas das variações da abundância e distribuição da sardinha, especialmente da fase larvar. Desta forma também esperam conseguir uma melhor gestão destes recursos.

“Uma vez que o stock ibérico de sardinha se encontra nos mínimos históricos de abundância, torna-se essencial avançar no conhecimento da sua ecologia, permitindo no futuro uma abordagem ecológica à sua gestão”, conclui Susana Garrido.


Larva de sardinha
Imagem cedida pelos autores do estudo

 

Ana Subtil Simões, Gabinete de Comunicação, Imagem e Cultura de Ciências ULisboa
info.ciencias@ciencias.ulisboa.pt
Equipa do projeto 'Ciências em Harmonia'

Esta terça-feira, 28 de maio, o projeto ‘Ciências em Harmonia’ assinalou o seu primeiro ano de atividades: um marco comemorado com um convívio informal com a comunidade, que

António Branco

António Branco, docente do Departamento de Informática de CIÊNCIAS, foi um dos oradores convidados da conferência que

Sabemos que no futuro um sismo de magnitude significativa voltará a atingir Lisboa. Não sabemos é quando. E se o pudéssemos prever? E se existisse uma probabilidade forte de ser já em 2027?

Ana Santos, finalista 3MT ULisboa

Ao longo dos próximos dias, daremos a conhecer os quatro finalistas de CIÊNCIAS que irão participar na final da competição

Painel e sessão de Perguntas & Respostas | Estreia de documentário

Perto de 120 pessoas assistiram este sábado, 25 de maio, à estreia do documentário ‘O que se esconde na luz? A ciência da missão espacial Euclid’, produzido pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA).

Investigadores do Instituto Dom Luiz, de CIÊNCIAS, instalaram um sismómetro na Escola Básica Professor Delfim Santos, que se encontra a menos de um quilómetro do Estádio da Luz, em Lisboa, onde vão ter lugar os concertos.

Banner Bênção de Finalistas & Queima das Fitas 2024

Este fim de semana a Alameda da Universidade de Lisboa vai voltar a encher-se de finalistas de CIÊNCIAS e de tantas outras faculdades e universidades. A cerimónia de Bênção de Finalistas decorre amanhã dia 25 de maio, a partir das 11h30.

 

3MT ULisboa 2024

Quatro dos doze finalistas da competição ‘Três Minutos de Tese – Universidade de Lisboa’ são de CIÊNCIAS.

Pinguins-de-adélia

Num artigo agora publicado na Science, investigadores de instituições de renome a nível mundial propõem uma estratégia para envolver todas as partes interessadas na governança do Oceano Antártico através de um processo de ordenamento do espaço marinho (OEM) inteligente do ponto de vista climático.

Impressão artística da missão Euclides no espaço.

A 25 de maio (sábado), às 21h00, vamos ver e compreender as novas imagens de entre as maiores alguma vez feitas do Universo, no Grande Auditório de CIÊNCIAS (Edifício C3). A entrada é livre.

Redes Doutorais Marie Curie Projeto PROMOTE

CIÊNCIAS vai participar numa das propostas vencedoras do concurso 2023 das Redes Doutorais de Ações Marie Skłodowska-Curie (MSCA DN).

Foto de entrega de prémio aos vencedores

No âmbito do projeto Invasives e como atividade inserida na

Dia Nacional dos Cientistas - 16 de maio

O Dia Nacional dos Cientistas foi instituído em 2016 por Resolução da Assembleia da República com o objetivo de reconhecer e celebrar a contribuição vital dos cientistas para o progresso da sociedade.

CIÊNCIAS e OKEANOS em parceria para monitorizar biodiversidade e alterações dos ecossistemas marinhos

Projeto internacional SEAGHOSTS visa a monitorização e conservação das populações de painhos, as aves marinhas mais pequenas do planeta.

Reitoria da ULisboa

O CWUR 2024 avaliou de entre 20.966 instituições de ensino superior e atribuiu à ULisboa o 211.º lugar (top 1.1%) e a 80.ª posição no panorama europeu.

Fotografia de participantes na Training School

CLEANFOREST na vanguarda da compreensão dos efeitos dos extremos climáticos e poluição nas florestas Europeias

Participantes no Dia Aberto

O campus ganhou vida, cor e energia proveniente do entusiasmo dos cerca de 2000 alunos de 170 escolas de norte a sul do País.

CIÊNCIAS esteve presente nesta edição, com a participação dos docentes do Departamento de Física: Alexandre Cabral, no painel de abertura “À conversa sobre carreiras espaciais” e

Semana Internacional da Compostagem

Uma das transformações necessárias às entidades que querem progredir pelo caminho da sustentabilidade é fecharem os seus ciclos de materiais, nomeadamente o orgânico.

A VicenTuna - Tuna da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa - completou 30 anos em janeiro de 2024. Para comemorar, realizou no dia 30 de abril de 2024, a Festa da Primavera, um espetáculo de música e divertimento dedicado à comunidade de CIÊNCIAS e ao público em geral.

Celebrações dos 50 anos do 25 de abril de 1974 da Academia das Ciências de Lisboa

A 9 de maio realiza-se a segunda de duas jornadas de debate académico e científico organizadas pela Academia das Ciências de Lisboa, que tem por objetivo ‘analisar e discutir a evolução do panorama científico português de forma prospetiv

Lançamento do projeto Barrocal-Cave marca um novo capítulo na Conservação da Biodiversidade em Portugal

O prestigiado Palácio Gama Lobo foi o cenário escolhido para o lançamento do projeto Barrocal-Cave, financiado pelo Prémio Fundação Belmiro de Azevedo 2023.

No passado dia 10 de abril, tivemos a honra de receber um grupo de estudantes e dois professores da Universidade de Leiden, na Holanda. Com um total de 40 estudantes, todos da área das bio farmacêuticas, a visita prometia ser entusiástica.

Páginas